História Cansei de chorar - Amor Doce - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Agatha, Alexy, Ambre, Armin, Castiel, Charlotte, Dajan, Dimitry, Iris, Kentin, Kim, Leigh, Li, Lysandre, Melody, Nathaniel, Peggy, Personagens Originais, Professor Faraize, Professora Delanay, Rosalya, Viktor Chavalier, Violette
Tags Alice, Amor Doce, Castiel
Visualizações 216
Palavras 1.807
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Sei que é tarde pra postar mas eu tava sem sono e inspirada, então já da pra entender um pouquinho ksksksk além do q eu acabei de assistir "A morte de dá parabéns" e é um filme MUITO top sksksks
Enfim.... Boa leitura :3

Capítulo 10 - Ameaças


Passei a noite em claro lendo e relendo aquele maldito bilhete. Na minha cabeça, aquilo tinha que ter outro sentido, tipo uma mensagem subliminar mas aquilo estava tão claro quanto água natural.

Além da dúvida do que viria depois daquele bilhete, tinha uma pessoa por trás dele. A pergunta é: quem? Droga! Mil perguntas e zero respostas.

Quando olhei o relógio já era 07:00. Vou me atrasar, de novo!

Quando ia entrar no banheiro, ouvi a campainha tocar.

- Merda - resmunguei.

Desci as escadas correndo e parei diante a porta.

- Quem é?

- Quem é? - disse a pessoa imitando minha voz.

Abri desesperada e abracei o Dajan.

- Achei que você nunca mais ia olhar pra minha cara - falei ainda agarrada ao seu corpo.

- Você não vive sem mim... em não vivo sem você... - ele disse se afastando gentilmente e me encarando - Não tem como evitar.

- Verdade - sorri e ele sorriu de volta - Ahh eu to atrasada!

Me virei e subi as escadas, deixando ele la embaixo sozinho. Nós tinhamos esse poder de esquecer uma briga rápido. Quando terminei de tomar banho, me troquei e desci de novo. O Dajan tava sentado na cozinha comendo o meu cereal.

- Espero que ainda tenha para mim - disse fazendo cara feia.

- Talvez... - ele disse e sorriu - O Castiel me ligou.

Ele jogou no ar e eu parei para olha-lo, esperando que ele continuasse a falar mas ele não disse nada.

- E...? - perguntei esperando uma resposta.

- Ele ta vindo.

Arregalei os olhos, surpresa.

- Como assim "Ele ta vindo"?

Ele me olhou e apontou para suas pernas.

- Tá vendo isso aqui? São pernas! - ele falou lentamente como se eu não soubesse e ele estivesse me ensinando - Servem para que a gente se desloque de um lugar para o outro.

Ergui as sobrancelhas, como se dissesse "Jura?"

Ouvimos a campainha tocar.

- Vem - falei para ele caminhando até a porta - A gente conversa no caminho.

Abri a porta e o Castiel estava de costas. Ele se virou ao ouvir o ranger da porta.

- Bom dia, tábua - ele sorriu.

- Não temos tempo - disse o empurrando de leve e ele foi recuando - Dajan! - gritei me virando.

- Já vou! - a voz rouca veio abafada.

- Adianta, se não vamos chegar atrasados!

- Vocês! - ele apareceu na porta - Não eu.

Ele trancou a porta e fomos para a calçada. Caminhamos todos juntos até a escola.

- Pra onde você vai agora? - perguntei para o Dajan.

- Acho que vou visitar a tia Agatha.

- Ela vai ficar feliz em te ver.

- Todo mundo fica feliz em me ver - ele sorriu.

Castiel fingiu estar engasgado e começou a tossir.

- Há. Há. Há. Como você é engraçado - disse Dajan.

- Fala sério, cara - Castiel falou colocando a mão no ombro dele - Você é muito convencido.

Era minha vez de tossir.

- O sujo falando do mal lavado - ri freneticamente.

Eles pararam de caminhar e me olharam feio.

- Eu to brincando, gente! Vixi! Onde tá o senso de humor de vocês?

Começamos a gargalhar.

