História Can't Help Falling In Love - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias James Rodríguez, Jérôme Boateng, Julian Brandt, Manuel Neuer, Mario Götze, Mats Hummels
Personagens James Rodríguez, Jérôme Boateng, Julian Brandt, Manuel Neuer, Mario Götze, Mats Hummels, Personagens Originais
Visualizações 263
Palavras 1.569
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Esporte, Festa, Ficção Adolescente
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


sim, eu to postando as 6:46 da noite, e terá outro capítulo, só que de madrugada que é um bônus para o neném James que vai fazer 27 anos.

Capítulo 5 - Ballad


Fanfic / Fanfiction Can't Help Falling In Love - Capítulo 5 - Ballad

Kiera Kovač

Não demorou muito para mim e James termos a louca ideia de sairmos do café e irmos para uma boate, primeiro passamos em sua casa para ele se arrumar e depois fomos ao meu apartamento que eu ainda estava de mudança.

Partimos de lá para uma boate absurdamente cheia, eu via alguns famosos, e encontrei alguns dos meninos do time.

—É mesmo a Dra. Kiera Kovač? Tenho minhas dúvidas viu— Mats pega em minha mão me fazendo dar uma voltinha

—Aqui é só Kiera, por favor, vamos deixar o lado profissional no trabalho, apenas— digo e eles começaram a rir junto a mim

—Vou pegar uma bebida, vai querer?— James pergunta e eu digo que um copo de vodka estava ótimo

Conversava animadamente com os meninos, até que eles começaram a se dispersar e irem ficar com alguma garota, vi o quão demorado estava James, decidi ir procurá-lo e o encontrei flertando com uma garota, logo depois eles já estavam se beijando, uau, eu só pisquei. Espera aquilo é meu copo, porra minha garganta tá seca.

—ei desculpa atrapalhar os dois, só queria meu copo mesmo— peguei o meu copo e os dois se afastaram

—Kiera, desculpa não deveria ter— ele é cortado quando alguém me empurra e eu acabo indo pra cima dele

—O porra, desculpa— sentia que também estava suja de vodka

—Não está pior que você, vem vamos— ele me puxa e eu nem sequer me despeço dos meninos. —Chaves?

Entrego as mesmas a ele e o mesmo conduz o carro, claro, eu consegui estragar uma ótima noite. Ele parou no apartamento, como tínhamos combinado antes.

—desculpa por ter estragado a noite— digo em um momento de suplica e ele apenas põem sua mão por cima da minha, que estava em minha coxa

—Vamos subir, você precisa de um banho urgentemente— ele disse e eu assenti

Subimos para meu apartamento, ele já estava quase pronto, faltava trazer a lavanderia. Passei paro o banheiro e tomei um banho rápido, somente para tirar o cheiro forte da vodka, coloquei o vestido no cesto de roupa e assim que fui para meu quarto, encontro James arrumando a cama. Dei um sorriso lateral e fiquei vendo a cena, até o mesmo notar minha presença.

—Eu vou dormir na sala, não tem como eu ir a essa hora pra casa— ele disse

—Não James, pode dormir comigo, eu não mordo— digo em um tom de humor e ele apenas concordou e se retirou do quarto

Vesti um dos meus blusões de super heróis e um short moletom, calcei as meias e fiz um rabo de cavalo em meu cabelo. Eu costumava me perfumar antes de dormir, era uma mania estranha.

Sai do quarto e vejo James na varando, sentado mexendo no celular.

Caminhei até a cozinha e descongelei uma lasanha, pus a mesma no microondas e coloquei a e mesa. Peguei um vinho que guardava e coloquei sobre a mesa.

—Se não estiver com fome bem, mas pode me fazer companhia na mesa?— pergunto e James se vira pra mim e deu seu melhor sorriso, porra que sorriso perfeito

—Aceito um pouco— ele se sentou no banquinho do balcão e eu coloquei em seu prato, eu estava em pé

—Poderiamos estar agora naquela balada, bêbados, dançando, beijando— digo e parecia que algo iluminou e deu uma ideia no mesmo

—Podemos tornar isso realidade— ele pula do banco e põem uma música na TV

Ele fazia uma dancinha estranha enquanto segurava sua taça de vinho, virei a minha e coloquei um pouco mais e fui até o mesmo. começamos a dançar feito dois loucos.

—Então Kiera, estamos dançando e bêbados. Só não temos a quem beijar, isso eu já não posso fazer muito— ele diz me olhando com humor e eu comecei a rir

—Parece estar mais divertido que na balada— ele se jogou no tapete fofo e eu me joguei ao seu lado dentre as almofadas

—Isso é estranho, eu estar aqui, preso numa casa, onde estou solteiro e poderia estar com alguém— ele disse e eu me apoiei para ficar o encarando

—Pode ficar ué, pode sair e voltar a balada e pegar a garota loirinha— digo em tom de humor e ele me encara

—Mas eu não quero, eu não quero sair e ficar com a loirinha, nem beber demais com pessoas que não ligam pra mim, somente para meu dinheiro. Quero ficar aqui, na sua companhia, sendo a pessoa verdadeira e maravilhosa que você é— suas palavras me fizeram esboçar um sorriso. —Você fica tão linda quando sorri

—James, você está me deixando envergonhada— digo e ele vem se aproximando

—As vezes não controlo a verdade, não controlo minhas ações entende?— ele me encara como se estivesse esperando por uma resposta

O clima ficou tenso, meio que vergonhoso, fui salva por um telefone tocando, era o meu. Assim que o pego vejo que é Anne e logo atendo

»—Kiera, me ajuda por favor

»—Anne? O que houve?

