1. Spirit Fanfics >
  2. Canela, Amora e Hortelã >
  3. Confissão

História Canela, Amora e Hortelã - Capítulo 2


Escrita por:


Capítulo 2 - Confissão


Há um som rítmico de uma caneta batendo contra a lateral da mesa. É a única coisa que Marinette consegue se concentrar, mesmo que ela tenha dezenas de questões de matemática à sua frente esperando para ela resolvê-las.

Já se passaram algumas semanas desde o desastre que se seguiu após a akumatização de Heart Hunter, e Marinette tinha estado constantemente no limite. Sua escola estava entrando no período de exames e Marinette precisava se sair bem deles. Eles estavam no último ano do Le collège e ela precisava entrar em um bom lycée, era essencial para ela conseguir entrar em uma universidade de moda de renome. Pois Marinette não era nada senão ambiciosa com seu sonho de ser designer, apontando para escolas superiores como ESMOD ou o Institut Français de la mode.

Se Marinette fosse apenas uma parisiense normal, isso seria mais que suficiente para deixá-la estressada. Não apenas os estudos, mas ela também mantinha um site, pequeno porém com clientes fiéis, para suas comissões de roupas. Seu empreendedorismo seria bom para colocar no currículo e, além disso, ela gostava de costurar e ver seus desenhos ganhando vida, então por que não ganhar algum dinheiro em cima?

Mas Marinette não era uma garota normal por qualquer meio, e ser Ladybug colocava um desafio em conseguir conciliar tudo. Tudo bem, Marinette gostava de desafios. Mas ser Guardiã definitivamente não era um desafio, mas um fardo e uma responsabilidade.

Pois Mestre Fu foi comprometido em todos os sentidos e era simplesmente impossível para ele continuar como Guardião. Então Marinette estava agora essencialmente sozinha, com a única pessoa que ela tinha para se guiar estando há milhares de quilômetros de distância, em outro país, com suas memórias completamente apagadas. A única coisa boa em tudo isso, ou que pelo menos que não deu ruim, foi que Hawk Moth não conseguiu pegar nada e tudo de importante relacionado aos miraculous foi recuperado para eles.

Agora Marinette tinha em sua posse uma caixa com quinze miraculous diferentes, um tablet contendo um livro e sua tradução sobre todos os tipos de segredos sobre esses ditos miraculous, e tudo estava bem ali, naquele mesmo quarto onde ela tentava decifrar matemática escolar. Se sua paranoia já era alta em alguém descobrir sobre ela ser Ladybug, com certeza se multiplicou em várias vezes agora.

Depois que Hawk Moth e Mayura foram derrotados e todos os cinco heróis retornaram ao apartamento de Alya (Medusa e Girlpace sendo reveladas como Chloé e Alya, e se não era um eufemismo dizer como ela havia ficado surpresa com o quão bem Chloé se saiu como Medusa), então Mestre Fu se transformou em Jade Turtle novamente e eles recuperaram o miraculous da cobra, saindo então do apartamento para que Ladybug pudesse recuperar o da abelha de Cerana com mais privacidade.

Chat Noir se despediu, um pouco à contragosto (Marinette também não queria que ele se fosse. Chat Noir era seu porto seguro enquanto ela era Ladybug, afinal), e assim ela e Mestre Fu foram até a casa do velho homem, que felizmente não havia sido descoberta por Hawk Moth já Fu estava trabalhando no quiosque, não na sua loja de massagem. Eles tiveram que agilizar para juntar o mais rapidamente possível tudo de importante, e então Fu passou o posto de Guardiã para ela o quanto antes. Ao custo de suas próprias memórias, porque Fu não poderia arriscar qualquer coisa com a chance de ser rastreado por Hawk Moth.

Marinette não sabia se buscava consolo ou não no fato de que ela mesma não precisaria perder tudo que fazia dela Marinette quando chegasse a sua vez, pois isso só acontecia em casos especiais tais como esse. Ainda assim, pelo menos ela só precisaria encontrar um sucessor para ela mesma daqui décadas, talvez mais de um século se a idade de Mestre Fu fosse algo para levar. (se ela fosse viver tanto assim, significaria que ela veria seus pais e amigos morrerem antes dela?)

Agora, Marinette só esperava que não houvesse uma situação onde ela fosse forçada a passar o manto tal como foi com ela e Mestre Fu.

