História Candy Girl - Riverdale - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Riverdale
Personagens Alice Cooper, Antoinette "Toni" Topaz, Archibald "Archie" Andrews, Cheryl Blossom, Chuck Clayton, Clifford "Cliff" Blossom, Dilton Doiley, Elizabeth "Betty" Cooper, Ethel Muggs, Forsythe Pendleton "FP" Jones II, Forsythe Pendleton "Jughead" Jones III, Frederick "Fred" Andrews, Ginger Lopez, Hal Cooper, Hermione Lodge, Hiram Lodge, Jason Blossom, Joaquin, Josephine "Josie" McCoy, Kevin Keller, Marmaduke "Moose" Mason, Mary Andrews, Melody Valentine, Oscar Castillo, Penelope Blossom, Personagens Originais, Polly Cooper, Pop Tate, Reginald "Reggie" Mantle, Sierra McCoy, Smithers, Tina Patel, Treinador Clayton, Trev Brown, Valerie Brown, Veronica "Ronnie" Lodge, Waldo Weatherbee, Xerife Keller
Tags Alice Cooper, Archie Andrews, Archie Comics, Betty Cooper, Black Hood, Bruxa, Bughead, Candy Girl, Cheryl Blossom, Choni, Comedia, Edgar Evernever, Evelyn Evernever, Falice, Fangs Fogarty, Fp Jones, Greendale, Hermione Lodge, Hiram Lodge, Investigação, Joaquin, Josie Mccoy, Jughead Jones, Keller, Kevin Keller, Mistério, Nancy Drew, Northside, Penny Peabody, Polly Cooper, Pops, Riverdale, Riverdale High, Romance, Scarlet Woods, Serpentes, Serpents, Southside, Southside High, Suspense, Sweet Pea, Toni Topaz, Valerie, Varchie, Veronica Lodge
Visualizações 54
Palavras 2.726
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Ficção Adolescente, LGBT, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


•Com todo o amor do mundo, esse capítulo é dedicado a @Yoon_Lena ❤
•Boa leitura, e muito obrigada por chegarem até aqui, isso me motiva muito a continuar ❤

Capítulo 7 - Stranger Than Paradise - Sete


"You, you love it how I move you

You love it how I touch you

My one, when all is said and done

You'll believe God is a woman

And I, I feel it after midnight

A feelin' that you can't fight

My one, it lingers when we're done

You'll believe God is a woman"

--------------

- Quem vai jogar? Eu já tô dentro! - Toni Topaz pergunta aos berros, subindo na cadeira ao lado de Cheryl, que encosta as testas das duas, o que fez Toni sorrir.

- MEU CHONI TÁ VIVO, MONAMOUR! - Alguém grita, ganhando risadas de todos ali presentes. Cheryl segurou o rosto da namorada, que ficou levemente corada.

- Mais vivo que isso? Impossível. - Ela grita em resposta, puxando Topaz para um beijo em cima da mesa. Toni coloca suas mãos na cintura da ruiva, que apalpava desde seu rosto, até suas costas e bunda, que fez Toni contrair um pequeno gemido. Estavam em um beijo calmo, até serem interrompidas pela falta de ar. - E agora, quem vai jogar? - Blossom diz, entrelaçando seus dedos nos da de cabelo rosa, que ainda recuperava o fôlego.

- Eu vou! Você vem, Arch? - Veronica pergunta, puxando o ruivo pelo braço até a grande mesa de madeira que Cheryl e Topaz estavam tentando descer. Muitos Serpentes entraram no jogo também, alguns preferindo ficar de pé, outros puxando suas cadeiras e banquinhos.

- Eu também quero participar, você vai Jughead? - Evelyn se vira pro moreno, o olhando com seu sorriso de lado e brilhantes olhos cor de mel. Jughead hesitou por um momento, pensando se aquela realmente era uma boa ideia, mas deixou-se levar uma vez na vida e acompanhou a loira até seus respectivos assentos. Ver essa cena fez o corpo de Betty Cooper ferver, ela sentia cada batida do seu coração pulsando a base de um " Eu não acredito!".

