História Caminhos do Coração ( JinKook KookJin) - Capítulo 30


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Seokjin (Jin)
Tags Bangtan, Bangtan Boys (BTS), Jinkook, Kookjin
Visualizações 65
Palavras 7.521
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Obrigada obriga obrigada e obrigada...
Eu amo vocês nunca esqueçam disso ...
Nem acredito que cheguei a esse ponto da história, sim ela foi imaginada s repensada desde que comecei assim como os próximos capítulos, só não queiram me agredir kkkk
Obrigada mais uma vez.

Desculpem os erros.

BOA LEITURA!

Capítulo 30 - Por amor...


De repente todas as coisas perderam o brilho para SeokJin, nada mais fazia sentido, tudo o que sentia era culpa, era medo e uma enorme angústia dentro do peito, ficar sozinho naquele apartamento sem Jeon, não poder vê-lo, não poder ligar, não poder ouvir sua voz, a risada alta que ecoava por todo o ambiente, ver aquele sorriso gigante com olhos brilhando, não podia toca-lo, acariciar seus cabelos e dizer que tudo ficaria bem.

O garoto estava bem, mas ainda passava por observações, uma vez que o remédio não impediu que ele tivesse mais uma crise, ainda estava usando o oxigênio, mesmo insistindo para os médicos que conseguia respirar sem ele, os amigos o visitavam e sempre tentavam anima-lo, da mesma forma como tentavam animar o cardiologista, contando que Jungkook sempre perguntava por ele.

- Oi garotão. Como você está hoje? Sehun entrou no quarto, também tentava ser o mais animado possível.

- Eu estou bem e muito entendiado, não sei porque não posso usar o celular. Falou já cansado de todo aquele ambiente.

- Sabe esses fiozinhos no seu peito, então é por causa deles. Sehun era calmo e doce, sempre muito gentil. - Você sabia que eu sou enfermeiro da emergência?

- Não, mas então por que está aqui? Jeon perguntou curioso.

- SeokJin pediu, que eu cuidasse de você, então eu troquei de lugar com um amigo, enquanto você estiver aqui. Ah eu não disse isso pra você chorar.

- É... Que eu sinto falta dele. Jungkook passou as mãos no rosto o enxugando.

- Eu sei, mas logo você recebe alta e então vão poder ficar juntos. Sehun falou otimista, enquanto fazia anotações no prontuário do garoto.

- Eu não sei... já atrapalhei demais a vida dele... tenho sido um fardo pesado demais pra ele carregar...Jungkook desabafou pensativo, a vida não estava sendo muito justa.

- Jungkook... Sehun respirou fundo. - Você nunca vai ser fardo pra ele. Sabe porque? Porque que ele ama você, se ele pudesse tenho certeza que trocaria de lugar com você. O enfermeiro falou calmo.

- Tenho certeza que ele me ama, eu sei disso... Eu sinto isso... mas não é justo, sabe, tudo isso, acho que não era pra ser assim, eu fui um erro na vida dele, eu não deveria...

- Jungkook... O enfermeiro o interrompeu. - Não sei sobre toda a história de vocês, mas eu vi um homem desesperado entrar por essa porta, arriscando tudo só para ver você, para ter certeza que você estava bem, você não é e nunca vai ser um erro na vida dele, não pense dessa maneira. Sehun o encarava sério. - Eu preciso ir, mais tarde eu volto ok? Não fica pensando essas coisas, não é bom.

Era impossível não pensar, impossível não sentir que era um fardo, não somente para SeokJin, mas para todos à sua volta, não tinha um único dia que Yoongi deixava de visita-lo, Taehyung também sempre estava por perto, assim como Jimin, eles aproveitavam já que trabalhavam no hospital e até Yugeyom o visitava, Namjoon e Hoseok faziam o possível para vê-lo, mesmo não indo todos os dias ao hospital.

Depois de cinco dias, Jungkook finalmente recebeu alta, uma lista de recomendações e novos remédios.

- É tão bom estar em casa. Falou sentado na cama enquanto observava Yoongi mexer no computador.

- É ótimo ter você de volta, se você fizer isso de novo, eu não sei o que faço com você, olha garoto eu vou te dar uma surra tão grande, que quando seu coração pensar em bater errado, ele vai lembrar de mim. Yoongi falou sério fazendo Jungkook sorrir e era incrível ver ele sorrindo.

- Vocês não me disseram nada sobre o julgamento, sempre trocam de assunto, eu reparei, só não quis ser chato. Jeon falou sério.

- Bom você falhou, por que você é chato de qualquer de jeito. O Min tentou um sorriso, no entanto Jungkook o conhecia muito bem.

- Yoongi?

- Vai ser remarcado, ou já foi, eu também não sei, só... Não se preocupe com isso agora, foi um susto muito grande que você deu em nós, então cuida da sua saúde, não fica pensando nisso agora, tá bom? Yoongi queria que Jin contasse ao garoto a decisão que tinha tomado tirando praticamente todos os nomes do rol de testemunhas. - Oh seu médico bonitão tá chegando aí, vou deixar vocês matarem a saudade.

- Como você sabe?

- Mensagem, sabe eu acho que se eu não fosse namorado do Jimin, eu até dava uma chance pra ele, porque ele tem me enviado mensagens direto, fica de olho. Yoongi brincou. - Na verdade acho que era para ser surpresa e eu te contei, finge surpresa quando ele chegar. O ainda platinado, levantou sorrindo e saiu do quarto, para deixar os namorados a sós.

- Oi. Jin parou na porta, a vontade de chorar era enorme, Jungkook não precisou fingir surpresa, estava com tanta saudade do médico que levantou rápido e correu para abraçá-lo.

- Eu senti tanto sua falta. Falou o apertando em seus braços e sendo envolvido pelos braços alheio, que lhe apertavam com certa força e por mais que SeokJin quisesse ser forte, as lágrimas desciam novamente pelo seu rosto.

- Eu também senti sua falta, muita falta mesmo. Se afastou um pouco para ver o rosto do garoto. - Você está bem?

