História Can You Feel Me Burning Up? - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias K.A.R.D
Personagens B.M, J.Seph, Jiwoo, Personagens Originais, Somin
Tags Bmin, Comedia, Hentai, Jwoo, Romance
Visualizações 54
Palavras 2.242
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


VOLTEEEEIIII!!!!!
*Foge das pedras*

Como os amores que são, com toda certeza vocês querem uma explicação pela demora absurda não é? Bom, vamos conversar?

Já tem um tempo que eu ando passando por problemas bem punk em casa, problemas que me deixaram/me deixa sem dormir, pregar o olho mesmo. Com esses problemas a minha inspiração ficou totalmente zerada! Não saía nada para fics nem nada assim, tanto que eu fiquei sem atualizar outras que escrevo. Foi doloroso. Eu implorava para as ideias voltarem mas tava bem difícil, tanto que eu até chorei quando vi os coments cobrando o cap, me emocionou demais saber que vocês estavam comigo e gostam mesmo da fic! Obrigada meus anjos!
Peço perdão se esse cap for um fiasco, agora que estou voltando com as ideias e gente, me perdoem mesmo! Eu prometo fazer o meu melhor na próxima.

Apesar desse capítulo ser para vocês, esse capítulo é em especial para a minha amiga, minha heroína, meu anpan, a Maria Eduarda. Ela estava comigo chorando e sangrando quando eu passava por todo esse caos. Duarda, obrigada por tudo! Desculpe se eu fiz alguma idiotice naquela festa, eu nunca quis te decepcionar... nunca. Eu espero que me perdoe. OBRIGADA!

Boa Leitura!!!

Capítulo 7 - Capítulo 7


Às oito e meia em ponto, o porteiro ligou para o apartamento de Somin avisando que havia um homem esperando por ela na portaria. Jiwoo e Somin se olharam e a expressão de uma era de surpresa e da outra de seriedade.

- Pontual. - Jiwoo sorriu.

- Com toda certeza quer puxar saco, ou quer me irritar. Como eu odeio esse cara!

- Ele tá tentando, dá um desconto.

- Não tem mais espaço para homem nenhum, e nem desconto. Preciso fazer logo o Kyu-Bok pagar pelo que me fez e acabar com essa farsa. - Somin colocou uma bolsa com alça longa em seu ombro, deu um beijo na amiga de despedindo dela e pediu sorte.

- Se joga.

Ela sorriu e abriu a porta batendo-a de maneira suave. Somin se aproximou do elevador, apertou o botão e a porta se abriu na mesma hora. Estava com sorte, não teria que esperar séculos para pegar o elevador.

Sua pulsação se encontrava acelerada. Não queria estar pensando, mas coisas como a roupa que ele estaria usando, se ele sorriria assim que a visse, o que ele falaria quando estivessem juntos não saíam de sua cabeça. Estava ansiosa. Era sempre assim quando se tratava de Matthew, nem com Kyu-Bok era dessa maneira e isso a preocupava.

A porta enfim se abriu a tirando de seus devaneios e ela saiu do elevador arrumando os cabelos, procurando estar o mais apresentável possível. Assim que avistou Matthew na portaria, seu coração bateu engasgado e ela guardou o lembrete de se odiar por achar aquele homem a coisa mais linda que já viu na vida, em alguma gaveta de sua mente para mais tarde. Agora, só queria olhar cada centímetro de seu namorado de mentira porque ele estava lindo.

Usando uma calça jeans preta rasgada nos joelhos, Matthew parecia ainda mais alto do que ela se lembrava. A camisa clara por baixo do casaco grosso xadrez que ele vestia fazia seu visual se tornar arrebatador, combinando com a expressão que ela não conseguia decifrar, mas que a deixava de pernas bambas.

Ela apertou a alça da bolsa assim que Matthew a encarou, e na mesma hora que ele a viu, fitou-a de forma descarada e um sorriso repuxou o canto de sua boca.

- Pontual. Tá querendo me agradar? - Ela parou a alguns metros dele.

- Tô conseguindo? Se eu tiver, a resposta é sim. - dessa vez, o sorriso aumentou e ela pode ver alguns dentes darem o ar da graça. - Quer saber para onde vamos?