Suspirando frustrada, se inclinou para trás em sua cadeira e ficou olhando para o teto. Ela realmente não deveria ter aceitado ser babá para Ella e Etta ontem como um favor para Alya e ter tentado estudar para o exame de matemática que haverá nesta sexta. Bem, tanto quanto ela conhecia meios válidos de retornar no tempo, era melhor deixar o passado no passado e tentar administrar seu tempo melhor. (quando ela passou a considerar algo como “viagem no tempo” de forma tão casual?)

Pelos ela estava conseguindo dizer não aos seus amigos com mais frequência (e nenhum deles realmente ficou chateado como ela esperava!), e seus pais falaram com Madame Chamack que ela não poderia tomar conta de Manon tanto quanto antes.

Talvez se fosse antes isso genuinamente ajudasse em seu horário sempre cheio, mas agora tudo que fez foi abrir espaço para mais estudo, tanto escolar como em relação aos miraculous como nova Guardiã (ela não tinha Fu mais para lhe dar respostas, ela tinha que saber as respostas), como os ataques de akuma prolongados e em quantidade um pouco mais frequente que antes.

Se Hawk Moth estaria se aproveitando da instabilidade que ele sabia que a descoberta de Mestre Fu causou, ou estaria sendo mesquinho e petulante como vingança por seu plano ter falhado, aí Marinette não sabia. Ela esperava que fosse o último.

— Marinette! — Ouvindo a voz de sua mãe a chamando, baixou seu olhar da porta até o alçapão de entrada de seu quarto — Adrien e Kagami estão subindo! — Sua mãe avisou e quase imediatamente um sorriso veio ao seu rosto.

Adrien e Kagami. A razão pelo qual, mesmo sob tanto estresse, sob tanta pressão, ela ainda não cedeu. Ainda não quebrou. Deus, se não fosse por esses dois, Marinette não sabia o que seria dela.

Depois a escapada que os três deram juntos da festa do Casal Bourgeois, Adrien, em um pensamento ocioso, teve a ideia de fazê-lo novamente, de alguma forma que ainda hoje Marinette não sabia qual conseguindo escapar com sucesso do Gorille e chegar até Kagami, e então os dois se refugiaram no quarto dela (o que a levou num leve pânico sobre eles descobrirem a Caixa, mas que foi obstruído pela aleatoriamente e absurdo da situação na hora) e conseguiram ficar uma hora inteira antes que a ausência começasse a ficar feia para o lado deles.

Com o passar das semanas, as escapadas começaram a ficar mais “organizadas” e “planejadas” e eles até mesmo conseguiram seu melhor aliado: Le Gorille. O homem concordou em fazer vista grossa e não relatar nada de errado contanto que sempre soubesse com certeza onde estariam Adrien e, porventura, Kagami. Isso tornou o local preferido para essas escapadas, bem, a casa dela. Seguro, de fácil conhecimento e acesso para o guarda-costas, e o Gorille aprovava.

Além disso, não só eles teriam total privacidade, sem fãs atrás de Adrien, como os pais dela estavam totalmente nisso, brincando que “adotaram” os dois, e forneciam um suprimento ilimitado de lanches e doces (isso até mesmo levou os Dupain-Chengs a começar uma nova linha de produtos 100% orgânicos e saudáveis para tentar caber na dieta dos dois!). Além disso, Adrien e Kagami gradualmente se acostumaram ao ambiente caseiro e ficaram totalmente à vontade, quase levando a casa dela como seus próprios lares. Marinette fez questão que os pudessem ser eles mesmos, sem pressão de serem “filhos perfeitos”.

E era por isso que esses momentos, ainda que um pouco raros pela vida tão controlada, salvaram e ainda salvaram Marinette nesses tempos difíceis para ela, que mesmo após semanas não conseguia se acostumar ou diminuir o ritmo. Porque não eram apenas Adrien e Kagami que não tinham pressão nenhuma… mas ela também. Marinette poderia ser apenas Marinette, não Ladybug, não Guardiã, não uma aspirante a designer, e não uma adolescente que precisava se preocupar em entrar para um bom lycée.

Todas as suas preocupações, tudo que estava desgastando tanto ela, quase parecia sumir ou pelo menos ter uma importância quase insignificante durante os pequenos momentos em que os três estavam juntos. Agora ela mal piscaria o olho se Adrien ou Kagami passassem perto do esconderijo da Caixa dos Miraculous, pois ela também sabia que os dois não eram bisbilhoteiros e respeitavam por completo sua privacidade.