- Com certeza, estou bem melhor agora. Jeon sorriu e então sem nenhum aviso beijou os lábios do médico, havia tanto sentimento naquele beijo simples e calmo, que parecia que o peito de ambos ia explodir e as lágrimas vinham molhando ambos os rostos.

-Nós somos dois chorões. Jin sorriu. -Você tem que descansar. Pegou a mão do garoto o levando até a cama e sentando com ele.

- Você não parece bem hyung. Jungkook falou segurando suas mãos.

- Essa cara de cansaço é porque eu senti sua falta, mas estou bem. Jin respirou fundo. - Desculpa não ter ido te buscar no hospital...

- Tudo bem, eu sei que não pode entrar lá. Jeon o interrompeu, não quis insistir na pergunta se ele estava bem mesmo, mas seu rosto estava abatido e o olhos inchados de quem tinha passado muito tempo chorando. - Hyung quando eu vou poder testemunhar?

- Não se preocupe com isso, você precisa descansar e ficar sem estresses. Precisa se cuidar. SeokJin se engoliu.

- Porque vocês sempre desviam o assunto? Eu sei que eu tenho que cuidar da minha saúde, mas é impossível eu não me preocupar. Jungkook falou emburrado.

- Você não vai testemunhar. Jin foi direto

- O que? Porquê, se eu já estou bem? E-eu posso testemunhar, o juiz não quer que eu testemunhe é isso? Jungkook falava rápido, ficou completamente surpreso com aquela informação.

- O juiz não disse nada... Eu pedi para YoungJae tirar seu nome da lista de testemunhas. Naquele momento o Choi já tinha avisado o cardiologista que não precisava pedir para retirar o nome da lista de testemunhas, eles simplesmente poderiam faltar, não eram obrigados a depor, só não tinha dito antes porque SeokJin estava chorando muito e não tinha se atentado à isso.

- Hyung não, eu quero testemunhar, eu quero ajudar, eu posso fazer isso. Jungkook insistiu.

- Eu sinto muito Kookie, mas não vou deixar você testemunhar e passar por tudo isso de novo. Jin falava calmo, olhando nos olhos de Jungkook.

- Você não pode fazer isso, você não pode decidir por mim, eu quero testemunhar, eu quero muito ajudar você. Jeon insistiu, sua voz também era calma e sua expressão era de chateado.

- Não vou mudar de ideia Jungkook... Jin se engoliu. - Não vou deixar você testemunhar.

- Hyung... mas eu quero, e-eu... não posso aceitar isso. Jeon falou incrédulo, apesar da voz calma e baixa.

- Você não pode se estressar, tem que repousar, não se preocupe com isso agora. SeokJin falou já preocupado.

- Jin eu vou testemunhar, você querendo ou não. Jungkook protestou sério e com o cenho levemente franzido.

- Se for testemunhar vai ter que pedir para o advogado de acusação por seu nome na lista da acusação. SeokJin mentiu, precisou, jamais colocaria a vida do garoto em risco novamente.

- Eu nunca faria isso. Jungkook estava assustado pela forma que SeokJin estava falando, por mais calmo que ele pudesse estar sendo, suas palavras eram firmes e sua expressão muito séria. SeokJin estava odiando fazer aquilo, estava se odiando naquele momento e fazendo um esforço sobrenatural para não chorar. - Eu estou falando que eu estou bem, acredite em mim.

- Eu acredito em você, mas não adianta insistir, eu já decidi e eu não quero mais falar sobre isso agora, eu estava com tanta saudade e tão preocupado, não quero discutir, eu só quero cuidar de você, talvez em um outro momento a gente possa conversar sobre isso, tá bom?

- Tá, eu também não quero discutir. Jeon respirou fundo.

- Vamos para minha casa? Fica comigo? Eu sei que cuidam bem de você aqui, mas eles trabalham e eu não quero que fique sozinho. Hum? O que acha? SeokJin colocou a mão no rosto do garoto, acariciando as bochechas com seu polegar, o olhando com carinho e ternura.

- Não vai te prejudicar no tribunal?

- Não, eu perguntei ao YoungJae antes e está tudo bem. E então ?

- Então eu acho que posso ir. Jungkook aproximou seu rosto do outro e o beijou novamente e SeokJin intensificava aquele beijo, com a mão livre segurou a cintura do garoto e o puxou aproximando seu corpo, enquanto Jeon segurava seus ombros.

- Hyung... Jungkook se afastou sem ar.

- Desculpa, esqueci que ainda está se recuperando. Você está bem? Perguntou preocupado.

- Sim. Jungkook sorriu recuperando o ar.

- Eu estou com tanta saudade de você. SeokJin mordeu os lábios com certa força, ficar sem os toques do mais novo parecia uma tortura.

- É hyung... o médico disse que... É ele disse...

- Sim, sem relações sexuais. Jin o interrompeu sorrindo.

- É. Jungkook falou tímido e já vermelho.

- Dois dias?

- Não.

-Três? Jin mantinha um ar de riso nos lábios, Jeon Jungkook tinha um poder enorme de fazê-lo se sentir bem.

- Também não. Jungkook sorriu e era tudo o que o médico queria ver.

- Cinco, foi o máximo que eu já orientei um paciente, você sabe acelera o coração e tem que cuidar. Ele deu mais?

Jin falou surpreso pela expressão facial que o mais novo fazia.

- Cinco dias. Jungkook sorria envergonhado, também seria uma tortura não poder ter intimidade com o namorado.

- Você ficou com muita vergonha quando ele falou?

- Fiquei, ele poderia ter escrito, como fez com as outras recomendações.

- É esses médicos, às vezes fazem essas coisas. SeokJin sorria e era incrivelmente maravilhoso estar sorrindo com Jungkook.

A senhora Min os chamou para almoçar e também não se opôs quando Seokjin falou que queria que Jungkook ficasse em sua casa. Estar ali era como estar em família, tanto Yoongi quanto a mãe tentavam de tudo para deixar os namorados alegres, estavam dando seu apoio e sempre estariam ali para o que precisassem.