Ela abriu a boca para responder mas apenas o encarou e finalmente disse:

- Surpreenda-me. - Somin franziu o cenho.

Matthew sorriu e estendeu o braço dando passagem a ela.

- Você não tá nada mal. - Ela o encarou de cima abaixo enquanto andavam e franziu o cenho.

- E você está linda. - Ele fez o mesmo, mas seu olhar era intenso e se demorou em cada parte de seu corpo, fazendo Somin abaixar a cabeça e parar em frente o carro.

Ela abriu a porta do passageiro mas Matthew se adiantou e a abriu mais para que ela pudesse entrar.

- Já te falei que detesto isso?

- Já, mas eu vou continuar fazendo. - Ele provocou, mas Somin não disse nada, apenas se encostou no banco e cruzou os braços.

Estava sendo rude demais? Ele parecia empenhado em ser um verdadeiro cavalheiro, por que ela não podia baixar a guarda?

Porque Kyu-Bok também era, e lhe conquistou pela sua sensibilidade, pelo seu caráter aparentemente incrível mas assim que conseguiu, lhe apunhalou pelas costas e a meteu naquela mentira protagonizada por ela e por um homem com quem dormiu por estar devidamente bêbada.

- Eu realmente temi que não descesse, que me deixaria plantada na portaria. - A voz dele despertou a atenção dela para si.

- Eu deveria, - ela respondeu dando indícios de um sorriso - mas é sexta-feira.

- Ah, duvido.

- Oi?

- Duvido que tenha sido só por isso.

Somin se virou um pouco dentro do carro, cruzou os braços e o encarou.

- O que te dá tanta certeza?

Matthew trocou de marcha e virou o rosto por alguns segundos para olhá-la, em seguida passou a fazer isso com mais frequência.

- Acredito que sua consciência ficaria pesada por deixar um amigo esperando como um tolo.

Amigo?

- Não me conhece.

- O que conheço de você me diz isso, Somin. Sei que por trás de toda essa… armadura, é uma mulher sensível, incrível, carinhosa, legal e…

Somin engoliu sua saliva com dificuldade, pois ela desceu pela garganta seca queimando tudo. Ela definitivamente odiava Matthew Kim por ver nela coisas boas, coisas essas que não existiam, coisas que seu maldito ex tratou de matar.

Mesmo sabendo que seu cérebro implorava para ela não o incentivar a continuar, seu coração acelerado pedia o total oposto; ele ansiava saber o que Matthew diria.

-E? - Feito. Ela havia seguido o coração.

-E…

Mas ele não terminou, ele estacionou e rapidamente tirou a chave da ignição tirando o olhar de Somin de si. Os olhos dela foram para o seu lado, sua janela. Luzes coloridas piscavam de maneira intensa e lenta, preguiçosa.

Com luzes ainda mais fortes e bonitas, o nome Cobelic se destacava por suas cores amarela e vermelha, deixando tudo tão chamativo e tão bonito que as pupilas de Somin dilataram ao verem tamanha beleza.

Matthew saiu do carro, deu a volta e abriu a porta para Somin, que olhava tudo de maneira maravilhada.

- Esse lugar é bonito.

- Achou? - Eles se olharam e ela pensou ter visto timidez em seu gesto.

- Uau, quanta gente! Eu não sabia que isso existia.

E realmente havia. A fila do lado direito do lugar estava enorme, com dois homens recepcionando as pessoas que frequentariam o local.

- Abriu recentemente.

- É uma boate. Ok, não tenho boas recordações, foi por uma dessas que nos conhecemos.

- Mas não é qualquer boate. - Matthew se pôs ao lado dela.

- E o que a torna tão especial? - Eles se olharam.

- É minha.

Tentando assimilar tudo que ouviu, Somin ficou boquiaberta.

Impossível. Impossível. Impossível.

- Seja muito bem vinda à Cobelic.

E então o queixo de Somin caiu de vez. Ele era o dono daquela boate? Ele? Matthew Kim? O idiota? Pervertido?

- Impossível.

- Impressionada?

- Assustada se encaixa melhor. Você tem certeza que não é o bartender? Ou o DJ?