- Também vou me juntar a vocês, crianças. - Elizabeth pode dizer em tom desafiador, sentando-se de frente à Jughead e soltando seu cabelo loiro, provocando olhares de todos os cantos, mas especialmente de Evelyn e Jug. Logo Reggie e alguns Bulldogs se juntaram a mesa, junto de Kevin, Josie, Moose e Chuck. Quando Cheryl finalmente voltou com uma garrafa de bebida vazia, o jogo iria começar.

-Mas prestem atenção: quem entrar agora, não pode mais sair, e quem recusar o desafio, vai ser obrigado a ficar pelado em frente ao Pop's. - Todos continuaram em seus lugares, exceto alguns jogadores de futebol- E pra garantir que vocês falem a verdade... Você trouxe, Reggie? - Cheryl se vira ao garoto, que joga uma sacola em cima da mesa junto a garrafa - Jingle-Jangle. E então? - A ruiva oferece, e a maioria das pessoas aceita.

- Jingle-Jangle? É sério isso, Cheryl? Não dá pra amenizar? - Jughead protesta, fazendo com que Blossom lhe lançasse um olhar mortífero e uma bela revirada de olhos. Evelyn e Betty se levantam, concordando com Jughead.

- Tudo bem! A culpa é de vocês nascerem caretas, mas vão beber. E muito, ninguém volta sóbrio hoje pra casa. - Ela dizia enquanto pegava 3 copos e uma garrafa, possivelmente de Vodka - Amor, me passa o Black Label? - Toni obedece e a concede a garrafa, enchendo cada copo com a mistura - Prontinho, quero ver vocês virando 3 desses, apenas por agora. O restante já sabe o que fazer. - Ela dá seu sorriso icônico, sentando-se na cadeira acolchoada em vermelho. Depois da primeira etapa, isqueiros e Jingle-Jangle na sala de estar, já era hora de começar o jogo. Cheryl gira a garrafa sem mais delongas, que para em uma loira, Evelyn Everner.

- Verdade ou consequência? - A ruiva diz mantendo seu sorriso, e Evelyn se aproxima mais do centro da mesa.

- Verdade. - Pode-se ouvir uma grande vaia vindo da parte dos observadores.

- Se você fosse dormir com alguém dessa mesa, quem seria e por que? - Ela diz, a encarando com as sobrancelhas ruivas arqueadas.

- Não sei se devo... - A loira dá um sorriso sem graça, observando todos na mesa, inclusive despertando o olhar mais curioso de Betty Cooper. Após alguns gritos incentivando a garota, ela continua - Jughead Jones. O por que? Basta ter olhos pra ver. - Ela sorri encarando o chão, fazendo com que Betty e Jug troquem olhares, ele perplexo, e ela tomada pela ira.

- Não foi surpresa pra ninguém, não façam essas caras. - Sweet Pea diz debochado, mas Evelyn ignora e gira a garrafa.

- Verdade ou... - Evelyn ia terminar a frase, mas foi interrompida, o que a fez se encolher na cadeira, como quem planeja uma vingança séria.

- A anfitriã que pergunta, Eve Girl. Verdade ou consequência, prima? - Cooper dá uma última olhada pra Jughead, que estava realmente confuso, mas intrigado com a confissão da garota. Quer dizer, além de Betty, isso nunca tinha acontecido, era algo a se notar. Mas Elizabeth não achava intrigante, achava no mínimo, desnecessário.

- O melhor desafio que você puder, priminha. - Elizabeth diz, se reclinando sobre a mesa, e fincando suas unhas nas mãos novamente, mas de uma maneira que a própria Bee podia sentir seu sangue escorrendo.

