História Caminhos para Mystery Spell (Is It Love?) - Capítulo 19


Escrita por:

Visualizações 47
Palavras 2.485
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Policial, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


"Tente de novo: Respire fundo e feche os olhos".

- Alice - Através do Espelho.

Capítulo 19 - What Do We Need?


Fanfic / Fanfiction Caminhos para Mystery Spell (Is It Love?) - Capítulo 19 - What Do We Need?

 

 

 

Mystery Spell

2015

 

09:09

Depois de treinar com Megan, Taylor finamente se entrega a fascinação de Kurt per espadas.

- Pegue. – Disse Kurt entregando uma das espadas com a ponta do cabo parecendo um chifre.

Taylor pega a espada com certa dificuldade.

- Essa não é á mais pesada. – Disse Kurt.

- Okay.

Eles começam a duelar com as espadas Kurt quase estava ganhando quando Taylor da um mortal para trás surpreendendo-o acertando o cabo da espada no pulso dele fazendo que Kurt derrubasse a espada.

 - Se rende? – Perguntou ela com a espada no pescoço do irmão em um tom de brincadeira.

- Claro. – Disse ele levantado às mãos para cima.

- Quer treinar boxe? – Pergunta Taylor colocando a espada em uma espécie de lata metálica cilíndrica.

- Não, você parece o Hulk quando luta. – Disse Kurt.

- Covarde. – Disse Taylor bebendo água de uma garrafa plástica.

- Eu gosto de respirar. – Respondeu Kurt treinando com a espada fina com o cabo com varias voltas.

Acertando os pequenos sacos de areia com a espada ele volta a treinar enquanto Taylor saia da garagem e voltando para fora para voltar a treinar sua pontaria.

Taylor arruma os alvos nas arvores, ela se afasta bem pega a aljavas e ajeita no arco composto zoros e se preparou para atirar, ela piscou com um dos olhos, respirou e solta e a flecha para o alvo e acerta bem no centro. Taylor repete varias vezes tais atos.

...

10:37

Violet acertava as latas e garrafas com as balas do revolver, espingarda e pistola. Quando ela termina Megan chega perto dela.

- Oi. – Disse Megan se sentando ao lado de Violet.

- Eaí? – Disse Violet arrumando á arma de longo alcance.

- O que tá fazendo? – Pergunta Megan se sentando no tronco da arvore junto a Violet.

- Nada de mais. – Disse Violet encaixando as munições nas armas e limpando o soco-inglês e vendo se a faca era afiada. 

Megan começa a fazer yoga na posição de árvore.

- O que tá fazendo? – Pergunta Violet olhando intrigada.

- Yoga, quer tentar? – Pergunta Megan de olhos fechados.

- Claro, porque não? – Disse Violet do lado de Megan fazendo a mesma posição que ela.

...

10:56

Taylor termina de pegar as flechas da besta e do arco longo e arrumar sua arma de longo alcance

- Tá a fim de lançar algumas Shuriken? – Pergunta Kurt com um saco de Shuriken em formato de estrela e faca.

- Claro. – Respondeu Taylor jogando a estrela ninja na arvore.

Kurt e Taylor treinavam lançamentos as Shurikens nas árvores e nos alvos.

...

11:05

No píer do lado que cruzava o chalé de Wladimir estava Molly de segurando um colar metálico com um pingente com um formato de borboleta diferente.

Ao olhar para o colar e uma lagrima sai do seu olho.

- Por que está aqui? – Pergunta Frank se aproximando de Molly.

- Posso te confessar um segredo? – Disse Molly apertando o colar.

- Claro.

Molly se vira e fala.

- Alguns dias atrás eu achei a caixa para aprisionar Amara...

- E qual é o problema?

- O problema é que eu vi o futuro já faz alguns dias. – Disse ela guardando o colar no bolso short jeans. – Amara vai se libertar e...

A pausa de Molly longa em sua fala.

- E o que? – Pergunta Frank impaciente.

- Amara vai se apaixonar pelo Kurt, quando ela para os olhos dele. – Completou Molly.

- Mas não significa que ele sinta o mesmo.

