História Cão De Guarda - Capítulo 5


Escrita por: e SimoneVIP

Postado
Categorias SHINee
Personagens Jinki Lee (Onew), Jonghyun Kim, KiBum "Key" Kim, Minho Choi, Taemin Lee
Tags Fantasia, Shinee, Universo Alternativo
Visualizações 10
Palavras 4.585
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fantasia, Lemon, Romance e Novela, Terror e Horror, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 5 - Cinco


Fanfic / Fanfiction Cão De Guarda - Capítulo 5 - Cinco

A água estava agradável, por mais que fosse estranho admitir o sangue também. Sugava com força segurando o pulso junto aos lábios ate ter gentilmente, a cabeça empurrada para trás.

- Chega. Já bebeu demais.

Onew recolheu o braço e algumas gotas caíram na água tingindo a espuma da banheira.

Key olhou fixo para o sangue se dissolvendo junto às bolhas de sabão. Choramingou silenciosamente lambendo os lábios, inconsolável.

- Eu queria um pouquinho mais. – disse consternado.

- Você é um guloso. Por um acaso pretende me drenar?

Levantou o rosto alarmado sacudindo energicamente a cabeça.

O jovem vampiro achou graça.

- Ainda com fome? Quando vai ficar satisfeito? Tome, beba um pouco mais.

Key não escondeu a alegria, abocanhou o pulso vermelho, aberto por uma navalha. Não era repugnante, nem tão pouco lhe causava horror. Solver o delicioso sangue vermelho vivo e quente preenchia seu corpo. Esquentava-o por dentro parecia que a vida voltava a animar sua alma. Alma?! Será que ainda possuía uma?

Onew brincava com a água morna da banheira enquanto o garoto agarrado a seu braço se alimentava.

- Não Lhe dê muito. Já deve ser o suficiente. – gritou Andy Lee por detrais do imenso biombo indiano posicionado no centro do quarto.

- Tá. – berrou em resposta. – Largue. Você ouviu o homem.

- Onde estamos? – perguntou, havia muito barulho vindo de algum lugar abaixo deles

- Na taverna de Andy. É seguro aqui não se preocupe. – respondeu limpando sua boca manchada, com o polegar, suavemente.

Voou água pra todo lado quando o insolente estendeu o braço capturando sua mão.

Onew se surpreendeu, tanto pela agilidade quanto a força empregada ao redor de seu pulso. Se fosse um mortal certamente estaria quebrado agora.

Ele possuía um olhar bem atrevido, parte do cabelo molhado deslizou encobrindo um olho, a boca entreabriu engolindo um de seus dedos obrigando-o a soltar um gemido baixo e rouco.

- Depravado. – sussurrou se inclinando sobre a borda da banheira, beijando-o no rosto.

Key se voltou oferecendo os lábios, o rosto rubro, o suor escorrendo pelo pescoço onde um fino traço azulado se destacava.

Onew se inclinou todo sobre ele, beijou ali primeiro reprimindo o desejo de mordê-lo depois tomou a boca, segurando a nuca, o puxado para si, quase o içou da banheira, a água agitada chocou-se contra a borda transbordando. Key se agarrou a ele os dedos amassando o tecido da camisa, a unha conseguindo arranhar a pele oculta. Queria senti-lo sem empecilhos, sem tecido algum, e principalmente sem as facas e punhais escondidas embaixo de suas roupas, havia resvalado na ponta de uma delas e por muito pouco não se feriu, aquilo porem não o abalou. Ele se perguntava aos gritos em sua mente o porquê de estar agindo daquele jeito com um perfeito estranho, seu corpo não obedecia, suas mãos não paravam de tremer e o seu coração parecia o único sob controle muito embora achasse que algo nele havia mudado tudo por ele... Tudo por conta daquele sujeito.

Era tão bom o sabor do interior daquela boca a língua entrelaçada a sua, as mordidinhas arrancando suspiros atiçando o prazer. A mão correu por sua costa molhada chegando ao quadril, gemeu ao ter as nádegas acariciadas tremeu ao toque mais ousado, empinando o traseiro num gesto involuntário, entorpecido, entregue nas mãos do garoto, embriagado com seu cheiro de Homem.

Mas do outro lado estavam os companheiros e os pequenos míticos, esse pensamento atravessou a mente de Onew. Mesmo a contra gosto, devagar se afastou.

- Melhor pararmos. Termine de tomar o seu banho...