- Beije o Archie. Vai ser uma bela cena! - Cheryl diz, olhando pra todos na mesa que concordam; com excessão de Veronica Lodge, que via esse desafio como um abuso, além do namorado estar bêbado e drogado como ela, ela ainda não tinha perdido a noção. Mas sabia que Betty ia recusar, era sua melhor amiga, sabia tomar a melhor decisão. Mas enquanto ela se convencia de que sua melhor amiga ia honrar seu relacionamento, ela vê Betty Cooper colando seus lábios no de seu namorado, que corresponde o beijo. Veronica sentiu vontade de gritar e socá-los ali mesmo. Nunca havia sentido tanta raiva de uma melhor amiga, ou talvez ex melhor amiga em toda sua vida. Seus punhos se fechavam, enquanto todos aplaudiam a cena. Betty, por outro lado, nem ao menos tinha pensado em Veronica, apenas queria ver a cara de Jughead. Queria que ele sentisse o impacto de sua ação, queria que ele visse, ela já não respondia mais tanto por si, mas ele ia responder perfeitamente por ter correspondido sua vizinha. Mesmo que ele não tivesse de fato, correspondido. Betty agora se revelava mais... estranha. Diferente, pensou Jughead. Mas não era possível que a garota estivesse tão bêbada a ponto de esquecer que Jughead também possuía sentimentos, e esquecer que ele amava a garota Cooper. Aquilo era equívoco demais pra ele, que decidiu com sua parte mais irresponsável, virar um outro copo da mistura Blossom. - Excelente, esse beijo aqueceu até o clima! Pode girar a garrafa, priminha. - Cheryl diz, encostando sua cabeça na de Toni, que estava ao seu lado.

- Eve, Eve, Eve! Essa garrafa gosta de você. E então, o que vai ser? - A ruiva indaga.

- Consequência, dessa vez. - Ela dirige seus olhos diretamente a Jughead, que mantinha a cabeça baixa, pensando em o porquê de Betty ter feito o que fez.

- Desafio você... a tirar uma peça de roupa. Jughead vai adorar essa visão. - Evelyn olhou em volta, e todos estavam bem concentrados no que ela ia fazer, então a loira retira sua camiseta, revelando um sutiã azul, nada muito sexy, mas bonita o suficiente pra fazer muitas pessoas gritarem em comemoração, e alguns rapazes sugerindo que ela tirasse mais peças.

- Ora ora, Lodge! Verdade ou desafio? - Cheryl levanta, retirando sua jaqueta vermelha dos Serpentes por um momento, e enchendo seu copo com Black Label e Whisky.

- Consequência. - A morena diz sem pensar duas vezes.

- Desafio você a falar tudo o que pensa sobre a Betty nesse momento. - A Blossom diz, em meio a goles de sua bebida e sorrisos malignos. Veronica apenas bufou, conseguindo a atenção de Betty, e começou a falar.

- Você agiu igual uma cobra, víbora, como dizem mesmo? Ah, é: talarica. Eu me pergunto se você realmente era minha melhor amiga ou namorada de Jughead, ou só estava esperando pra dar o bote e ficar com o Archie, afinal, ele é seu crush de infância, não é? Mas o que realmente me impressionou foi a sua falta de caráter, Betty Cooper. Não sei como já pude te chamar de amiga algum dia, ver você agora me faz querer vomitar. - Veronica diz, se levantando e apoiando seu corpo com os braços em cima da mesa, e Betty fez a mesma coisa, entre risadas irônicas.

- Eu? Desculpe, não fui eu que quis beijar o namorado da minha melhor amiga naquela cabana idiota, e não sou eu quem gosta de se entupir de Jingle-Jangle pra se sentir melhor! - Betty diz, com tom desafiador e irônico, fazendo com que Veronica se irrite ainda mais.

- Pra me sentir melhor? Eu não me fantasio e me encho de acessórios pra transar com meu namorado pra fingir ser alguém que eu não sou! E também não sou eu que acaba de ficar sem uma melhor amiga, Elizabeth. Nunca mais olha pra mim. Você vem comigo, Archie? - O mesmo depois de um grande tempo, possivelmente devido a bebida e droga, se levanta.