- Tá... Ela é uma bruxa, pode fazer que ele sinta o mesmo. – Disse Molly. – Eu sei que não posso evitar o que está por vir.

- Mas ele tem 30 anos.

- Tem uns 200, mas aparentemente 31. – Respondeu Molly.

...

11:22

Heather andava pela floresta e a luz de Amara a perseguia, quando Heather se vira não viu nada, mas ela seguia lançando os machados na árvore quando Frank abriu a caixa e Amara é sugada para dentro.

- O que foi isso? – Pergunta Heather.

- Não, a pergunta  é quem é isso?

- Então... Quem é? – Perguntou Heather.

- Amara. – Respondeu Molly.

...

14 de novembro de 2015

20:00

No único restaurante russo da cidade Megan e Violet se divertiam na cidade.

- Você acha que sua mãe vai te dar o colar dela? – Pergunta Megan.

- Eu acho que não. – Respondeu Violet. – Aquele colar é o que ela mais ama, presente de feito pelo Dimitri.

- Humm, entendi. – Disse Megan.

- Vamos embora. – Disse Violet colocando o dinheiro na mesa.

Megan ajeita seu vestido preto de alça, pouco decotado e cinto amarrado abaixo dos seios, checava a meia calça de renda preta e o seu salto preto de veludo.

Violet usava uma camisa social branca de botões e maga longa, calça jeans preta colada no corpo, um relógio Chanel rose, sapato preto baixo e uma bolsa lateral preta.

Elas andavam pelas ruas até chegar perto de uma pequena casa, com um cercado branco, com a pintura branca, telhado quadriculado azul escuro a porta vermelha com uma vegetação bem abrangente para uma casa pequena.

- Quer entrar? – Pergunta Megan.

-Não... Eu não sei.

- Quer que eu escolha? – Pergunta Megan com um sorriso malicioso.

Violet revira os olhos e segue para sua casa quando ela sente alguém pegar seu braço.

- Acho que a nossa noite não acabou. – Afirmou Megan.

- Nossa o qu...?

Antes de Violet terminar á frase Megan a beija interrompendo-a, intensamente, Violet sentia a língua dela em sua boca e o piercing dela em seus lábios.

- Vem... – Disse Megan pegando á mão de Violet e a guiando-a até a cerca de sua casa.

                                                                     ...                                          

00:40

Taylor dormia em sua cama e sonhava com uma mulher dos cabelos brancos. Que dizia: “Você vai esquecer isso e vai se esquecer de mim”. Apesar de Taylor tentar ela não via a fisionomia da mulher, somente os cabelos e a voz harmoniosa que fazia ela quer desaparecer.

Depois do sonho Taylor acorda, e ela já havia perdido as contas de quantas vezes ela já tinha tido esse sonho.

...

 

05:15

Molly olhava a caixa que aprisionava Amara, pensando em jogar ela em um portal para o submundo ou enterra-la longe deles, mas suas vontades eram menores que seus princípios e que ela não havia a possibilidade de separar-se de seus princípios e convicções.

- O que tá fazendo? – Pergunta Kurt a observando.

- Nada. – Disse Molly engolindo a saliva.

- Você tá bem?

- Claro. – Responde ela beijando-o.

Na verdade não estava nada bem com Molly, ela nunca sentiu tanto medo de perder Kurt para Amara, apesar de Amara ser bem velha para ele.

...

10:35

Taylor ficou a manhã inteira acordada, desenhando a mulher de cabelos brancos sem rosto e sem nome, varias folhas foram gastas pelas linhas, tentando se lembrar das feições da mulher dos sonhos que ela teve sem sucesso, o seu ódio sobressai sobre a sua razão.

Molly entra sem bater.

- Algum problema? – Pergunta Molly.

- Sim. – Disse Taylor debruçada na mesa, seu rosto estava sujo pelo giz e as canetas que ela usou.

- Eu posso te ajudar. – Disse Molly se aproximando dela.

- Como?

- E só relaxar. – Disse Molly colocando as suas mãos nas laterais da cabeça de Taylor.

“Na cabeça de Taylor, Molly via Alexia, mas seu rosto não era nítido, e o que ela falava par Taylor muito menos.”