Depois de deixarem tudo limpo, Jungkook e SeokJin seguiram para a casa do médico, Yoongi foi convidado para ir junto, mas precisava estar no turno da tarde nas aulas de piano.

Os primeiros cinco dias, os namorados tentavam ao máximo não ficar se tocando, SeokJin fazia de tudo para se distraírem com qualquer coisa, iam ao cinema, passeavam pelo shopping, almoçavam fora, recebiam os amigos.

No sexto dia Jungkook, teve que tomar a iniciativa para terem um contato mais íntimo, o cardiologista ainda estava temeroso e depois de tanto tempo, ele precisava se controlar novamente, estava atento a todas as reações do menino, estava tão controlado em cada gesto que foi impossível Jeon não notar.

- Eu estou bem hyung. Jungkook falou enquanto faziam amor, segurava o rosto do médico com carinho e olhava profundamente nos olhos dele.

- Me desculpa. Jin uniu as testas. - Estou sendo horrível né?!

- Não, claro que não. Você nunca é horrível, só quero que saiba que eu estou bem. Hum? Jungkook o beijou. - Estou bem. Sussurrou.

Mesmo com o aviso Jin não estava conseguindo não se preocupar, nos dias seguintes à sua preocupação quando faziam amor ia diminuindo e o mais novo fazia questão de mostrar que estava bem, então juntos e sozinhos ali o dia inteiro e a noite inteira, não tinham um horário para se amarem, podia ser quando acordassem ou no meio da tarde, às vezes enquanto preparavam o almoço ou jantar, se envolviam tanto com carícias que simplesmente desligavam tudo e se amavam e como queriam que sempre fosse assim.

Em menos de dois meses o juiz remarcou a audiência, foi o mais rápido que pode.

- Hyung por favor deixa eu pelo menos te acompanhar? Jungkook perguntou emburrado enquanto via SeokJin se arrumar.

- Kookie, nós já conversamos sobre isso, Taehyung já deve estar chegando, ele vai ficar com você. Eu não vou deixar você passar por isso de novo. SeokJin estava parado na frente do garoto, o encarando enquanto arrumava a gravata.

- Não me custava tentar. Jungkook se jogou para trás na cama, se deitando.- Quem vai estar lá com você?

- Hoseok, Namjoon e Yoongi, Jimin teve que trabalhar e ele também passou um sufoco aquele dia. SeokJin subiu sobre o garoto.

- Vai amassar sua roupa. Resmungou

- Não fica assim, eu sei que queria ajudar, mas vocês já se esforçou tanto. Jin falava arrastando seu rosto no do menino, o acariciando.

- Acho que Taehyung, já chegou. Falou sério quando a campainha tocou.

SeokJin o beijou mesmo sabendo que ele estava bravo e Jungkook o retribuiu, mesmo que achasse injusto não poder ir testemunhar, afinal era sobre si que estavam falando, era sua vida.

Ao chegar no tribunal, o cardiologia respirou fundo, não tinha boas lembranças daquele lugar.

- Senhor Lim Jaebeom, pode dar início ao interrogatório com o senhor Min Yoongi. O juiz falou depois de todas as formalidades iniciais.

- Obrigado meritíssimo. - Senhor Min Yoongi, o senhor é melhor amigo de Jeon Jungkook, estou certo?

- Sim. Yoongi estava tranquilo sobre tudo, conhecia o amigo, melhor do que ninguém.

- Quando ele falou sobre o doutor SeokJin, pela primeira vez, o que o senhor pensou sobre esse relacionamento?

- Na verdade Jungkook não precisou me falar nada, eu fui ao hospital visita-lo e então eu conheci SeokJin, Jungkook apesar de tímido não consegue disfarçar quando gosta de alguém. Yoongi falava numa naturalidade que o Lim se assustou, era a última testemunha antes finalmente ouvirem o cardiologista.

- O senhor notou nesse dia algum comportamento estranho do médico em relação ao paciente?

- Você percebe quando pessoas trocam olhares tímidos um para o outro, mas sinceramente foi apenas isso nada de estranho.

- E quando ele falou que estava em uma relação com o doutor, não achou isso estranho?

- Não acho estranho duas pessoas se gostarem, sinceramente eu fiquei feliz por eles.

- O senhor não conhecia o código de ética médica? Jungkook não mencionou?

- Ele me contou alguma coisa, Jungkook é muito inseguro, a princípio tudo o que ele pensava é que era muito difícil um médico bonito, com todo o respeito Hyung, gostar dele.

- Sem mais perguntas meritíssimo. Lim falou frustrado, não conseguiria nada com Yoongi.

- Senhor Min Yoongi eu serei rápido e direto, disse que é o melhor amigo de Jungkook, quando soube da orientação sexual dele?

- Nós somos tão amigos que Jungkook não precisava me contar nada, simplesmente conversávamos com muita naturalidade, por que deveria ser algo natural para se conversar, há um preconceito muito grande quanto a isso, mas entre eu e Jungkook nunca houve nenhum tipo de preconceito. Era natural.

- O senhor poderia provar que Jungkook já sabia de sua orientação sexual, antes de conhecer o doutor SeokJin?

- Claro. Por sorte eu nunca apago minhas mensagens principalmente com Jungkook, nós sempre implicamos um com o outro, então manter as mensagens é essencial, principalmente quando eu quero incomodar ele. Yoongi sorriu.

- O senhor poderia nos citar alguma conversa em que Jungkook revela sua homossexualidade?

- Sim, há uma em que ele diz que achou um rapaz da faculdade bonito e logo em seguida ele diz " um homem tão bonito jamais ia olhar para mim", então como sempre eu o incomodei, disse " que lindo está pensando em namoro, meu garotinho tá crescendo", ele disse " namoros são melosos e acho que ele não é gay como nós".

- Meritíssimo todas essas conversas estão anexadas ao processo, o senhor Min Yoongi nos disponibilizou exatamente como está em seu celular, é uma cópia fiel à da original. Há mais alguma coisa que possa nos falar sobre isso?