- Você contou para ela as nossas aventuras em Paris? - Castiel perguntou para o Dajan com um sorriso de canto.

O Dajan continuou sério e olhou feio para o Castiel.

- Não - ele disse e voltou a expressão normal. Não consegui saber se ele estava preocupado ou com raiva ou com qualquer outro tipo de sentimento, e isso me tirou do sério.

- E não pretende contar? - perguntei o desafiando com o olhar.

- Também não - a mesma expressão.

- Não acredito que agora temos segredos! - falei irritada - Cara, eu conto tudo pra você e você não pode fazer o mesmo comigo?

- Alice, - ele me olhou e sua voz era de súplica - Eu não to afim de brigar. Principalmente com você. Então por favor, a gente pode deixar essa conversa pra outra hora?

- Tá - disse o mais fria possível.

O Castiel não pareceu se incomodar com a situação. Caminhamos em silêncio até chegarmos no colégio. Me despedi do Dajan e entrei com o Castiel.

- Ahh - Eu parei na sua frente - Eu preciso falar com você.

- Fala.

- Bom... aqui não! Estamos no meio do pátio - olhei ao redor, procurando um lugar tranquilo - Ali! - apontei para o clube de jardinagem.

- Tanto faz - ele deu de ombros.

Fomos até lá.

- Pode falar agora.

- É sobre eu e o Nathaniel...

Ele bufou.

- Eu não to nem ai para as briguinhas de vocês - ele falou friamente...

- Nãoooo! Não é isso. É sobre ontem...

- Ontem? - ele fingiu estar tentando lembrar do que aconteceu ontem - Ahh, na sua casa?

- Sim.

- Quê que tem?

- Por que saiu daquele jeito?

- Porque... Eu não queria atrapalhar vocês.

Levantei as sobrancelhas e lia na minha testa "Você mente mal".

- É sério! - ele falou tentando convencer até a si mesmo.

- Olha - falei abaixando a cabeça - Aquilo não foi legal, de verdade. Eu fiquei malsona com isso e tem tanta coisa aconte...

Ele me interrompeu.

- Olha - ele imitou a minha voz - Eu não gosto quando você fala assim comigo, como se estivesse me dando um sermão e eu fico malzão com isso.

Fiz uma cara séria pra ele.

- Tá! Desculpa... foi sem querer - ele disse levantando os braços, como se estivesse se rendendo - Eu não fiz nada de errado ontem.

- Eu sei - disse abaixando a cabeça de novo - É só que... Você é muito importante pra mim... tipo... e quando as pessoas que eu gosto fazem isso... Eu me sinto perdida...

Levantei a cabeça para observar seu rosto. Ele estava franzindo a testa como se dissesse "Para". Eu parei de falar e ele me abraçou. Sem mais nem menos, ele me abraçou. Eu retribui o apertando fortemente. Ficamos assim por um bom tempo.

Ele se afastou gentilmente e segurou meu rosto com as duas mãos.

- Você também é muito importante pra mim - ele disse corando um pouco e eu sorri - Agora eu preciso falar com o Lysandre, ok?

Eu assenti e ele se afastou. Fiquei um tempo ali, parada, perdida em meus pensamentos. Eu acho que isso foi o mais perto de me declarar pra ele que eu consegui. Porra, Alice! Ele acha que você tá namorando!

- Alice?

Levei um susto quando ouvir a voz do Armin atrás de mim.

- Porra Armin! Que susto!

Ele gargalhou.

- Você anda muito assustada esses dias - ele deu uma pausa - Ahh, já ia esquecendo. A Kim tava te procurando.

- Eu? Pra quê?

- Sei lá - disse ele dando de ombros - ela não me disse o que é.

O sinal bateu no mesmo instante.

- Acho que vou ter que falar com ela depois. Você vem comigo?

- Por que não?!

Caminhamos até a sala do Patrick.


                ☆☆☆


- Quem era aquele garoto que tava com você ontem?

Kim e eu estávamos em uma sala de aula vazia. As primeiras aulas foram divertidas. O Patrick é um ótimo professor e aprender arte com ele é incrível!

- Era meu primo, Dajan - dei uma pausa - Por que?