- Para. – Gritou Taylor.

- O que foi? – Pergunta Molly soltando-a cabeça de Taylor.

- Parecia que minha cabeça ia cair. – Respondeu Taylor.

- Nunca vi isso em toda minha vida. – Respondeu Molly. – Talvez alguém apagou suas lembranças...

- Como?

- Hipnose. – Replicou Molly. – Mas quero partilhar uma coisa com você.

- O que? – Perguntou Taylor se sentando ao lado de Molly.

- Quando Amara se libertar... Ela amar... Kurt... – Disse Molly. – Eu realmente penso em enterrar a caixa que ela está aprisionada.

- Moral e amor não andam em uma linha tênue. – Refletiu Taylor.

- Devo ser racional? – Pergunta Molly.

- Você deve seguir seus princípios... Porque não tem como diferenciar você dos princípios...

- Eu sei. – Disse ela segurando o colar metálico.

- O que é isso?

- Roubei do túmulo da Amara quando era pequena. – Falou Molly rindo.

...

12:37

Cassandra andava pelos corredores, com tais hematomas e bateu na porta de um aluno que se drogava nas horas vagas.

Ela bateu na porta e ele atendeu.

- Oi vizinho.  – Disse Cassandra com um sorriso sedutor no rosto.

- Oi. – Disse o garoto de olheiras profundas olhando para o decote da regata cor vinho, calça preta colada no corpo e o tênis all star baixo branco, mas seus olhos focavam mesmo era no decote.

- Querido meus olhos estão aqui em cima. – Respondeu Cassandra mantendo seu sorriso no rosto.

- Claro. – Respondeu o garoto um pouco sem graça. – Quer entrar?

- Porque não. – Respondeu Cassandra entrando no dormitório que tinha cheiro de erva misturado com xarope e cigarros baratos.

O garoto se sentava na cama e ela ao seu lado e colocou seu a mão em seu braço, ele caiu no chão. Cassandra podia induzir a pessoa ao sono para sugar sua energia vital.

Com o garoto deitado de bruços ela o chuta para ficar com a cabeça para cima, Cassandra se debruça abre a boca e suga a energia dele, a cor da energia da fumaça que saia era um verde claro.

Os hematomas de seu corpo aumentavam e diminuíam até sumir.

- Você tem gosto de cereja. – Disse Cassandra tirando a seringa de heroína do bolso da calça dele para que ele não se machucasse e foi embora.

Saindo do dormitório ela confere a maquiagem escura esfumaçada e segue para fora do campos e indo de encontro para o aeroporto para ver Kyle e Oliver no caminho ela da de cara com Sarah que para seu caminho.

- Algum problema? – Pergunta Cassandra de braços cruzados.

- Sim, você. – Disse Sarah.

Sarah vestia um vestido branco bem decotado de alças que ficava acima dos joelhos, salto alto vermelho e uma bolsa preta de mão pequena.

- Querida e só mudar de cidade. – Disse Cassandra com um sorriso debochado. – Ou de Estado, país ou quem sabe de planeta...

Sarah ri com tal sarcasmo de Cassandra colocando mão no antebraço de Cassandra emitindo um tipo de fumaça negra.

- Isso é impossível. – Disse Sarah.

- Ser um demônio tem suas vantagens. – Respondeu Cassandra se libertando de Sarah. – Tentar me envenenar não vai funcionar... Mas tem uma coisa que funcione com você.

Sarah olhou para Cassandra que saca a seringa de heroína e que rapidamente injeta em no pescoço de Sarah.

- Boa sorte com isso. – Disse Cassandra entrando em um táxi.

Mesmo que Cassandra odiasse Sarah, ela odiava mais a si mesmo, porque sabia que se os humanos soubesse o que ela é, ninguém estaria com ela.

...

14:04

Mia estava na antiga casa de Dorian juntamente a Steve.

- Você acha que eles estão mortos? – Pergunta Mia para Steve que estava limpando as folhas da piscina sem água.

- Eu acho que não. – Disse Steve subindo e se sentando ao lado de Mia.

Ele pega um cigarro e começa a fumar perto dela, faz um gesto com o maço oferecendo, mas ela recusa.