Houve um barulho na outra extremidade inibindo o protesto impaciente de Key uma porta rangeu abruptamente quebrando o silencio do cômodo.

- Ola! Vim ver o garoto novo. Onde... Ele está? – perguntou o jovem parando, olhando em torno. Prosseguiu seguindo em frente em direção do espalhafatoso objeto no centro do quarto, eventualmente sendo guiado por sua intuição.

-Merda o que ele quer aqui?Fique quietinho, vou checar uma coisa. – Onew franziu o sobrolho se movendo rapidamente apreensivo.

- Mas não quero... Ficar sozinho...

Key lhe lançou um olhar angustiado, contudo absolutamente resignado. A sensação desagradável de dependência esmagava o peito. Queria-o por perto, parecia que nada e nem ninguém no mundo pudesse lhe fazer mal se somente ficasse ao seu lado. Enquanto o viu se virar e se afastar repentinamente percebeu o quão estranho se sentia por dentro. Tomado por uma pontada de dor, pensava, mal o conheço porem já o amo o suficiente para sentir sua falta. Como isso foi acontecer comigo?

- Não vou me demora. – afirmou se retirando.

Momento depois estava obstruindo a passagem, e a visão do jovem líder da equipe bts.

- Esta no banho. O que quer com ele? –indagou Minho empoleirado no braço do sofá de mãos dadas com Jonghyun. Esse, sonolento, ergueu a cabeça do ombro do companheiro, encarou o intruso, praguejando num murmúrio, com os olhos quase fechados.

- Não é da sua conta vira lata. – RM continuou asperamente– Ele esta ai atrás?

Onew não respondeu.

Ele riu então, mordendo o lábio.

- Vai-me deixa passar ou terei que...

- Terá que fazer o que?Deus da destruição.

Andy Lee saltou furioso da cadeira, seu movimento brusco á fez deslizar arranhando o piso e com um barulho estridente, chocar-se contra a parede tombando de lado.

- Respeite minha casa!No salão podem fazer o que quiserem, mas aqui encima é minha casa. Esse é o meu quarto. A equipe Shinee são meus convidados.

-Verdade?! – ele girou nos calcanhares, sua expressão não se alterou nem mesmo quando encarou os dois irmãos ruivos. – Eles também? – indagou apontando.

Os meninos se encolheram alarmados.

- Sim. São meus convidados. - afirmou.

- Porque posso saber?

Onew interveio.

- Eles arriscaram suas vidas para nos levar ate Key. Esses dois merecem a recompensa por auxiliar no resgate.

- Oh... Pequeninos corajosos. –zombou. Então ele é seu sobrinho. - acrescentou em seguida olhando dos irmãos para Andy de volta.

- Foi o que eu disse não foi. –respondeu com um semblante austero.

- Curioso como o manteve escondido todo esse tempo. Ou o conselho falhou feio, ou fez vistas grossas no seu caso. – sua boca retorceu num amplo sorriso carregado de malicia deixando as presas visíveis, pontinhos brancos e afiados. - Mas é relevante agora o que importa é apresentá-lo á gênesis o quanto antes. Herói de guerra ou não você infligiu a lei... Guerreiro Shinhwa.

- Você esta sendo desrespeitoso. Meça suas palavras RM.

- Ah deixe-o Onew... Deixe que fale o quanto quiser. – Andy Lee deu uma risadinha escarninha. – infligi à lei?! Elas não se aplicam mais a mim. Estou aposentado... Livre de qualquer bobagem burocrática, livre de regras, leis ou juramentos. Aqui mocinho sou eu quem da às cartas, portanto devo pedir que se retire. –acrescentou com sua calma costumeira. – Vamos, meu adorável sobrinho se recupera de um ataque. Limpando a sujeira de um demônio nojento. Não permitirei que o aborreçam.

RM revirou os olhos dando de ombros em seguida fixou o olhar buscando enxergar através das frestas do biombo de madeira.

- Disse que um demônio o atacou. - lembrou.

- Sim e me antecipando a sua pergunta. Ele despertou agora, antes pensava ser um humano comum. Foi criado dessa forma. Prometi a minha irmã que ele jamais participaria dessa guerra. Não se tornaria um guardião.

- Mas ele é um guardião! Um de nós. Um sangue puro... Vou reivindicá-lo. O quero na minha equipe.

