1. Spirit Fanfics >
  2. Can you see me? - clace >
  3. A verdade

História Can you see me? - clace - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Oi oi gente

Desculpa a demora

Capítulo 10 - A verdade



Capítulo narrado por clary fray 

Escuto algumas vozes ao meu redor mas meu corpo esta todo queimando. Não consigo falar nada, apenas solto uns grunhidos de dor a medida que ela aumenta. Meu ossos parecem estar sendo quebrados cada vez que me mexo.

- Como não conseguiu ver que ela foi infectada?- escuto a voz da professora Maryse.

- Estava tentando esconder a verdade sobre nós e mais ocupado em salvar a garota - reclama Jace.

- Ela esta terrível, é um milagre estar viva. - Comenta a professora.

- Então não vamos demorar. - escuto a voz de Jace perto.

- Ela vai sentir dor. - avisa ela

- Eu cuido dela. - garante Jace e sinto ele se aproximar da maca da enfermaria.

- Vamos lá.  - Um suspiro se aproxima.

Sinto mãos pequenas e frias mexer em meu braço e logo as mãos grandes de Jace segurando as minhas. Uma agulha entra em minha pele e consigo sentir um líquido gelado e grosso se espalhar pelo meu sangue. Meu corpo todo se arrepia e sinto como se minha pele tivesse virado pedra.

- Aaaah! - Exclamo

- Clary?! - A voz de Jace esta preocupada.  - Ela está sentindo muita dor.

- Precisa combater o veneno, está no corpo todo dela! - Escuto maryse.

- Jace?!! - Grito sem conseguir mexer meus membros.

- Estou aqui - sinto suas mãos frias em minha testa e abro os olhos tendo uma breve imagem embaçada de seu rosto me olhando com preocupação. - Está tudo bem, eu estou aqui...- Me garante quando minha visão escurece e desmaio com a dor.

🦇🦇🦇

- Parece bem melhor - Escuto a voz de Jace perto.

- O veneno esta saindo do organismo dela mas temos que levá-la daqui. - Diz maryse.

- O-o...que está...- Tento falar.

- Clary? - Jace sussurra ao meu lado.

Abro os olhos devagar e vejo os dois me observando. Meu corpo esta fraco mas agora não estou com dor. Tento reunir os pensamentos de tudo que escutei e enteder o que aconteceu. Me apoio nos cotovelos e empurro meu corpo trêmulo para cima.

- Não faça muito esforço, você precisa descansar - Protesta Jace me segurando.

- Quero ir embora...- reclamo.

- Ela tem que ir para casa. - Diz a professora

- Sebs...- sussurro

- Ele não pode te ver assim..- diz ela.

- Eu levo ela para casa. - anuncia Jace

- O que?- pergunto confusa.

-Você precisa de uma carona e eu estou disposto a te levar. - faço uma careta.

- Não temos opção. - Diz maryse. - Quando chegar na casa, ja sabe o que fazer.

- Certo. - Ele confirma. - Agora, vamos.

Tento ficar de pé mas quando percebo, já estou nos braços de Jace. Sem falar nada, ele caminha para fora da enfermaria e segue pelos corredores vazios me carregando. Chego até um carro que não consigo ver direito e ele me coloca dentro com facilidade.

- Temos que ir. - ele da a volta com rapidez e se senta no banco do motorista. Em um segundo ele liga o carro e acelera.

- Por que está tão rápido?- pergunto percebendo a velocidade.

- Não podem nos ver.- responde.

- Você só esta me deixando confusa. - Falo um pouco grogue e quando olho para meu braço tomo um susto. - O que é isso?!!

Encaro minhas veias que estão em um tom de cinza escuto como se estivessem petrificadas. Arregalo os olhos com o susto.

- É por causa do antídoto. - Diz calmo.

- Eu preciso saber que merda toda é essa - Falo um pouco fraca.

- Você vai saber mas na hora certa. - Fala.

- Não...- Protesto.

-Você vai descansar um pouco pois está muito fraca - penso em reclamar mas posso sentir meu corpo cansado.

- Está bem. - Resmungo.

Fico em silêncio pensativa o resto do caminho. Quando Jace chega na minha casa, percebo que não passei nem duas horas na escola. Ele me estende as mãos e me ajuda a ficar de pé.

- Eu vou te pegar no colo de novo. - Avisa.

- Não tem necessidade...- falo mas ele já estava me carregando novamente.

Jace sobe até o segundo andar e sem eu falar nada, se direciona até o lance de escadas que leva ate meu quarto. Com a mente cansada demais para fazer perguntas sensatas do tipo " como sabe que meu quarto é no sótão " ou " o que aconteceu comigo?" Prefiro me aconchegar quando ele me deita na cama.

- Jace?- chamo baixinho e com os olhos fechados.

- Estou aqui - diz se afastando.

- Não vai embora...- Peço agarrando seu braço por puro reflexo.

- O que?

- Eu estou com medo de ficar sozinha...fica comigo?- pergunto

- É...eu...fico? - Ele parece confuso.

Ele mexe em meus pés, tirando meus sapatos com cuidado. Sinto o colchão afundar um pouco e algo frio toca meu rosto. O corpo de jace emana ondas geladas perto de mim mas isso me ajuda a adormecer.

Acordo em um pulo da cama e percebo estar sozinha. Olho para o relógio onde já se passou a hora do almoço e eu dormi por boas horas. Me levanto sentindo meu corpo mais forte e sem dor.

- Jace?- sussurro baixinho mas ninguém responde

Desço o primeiro lance de escadas e vou caminhando devagar até o segundo. Antes de conseguir descer, escuto barulho de alguém mexendo na cozinha e me deparo com Jace com uma colher de pau na mão.

- Não devia ter saido da cama. - Ele reclama e da um passo na minha direção.

- Não chega perto de mim enquanto não me contar toda a verdade. - Falo

- Clary...

- Eu quero a verdade e não aceito que a resposta seja que estou ficando louca

- Você foi arranhada por um metamorfo e o veneno dele ficou em seu sangue. - Ele simplesmente diz me olhando.

- O que?!- Assusto com a sinceridade repentina e me desequilíbro escorregando da escada. Em menos de um segundo ele aparece na minha frente, me segurando. Meu coração se acelera com o contato e tento raciocinar como ele atravessou a sala em um piscar de olhos. - Mas que merda é essa...

- Você queria a verdade?- ele me analisa com cuidado- Eu sou um vampiro.


Notas Finais


O que acharam?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...