- Eu falei com Trevor faz alguns dias...

- E...

- E que Gwen e Aaron está com ele em Londres.

- Junto com Dorian?

- Sim, eles estão procurando uma coisa...

-Que coisa? – Pergunta Mia abaixando seu óculo escuro.

- Um quadro.

- Fala sério.

- Sim é sério, se eles não acharem, já podemos dizer adeus a Dorian.

- Qual é a do quadro?

- Dorian para conseguir a imortalidade vendendo a alma, entregando para uma pintura. – Disse Steve. – Se ele não achar o quadro que o ele mesmo escondeu, Dorian vai começar a envelhecer muito rápido.

- Nossa. – Disse Mia. – Mas e você, como estão às coisas com a..

- Esquece. – Disse Steve interrompendo-a. – Violet não quer mais nada comigo.

Steve poderia parecer calmo, porém ele ficava nervoso ao pensar em Violet.

...

14:38

- Tenho que ir.

- Tem mesmo? – Pergunta Megan.

- Sim. – Respondeu Violet colocando o sutiã e a calcinha pretos. – Saiba que eu nunca fiz isso na minha vida

- Não pareceu...

- Sem graça. – Disse Violet terminando de se trocar e colocando o relógio. – Cadê meus sapatos?

- Em baixo da cama. – Respondeu Megan a observando-a.

Quando Violet termina de se trocar, Megan se levanta enrolada em um lençol cinza claro e caminha até Violet.

- Não quer ficar um pouco mais? – Pergunta Megan cara a cara com Violet.

- Eu acho que não posso. – Respondeu Viole.

- Tantas palavras... – Notou Megan. – Tão fácil de fazer parar.

 Depois de tais palavras Megan a beija.

- Eu tenho que ir. – Disse Violet mordendo o lábio e saindo pela porta do quarto.

Logo em seguida ela foi para casa andando.

...

 

15:03

Violet ficou o resto daquela tarde em seu quarto.

Taylor fez o mesmo diferentemente de Violet, ela ficou se torturando com os desenhos.

Kurt e Molly ficaram no quarto, Kurt estudando e Molly tendo surtos internos.

- Me escuta. – Disse ela.

- O que foi? – Pergunta Kurt fechando o livro.

- Eu... Amo você... Independente do que aconteça. – Afirmou Molly.

- Eu também, mas por que isso?

Molly fecha os olhos e responde.

- Porque nunca se sabe o dia de amanha.

Kurt sai de sua cadeira e a abraça com força e fica se perguntando qual era o problema.

...

Litha

Ano desconhecido

 

Horário desconhecido

Alexia andava pelas ruas medievais de Litha até Bertalha um tipo de condado de Litha, em um castelo entrando lá uma mulher e um homem sentados em um trono junto a eles um garoto de 22 anos.

- General Philips. – Disse Alexia fazendo um sinal de reverencia.

- Senhorita Austen. – Disse a mulher.

- Sra. Philips. – Disse Alexia fazendo o mesmo sinal de reverencia. – Jovem Daniel.

- Qual é sua proposta Senhorita Austen? – Perguntou Sra. Philips.

- Não haverá casamento entre o Jovem Daniel e minha filha. – Anunciou Alexia.

- Isso é uma insolência, as leis são claras. – Repreendeu General Philips.

- As leis para um morador de Litha, e Taylor foi concebida na superfície. – Relembrou Alexia.

- Ela está certa. – Disse Sra. Philips.

- Já chega Charlotte. – Repreendeu General Philips.

- Não haverá casamento Conrad. – Disse Daniel.

- Você é meu filho, como ousa me despeitar na frente de sua mãe e da Senhorita Austen?

- Não percebes que está cometendo um erro, as leis ainda regem Litha é a mesma de Bertalha.

- Sem casamento haverá mais retaliações ao povo da superfície. – Anunciou General Philips. – Mandaremos mais Black Annis.

- Que seja, mas saiba que sempre haverá guardiões para defender tanto Litha quanto a superfície. – Terminou Alexia saindo do castelo deixando Conrad e Charlotte furiosos.

 

Continua...


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...