Marinette também deixou de se sentir desconfortável ou com um gosto ruim na boca quando Adrien e Kagami ficavam próximos, até mesmo se pegando sorrindo carinhosamente para os dois adolescentes socialmente desajeitados aproveitando e descobrindo sua nova liberdade. Como por exemplo quando Adrien ensinou Kagami a jogar videogame, onde Marinette olhava para os dois de onde desenhava uma roupa comissionada de seu site e só achava fofo e divertido, com um sentimento quentinho preenchendo seu coração.

Ela quase gostaria de dizer que era porque finalmente havia superado sua paixão por Adrien (o que seria bom, ela claramente não tinha tempo para namoro), mas Marinette estaria mentindo. Pois ela ainda se imaginava beijando Adrien, namorando Adrien, tendo encontros com ele, se casando. Mas ao mesmo tempo, imaginar Adrien com Kagami, ver Adrien com Kagami, simplesmente não lhe esfregava errado mais. Pelo contrário, Marinette só recebia bons sentimentos.

Isso não fazia sentido, mas se ajudasse-a a ter esses preciosos momentos entre os três sem sentimentos estúpidos a atrapalhando, então Marinette apenas dava de ombros.

— Hey, Marinette! Prepare-se para a bomba: — Adrien cumprimentou animadamente quando abriu o alçapão, um prato de croissants que Marinette reconhecia serem da nova receita saudável que seu pai estava testando (um dos pãezinhos estava meio comido, e as migalhas no rosto de Adrien eram incriminadoras o suficiente) — Eu consegui duas horas hoje! Talvez até duas horas e meia, se empurrar~ — Adrien cantarolou feliz, sentando-se em seu pufe e alegremente pegando um croissant.

— Infelizmente eu não conseguirei mais do que duas horas, e talvez tenha que voltar alguns minutos antes. — Kagami disse suavemente, se aproximando dela e se inclinando sobre seu ombro, quase nenhuma distância entre as duas. Mas os três haviam essencialmente perdido o senso de espaço pessoal depois que adormeceram um em cima dos outro quando assistiram a um filme no sofá de sua sala e, bem, Marinette gostava um pouco do calor da proximidade de Kagami, então ela não estava reclamando — O que está fazendo?

— Você quer dizer o que eu não estou fazendo. — Bufou — Estou há quase uma hora nessa lista de exercícios de matemática e só fiz uma questão e meia, eu simplesmente não consigo me concentrar! — Resmungou, cruzando os braços em um muxoxo e olhando feio para a pilha de papéis como se a ofendesse pessoalmente. Kagami riu suavemente ao lado de seu ouvido e Marinette sentiu um arrepio agradável percorrer seu corpo.

— Que tal eu ajudá-la um pouco, então? Nossas escolas podem estar diferentes em conteúdo, mas não deve ser muito complicado. — Kagami não estava errada. Como a japonesa estudava em uma escola particular, a Ecole Privée Rose Rivière, seu calendário de estudos era diferente de uma escola pública como o Collège Françoise Dupont onde Marinette estudava, que ainda estava bem no meio da principal área de atuação dos akumas, o que causava um atraso na administração dos conteúdos pela quantidade de aulas interrompidas. Mas não deveria ser quê diferente para que Kagami não possa ajudá-la….

— Bem, não deve ser, mas você e Adrien não estão aqui para me ajudar a estudar! — Balançou a cabeça negativamente, empurrando seus estudos para trás e girando sua cadeira para ficar de frente com Kagami — Não vamos fazer algo chato como estudar! O que vocês querem fazer?

— Vamos lá, Marinette, eu realmente não me importaria em ajudá-la também. Isso também me ajudaria, já que nós faremos a mesma prova. — Adrien disse sorrindo, limpando algumas migalhas de massa de seus lábios suaves, algo que Marinette não deveria ter se concentrado tanto, mas era que apenas aqueles lábios cor de pêssego eram tão hipnotizantes… — E, além disso, eu gosto de estudar! Não seria uma coisa chata. — Adrien sorriu timidamente, esfregando a mão atrás do pescoço. Isso fez Marinette piscar, desfocando, então revirar os olhos carinhosamente.

— Só você para gostar de estudar, Adrien. — Brincou um pouco, Adrien estirando a língua em resposta para ela. Kagami, ainda de pé ao seu lado, olhou divertida para a troca dos dois.

— Tanto quanto eu não sou muito fã de estudar como Adrien é, uma coisa é estudar sozinha em casa por obrigação e outra é estudar em conjunto com amigos. — Kagami falou, olhando para ela antes de começar a juntar os materiais que Marinette tinha deixado de lado — Não será um incômodo, Marinette. Você nunca é um incômodo. — Kagami sorriu para ela, frisando suas palavras, e Marinette sentiu um sentimento caloroso surgir, algo que estava ficando cada vez mais frequente quando ela estava com os dois.