- Enlouqueceu!Quem lhe deu esse direito. – rugiu Onew, não permitirei que fique com ele.

Ele se voltou embasbacado, soltando um sonoro som de desagravo. Chegou mais perto exalando seu hálito de Martini doce.

- O que disse?Repita, quero ouvir melhor, mas diga aqui. - disse inclinando o rosto, oferecendo uma orelha. –Hein?... Estou esperando. - insistiu provocando-o.

- Idiota. - resmungou Onew deslizando momentaneamente um olhar para trás do biombo, vendo Key fora da banheira se enxugando despreocupado. A conversa toda parecia não o afetar.

Isso mesmo fique ai, fora do alcance desse intrometido, pensou retornando sua atenção ao rap monster.

- Ele é meu.

- Meu?!Não entendi qual é a sua. –replicou.

- Você ouviu bem eu presumo. Key é meu ele será um Shinee. Esta, decidido.

- Oh esqueceu-se de um pequenino detalhe, caro líder dos vira latas não é você quem decide essa porra! – esbravejou.

Minho e os outros se puseram de pé prontamente, mas Onew pediu calma com um gesto.

- Nos o salvamos ele é nosso por direito.

- Seu arrogante de uma figa...

- Tem mais se volta a se referir a meus companheiros dessa forma de novo não vou responder por mim.

Ele disfarçou o riso forçando uma tose.

- Vira lata?! Não vejo problema. Todos na gênesis os chamam assim. - pausou dando um sorriso superior. - E ai? Vai encarar? Cair na mão com todo mundo por causa desses... Mestiços.

- Chega. Vamos parar por aí. Você se superou rap monster quantas doses de Martini bebeu pra tamanho comportamento detestável. - interferiu Andy Lee se aproximando passando um braço em volta do pescoço do jovem arrastando-o para longe, conduzindo-o a força em direção a porta sem encontra muita resistência. – Saia vá para junto dos seus, esfrie um pouco essa sua cabeça quente e deixe meus convidados em paz.

- Mas... Ainda não terminei... –disse tentando escapar escorregando para baixo sem grande sucesso. Havia bebido demais seus reflexos estavam lentos e seu algoz era ninguém mais que um dos melhores entre os guardiões.

- Já terminou sim. Vamos, ande logo cai fora.

Ao alcançar e girar a maçaneta foi surpreendido por três pálidas figuras meio curvadas e amontoadas uns sobre o outro, rosto e orelhas colados a porta.

-Honestamente vocês. – suspirou Andy Lee liberando seu jovem prisioneiro do aperto. Livre RM ajeitou os cabelos,distanciou-se o quanto pode, olhou o trio junto à porta agora escancarada, instalou a língua, meneando a cabeça.

- Tsc tsc que feio.Deviam se envergonhar.- disse num tom de censura.

Eles se endireitaram rapidamente, o choque estampado nos rostos, um minuto ou dois se passou até que o primeiro engolindo a vergonha resolveu falar.

- Viemos ver o novo garoto. –começou Suho embaraçado.

- Verdade. Estávamos preocupados. - acrescentou Kai desejando ser convincente ainda que tenha aceitado segui-los movido por seu próprio motivo egoísta. Pretendia sim conhecer o jovem misterioso do qual teve um breve vislumbre no salão. Mas também ansiava descobrir acima de tudo qual seria a ligação daqueles dois porque quando o garoto chegou, vestindo o casaco de Onew, o capuz abaixado não dando a chance de ver seu rosto, reparou olhando em surpresa que eles entraram de mãos dadas e seguiram até o andar de cima assim, sem se desgrudarem.

O terceiro bisbilhoteiro apenas afirmou com balançar de cabeça sem nada acrescentar.

- Vai ficar calado Soohyun?!Bem típico de você se fingir de mudo quando deveria apoiar seus amigos. – queixou-se Suho.

- Exo e U-kiss .- Andy Lee suspirou novamente revirando os olhos. – Quem mais vira depois de vocês?Tenho medo só de pensar a corja toda invadindo meus aposentos.

- O que?!Não... Os outros não virão... Eu juro!E não pretendíamos incomodar... Só mesmo saber do garoto... – ele encarou, seus olhos transbordavam sinceridade. - E também oferecermos para acolhê-lo em nossa equipe...

- Pode parar por ai Exo. – falou Rap monster. – eu cheguei primeiro.