»—Eu não consigo explicar, me ajuda

»—Ok, onde você tá?

»—Na pracinha duas quadras depois do hotel Mélia, venha logo, está frio

»—Já estou a caminho, fique onde está

Eu desliguei o telefone e coloquei uma de minhas sapatilhas e meu casaco, procurava as chaves do carro, mas foi inválido

—James, onde está as chaves do carro, preciso sair rápido— minha voz estava falhada, eu estava muito nervosa

—Ei, o que houve, você não pode sair nervosa por ai— ele põem suas mãos sobre meus ombros o que me fez acalmar um pouco

—Eu preciso ir buscar a Anne, eu não sei o que aconteceu, mas ela não está nada bem— digo e ele assentiu

—Eu irei com você, e sem mas— eu concordei com sua fala e descemos para a garagem

A pracinha não ficava muito longe de onde era meu apartamento, e assim que paramos, vi uma Anne encolhida e como rosto inchado. Me pus a sair do carro e correr até a mesma dando-lhe um abraço reconfortante, não sabia o que tinha ocorrido, mas ela precisava.

—Vamos, temos que te levar pra casa— eu digo e ela apenas assentiu

Chegando no carro, dei-lhe meu casaco e James seguiu até o apartamento, optamos por deixar ela lá até a mesma se acalmar, sabia que sua mãe iria fazer diversas perguntas pelo fato da garota está com o rosto inchado e o motivo de chegar tão tarde.

—Anne, tome um banho quente, eu vou preparar algo pra você comer— digo assim que chegamos no apartamento e ela fez o que eu disse

James me ajudou na cozinha, eu também estava nervosa, não sabia o que havia deixado a garota assim, ela tinha uns problemas com a ansiedade ou ataques de pânico, o que me deixava aflita, eles aconteciam repentinamente.

—Vai ficar tudo bem com ela. Deixa tudo baixar, que você conversa com ela— James disse ficando entre minhas pernas assim que sentei no balcão

—Ela tem muitos problemas, familiares, amorosos, com álcool também, eu tento evitar na maioria das vezes— digo quase que me culpando por deixar a mesma cometer isso

—Sabe que não tem culpa, isso acontece, ela vai melhorar Kiera, você não pode tomar as dores das pessoas, isso vai acabar com o seu psicológico— ele falava tão calmamente em meio aquele caos

Eu apenas o abracei, e afaguei meu rosto na curvatura de seu pescoço, era reconfortante, como se sentisse o que estava passando mesmo em silêncio.

—Desculpa incomodá-los, mas eu estou com fome— escutamos a voz de Anne e recuamos

—Tem lasanha e suco pra você, toma esse remédio e durma no meu quarto hoje— digo e ela assentiu comendo a lasanha

Não demorou muito, ela fez o que mandei e adentrou ao quarto. Estava preocupada com ela, mas o melhor era saber se ela estaria bem agora para depois me contar o que havia ocorrido

—Kiera, eu posso ir embora se quiser— James diz e eu nego

—Não, por favor, nós dois podemos dormir na sala, e eu acho que tenho um colchão inflável lá dentro— digo indo para o quartinho.

Algumas coisas ainda estavam empacotadas, assim que encontrei o colchão, levei o mesmo para a sala e enchi com a bomba, peguei dois cobertores e alguns travesseiros, já era tarde para assistir qualquer coisa.

—A noite não saiu como planejei— ele disse e eu o encarei

—E o que tinha em mente? E quando começou a dar errado?

—Iriamos pra a balada, iriamos dançar, beber, nos divertir, e só voltar quando o sol nascente. Começou a dar errado quando eu comecei a flertar com uma garota e te deixei sozinha— ele também estava me encarando e eu pus a rir

—Eu não ligava de ficar sozinha enquanto você flertava com alguém, eu só queria minha bebida— digo e ele também começou a rir

O silêncio se instalou no local, e eu vi que era hora de dormir, virei para o lado oposto do garoto e tentei pegar no sono, o que foi demorado. O frio ainda se instalava na sala, era o cômodo mais frio, o fino lençol não estava dando conta, até sentir braços me rodearem e o corpo se encostar ao meu.

—Obrigada— digo e pude sentir que ele sorriu, seu rosto estava na curvatura de meu pescoço

E bom, no meio da sala, em um colchão inflável, a uma brisa fria passando, foi o meu fim de noite de uma semana um tanto quanto cansativa e que nem tinha acabado ainda.


Notas Finais


to postando agora por motivos que terá um segundo capítulo que será postado na madrugada, e pq tô indo a uma festa.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...