Kagami a conhecia tão bem, mesmo que a japonesa fosse sua amiga mais nova. Marinette sorriu brilhantemente.

— Então está tudo bem. Eu realmente apreciaria se você dois me ajudassem. — Acabou cedendo, sabendo que no final ela sempre cederia para esses dois, e foi até a área onde sua espreguiçadeira estava, pegando uma mesa de centro baixinha, mas suficientemente espaçosa, e a trazendo para o centro de seu quarto, sobre o tapete.

A mesinha foi algo que ela pediu aos seus pais cerca de duas semanas atrás, quando descobriu que os japoneses tinham costume de se sentarem no chão ao redor de mesinhas assim, usando almofadas como assentos. Hoje em dia cada vez mais japoneses aderiam a mesas mais altas com cadeiras, mas o Clã Tsurugi era um clã tradicional e, portanto, Kagami estava acostumada a essa montagem mais antiga.

Como tanto ela quanto seus pais estavam devotos na missão de deixar Adrien e Kagami completamente confortáveis e seguros, e a mesinha que encontraram era de boa qualidade e não muito cara, não foi preciso muita tentativa de convencimento por parte de Marinette aos seus pais. Além disso, a mesinha também serviu como uma boa adição ao seu quarto e Marinette realmente a usava em outros momentos além dos que Kagami estava presente.

Marinette sentou-se ao lado da mesinha circular e organizou os estudos que Kagami já havia colocado lá, cruzando as pernas sobre o tapete. Kagami sentou-se então ao seu lado esquerdo, próxima o suficiente para Marinette sentir seu corpo pressionado ao dela com o calor que irradiava da sua pele, e Adrien sentou-se na sua direita, praticamente na mesma proximidade que Kagami. Marinette estava cercada de calor corporal pelos dois lados.

Normalmente, ela estaria pirando em uma situação como essa. Não apenas Adrien era sua paixão, como Kagami era, bem, Kagami. Mas, sinceramente? Tudo que Marinette se sentiu foi confortável e segura, relaxando seu corpo e enviando suas inúmeras preocupações para longe de sua mente.

Foi fácil agora se concentrar nas lições de matemática quando essa era a coisa mais importante que sua mente tinha para focar além de Kagami e Adrien, que já estavam falando de matemática por si mesmos. Com sua mente mais relaxada e limpa, mais a explicação metódica de Kagami complementada pela mais livre e de Adrien, não demorou mais que uma hora e meia para Marinette exercitar todos os pontos principais dos materiais que seriam cobrados no exame daquela sexta.

Quando ela finalmente passou por tudo, recebendo um pequeno uivo de comemoração de Adrien e um sorriso de Kagami, e basicamente ordenou aos dois ficaram na mesa enquanto ela guardava tudo para buscar comida e bebida para eles, ela se viu pega presa encarando os dois com sua imaginação correndo longe após o cansaço de pensar nada além de números e conceitos lógicos durante mais de uma hora.

Ao assistir Adrien se aproximar de Kagami, corpos encostados lado a lado, falando animadamente de algo que Marinette não conseguiu captar, Marinette se imaginou no lugar de Kagami por apenas um instante, com Adrien estando tão próximo dela e falando tão animadamente. Mas ela também se imaginou no lugar de Adrien, tendo Kagami a olhando tão amorosamente quanto olhava Adrien agora, e então Marinette imaginou tudo.

Imaginou ela ali, entre os dois, com Adrien falando com elas e Kagami o ouvindo enquanto olhava ela e Adrien com esse mesmo amor e carinho.

E assim a ficha caiu.

— Ah. — Sua boca exclamou, prestativamente. Adrien e Kagami se viraram para olhá-la interrogativamente, mas Marinette não estava mais realmente prestando atenção — Eu estou apaixonada por vocês dois.

Kagami e Adrien arregalaram seus olharam para a admissão súbita, confissão súbita, mas Marinette não prestou atenção quando seu olhar se desviou para baixo, uma sensação que ela não sabia muito bem descrever a preenchendo agora que havia sido iluminada quanto a seus próprios sentimentos amorosos.

Fazia tanto sentido. Marinette Dupain-Cheng estava apaixonada por Adrien Agreste e Kagami Tsurugi.

— E-Espera, o quê…? — Adrien gaguejou.

