História Cansei de chorar - Amor Doce - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Agatha, Alexy, Ambre, Armin, Castiel, Charlotte, Dajan, Dimitry, Iris, Kentin, Kim, Leigh, Li, Lysandre, Melody, Nathaniel, Peggy, Personagens Originais, Professor Faraize, Professora Delanay, Rosalya, Viktor Chavalier, Violette
Tags Alice, Amor Doce, Castiel
Visualizações 197
Palavras 1.427
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oiiee pessoas, tem tanta coisa acontecendo que eu nem sei de onde eu to tirando tempo para escrever capítulos novos.

Capítulo 8 - Falando de um passado


Flashback on

5 anos atrás

- Mãe!

Estava arrumando meu quarto quando achei o colar que minha mãe tinha perdido.

- O que é? - ela gritou de lá de baixo.

- Achei seu colar!

- Não estou entendendo nada!

Abri a porta do quarto e desci as escadas. Minha mãe estava arrumando a mesa para o jantar.

- Achei seu colar.

- Sério? Obrigada, querida - ela falou tirando a atenção dos talheres para a dar a mim.

Minha mãe, Lucy, sempre foi muito linda. Não tínhamos muito em comum na aparência. Ela tinha o cabelo ruivo e olhos mais claros que a água do mar.

- Achei que você já estivesse pronta - ela me olhou arqueando uma das sobrancelhas.

- Desculpa - falei sorrindo - Eu já ia fazer isso.

Dei um beijo em sua bochecha e subi as escadas.

O novo namorado da mamãe ia jantar com a gente hoje. Ela sempre dizia coisas maravilhosas sobre ele mas eu não estava tão convencida.

Me arrumei e passei um gloss na boca. Fiquei um pouco no quarto até ouvir a campainha. Desci em desparada a porta.

- Quem é? - perguntei.

- Dymitri.

Abri a porta lentamente.

- Oi - ele disse - Você deve ser a Alice.

- Sim, sou eu - falei abaixando os olhos.

- Não fique com vergonha - disse ele sorrindo - Sua mãe está ai?

- S-sim. Mãe! - chamei ela gritando.

Ele fechou um pouco os olhos e apertou o ouvido.

- D-desculpa - disse a ele.

- Tudo bem - ele riu.

Minha mãe apareceu atrás de mim e o cumprimentou com um beijo.

- Tenham mais respeito, por favor - falei revirando os olhos e caminhando até a sala de jantar.

Ouvi eles rirem com o comentário e vieram atrás de mim.

Quando estávamos todos sentados a mesa a campainha tocou outra vez. Olhei confusa pra minha mãe e ela sorriu, dando um sinal com a cabeça para eu ir atender. Me levantei e fui até a porta.

- Quem é?

- Quem é? - disse a pessoa do outro lado fazendo uma imitação horrorosa da minha voz.

Abri a porta dizendo:

- Há. Há. Há. Como você é engraçado Dajan.

Ele me abraçou.

- Eu sei, eu sei! Você também não viveria sem mim.

- Ah tá!

Dajan é meu primo por parte de pai. Estranho, né? Eu nunca conheci meu pai mas conheci o sobrinho dele. E Dajan nunca conheceu meu pai também.

Ele é dois meses mais velho que eu e acha que manda em mim.

- Cadê o novo titio? - ele perguntou colocando as mãos na cintura.

- Tá na sala de jantar com minha mãe.

Ele fechou a porta e puxou meu pulso até a sala de jantar com o sempre fazia. Chegando na mesma, ele parou e encarou o Dymitri. Todos estavam olhando para o Dajan e o Dymitri estava ficando sem graça. Então minha mãe resolveu intervir.

- Então Dajan, esse é o Dymitri.

Ele ainda ficou encarando o Dymitri por um tempo até caminhar até a cadeira ao meu lado.

- É um prazer te conhecer, Dajan - Dymitri estendeu a mão para ele mas se arrependeu por que ele nem se moveu.

- Por quanto tempo - sussurrei para o Dajan - Você vai fazer isso?

- O jantar todo - ele sussurrou de volta.

- Tô contigo.

Ele sorriu e voltou a encarar o Dymitri e eu fiz o mesmo.

- Então crianças, tudo que vocês quiserem saber, pode perguntar ao Dymitri - disse minha mãe.

Dajan e eu trocamos olhares. Ele estava pensando a mesma coisa.

- Então Dymitri - comecei dizendo, séria - até aonde você está disposto a seguir com esse relacionamento?

Comecei a estudar o seu rosto. Ele estava confuso. Talvez pensando "essa criança tem mesmo 11 anos?"

- A-acho que até o fim - disse ele incerto.

- Acha? - perguntou Dajan arqueando uma das sobrancelhas.

- T-tenho certeza.

- E quantos anos você tem? - perguntei.

- 39.

- Porra - falou Dajan quase como um suspiro mas alto o suficiente para ouvirmos.

- Dajan! - minha mãe o repreendeu - Olha a boca!

- Desculpa tia.

Ele se reencostou na cadeira.

- Já foi casado?