- Interessante. Não sabia se tratar de uma corrida. – falou Soohyun de repente. –Não havíamos todos concordados em virmos juntos, pra que ninguém fosse passado pra trás.

RM riu em deboche encolhendo os ombros.

- Calma se te servir de consolo, nem cheguei perto. Não me deixaram. SHINee tomou a frente, estão monopolizando o carinha. – disse mergulhando as mãos nos bolsos de seu jeans rasgado. – Talvez. Quem sabe, uma luta justa possa resolver esse impasse. É uma idéia. Podemos montar uma arena no porão e quem sobrar de pé leva o grande premio melhor do que simplesmente aceitar calado o fato de Onew achar que nossas equipes não são boas o suficiente para ficar com o garoto. Então quem esta comigo?

- Arg chega!Pode parar por aí. – interrompeu irritado. - Todo mundo fora. Vamos, o lugar de vocês é La embaixo vão beber vão fazer o que vocês fazem de melhor. O palco está vazio venha Taemin cante pra nos, andem Shinee. Pequenos místicos, vamos todos descer. - Andy havia pegado um por um e posto pra fora do quarto, enxotando tal qual se faz com as galinhas ou com um inseto indesejado. - Key precisa descansar ele passou por momentos de terror e vocês aparecem aqui feito urubus em cima de carniça, faça-me o favor! Descendo todo mundo.

No corredor em meio aos resmungos e protestos Andy Lee parou junto a Onew.

- Volte, ele precisa de você. Deixe esses moleques comigo.

- Hei?! Porque Onew pode ficar com ele e nos sequer podemos vê-lo um instante?

A pergunta atingiu-o em cheio, a voz não distinguiu quem era, se bem que se fosse arriscar um palpite certamente não erraria.

O mais preocupante, no entanto era a expressão zombeteira no rosto de Andy Lee, a resposta se formava em seus lábios quando um arrepio percorreu a espinha de Onew lhe dando calafrios, fruto de um mau pressentimento.

- Simples. Onew e Key têm um lance e vocês não se intrometam.

Aquilo foi extraordinário. A atmosfera mudou depois do pronunciamento. Kai horrorizado arregalou os olhos. Evitou encará-lo, sabia que ao fazê-lo correria o risco de ter que cruzar espadas com ele, sua sede de sangue era algo considerável, seus punhos estavam cerrados. No final todos foram surpreendidos. Onew estarrecido! O silencio reinou por uns segundos parecia que o único som audível era o de sua própria respiração desordenada. Buscou se controlar respirar fundo e soltar lentamente o ar da forma mais natural possível, e ainda por cima tinha que lidar com aquela vontade esmagadora de socar Andy até não poder mais. Optou por ficar calado mesmo sendo alvo de tantos olhares curiosos. Quando ouviu a gargalhada gostosa de rap monster ecoando ao longo do corredor estreito e sufocante sentiu-se lamentavelmente aliviado.

- Um lance?Como assim?! E Tae... – Kai precipitou a falar mais se calou de imediato impedido por um olhar. Ele estava ali, parado em meio a todos, sua expressão serena não transparecia uma centelha de raiva ou dor, mesmo assim achou triste vê-lo ao lado de Onew. Injusto... Injusto demais!Pensou. Taemin não merecia isso Onew absolutamente não o merece, não é digno de ter o seu amor. Porque ele e não... Eu? Levou a mão ate a faca escondida no cós da calça, os dedos tamborilaram ansiosos sobre a superfície fria do cabo. Prendendo a respiração contou até dez, um modo bobo de esfriar a cabeça e colocar seus pensamentos no lugar. Caso contrário se pudesse... Se não estivesse junto com todo mundo provavelmente não hesitaria sacar a faca e acabar com raça daquele Shinee. O mataria se “fosse possível” exatamente como mata um demônio, sem piedade, sem chance de defesa desferindo um único golpe. Mas a razão se fez mais forte e Kai lembrou envergonhado se tratar de um guerreiro irmão, um companheiro valioso, e se arrependeu, um filho de Abel jamais deveria cogitar tamanha desonra.

Por sua vez Rap monster se contorcia em risadas cambaleando e batendo palmas, alucinado.

- Ah! Agora eu entendo o Ele é meu!Caraca!... Quem diria... Taemin não é o suficiente pra você... Garanhão.

- Ora seu... - Kai se moveu tentando alcançá-lo, mas antes disso seu líder o segurou firme pelo braço lhe dando um leve safanão.