- Sim, eu não posso provar, mas Jungkook ou Yugeyom podem. Eu não sei se a senhora lembra senhora Jeon, mas Jungkook sempre gostou muito de estudar, mas no quinto ano ele mentiu que estava doente para não ir a aula, a senhora lembra?

- Meritíssimo a testemunha está fazendo o interrogatório no lugar do advogado! Lim quis protestar.

- Meritíssimo o deixe concluir é importante. YoungJae pediu.

- Senhora Jeon, pode responder a pergunta. O juiz autorizou.

- Sim, eu me lembro, mas o fizemos ir a aula mesmo assim. A mulher estava aparentemente abatida, já estava cansada de tudo aquilo, ver Jungkook passar mal e Seokjin desesperado para ajudá-lo a fez repensar muitas coisas.

- Yugeyom beijou ele no banheiro, ele gostava do Yugeyom naquela época, mas ficou tão envergonhado que saiu correndo e não queria mais ir a aula, ele ficou com medo de contar o que tinha acontecido, então tentou mentir que estava doente. Resumindo Jungkook sempre foi gay, fico feliz por ele ter encontrado SeokJin que o apoia e o ajuda, que se preocupa com sua saúde. Yoongi conclui e a mulher estava em lágrimas.

- Sem mais perguntas meritíssimo. Choi já tinha tudo o que precisava.

- Senhor Kim SeokJin acho importante ouvi-lo, uma vez que percebo que não há mais testemunhas e nem Jeon Jungkook veio. O juiz falou calmo e SeokJin seguiu para o banco das testemunhas, Hoseok estava o acompanhando, mas ficou do lado de fora uma vez que não iria testemunhar. - Sem interrogatórios senhores advogados, apenas deixe o doutor falar sobre tudo isso. Por favor.

- Eu queria começar dizendo que até certo ponto Park Jaebeom e Baek Sun-Hee estavam certos, eu sempre escolhi a minha profissão acima de tudo e não me importava de fazer plantão atrás de plantão, isso pode ser visto no banco de horas do hospital, às vezes eu ia para casa apenas porque meu corpo já não aguentava de cansaço e eu estava ciente que precisava estar bem para atender. Houve dois momentos durante todos esses anos em que pensei em desistir: a primeira quando perdi a primeira e única paciente numa cirurgia e a segunda quando me envolvi com Jungkook. A princípio eu me recusei a aceitar que eu tinha sentimentos por ele, mesmo assim achei melhor transferi-lo para outro médico, o senhor Lim também estava certo ao falar que Jungkook ficou rodeado de amigos meus, mas não foi proposital, eu o encontrei no teatro e no dia seguinte em um almoço com Hoseok que é fisioterapeuta, eu também não sabia que ele estaria lá, enfim ele não era mais meu paciente e mesmo assim não aconteceu nada entre nós nesses dois dias. Absolutamente nada.

Depois o encontrei onde Hoseok trabalha e fui tentar ajudar ele a respirar, ele estava fazendo o exercício errado e Hoseok tinha ido buscar água, então o ajudei e no momento eu o beijei e ele me retribuiu, não o induzi a ser homossexual, ele já era.

Ali começamos um relacionamento de amizade e sem beijos depois do primeiro, a senhora Jeon também falou a verdade, Jungkook mentiu para poder viajar comigo, meu pai estava doente e eu fui vê-lo e convidei Jungkook, só soube lá que ele tinha mentido, não estou me isentando de nenhuma culpa Começamos a nos envolver lá, depois de muitos dias e eu assumir pra mim mesmo que sim, eu gostava dele e não era apenas como amigo. Quando retornamos ele contou aos pais que era gay e foi cruelmente expulso de casa. SeokJin falava calmo e à medida que falava seus olhos se enchiam de água.

- E-ele andou por horas... Sozinho, desorientado, e eu e Yoongi ligamos inúmeras vezes desesperados para ele e nada, quando ele atendeu, ele não sabia nem aonde estava e quando finalmente o encontramos... SeokJin não segurou as lágrimas e a voz embargou. - E-ele estava... Chorando na calçada... Não queria ser tocado... Estava se sentindo sujo... E eu o levei para minha casa, ele adormeceu e quando acordou... Ele disse que queria morrer...

Senhor juiz naquele momento eu prometi para mim mesmo que eu faria de tudo para Jungkook ser feliz, mas eu acho que estou falhando agora... Senhores Jeon, vocês têm um filho incrível, doce, gentil, educado, ele é a pessoa mais pura que eu já conheci, sinto muito mesmo que vocês não tenham percebido isso e eu nunca tive mágoa de ninguém, mas depois de ver Jungkook sofrer por causa do que fizeram com ele, eu nunca vou conseguir perdoar vocês e sabe o que Jungkook me disse " eu não odeio meus pais, apenas não quero vê-los", é isso, ele não odeia vocês, mesmo magoado ele se preocupou com vocês e tudo o que recebeu foi rejeição, ele está morando com Yoongi e sua mãe, porque mesmo depois de tudo isso, vocês sequer perguntaram como ele estava.

Neste instante até o juiz e os promotores tiveram que segurar as lágrimas, SeokJin falava de Jungkook com muito carinho e as lágrimas desciam pelo seu rosto o tempo inteiro, assim como no dos rosto dos amigos e dos pais do garoto.

- Senhor Lim mais uma vez o senhor estava certo, Jungkook e eu viajamos junto com nossos amigos, viajamos porque eu não queria que ele se preocupasse, bom eu acho que não precisava falar, mas vocês viram o que aconteceu, eu fiz de tudo para que ele ficasse calmo, para manter-se tranquilo, o orientava a ir ao médico, a tomar seus remédios direitinho, mas ... sinceramente agora parece que eu não fiz o suficiente ... Talvez vocês não acreditem, mas eu amo Jungkook e eu faria qualquer coisa só para ver ele feliz... eu jamais me perdoaria se algo pior tivesse acontecido... eu não suportaria a ideia de viver sabendo... SeokJin respirou fundo. - Sabendo que ele não está mais aqui, que eu não vou nunca mais ouvir sua risada, ou ver quando ele enche as bochechas de ar, ele fica tão fofo e gosto de pensar que vou vê-lo nem que seja de longe, dependendo da sua decisão, é isso senhor juiz, eu amo Jungkook e sinto muito que tudo isso esteja acontecendo, sinto muito que para poder ficar comigo Jungkook teve que sofrer tanto. O cardiologista concluiu, não conseguia mais falar e o juiz teve que respirar fundo para continuar com tudo.