- Mas pelo menos eu não tenho amigos estupradores, não passo pano pra estuprador, não tento esfregar a menina de New York vazia por dentro, que fez garotas irem pra terapia a beira de um colapso, pra que? Pra satisfazer meus caprichos, você gosta de ver os outros aos seus pés, os outros de forma inferior que você, Lodge, isso realmente te faz mais feliz? - Elizabeth cuspe cada palavra de maneira pausada por conta da bebida no rosto de Veronica, que simplesmente dá um passo a frente, e segura o rosto da loira, o apertando de leve.

- Eu não sou assim. E você tem sorte de eu não te dar um tapa aqui na frente de todo mundo, não vou me rebaixar ao seu nível, vamos Archie, vou ligar pro motorista, não quero ficar mais um segundo nessa festa idiota. - Veronica sai pisando forte, segurando Archie que estava por um fio de desmaiar.

- Uau! Isso que eu chamo de uma boa intriga, e agora, vamos voltar ao jogo? - Cher diz, recuperando sua atenção e girando a garrafa novamente.

- Verdade ou consequência, prostituta? - Ela pergunta, rindo mais do que o considerado normal. A garota de lábios vermelhos e rosto tatuado apenas sorri.

- Consequência, meu bem. E não sou prostituta, sou stripper. - Ela diz, encarando Cheryl com seus olhos castanhos e delineador preto. Elas são interrompidas por um riso, vindo do final da mesa, onde a maioria dos Serpentes estava.

- Vai saber, né? As vezes parece outra coisa. - Sweet Pea dizia, debochando da garota.

- Te desafio a fazer um striptease pra ele! Vai ser emocionante ver um pouco de amor na relação de ódio de vocês! - Scarlet e SP se entreolharam, pasmos com o que acabou de lhes ser pedido. Mas Scarlet não estava afim de mostrar seu corpo nu em frente à uma lanchonete, não naquele dia pelo menos.

- Ok, eu posso trabalhar com o grandão. Me acompanha, Sweet Pea? - Scarlet se levanta, sorrindo e colocando sua cadeira no meio da sala, enquanto todos os observadores lhe abriam espaço. Quando a garota indicou a cadeira com as mãos, Sweet Pea entendeu que era o lugar onde ele deveria sentar, e assim o fez.

- Se você for uma stripper ruim, vou falar mal de você pela cidade inteira. - O garoto dizia em seu melhor tom de deboche enquanto sorria, e Scarlet retribuiu o sorriso, pedindo que Cheryl colocasse a música pra tocar, e então, logo se ouvia por toda a sala a música "You don't own me".

- Você não vai ter de se dar tamanho trabalho, só relaxa e aproveita o show gratuito, não é comum eu fazer algo assim. - A garota disse antes de começar a dançar.

You don't own me
You don't own me

Enquanto a frase se repetia, a morena rebolava lentamente enquanto passava a mão em seus cabelos negros. E a cada nova palavra, a garota passava suas mãos pelo seu corpo, enquanto bagunçava seus cabelos de uma forma bonita e um tanto sexy, a morena chegava mais perto de Sweet Pea, olhando fixamente pro mesmo, que a olhava com um certo interesse. Então em meio a carícias nos próprios seios, Scarlet retirou a primeira peça de roupa: sua parte de cima, revelando uma lingerie preta ousada, que destacava-se em sua pele branca. A garota apenas sorria de lado enquanto olhava nos olhos de seu cliente, que agora retribuiu o sorriso.

You don't own me
I'm not just one of your many toys
You don't own me
Don't say I can't go with other boys

E então, a morena balançava o quadril e mexia os braços no ritmo da música, fazendo com que todos prestassem atenção na cena. E quanto mais o refrão se aproximava, mais perto ela estava de Sweet Pea, até que sentou em seu colo, passando a mão suavemente em seu rosto, sorrindo e se levantando novamente.