…e Marinette Dupain-Cheng havia acabado de revelar esses mesmos sentimentos que ela havia acabado de perceber.

— Ah. — Sua boca repetiu, sua mente não oferecendo nada mais. — A-Ah. — Ela disse de novo, suas bochechas entrando em chamas e Marinette virando de costas e se recusando a encontrar o olhar de Adrien e Kagami.

Por que, sua boca estúpida!? Por que você tinha de falar!? Ela trabalhou tanto para fazer os dois ficaram confortáveis ali, como eles poderiam fazer isso agora sabendo que a amiga dele tinha uma queda pelos dois!? Não era só desconfortável saber isso, como ela era uma pessoa que tinha uma queda por um garoto e uma garota ao mesmo tempo!

Huh. Sua primeira preocupação nem foi achar que eles sentiriam desgosto por ela estar apaixonada por eles, ou a rejeição. Mais que Adrien e Kagami poderiam ficar desconfortáveis com isso e não conseguiriam aproveitar mais com tanto afinco sua recém-descoberta nova forma de liberdade.

Talvez porque ela soubesse que Kagami e Adrien jamais sentiriam desgosto de seus sentimentos, e ainda seriam seus amigos e gostariam dela mesmo que não retribuíssem na via romântica.

— Marinette. — A voz de Adrien soou logo atrás dela e Marinette deu um pulo com um “eeeppp” agudo, jogando para o lado em susto e tropeçando na rodinha da cadeira da mesa de seu computador, felizmente conseguindo se apoiar na beirada e não levar um belo dum tombo grátis assim.

Ela olhou para Adrien, que piscou levemente surpreendido pela sua reação exagerada, e suas bochechas ficaram mais quentes. Ela se pôs de pé corretamente e gemeu alto enquanto enterrava o rosto nas mãos, amaldiçoando a si mesma. Ela literalmente acabou de se confessar, para duas pessoas, e já iria fazer papel de boba assim? Chiando, ela basicamente desabou em sua espreguiçadeira, caindo de lado e cobrindo seu rosto em chamas com as mãos.

— Então… você tem sentimentos por m-mim… e Kagami? — Adrien perguntou confusamente, suas bochechas coradas quando Marinette descobriu um de seus olhos para olhar. Kagami estava parada ao lado dele, e sua expressão era mais confusa do que surpresa agora. Pelo menos nenhum deles estava demonstrando qualquer tipo de sentimento mais negativo….

Kagami a encarou, Marinette se encolhendo um pouco sob o olhar intenso da japonesa (não deveria se sentir bem ser encarada tão intensamente por sua paixão assim…), e então ela hesitou um pouco antes de ir até a espreguiçadeira e se sentar ao seu lado, Marinette conseguindo sentir a coxa dela contra o topo de sua cabeça. Não estava realmente encostando, mas era perto o suficiente para que ela sentisse o calor irradiando de Kagami.

— Eu… realmente não sei muito bem o que dizer ou pensar. Eu sempre tive uma queda por Adrien…

— Espera, o quê? — Adrien interrompeu com olhos arregalados. Kagami o ignorou.

— …praticamente durante todo o tempo em que nos conhecemos, e já sabia que você tinha sentimentos por ele também ainda antes de eu conhecê-lo…

— Espera, o quê? — Adrien interrompeu novamente com olhos ainda mais arregalados. Kagami o ignorou e Marinette quase sentiu pena. Quase.

— …mas você realmente tem uma paixão por mim também? — Kagami perguntou, parecendo genuinamente confusa com a perspectiva de Marinette ter desenvolvido sentimentos por ela também.

— Bem… sim. — Marinette começou ansiosamente, decidindo que se concentrar em Kagami seria melhor do que em Adrien por agora. O pobrezinho também parecia precisar de um tempo para processar as coisas — Mas nas últimas semanas eu só… me apaixonei por você também. Na verdade, eu acabei de perceber que estou apaixonada por vocês dois… e minha boca estúpida foi simplesmente falando sem meu consentimento. — Murmurou nervosamente — Como não? Você é incrível, inteligente, poderosa, nunca recua sobre o que você quer! Eu só… me apaixonei. Eu adoro passar tempo com você tanto quanto Adrien, e é sempre tão bom quando você fica perto de mim assim… e-espera, corta isso, i-isso saiu e-errado…! — Gaguejou, sua bochecha indo dez graus mais quente e ela se encolhendo para longe de Kagami — Deus, eu soei como uma pervertida…!

Por que sua boca não poderia ficar calada? Ela só estava tornando pior uma coisa que já estava ruim por culpa dela em primeiro lugar.