- Pare com isso. Esta tudo bem. Veja Taemin não parece se importar. Se contenha ou Andy nos expulsará da taverna.

Onew cerrou os punhos com forças.

- Ignore-o- disse Andy mantendo sua voz baixa – ele só bebeu demais.

- Mesmo assim como pode ser tão irritante.

- Escute tome cuidado.

Enquanto falavam Andy tomou seu braço, tirando-o de perto do grupinho agitado.

- Cuidado?!Com o que?Key é inofensivo, completamente entregue a mim.

- Eu sei. É ai que mora o perigo. Nós somos frágeis diante do fascínio que os mortais exercem sobre nos. Ele ainda não esta completo. Ha muito de humano nele. Portanto tenha cautela não se deixe levar por suas doces palavras e seu corpo o qual ele te oferecera com toda certeza.

Onew corou.

- Não vou me aproveitar dele. - retorquiu indignado. –Estou ciente de sua submissão a mim por conta do que fiz, todavia não pretendo tomar proveito.

- Isso não vem ao caso ele é seu idiota tudo que, mas quer no momento e se entregar a você. Aproveite tome pegue isso.

Após um minuto de hesitação aceitou o tubo branco.

- O que é isso?!

- Lubrificante. Agora vá ou o pobrezinho morrera de desespero sem você por perto.

- E-u Eu... Não quero isso, não vou...

Onew sacudia a cabeça gravemente.

- Vai. Você vai torná-lo seu porque é isso que deve fazer, seu sangue o alimenta ele te pertence se não tomá-lo, achara que seu mestre não o ama e quem sabe que loucura será capaz de cometer contra si.

- isso é insano.

- Eu nunca disse que ia ser fácil. Vamos não será nenhum sacrifício ele é tão fofo. Pense naquela pele branquinha naquelas adoráveis coxas se abrindo pra você.

- Vê se cala essa sua a boca grande... Seu velhote pervertido.

Dito isso ele se virou e se apressou pelo corredor fazendo o caminho inverso, ouviu um murmuro e alguns resmungos enquanto se afastava do bando inconformado. Parou em frente à porta do quarto, exalando ruidosamente, antes de entrar. Não apreciava estar ali, pois afinal era o quarto de Andy Lee, onde muito provável Eric tenha pernoitado inúmeras vezes, só de imaginar a cama que aqueles dois tarados compartilhavam ser a mesma que Key se encontrava lhe dava calafrios. Parecia tão puro, seu cheiro seu gosto, podia notar pelo toque o quão inocente era. Ao contornar o biombo medonho com um meio sorriso nos lábios, de repente estacou, sem saber para onde olhar. O garoto puro e inocente do qual idealizou em sua mente, estava sentado com as pernas escancaradas e uma das mãos segurando o membro duro e molhado, gemendo baixinho enquanto se masturbava.

- K-K- Key. – chamou.

Ele ergueu a cabeça, e o fitou; as pupilas dilatadas, o rosto rubro; sorriu saltando em seu pescoço, enroscando braços e pernas se agarrando a ele num misto de alegria e desespero.

- Demorou. Mentiu pra mim. – queixou com voz dengosa.

Foi intensa a sensação, o corpo quente impregnado pelo odor do desejo, atiçou Onew de todas as maneiras, ao cerrar os dentes sentiu gosto de sangue, ocorreu ferir-se pelas próprias presas.

Quero morde-lo!Quero sugá-lo!

- Eu voltei não voltei. – disse ainda sustentando ele no colo suas pernas em volta estrangulando sua cintura. A cabeça um caos total. Ha pouco tão convicto sobre não tirar proveito de sua submissão, agora, porem depois daquela recepção apaixonada, seu autocontrole aparentava ruir se desmanchar feito castelo de areia a beira mar.

Key olhou dentro de seus olhos, tinha uma linda expressão no rosto enrubescido.

- Me beije. –suplicou. - Só me beije... Rápido!

- Tem certeza que quer realmente isso? –indagou, sua voz tremula. Aquela contradição estava acabando com ele, essa coisa toda de certo e errado, era muito complicado. Praticamente podia ouvir um diabinho e um anjo, acomodados, em cada ombro seu travando uma batalha ferrenha. Igual aos velhos desenhos animados, os mesmo dos quais desprezara quando criança.