Don't tell me what to do
And don't tell me what to say
Please, when I go out with you
Don't put me on display

E então, em meio a danças de cintura, ela se vira de costas e retira sua saia, mostrando uma bela cinta liga preta, que fez seu cliente morder o lábio inferior. Sweet Pea gostava do show, assim como todos os que estavam assobiando para a mesma e degustando de seu showzinho. Scarlet gostava disso, gostava de que as pessoas aprecisassem seu trabalho, gostava de dançar. Ela simplesmente gostava de ser bem vinda ao local, sem ninguém a chamar de prostituta por um momento. Sua dança era algo... instável, seu corpo ficava em mudança constante, causando mil sensações aos olhos de quem vê, e era preciso atenção pra acompanhar. A garota não tinha um corpo exagerado, tampouco curvas extremamente bem delimitadas, seu corpo era comum, mas o que mais chamava atenção, era o fato dela conseguir agradar todos que estavam na festa, aquilo era realmente impressionante. E quando ela se preparava pro final, a música para.

- Foi um show lindo e espetacular de ver, confesso, mas minha Nana Rose precisa dormir, foi ótimo ficar aqui com vocês. Ah, e minhas portas de misericórdia divina estão abertas, se alguém quiser ficar pra dormir. - Cheryl disse, antes de levar Toni e Josie pro andar de cima.

- Ei, Scarlet, bem que você podia me dar um cartão de visita da sua boate, hein? - Fangs ria, quando a garota Woods realmente tirou um cartão da capa de celular.

- Eu trabalho lá todo fim de semana, pergunte pela Bruxa. - Ela sorria de lado dando uma piscadela, ainda só de lingerie, mas não era problema.

- Scar, tenho que admitir, você é sensacional. - SP levanta de sua cadeira, indo até a frente da garota, que vestia novamente suas roupas.

- Me diz algo que eu não saiba, Pea. - Ela disse em tom irônico, olhando pro garoto a sua frente.

- Tipo que talvez sua boca ficasse melhor com a minha? - Ele disse, antes de beijar a garota que ele intitulava como prostituta e até vadia. "Cãozinho arrependido, chega até a ser fofo" Scar pensava. Talvez ela fosse dar um sermão sobre como ele fora machista, mas naquele momento ela só iria aproveitar a situação.

-------------

- Betty! Você me tira totalmente do sério! O que foi aquilo com a Veronica, e beijar o Archie? Eu não tô te reconhecendo hoje! - Jughead discutia com a namorada, na cozinha dos Blossom, que estava infestada de latas e garrafas vazias.

- Você que começou tudo isso, Jones. Correspondendo perdidamente a paixãozinha da minha vizinha descarada em você. - Betty revirou os olhos, bufando. E cada vez que ela abria a boca, menos Jug reconhecia a namorada, como se uma Dark Betty tivesse tomado seu corpo.

- Ela me explicou depois, Bee! Disse que não queria dizer que dormiria com algum cara desconhecido e mal intencionado, mas mesmo que ela estivesse mentindo, eu amo você, e você devia saber disso, ao invés de beijar o melhor amigo do seu namorado e namorado da sua melhor amiga, como você ficou tão preocupada em fazer! - Jughead dizia, até perceber algo incomum - Betty, suas mãos...

A loira olhou pras próprias mãos, e como quando você se dá conta do sono vindo repentinamente, ela desmaiou.


Notas Finais


Oi mores! Tudo bem? Mais um fim de capítulo, mais emoções e mais segundas intenções vindas de Evelyn Evernever. Palpites pro próximo capítulo? Me contem! Se puderem, favoritem e comentem, me ajuda demais! Beijos ❤

E pra interagir...
• Qual o seu shipp favorito de Riverdale?
Acho que dá pra perceber que o meu é 50% bughead e 50% choni KKKKK


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...