- É que eu tenho a impressão de já ter visto ele em algum lugar... - ela parou um pouco para pensar.

- Vocês fariam um ótimo casal - falei dando um sorriso malicioso.

- Valeu, mas eu to saindo com um carinha.

- Ah é? - perguntei curiosa - Quem é?

- Confidencial, guria - ela sorriu para mim - Mas era só isso mesmo. Até mais! - ela caminhou até a porta e saiu.

No mesmo instante, a Melody entrou e trancou a porta. Ela parecia tão furiosa que dava para ver fumaça saindo das suas orelhas.

- Você! - ela disse caminhando na minha direção.

- Eu o que? - perguntei dando passos para trás.

- Que merda você tem na cabeça para pensar que vai roubar o Nathaniel de mim? - dessa vez, ela diminuiu a velocidade dos passos e foi se aproximando lentamente.

- Melody - falei quase suplicando - Você não ta pensando... Esta sendo movida pela raiva...

- Cala a boca - ela gritou. Estávamos uns 50 centímetros de distância agora.

Eu já estava colada na parede quando ela aproximou o seu rosto do meu.

- Você vai terminar com o Nath - ela cuspia as palavras na minha cara - Vai dizer que nunca mais vai olhar na cara dele e que se arrepende de ter conhecido ele, você entendeu?

Senti minha garganta fechar e respirar era uma ação difícil agora.

Assenti e ela se afastou. Foi até a porta e antes de abri-la, disse:

- Conta pra alguém, e vai se arrepender!

Então saiu.

Minhas pernas estavam bambas. Me deixei escorregar na parede até sentar no chão. Abracei meus joelhos e chorei. Não sei por quanto tempo mas aquilo havia me assustado de um modo perturbador. Não dava para ficar ali por mais tempo. Me levantei, sequei as lágrimas e respirei fundo antes de sair da sala. O sinal do intervalo já havia batido para todos retornarem para as salas, mas não tava nem um pouco afim de ir pra aula então resolvi ir para o porão. Quando cheguei no mesmo, vi o Castiel fumando. Ele se assustou, jogando o cigarro no chão e apagando com o pé. Quando ele viu que era eu, relaxou a expressão.

- Ah, é só você.

- Sim - disse sem emoção - só sou eu...

- O que aconteceu? - ele perguntou franzindo a testa.

- Nada não - senti um nó na garganta de novo, e isso me deixou com raiva de mim mesma.

Me sentei no chão, encostando a cabeça na parede.

- Eu te conheço, tábua - ele se sentou do meu lado - Você tá tentando esconder algo.

Minha vontade era de rir e dizer que escondia muito mais coisa do que ele imaginava, mas me controlei e só franzi os lábios.

- Só quero pensar um pouco, ok?

Ele não pareceu satisfeito mas compreendeu. Ficamos assim até o final das aulas. Quando o sinal tocou, nos levantamos e saímos do porão. Pensei em ir pro grêmio falar com o Nath, já que não nos falamos hoje. Quando entrei no grêmio, tinha um homem alto, de cabelos escuros e olhos rosas. Ele se parece com o Alexy. Ele estava sentado e parecia relaxado. Quando ele me viu, imediatamente se levantou.

- O-oi... - ele disse ajeitando e estendendo uma das mãos para me cumprimentar - Eu sou o Evan.

O cumprimentei.

- Você deve ser a Melody, certo?

Balancei a cabeça negativamente. Estava perdida em meus pensamentos. Ele é tão... bonito.

Pisquei algumas vezes para voltar a realidade.

- É... oi, eu sou a Alice.

Ele sorriu. Que sorriso lindo!

- É um prazer.

Ele tocou minha mão e a segurou, a levando até seus lábios e a beijou gentilmente. Notei que suas mãos estavam enfaxadas.

- O que é isso? - perguntei encarando as suas mãos.

- Isso o que? - ele não entendeu até acompanhar me olhar até elas - Ah ta. Isso? Eu meio que... Me meti em uma briga, nada demais...


Notas Finais


Entendedores entenderão lskskslslks
Bjss ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...