- O meu DJ você conhecerá daqui a pouco. Podemos entrar? Quero muito lhe mostrar tudo.

E era verdade. Matthew sentia uma excitação totalmente nova por ter Somin no lugar que administrava, que considerava sua casa, - por ter dormido inúmeras vezes após ter saído de casa por discussões desnecessárias com o pai - seu lugar preferido em todo o mundo. Queria que tudo a surpreendesse, a deixasse em estado de êxtase. Isso significava algo para ele, e o mesmo estava ansioso para saber o motivo, mas guardou em um canto de seu peito para poder meditar e procurar respostas mais tarde.

Indo na frente, Somin começou a andar para dentro da boate e assim que um dos seguranças assentiu para eles, ela pensou que teria um troço.

Dentro do estabelecimento, a música ecoou bem mais alto, a deixando um tanto atordoada, mas isso não diminuiu, pelo contrário, pois assim que percebeu que Somin estava um tanto perdida no meio de tudo aquilo, Matthew a abraçou pela cintura e a colou na sua, fazendo ela estremecer e esse pulinho que ela havia dado lhe despertou a vontade de rir, mas pelo fato dela ser diferente, ser inusitada, ser tão… ela.

Muitos jovens dançavam a batida eletrizante de Bang Bang Bang, do grupo sul coreano Big Bang, e pareciam mexer seus corpos como se aquela fosse a última oportunidade que estavam tendo.

A Cobelic era um misto que conforto e ousadia. Somin não sabia de onde havia tirado aquela constatação, mas ao mesmo tempo que sentia uma sensação relaxante pela decoração do lugar, se sentia eufórica, se sentia pronta para encarar a pista de dança como uma guerreira viking, para quem sabe morrer em batalha e ir para Valhalla.

A mão de Matthew em sua cintura havia se tornado algo quente, algo que lhe trouxe calma e que lhe agradou muito. Era infinitamente bom ser tocada por ele, mas é claro que morreria e não admitiria tal coisa.

- O que achou?

Mais uma vez ela se espantou, pois a proximidade da boca de Matthew em seu ouvido lhe pegou desprevenida. O hálito quente dele lhe provocou um leve arrepio na nuca e só Deus sabia de onde ela havia tirado autocontrole para não afastar o ouvido e sorrir.

O que ela havia achado? Por Deus, a Cobelic era simplesmente incrível! Porém, ela ainda custava acreditar que aquilo era mesmo de Matthew. Ele estaria tentando impressioná-la?

A música enfim havia mudado e numa mesa afastada, se encontrava quatro pessoas sorrindo e duas delas viraram um copo pequeno enquanto seus sorrisos aumentaram. Ao ver Matthew, Yun abriu o seu melhor e mais feliz sorriso, porém, ao olhar Somin em seu “encalço” o mesmo morreu aos poucos e uma expressão séria se fez presente.

- Eu não acredito no que vejo! - Seung parecia realmente surpreso.

-Hey, chegamos! - Matthew sorriu.

- Finalmente! - A voz desconhecida se pronunciou alegre.

- Dong, seu cretino, é bom ver sua bunda sentada em minha cadeira e seu dinheiro pagando nossas bebidas.

- Ainda pensando em beber às minhas custas não é mesmo? - Eles sorriram e deram um toque com as mãos.

Dong, era provavelmente o amigo mais antigo de Matthew, eles se conheceram na faculdade e não se desgrudaram mais. Seung e Shou ainda não o conheciam, mas o acharam divertido logo de cara.

- Yun, está bonita hoje, andou tomando aquele suco que eu lhe recomendei não é mesmo?

Yun não se controlou, sorriu de maneira moderada, mas sorriu e assentiu.

- Ele faz milagres, realmente. Mas e aí? Não vai apresentar a sua amiga? - Ela olhou diretamente para Somin.

Matthew, que ainda não tinha tirado a mão da cintura de Somin sorriu e a encarou. A mesma parecia perdida e um tanto desconfiada, pessoas estranhas e que via pela primeira vez na vida. Amigos de Matthew. Ele tinha amigos mesmo, dava pra acreditar? Estava nervosa.