- Senhores nos aguardem, em instante voltaremos com a decisão final. Jung Ji-hoo se reuniu com os outros dois promotores, para discutir o caso e encontrar a melhor resposta para tudo o que tinham ouvido e presenciado naquele tribunal, eles não se prolongaram na decisão e foram unânimes, no entanto para SeokJin e os amigos parecia uma eternidade, a espera era angustiante.

- Senhores chegamos a uma decisão, unânime, não é sempre que isso acontece, mas hoje aconteceu. Primeiramente quero dizer que a primeira conclusão que chegamos e diante de todas as evidências, o réu doutor Kim SeokJin não induziu Jeon Jungkook a agir como um homossexual, uma vez que há provas em relação a isso. No entanto também entendemos que o réu usufruiu de seu acesso às informações do paciente, para se aproximar dele ou manter contato, também houve o caso com o nutricionista senhor Park Jimin, descumprindo a ética quando revelou dados sigilosos do paciente, sem antes ter o consentimento dele. Diante dos acontecimentos que presenciamos neste tribunal, quero salientar que somos seres humanos, com sentimentos e que sinceramente eu também sinto muito que Jeon Jungkook tenha sofrido tanto, que tenha tido pais tão desprovidos de empatia e de cuidado, conhecendo a saúde frágil do filho. Através de suas palavras doutor entendo que tenha sentimentos verdadeiros pelo garoto, entendo que cuidou dele como pode, mas sendo o senhor um médico especializado, colocou a saúde dele em risco por diversas vezes, tinha conhecimento sobre todo o histórico hospitalar dele e no entanto decidiu que poderiam de algumas forma "enfrentar o mundo", talvez o senhor com a saúde perfeita consiga, mas Jeon Jungkook não e presenciamos isso bem aqui neste tribunal.

Usando suas palavras doutor Kim SeokJin que "faria de tudo para ver Jeon Jungkook feliz", a decisão deste tribunal é que o senhor mantenha uma distância de duzentos metros do mesmo por período indeterminado, uma vez que estar com o senhor trouxe risco a vida dele e que ele sequer retornou a esse tribunal para defendê-lo, tivemos acesso às informações de sua saúde atual e estaria apto a vir aqui e por mais que não tenham sido réus neste tribunal, esta decisão se estende também ao senhores Jeon por colocarem a vida do próprio filho em risco, o abandonando quando o mesmo era incapaz e dependia do atendimento dos senhores. Jung era calmo, mas firme em suas palavras, faziam questão de olhar nos olhos a quem dirigia a palavra.

SeokJin já imaginava que essa seria a decisão do juiz, não estava surpreso, mas aquilo era doloroso demais.

- Quero acrescentar que por descumprir normas éticas e hospitalares o réu cumprirá medida disciplinar pelo período de dezoito meses, repetindo algumas disciplinas que fez durante a faculdade e durante esse período não poderá exercer a profissão, salvo em caso de urgência onde somente houver o senhor para ajudar, após esse período poderá retornar à sua profissão normalmente. Por fim dou encerrado este julgamento salientando que o descumprimento desta ordem judicial pode acarretar em prisão de regime fechado e inafiançável. Os senhores podem recorrer desta decisão até terceira instância a qualquer momento, trazendo novas provas e testemunhas. Dou por encerrada este julgamento. Jung Ji-hoon respirou fundo mais uma vez, era um dos casos mais emocionante que tinha julgado e se fosse agir pelo seu lado humano e não profissional, jamais daria aquela sentença a Seokjin. - Doutor Kim, por favor se aproxime. Pediu e SeokJin até teve medo do que poderia ser, já estava pensando como contaria tudo a Jungkook.

- Senhor. Jin se aproximou.

- Esta sentença será homologada amanhã, visando a saúde física e psicológica de Jungkook, o senhor poderá conversar com ele sobre a decisão deste tribunal, claro se estiverem se comunicando uma vez que ele não retornou para defende-lo ou acusa-lo, quero lembra-lo que isso é uma raríssima exceção. Jung avisou e SeokJin ficou mais aliviado. Iria descumprir a decisão judicial de qualquer maneira, uma vez que Jungkook estava em sua casa.

- Obrigado meritíssimo. Curvou-se em reverência antes de sair.

- SeokJin podemos entrar com um recurso hoje mesmo. YoungJae falou quando todos já estavam do lado de fora do tribunal e ninguém sabia o que falar para confortar o cardiologista.

Enquanto isso Jungkook andava de um lado para o outro na sala e Taehyung insistia para ele ficar calmo, quando Hoseok avisou sobre a decisão judicial, teve que disfarçar o máximo possível, não sabia como tudo seguiria a partir daquele momento.

- Eu não vou recorrer YoungJae. Jin falou sério olhando as escadarias que davam acesso ao tribunal.

- Hyung como assim? Vo-você ouviu que não vai poder chegar perto de Jungkook, eu acho que você não entendeu? Namjoon falou assustado.

- Eu entendi. Falou ainda com o olhar perdido.

- Jin você, não vai nem tentar? Jungkook está bem, ele pode testemunhar! Yoongi estava em pânico com tudo aquilo.

- Eu não vou arriscar a vida dele de novo, não tenho esse direito... Talvez Sun-Hee tenha razão... eu sempre deixo as pessoas... Se engoliu e finalmente olhou para os amigos.

- Sabe que não é verdade. Hoseok disse sério.