O garoto riu meio hesitante, correndo a mão por todo seu cabelo puxando-os com força parecia querer arrancá-los, encostou sua testa na sua e deu um longo suspiro.

- Estou quente... - revelou em uma voz rouca. – Mas não é febre... – explicou pondo a língua para fora a empurrando para dentro de sua boca. – Por favor, me... Faça seu. - acrescentou num sussurro.

Seu coração deu um salto quando foi arremessado na cama. Ajeitou-se enquanto o outro deixando de lado a compostura se movia para cima dele, introduzindo a mão por baixo do ridículo camisolão emprestado. Afagando suas coxas ferozmente. Colando a boca na sua explorando seu interior, chupou seguidamente a língua, mordendo o queixo descendo por todo o pescoço indo parar junto da garganta. Onew queria morder pra valer, cravar suas presas e beber dele o sangue que pulsava em suas veias. O sangue amaldiçoado, responsável por seu comportamento lascivo.

- Key... Key. – murmurou atordoado.

Os dedos de poses dos mamilos duros torciam e beliscavam arrancando gemidos abafados.

Key abriu suas pernas envolvendo sua cintura não usava nada por baixo, seu membro ereto pressionando a pelve de Onew.

- Ah... Ah... – gemeu se esfregando contra ele com furor. Estava todo molhado pelo pré gozo a virilha formigando.

Onew lambeu parte de sua bochecha a língua passeou por sua orelha e brincou dentro dela, Key gemeu alto cravando as unhas em suas costas. Neste instante uma linda voz melodiosa se elevou e uma canção triste inundou o quarto fazendo ambos estremecerem.

- Zutto koshite,Kimi o tsutsunde,yorisoi aruketanara...

- Taemin. –balbuciou parando por um momento, seu olhar fugiu para longe, Key em seus braços entrou em pânico, as mãos se movendo rapidamente segurando seu rosto entre elas.

- Mestre!Mestre! – disse inseguro.

Onew se fixou nele tomando uma das mãos levando aos lábios e riu.

- Do que me chamou?

Ele se encolheu tímido, contemplando, encabulado.

- Mestre. – disse baixinho. – Não é assim que devo chamá-lo?!

- Não. Realmente não gosto dessa palavra. É Onew. Nada de mestre, por favor.

Aquele camisolão antiquado foi arrancado por cima de sua cabeça bagunçando seus cabelos ensopados, a música se elevou junto com os berros e palmas no andar abaixo deles e ela tornou-se vibrante e envolvente de um jeito insuportável, arrebatador.

- É tão... Linda!Essa voz...

-Impressionante né. Devo adverti-lo, feche os ouvidos de sua alma ou caíra no encanto da fada.

- Fada?!

- Sim. Taemin é meio-fada sua voz é poderosa. Fadas costumam cantar pra seduzir, ele canta agora para acalmar os ânimos, mas se ficar escutando por muito tempo sem se precaver corre o risco de entrar em êxtase. – explicou.

Fechar os ouvidos da alma?!Como faço isso? Pensou franzindo a testa.

Onew sorriu acariciando seu rosto.

- Ah!Linda criança; tenho muito a lhe ensinar. – falou afundando a cabeça no peito abocanhando um mamilo duro sugou forte, Key deixou escapar um grito estrangulado, tapou a boca, mordeu parte da mão na esperança de abafar uma sucessão de gritinhos vergonhosos. Sentia um pouco de falta de ar por causa da pressão do corpo dele, Onew era pesado tinha músculos bem definidos, ele virou o rosto de lado, abandonado o mamilo indo agora em direção ao outro, a língua circulou o bico ereto, depois o engoliu.

Key gritou de novo se contorcendo. Embaixo da linha da cintura sentiu algo duro pressionar.

Deslizou a mão no meio das pernas dele e o tocou, Onew parou de sugá-lo imediatamente e gemeu. Tomou sua boca, ávido; preenchendo-a com um mel delicioso, Key nunca fora beijado assim, nunca sentiu tanto prazer assim,quando se separou viu-o pegar alguma coisa,e espalhar nos dedos.

- Está pronto?

- S-sim. – respondeu sem nem ao menos saber do se tratava, mas se a pergunta era está pronto para mais dessa luxuria sim! Estava.

Ele estendeu o braço e o enfiou bem no meio, Key sobressaltou quando um dedo frio e melado foi penetrando pouco a pouco no seu interior.