Eles se encararam e Somin desviou o olhar procurando olhar para outras coisa do que para as orbes escuras do seu falso namorado.

- Bom crianças, essa é Jeon Somin, minha namorada.

Todos na mesa ficaram surpresos novamente. Seung sorriu, se levantou e fez uma reverência para Somin e a mesma retribuiu e sorriu envergonhada. Todos fizeram a mesma coisa e em seguida sentaram-se e dessa vez Matthew e Somin fizeram o mesmo.

- Então a nossa querida Somin aqui foi a mulher que prendeu o coração do nosso cowboy e o trancou a sete chaves? - Dong sorriu e a encarou.

- É um prazer conhecê-los - Somin sorriu e suas bochechas estavam afogueadas - Matthew fala muito de vocês!

- Deixa de besteira, Dong! - Matthew pareceu envergonhado.

- Conte mais sobre você, Somin. - Yun encorajou e recebeu um olhar reprovador de Seung.

Somin foi pega de surpresa, mas sorriu novamente e assentiu.

- Bom, eu tenho vinte e um anos, moro com uma amiga desde os dezenove, sou formada em turismo e trabalho analisando contratos. - Ela disse de maneira rápida e prática já que ainda estava se sentindo acuada.

- Eu vou pegar alguma coisa pra beber, você aceita algo, querida? - E o deboche brilhou nos olhos de Matthew.

- O que você escolher pode ser o mesmo para mim. - Ela o olhou meio nervosa.

- Hey BM, me trás uma cerveja! - Seung gritou e Matthew concordou mostrando o polegar.

BM? Por que o chamaram de BM?

- Então você passa o dia analisando contratos? - A conversa se seguiu com Yun sentindo um pouco mais de liberdade após Matthew ter saído.

- Sim! - Somin a olhou para lhe dar toda atenção.

- Não é tedioso?

- Nem sempre, às vezes se torna maçante, mas estou acostumada, apesar de não querer isso para o resto da minha vida.

- E o que pretende para o futuro?

- Abrir uma agência de turismo.

- Não me parece uma meta tão boa assim. Acha que vai conseguir?

- Não serão comentários negativos que me farão desistir.

Somin e Yun se encararam.

Ela tá sendo sarcástica comigo?

Seung deu mais uma olhada reprovadora em Yun e a mesma deu de ombros. Matthew finalmente havia voltado com uma garrafa de cerveja e dois copos com um líquido azul que de aparência tão bonita encheu os olhos de Somin, em cima de uma bandeja.

- Que bebida bonita. - Somin continuava olhando o conteúdo do copo.

- Você não é de beber, né? - Dong perguntou a Somin.

- Não faço frequência, confesso. Mas ultimamente isso vem se tornando um hábito. - E ela olhou Matthew.

- Hey, BM, não seca sua namorada assim, na nossa frente. - Seung sorriu e atirou um gelo no amigo.

- Como você é chato! - Matthew sorriu.

- Nunca o vi tão feliz - Dong começou a fazer uma pequena observação - espero que dure muito, é bom te ver alegre, cara. Namorar está te fazendo bem.

Ambos ficaram extremamente envergonhados com a declaração de Dong e enquanto Somin abaixava a cabeça, Matthew bebia um gole da sua bebida.

- A Somin de fato é uma mulher maravilhosa. - ele disse assim que terminou de beber - Eu sou um homem de sorte.

Somin o olhou e seu coração acelerou. Podia ver a verdade em seu olhar e ela sentiu uma vontade avassaladora de dizer a mesma coisa, mas logo desistiu quando percebeu que Matthew estava perto demais da sua boca, então ela virou a cabeça e pegou sua bebida, quem sabe assim o gelo do copo não refrescava seu rosto em chamas.


Notas Finais


Gostaram? POR FAVOR, ME PERDOEM PELOS ERROS, PELO CAP FRACO... De verdade gente, eu prometo dar o meu melhor no próximo cap.

Galerinha, nos próximos caps eles vão ficar muito mais próximos ok? Aguardem!

Roupa do BM: https://pin.it/6l3b5qp6hrpnqo

Mil beijos temperados! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...