Marinette foi tirada de seus pensamentos constrangidos ao som da bela risada de Adrien Agreste. Ah sim, essa mesma risada que o golpe final para Marinette se apaixonar por ele, quando o guarda-chuva se fechou ao seu redor. Ela não pôde evitar descobrir os olhos para observá-lo, soltando suspiro apaixonado. Adrien percebeu sua atenção e parou a risada, corando e sacudindo as mãos nervosamente.

— A-Ah, eu não estou rindo de você…! — Adrien tentou se explicar, e foi a vez de Marinette rir.

— Eu sei que não, Adrien. — Ela sorriu suave, apaixonada. Adrien parou com seu nervosismo, olhando-a com o que era quase admiração. Marinette fechou os olhos e se sentou na espreguiçadeira de um modo que pudesse ver Adrien e Kagami — Olha, vocês realmente não precisam agir sobre meus sentimentos, okay? Eu gosto da forma como estamos agora, mas tudo bem também se vocês não quiserem agir mais tão perto quanto antes. Eu sei que vocês têm… uma pretensão para um relacionamento romântico entre vocês dois e eu totalmente apoio se for o caso! Além disso… — Seu sorriso ganhou uma pitada de melancolia — …eu não sei se poderia escolher apenas um de vocês. Sou um pouco egoísta quanto a isso.

Marinette não conseguia pensar em namorar Adrien e simplesmente deixar Kagami de lado, ou em namorar Kagami e deixar Adrien de lado. Porém não era assim que relacionamentos funcionavam e Marinette seria além egoísta, mas também insensível de namorar um deles sem querer desistir de seus sentimentos pelo outro.

Isso se um deles se sentir no mesmo caminho que ela.

— Você teria que escolher? — Kagami disse suavemente ao seu lado, fazendo Marinette olhá-la surpresa. Não foi esse exatamente o seu ponto principal, mas….

— Como assim?

— Eu sou apaixonada por Adrien, e quero namorá-lo. Não tenho dúvidas quanto a isso. — Adrien olhou para Kagami nesse momento, que olhou de volta. Então Kagami se virou para ela mais uma vez — Mas eu tentei imaginar você com ele, mesmo se eu e ele estivéssemos namorando, o que implicaria traição, e eu simplesmente não consegui me sentir incomodada. É quase como se…

— …fosse o contrário. — Marinette complementou, seu coração iniciando uma batida tão rápida e alta que ela conseguia sentir em seu ouvido — Isso…. — Ela lambeu seus lábios subitamente secos, tentando não deixar suas esperanças inflarem apenas para ser em vão — Isso não é muito diferente do que eu me sinto. — Ela ofegou, percebendo as implicações — Eu gosto de ver vocês dois juntos, me faz feliz ver vocês dois juntos. Mesmo que eu também imaginei nós três, não apenas vocês dois ou apenas um de vocês comigo, isso….

Kagami arregalou os olhos levemente, desviando o olhar dela e levando a mão até o queixo, pensando no que Marinette havia acabado de implicar.

Implicar que Kagami também poderia estar apaixonada por ela.

— Não parece… errado. O pensamento de lhe beijar. De gostar de você, desse jeito. — Kagami olhou de volta para ela, seus olhos brilhando em contemplação e iluminação, como se uma verdade há muito tempo escondida fosse enfim revelada. Não era muito diferente da própria reação de Marinette — Eu estou apaixonada por Adrien. Isso não mudou. Mas… eu acho que também estou me apaixonando por você, Marinette.

Marinette suspirou em busca de ar, as palavras de Kagami repetindo em looping na sua mente. Era recíproco. Era recíproco. Marinette Dupain-Cheng estava apaixonada por Kagami Tsurugi e era recíproco.

Então Kagami desviou o olhar para a terceira pessoa presente no quarto e Marinette percebeu o dilema em que elas… que eles foram colocados. Marinette e Kagami estavam apaixonadas uma pela outra, o que era ótimo, perfeito, incrível e Marinette poderia chorar de emoção, mas as duas também estavam apaixonadas por Adrien e nenhuma delas queria desistir de seus sentimentos pelo garoto loiro.

Ou de um pela outra. Pelo menos da parte de Marinette.

— Ah…. — Adrien exclamou quando recebeu a atenção delas duas, sua mão movendo-se até a nuca em um hábito que Marinette sabia que ele fazia quando estava nervoso ou ansioso — Então… vocês duas estão apaixonadas uma pela outra. Mas também estão apaixonadas por mim? Desde muito tempo?