- Eu quero pedir que não falem pra ele que podemos recorrer e eu vou tentar cumprir a medida disciplinar em Boryeong, acredito que assim vai ser melhor, eu vou conversar com ele, o juíz me autorizou. Respirou fundo mais uma vez. - Yoongi consegue guardar isso, esse "segredo"? É para o bem dele, por favor.

- Não concordo com isso, mas não vou contar nada, não quero ele magoado com você. Yoongi colocou os cabelos para trás, não estava conseguindo acreditar que aquilo estava acontecendo.

SeokJin seguiu para casa e durante o percurso não conseguia conter as lágrimas, seu olhar estava perdido olhando através da janela. Hoseok dirigiu para ele e não sabia o que falar, só sabia pensar o quanto injusto tudo aquilo era. Quando chegaram apenas Taehyung estava na sala.

- Ele está tomando banho. O pediatra avisou. - Eu sinto muito.

- Vamos deixar vocês a sós, vai ser uma conversa difícil. Hoseok falou e depois de abraçarem o amigo o mais apertado que podiam, ele e Taehyung o deixaram.

- Hyung? Jungkook falou surpreso quando o viu na sala sentado no sofá. - Cadê o Taehyung?

- Foi embora, Hoseok passou aqui e já foram. Jin tentou um sorriso, mas não conseguia disfarçar toda a sua tristeza.

- Hyung... O que o juiz decidiu? Jungkook se preocupou e sentou ao lado do mais velho.

- Eu vou cumprir medida disciplinar por dezoito meses e ficar sem exercer a profissão durante esse tempo. Jin não conseguia encarar Jungkook.

- Eu sinto muito e o que mais? Jeon o olhava preocupado. - Olha pra mim, você sempre olha pra mim, o que foi?

- E-eu não sei como dizer isso. Jin finalmente o encarou. - Eu só quero que você saiba que eu amo muito você, muito mesmo e eu faria qualquer coisa pra te ver feliz.

- Eu sei Hyung, eu também amo você, mas o que mais o juiz decidiu?

- Ele... ele decidiu que... eu tenho que ficar a duzentos metros longe de você por período indeterminado. Eu ... As lágrimas não lhe davam descanso e Jungkook também não conseguiu segura-las.

- Duzentos metros...não vamos ficar juntos... não vamos mais morar juntos...Jungkook o olhava assustado e Jin balançou a cabeça em negativo. -Hyung, você pode recorrer e-eu vi nos filmes as pessoas podem fazer isso, e-eu também já ouvi alguns casos... Jeon falava rápido.

- Não... São duzentos metros... ou eu fico em regime fechado, e-eu sinto muito mesmo, me perdoe por isso, me perdoe por ter falhado com você, por não conseguir fazer você feliz como merece ser. Me perdoa Jungkook. Jin não conseguia acreditar que estava fazendo aquilo, não conseguia acreditar que estava deixando Jeon depois de tantas promessas e sonhos juntos.

- Hyung... Jungkook colocou as mãos no rosto do médico e numa tentativa falha tentava e enxugar suas lágrimas. - Eu não tenho nada pra perdoar...você me fez ser a pessoa mais feliz do mundo inteiro e ... Só tenho a te agradecer por tudo o que fez por mim. O garoto tentava controlar sua respiração, tentava se manter calmo, SeokJin parecia inconsolável. - E-eu vou arrumar minhas coisas... Vo-vou... isso é tão injusto. Encostou sua testa na do mais velho. - Eu amo tanto você... Eu amo tanto você...

- Me perdoa... Jin segurou os braços do menino. Estava se sentindo a pior pessoa do mundo, mas acreditava que só tinha feito mal ao garoto. - Me perdoa, por favor me perdoa por fazer isso com você, eu amo tanto você...SeokJin respirou fundo. - Você é melhor pessoa que eu já conheci. Não precisa arrumar suas coisas, o juiz me autorizou a conversar com você sobre tudo isso, ele só vai homologar o processo amanhã.

- Tá bom. Jungkook também respirou fundo, tentando conter as lágrimas.

- Você já almoçou? Jin perguntou preocupado com o garoto.

- Almocei, Taehyung fez eu almoçar e eu estava um pouco inquieto, ele pediu pra eu tomar banho, não entendi muito bem. Jeon falou e Jin se obrigou a soltar um riso baixo e soprado.

- Ele é pediatra, normalmente um banho ajuda a acalmar as crianças, algumas até sentem sono. SeokJin estava controlando toda a confusão que sua cabeça e seu peito faziam, acariciava os braços de Jeon, não conseguia pensar em nada para que pudessem ficar juntos sem que Jeon precisasse testemunhar.

- Você almoçou? Jungkook perguntou também preocupado, o mais velho mal tinha tomado o café da manhã.

- Eu não sinto fome Kookie...

- Você precisa comer alguma coisa, precisa se alimentar, eu faço um lamem pra você, hum?

- Eu acho que não consigo comer. Obrigado. SeokJin se perguntou naquele instante como iria conseguir viver sem ele.

- Não pode ficar sem comer nada, eu vou fazer e você vai comer. Jungkook insistiu e então Jin balançou a cabeça em positivo. - Eu vou ir fazer... Jungkook tirou suas mãos do rosto alheio, afastou seu rosto do dele e quando foi levantar SeokJin o segurou, o encarou profundamente nos olhos agora tristes, mas com muito brilho como sempre, não resistiu a ele, não resistiu não beija-lo nem que fosse pela última vez. Suas bocas estavam desesperadas uma pela outra, segurou firme o rosto de Jungkook enquanto o beijava, enquanto sentia tudo perder sentido, enquanto sentia toda a angústia e tristeza que aquela sua decisão trouxe.

- Me desculpa. Disse quando finalmente separou seus lábios do outro o vendo ofegante.