Mordeu o canto da boca semicerrando os olhos, Onew se inclinou sussurrando palavras doces em seu ouvido, o corpo tremia, o coração parecia querer saltar pela boca. E quando começou a mover... Dentro e fora, dentro e fora...

- Oh!Meu Deus... Dói...

- Quer que eu pare?- perguntou com um meio sorriso presunçoso.

- N-ão... Só faça mais devagar... – pediu com lágrimas brotando nos cantos dos olhos. -Por favor... Seja gentil.

- Como me pede isso fazendo essa cara... – disse mordendo o canto da boca. – Só aumentou mais ainda minha vontade de te fazer... Gritar.

Enquanto desafivelava o cinto pensava no que horas antes ouviu de Andy, “tome cuidado” e riu sem graça mergulhando entre as pernas de Key, pressionando, ele soltou um urro de dor. Tentou escapar movendo o quadril para o lado, Onew o imobilizou prensando seu corpo sobre o dele, agarrando-o pelo quadril, usando de mais força para penetrá-lo. Ergueu os braços dele acima da cabeça prendendo-o com uma das mãos. Key arfava o rosto molhado de suor e lagrima a boca entreaberta e tremida, alias tremia por inteiro, tinha visto aquilo antes de entrar nele o membro inchando e duro que perfurava seu botão. Tinha visto o olhar selvagem do amante insensível com sua dor.

Ainda assim o queria, daquele jeito mesmo, com aquele olhar com aquela insensibilidade, a dor aumentou, ele continuava a entrar ia cada vez mais fundo, Key fechou os olhos e grunhiu.

- Pronto... Pronto... Não chore... Já estou dentro. – consolou lambendo suas lagrimas, tomando a boca, beijando docilmente depois de fazê-lo sofrer.

Bastou mover-se duas vezes entrando e saindo para Key se lambuzar todo.

- Não pode ser... Mal começamos e você já gozou. Menino malvado... Agora não tenho outra opção. – disse sorrindo. – Não terá permissão de gozar de novo a menos que eu permita e isso... É uma ordem... Key.

O que houve depois disto ele não conseguia assimilar. O quarto foi tomado por sua respiração descontrolada, pelo som molhado constrangedor que ressoava cada vez que Onew o perfurava, metendo cada vez mais fundo violentamente castigando seu corpo que mal havia se recuperado do ataque sofrido. Os gemidos dele, o ofegar em seu pescoço, a dor e a surpresa quando ele o mordeu e passou a sugar-lo enquanto estocava sem perder o ritmo, a humilhação ao ouvir seu choramingo gaguejante pedindo:- Por favor... Eu não agüento mais... Re-r-retire a ordem... Onew... Eu imploro...

E finalmente quando pareceu lhe escutar foi somente para virara-lo de costa bruscamente. Surpreendido, se viu de rosto para baixo e o traseiro para cima, empinado no ar. De relance observou Onew e seu sorriso lindo e cruel antes de investir contra sua bunda impiedosamente. A mão dele envolvendo e trabalhando em seu membro,Key estremeceu,mordendo a fronha do travesseiro.

- E-u ...Posso... Posso agora...

Onew riu.

- Pode. Meu anjo... Você tem minha permissão. - sussurrou ejaculando dentre dele ao mesmo tempo em que sua mão ficava ensopada e pegajosa.

Key relaxou, seu corpo cedeu com o peso de Onew, ele caiu sobre suas costas e ali permaneceu por um tempinho, depois escorregou para o lado, puxando-o para seus braços. Key se alinhou em seu peito, exausto, meio delirante. Seu coração parecia que ia explodir, a mão tremula passeou pelo tórax se agarrando a cintura, Onew mantinha os olhos fechados, os cabelos bagunçados esticados aqui e ali, dando a ele ares de menino travesso. Absurdamente encantador. Queria muito perguntar se havia gostado se tinha feito tudo certo e se estava tão feliz quanto ele, mas Onew não abria os olhos e Key não achava que deveria incomodar. Então se apoiou no cotovelo e se aproximou encostando seus lábios nos dele, ele por sua vez o agarrou subitamente jogando-o contra o colchão ficando por cima, o olhar que fez Key já conhecia.

Devagar virou o rosto e de canto viu as presas saltarem em direção de seu pescoço nu, sorveu em grandes goles, e os beijos recomeçaram e os toques, os corpos reagiram e novamente sem se dar conta, ignorando o cansaço, estavam novamente fazendo amor.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...