— Essencialmente, sim. — Kagami respondeu sucinta, pousando as mãos em seu colo. Marinette assentiu, esfregando suas coxas nervosamente — Marinette está apaixonada por você há mais tempo, no entanto.

— Desde nosso primeiro dia de aula, na verdade. — Murmurou, corando sob o olhar absolutamente chocado de Adrien.

— Tanto tempo? — Adrien a olhou desacreditado, mas Marinette enxergou um pouco de culpa ali também. Adrien estava provavelmente se culpando, ou se batendo mentalmente (uma forma de culpa, Marinette não negava) por nunca ter percebido antes.

— Bem, eu nunca consegui me declarar, ou algo acontecia e dava errado, ou eu simplesmente perdia a coragem. Ou ainda negaria em pânico caso conseguisse dar algum tipo de confissão… — Marinette estremeceu, relembrando do fiasco do Museu de Cera — Então não é como se você soubesse.

— Mas eu deveria ter notado! — Adrien castigou a si mesmo.

— Sinto muito, mas eu não concordo. Se você percebesse, seria horrível para mim. — Falou seca. Antes ela não teria coragem de falar assim com ele, mas Kagami não tinha escrúpulos. E ela estava andando muito com Kagami nos últimos tempos — Mas então… como vamos resolver essa nossa, uh, situação?

— Eu… não sei. — Adrien respondeu, apenas dando um último olhar para ela, que Marinette tentou retornar com um sorriso tranquilizador — Realmente não parece, ah, ruim namorar qualquer uma de vocês duas ou, bem, as duas. — Adrien corou ferozmente ao proferir as últimas palavras, pelo qual Marinette piscou contemplativa. Adrien poderia namorar as duas? Ou ela namorar Adrien e Kagami? Nas aulas de histórias, muitos reis tinham várias esposas, se ela parar para pensar… — Mas eu também estou apaixonada por uma outra garota, então….

Espera, o quê?

— A garota que vocês estava- hnn, está apaixonado não era Kagami? — Olhou confusa para Adrien.

— Por minha vez, essa outra garota que eu achava que você estava apaixonado é Marinette. — Kagami declarou e as duas se entreolharam com isso, então olharam interrogativamente para Adrien, que encolheu os ombros com as bochechas coradas.

— B-Bem, eu acho que minha paixão pode ser realmente um pouco estúpida, já que é meio impossível, mas… ela é Ladybug. — Adrien disse, desviando o olhar para chão e a mão passando pelos cabelos da nuca em seu hábito nervoso.

Mas… Ladybug, huh.

Ou ela, mais precisamente.

Adrien esteve todo esse tempo apaixonado por ela.

— Como é uma paixão por celebridade, então eu acho que também tenho uma pelo Chat Noir, se for assim…. — Murmurou, tentando deixar a situação de Adrien um pouco melhor, tentando não explodir por dentro ao saber que Adrien tinha uma paixão por Ladybug que por acaso era ela — Não é realmente do mesmo jeito que eu me sinto por vocês, mas eu tenho uma queda por ele, mas não quero namorá-lo, até porque ele é um super-herói e tudo mais. Ele me salvou algumas vezes e eu interagi com ele um pouco mais do que civis normalmente fariam.

— Eu não realmente tenho alguma paixão por um dos heróis, mas acho que entendo de onde vocês vêm. — Kagami cantarolou ao lado deles, contemplativa — Eu vejo que Ladybug e Chat Noir têm seus… apelativos. — Kagami disse e Marinette corou ao saber que Kagami gostava dela em sua forma heroica também, Adrien por algum motivo corando também.

Talvez Marinette não devesse estar tão feliz e satisfeita assim ao saber que Kagami percebia os “apelativos” dos dois heróis mas, bem, era ela e a Marinette também não poderia negar enxergar um pouco dos apelativos de Chat Noir. Ela poderia não amá-lo romanticamente, mas sabia que ele era um cara legal (e atraente) que valeria muito a pena namorar se não fosse as identidades secretas e o perigo dos dois serem super-heróis e tudo mais.

Marinette tossiu em sua mão.

— Então… deixando Ladybug e Chat Noir de lado, nós três gostamos um dos outros. Romanticamente. — Disse, vendo Kagami acenar, seguido por um pouco hesitante Adrien — E nenhum de nós tem um problema em ver os outros juntos. — Mais um par de acenos — O que isso significa? Nós três podemos… namorar uns ao outros? Os três? — Perguntou timidamente, sentindo suas bochechas se aquecerem.