- Tudo bem, estou bem. Jeon limpou as próprias lágrimas. - E-eu vou fazer seu lamem. Levantou e seguiu em direção à cozinha, não conseguia acreditar que aquilo estava acontecendo, mas naquele momento também acreditou que era a melhor escolha que o juiz tinha feito, não seria mais um fardo para SeokJin e o melhor é que não estavam se separando porque não se amavam mais e sim por que se amaram tanto, que o mundo, a vida ou seja lá o que controla tudo, não suportou vê-los tão felizes.

Preparando o lamem para SeokJin, Jungkook tentava se manter calmo, nunca tinha visto o namorado tão assustado e chorando tanto, nunca o tinha visto tão abatido e com os olhos tão vermelhos, por vez e outra o olhava da cozinha, estava jogado no sofá com a roupa já amassada e a todo instante limpando o rosto. Era horrível vê-lo naquele estado, horrível não ouvir a sua risada alta, ou não ter as provocações que sempre fazia.

- Hyung vem comer. Jeon o chamou e mesmo sem nenhum ânimo o mais velho foi lavar as mãos e depois sentou-se à mesa para comer, o garoto apenas lhe fez companhia.

- Quero que fique aqui. Jin encarou o rosto surpreso do outro.

- Não posso Hyung, não quero que seja preso.

- E-eu vou... vou ir para Boryeong, vou ficar com meus pais e cumprir a medida disciplinar lá, acho que vai ser melhor assim.

- E-eu não vou ficar aqui sozinho e tudo aqui vai me lembrar você...

- Jimin pode ficar aqui com você, ele quer independência ou Namjoon ele também quer sair da casa dos pais, não quer ficar dando satisfações por causa do Wang e você pode mudar toda a decoração. Jin estava fazendo um esforço para comer, para falar, para não sair correndo e se trancar no quarto e chorar até que não tivesse mais lágrimas.

- Hyung... não vai ser a mesma coisa, vai ser difícil... Jeon franziu o cenho e formou um bico nos lábios.

- Eu sei, mas quero que você seja feliz Kookie, quero que não dependa de ninguém e que ninguém mais faça você sofrer, então por favor, aceite ficar aqui. Jin insistiu. - Você vai expor seus quadros e vai ser um grande artista, vai conseguir manter tudo. Aceite.

- E-eu não sei, e-eu acho que preciso pensar, eu já te devo tanta coisa.

- Não me deve nada, não se preocupe com isso. Jin se engoliu. - E-eu não consigo mais comer, me desculpa.

- Ficou ruim?

- Não, estava ótimo, obrigado por ter feito, mas eu não consigo. SeokJin levantou e lavou a pouca louça que estava na pia, depois se jogou no sofá novamente e Jeon sentou ao seu lado. - Quero que seja feliz, que se permita conhecer pessoas, não se prenda a mim e não se preocupe em trazer quem quer que seja aqui, esta casa agora é sua, na verdade sempre foi.

- Eu nunca vou trazer ninguém aqui, não consigo imaginar outra pessoa, não consigo pensar nisso. Não me fale uma coisa dessas Jin. Jeon falou emburrado.

- Me desculpe, eu só quero você saiba que tudo bem se isso acontecer ou quando acontecer. Jin se engoliu, óbvio que não estava tudo bem, mas não iria fazer Jungkook se prender a algo que provavelmente não fosse mais acontecer.

Ficou um silêncio entre eles, um silêncio incômodo, ainda sem falar nada Jin levantou-se e seguiu para o quarto, se jogou na cama de qualquer jeito, a vida o colocou numa situação que jamais imaginou passar, tinha sido injusta a ponto de agora fazer com que seu amor o machucasse e machucasse a pessoa que ele mais amava.

- Hyung? Hyung? Jungkook o chamou, parado na porta, o vendo com o olhar perdido no labirinto do teto, não conhecia mais a saída.

- Desculpa Kookie, eu estava longe, não ouvi o que você falou. Jin sentou na cama e o encarou.

- Eu não disse nada, apenas te chamei. Comprimiu os lábios, se sentia culpado por todo aquele sofrimento, caminhou devagar até a cama. - Você me dá um beijo? Perguntou e o médico assentiu, então Jeon se inclinou sobre a cama, colocou sua mão no rosto alheio, com seus dedos finos contornou os lábios dele, alternava seu olhar entre os olhos e a boca, até por fim beija-lo calmo, com certa dificuldade porque ambos estavam prendendo o choro e o coração parecia que estava sendo esmagado. O mais novo subiu sobre a cama sem afastar seus lábios do outro. -Hyung eu quero você. Sussurrou, seus olhos grandes encarando profundamente Seokjin.

- Kookie... E-eu não posso fazer isso, não é justo com nós dois, e eu acho que não consigo, eu não consigo, e-eu...

- Eu sempre fico esperando pela próxima vez, porque é sempre diferente, é sempre melhor e... eu não quero ficar esperando por algo que não vai acontecer... Jungkook se engoliu.

- Kookie, por favor, você sabe que vai ser mais difícil, vai ser ... Eu não posso fazer isso com você...

Jeon simplesmente se ajeitou e sentou no colo do mais velho, um joelho de cada lado do corpo alheio, segurou o rosto do mais velho e o olhava com tanto carinho.

- Eu sei que podemos fazer isso, não me deixe esperando pela próxima vez, que não vai acontecer... Jungkook sussurrou. - Me ame pela última vez Hyung... Me deixe amar você... Jeon aproximou seus lábios e calmamente beijava o mais velho, que demorou a retribuir o beijo doce que recebia, segurou sua cintura a apertando e então retribuiu o beijo calmo, sem pressa, apenas sentindo todo o amor que havia entre eles, apenas sentindo seu coração entrar em desespero, enquanto a razão falava que continuar era errado e seu coração e seu corpo gritavam por Jeon, imploravam por ele.

O mais novo desceu suas mãos para o pescoço de SeokJin, começando a desfazer o nó de sua gravata lentamente a retirou e começou a desabotoar sua camisa de forma lenta, queria aproveitar cada segundo que ainda tinham juntos. Quando terminou colocou suas mãos nos ombros largos do outro sob a camisa, retirando enquanto aproveitava para tocar a pele quente e macia.