- Não - disse Dymitri ficando vermelho mas eu não sabia se era de vergonha ou de raiva.

Sabia que era mentira.

- Quantos filhos? - perguntei e ele franziu a testa.

- Eu disse que...

- Sabemos o que você disse - Dajan o interrompeu - Mas também sabemos que é mentira.

- Quantos anos vocês tem mesmo?

- 11 - disse eu e logo depois Dajan disse 12.

- Na minha época...

Dajan o interrompeu de novo dizendo:

- Não estamos interessados em saber o que você fazia na sua época.

Ele nos olhou surpreso e minha mãe já estava começando a se irritar.

- Dajan - sussurrei mais ele parecia estar super bem com a situação.

- Quantos filhos? - Dajan repetiu minha pergunta.

Ele encarava o Dymitri, que ainda estava vermelho.

- Vou ter que perguntar outra vez?

Dajan se enclinou para frente. O Dymitri estava mais tenso que nunca. Olhei de relance para minha mãe. Ela estava franzindo as sobrancelhas.

- Tá bom - Me levantei batendo na mesa com os punhos fechados - Chega Dajan...

Ele não tirou os olhos do Dymitri.

- Dajan... Eu disse já chega! - Bati outra vez o punho na mesa e ele me olhou.

- O que? - ele falou debochado - Eu só fiz uma pergunta. O que tem de errado nisso?

- Sim...

O Dymitri finalmente falou olhando para de baixo da mesa.

- Sim o que? - perguntei arqueando as sobrancelhas.

- Eu já fui casado - ele me olhou e encarou o Dajan - Tinha um filho. 7 meses. Mas... - ele deu uma pausa - Mas minha esposa e ele sofreram um acidente de carro.

O Dajan ainda estava com a mesma expressão relaxada de sempre. Eu admirava ele por isso. Nunca demonstrar o que sentia.

Eu olhei para minha mãe. Sua boca formava um perfeito "o". E o Dymitri desafiava o Dajan com o olhar.

- Então... - Dymitri disse para o Dajan - Feliz agora?

- Muito - ele disse com um sorriso de orelha a orelha.

Logo ele pegou um garfo e colocou a comida no prato. Eu olhei pra minha mãe outra vez e ela me olhou também.

- Ok então - ela disse e começou a pegar a comida também.

O Dymitri não esperava essa reação do Dajan, eu sabia disso. Enquanto aquele clima chato continuava ali no ar, o Dajan começou a falar sobre coisas aleatórias, esquecendo totalmente o que tinha acabado de acontecer.

No fim do jantar, o Dymitri se despediu de todos nós, mas na vez do Dajan, ele sussurrou algo no seu ouvido e sorriu. O Dajan o olhou de cara feia mas depois relaxou de novo. E quando o Dymitri saiu, minha mãe disse:

- O que foi aquilo?

- Um teste - disse ele com um sorriso daqueles.

- Teste? Você fez aquele vexame para testa o Dymitri?

- Quase isso - ele deu de ombros - Posso dormir aqui?

- Sério? - minha mãe perguntou surpresa - Você está mesmo mudando de assunto?

- Estou. Posso ou não?

Ela riu.

- Pode Dajan! - disse e sorriu, depois saiu para o seu quarto no segundo andar.

- Você é maluco.

- Eu sei. 

Flashback off

- Quando você voltou para a cidade?

Nós estávamos no meio de um abraço. Eu não conseguia larga-lo.

- Hoje mesmo.

Saímos do abraço e olhamos um para o outro.

- Eu tava com tanta saudade... - falei sentindo meus olhos ficarem embaçados.

- Eu sei que você não vive sem mim... - ele também ia chorar.

Dajan colocou suas mãos em meu rosto e passou os polegares embaixo dos meus olhou, secando as lágrimas que caíam.

Nos abraçamos novamente e a Rosalya cutucou meu ombro.

- Se eu não conhecessem vocês, diria que eram namorados.

- Rosa... - Dajan disse com um sorriso safado que eu não duvido nada que ele não tenha nascido com ele no rosto - Você está mais gata que antes!

- Não se empolgue, Bobby Marley - ela o abraçou - Já tenho um namorado.

- Posso quebrar a cara dele? - ele falou sorrindo do mesmo jeito.

- Você não é maluco.

O Alexy estava observando um pouco afastado da gente. Fiz um sinal com a cabeça para ele se aproximar.

- Dajan, esse é o Alexy. Alexy, esse é o Dajan.

Eles trocaram o aperto de mão firme e o Alexy ficou vermelho. A Rosa me olhou e eu entendi tudo. Só não sabia se daria certo.

- Dajan?

Todos nós olhamos para a pessoa que chamou o Dajan.

- Castiel? - Dajan caminhou até ele.

- Cara, quanto tempo - Castiel falou dando um abraço másculo com o Dajan.

- Espera, - falei confusa - de onde vocês se conhecem?


Notas Finais


Gnttt ksksksk
Pra quem não entendeu, Castiel só começou a falar com Alice no final do ano passado e o Dajan não estava nessa época, tendeu?? Kskskskks tipo isso
Bjss ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...