— Eu acho que sim? — Adrien respondeu com uma pergunta, hesitante, trocando o peso de apoio de suas pernas — Quer dizer, tecnicamente nós três declaramos uns para os outros? — Adrien as olhou nervosamente por de baixo de sua franja loira, em busca de confirmação.

— Eu e Marinette declaramos a você e uma à outra, você apenas disse que “não era ruim” a ideia de namorar nós duas. — Kagami declarou sem rodeios, seca, mas com uma sobrancelha levantada quase provocativamente e Marinette não pôde deixar de rir quando Adrien se encolheu com o ataque, antes que o loiro franzisse o cenho pela pequena indicação de desafio na provocação.

— Se é assim, eu estou apaixonado por vocês duas, Kagami e Marinette. — Adrien disse confiante, apenas vacilando na hora de dizer os nomes — E sobre minha paixão de celebridade por Ladybug… — Adrien disse a frase quase como se ela estivesse errada em sua boca, seu cenho se franzindo levemente — Pode ser apenas uma paixão de celebridades, mas ela ainda me acertou muito forte, e eu não posso simplesmente descartá-la. Mas eu juro permanecer completamente fiel a vocês duas.

O coração de Marinette vacilou uma batida antes de correr a todo o vapor. Adrien acabou de se declarar para ela. Claro, teve um tempero adicional que ela definitivamente não desgostava (muito pelo contrário), mas ainda era essencialmente as palavras que ela ansiava ouvir havia quase dois anos.

— Isso quer dizer que vocês dois são agora são meus n-namorado e n-namorada. — Marinette chiou, gaguejando ansiosamente enquanto olhava entre os outros dois.

— Bem, se vocês duas são minhas namoradas…. — Adrien disse, sorrindo levemente, mas um pouco ansioso.

— Então… vocês são meus namorado e namorada. — Kagami disse por fim, parecendo um pouco mais composta que os dois. Marinette invejou um pouco sua capacidade, ela estava quase morrendo aqui. Mas no bom sentido! Ela ainda preferiria não parecer estar morrendo por dentro, no entanto.

Então os três caíram em uma espécie de silêncio estranho, nenhum deles sabendo o que dizer ou fazer agora. Eles eram confirmadamente namorados agora, então talvez eles devessem se beijar…? Marinette corou com o pensamento, olhando para a parede de seu quarto.

— Adrien, Kagami…? Gorille está aqui para pegá-los. — A voz de sua mãe surgiu como um salva-vidas e então Marinette se levantou nervosamente, olhando para seus dois… namorados e vendo Kagami se levantar também.

— E-Eu vou levá-los até a porta dos fundos. — Adrien e Kagami assentiram e os três desceram as escadas até os fundos, como que saindo pela frente chamaria muita atenção, especialmente uma figura tão pública quanto Adrien era — Então… isso é um até logo? — Disse, cruzando as mãos atrás das costas e olhando para Kagami e Adrien na sua frente, a porta semiaberta atrás dos dois apenas os esperando para passar através dela.

— Sim… hun, tchau Marinette. — Adrien sorriu para ela — Estou feliz como as coisas terminaram, mesmo que ainda seja tudo muito novo para mim….

— Acho que é muito para todos nós. — Kagami disse, olhando para ela e sorrindo suavemente também. O coração de Marinette pulou uma batida com tais beldades, que eram seus namorados, sorrindo para ela assim — Até logo, Marinette.

Marinette assentiu e uma breve ideia cruzou sua mente. Antes que perdesse a coragem, Marinette se inclinou e beijou os dois na bochecha. Sorrindo para as feições atordoadas dos dois (Ambos estavam coradinhos! Que fofos!), ela se despediu uma última vez e assistiu os dois saírem pela porta. Ela ficou parada por um instante antes de virar-se e andar no automático até de volta para seu quarto, subindo as escadas até sua cama (não a ideia mais sensata em seu estado na lua), jogando-se nela sem cerimônias e enterrando o rosto no travesseiro para gritar gritos ininteligíveis, tudo finalmente caindo sobre ela.

Ela estava namorando Adrien Agreste e Kagami Tsurugi!


Notas Finais


Date Prompt Day 01: Confession

Le collège & Le lycée – Equivalentes aos nossos "Fundamental II" e "Ensino Médio".
Ecole Privée Rose Rivière – Escola Privada Rose Rivière (Rio das Rosas). Não oficial.

Por favor, comentem o que estão achando da história~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...