- Kookie... Jin falou num fio de voz.

- Shiii . Sussurou e retirou a própria camiseta, sem nem por um instante desviar o olhar de SeokJin. - Se você não quer me amar, me deixe amar você.

Deslizou as mãos pelo abdômen nu do mais velho, até chegar ao cinto e abri-lo, desabotoou a calça, beijava os lábios grossos que tanto admirava e amava.

SeokJin subiu suas mãos pelas costas do menino, não podia simplesmente não amá-lo, não podia rejeitar tanto carinho.

Jungkook beijou o pescoço alheio, beijou os ombros arrastando de forma lenta seus lábios por eles, respirava fundo sentindo o cheiro bom e inesquecível do mais velho, fazia questão de deslizar suas mãos pelos braços dele, tocava em cada centímetro de pele que podia.

O médico quase não tinha reação a tudo aquilo, Jeon estava o amando mesmo depois de tudo, mesmo sabendo que não ficariam juntos, não estava pedindo para ser amado, estava pedindo para amar.

Jungkook não sabia o que iria fazer no dia seguinte, não sabia como seria viver longe do cardiologista, mas naquele momento ele só queria amar, só queria que toda aquela tristeza no olhar do outro desaparecesse, por mais doloroso que pudesse ser, saber que não se tocariam novamente, que era a última vez, então queria amá-lo mais do que em todas as outras vezes.

SeokJin segurou firme Jungkook e o deitou sobre a cama, o encarou e sorriu, amava e sempre amaria Jeon, não importava quanto tempo passasse.

- Hyung... O garoto sussurou e sorriu deixando as lágrimas escaparem novamente.

- Meu amor...tão lindo... tão doce... Secou as lágrimas do garoto, aproximou seu rosto ao dele e o beijou, sentindo os dedos finos segurarem seus cabelos.

As línguas que já se conheciam se acariciavam como se tivessem instinto de saber que não voltariam a se tocar, como se já estivessem com saudade uma da outra.

O cardiologista arrastou seus lábios pelo rosto do garoto, deixando selinhos demorados, descendo em direção ao pescoço, tudo de forma lenta, aproveitando tudo, sentindo agora as mãos do mais novo deslizarem por suas costas, apertando como se quisesse prendê-lo em si e de fato queria.

SeokJin era delicado em seus movimentos, era suave, fazia questão de ficar olhando nos olhos de Jeon, gravando todo o brilho deles, toda a inocência que havia ali. Aos poucos seu corpo parecia perder o controle, era mais forte do que si, implorava por mais mesmo já estando unidos, aumentou seus movimentos fazendo o corpo do garoto subir e descer rapidamente, o suor tomando conta de ambos os corpos, Jungkook teve dificuldade para se segurar então agarrou com força os cabelos do mais velho e suas pernas apertaram a cintura alheia, seus gemidos mais sofregos e a respiração descompassada.

- Me desculpa. Jin parou quando o garoto soltou um gemido mais alto e sofrido do que o normal e lhe pareceu de dor, encostou a testa no peito do mesmo, se culpando mais uma vez e agora por ter perdido totalmente o controle.

- Está tudo bem. Jungkook sussurrou, segurou a cabeça do mais velho a erguendo para poder ver seu rosto. - Tudo bem. Deixou um selar demorado nós lábios levemente inchados e avermelhados que o faziam ficar ainda mais bonito na opinião de Jeon. Se movimentou como se desse permissão para o outro continuar.

Jungkook sabia do que o mais velho gostava então na primeira oportunidade trocou as posições e ondulava seu quadril, sussurrava o nome de seu Hyung, enquanto o ouvia chamando pelo seu nome, entre sussurros e gemidos, sabia que dessa forma Seokjin não se sentiria culpado caso perdesse o controle mais uma vez.

SeokJin sentou na cama com Jeon ainda em seu colo, o olhou nos olhos, segurava sua cintura e o mais novo segurava seu rosto.

- Eu amo você Hyung. Jungkook sussurrou próximo aos lábios do outro.

- Você é tão lindo, eu te amo tanto... Jin olhava cada detalhe do rosto do mais novo, que sorriu um pouco envergonhado com aquele elogio.

- Foi um sonho lindo Hyung. Jeon se engoliu, não queria chorar de novo.

- Foi sim meu anjo, o sonho mais lindo que eu já tive. Seokjin também se engoliu, era crueldade demais ter que se afastar, mas por amor ao mais novo, não hesitaria. Arrastou seus lábios pelos lábios alheios, o sentindo mais uma vez e Jungkook se movimentava calmamente, era a última vez e não queria que acabasse.

Depois de fazerem amor, Jungkook ficou deitado entre as pernas do mais velho, suas mãos acariciando uma a outra, como se brincassem com elas.

- Espero que me perdoe algum dia. Jin falou baixinho, mais para si do que para o outro, era um pedido.

- Eu perdoo por fazer eu amar você demais. Jeon se virou e sorriu. - Essa é única culpa que você tem. Subiu seu corpo e selou mais uma vez os lábios do médico.

Seokjin sempre amanheceu ao lado de Jeon, ou estava fazendo o café ou vigiando o sono dele, mas pela primeira vez Jungkook acordaria sozinho, o mais velho não teria coragem de se despedir. 


Notas Finais


Estão todos bem e vivos !?

Vem aí a terceira parte :O

Eu não deveria, mas eu deu início a outra Fanfic Jinkook é bem diferente dessa e mais humorada e também mais uma Minjoon, sim eu não tenho mais nada para fazer e só estou cuidando minha saúde no momento.
Beijos:
Links: Reina de Corazones Kookjin/Jinkook: https://www.spiritfanfiction.com/historia/reina-de-corazones--jinkook-kookjin-17831571

Link Edit Reina de Corazones: https://youtu.be/VId3hOLj6I8


Flores no deserto MinJoon: sim ja vimos isso por aqui kkkk https://www.spiritfanfiction.com/historia/flores-no-deserto--minjoon-nammin-17712092


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...