História Caramel - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Black Pink
Personagens Jennie, Jisoo, Lisa, Personagens Originais, Rosé
Tags Anjos, Anonimo, Blackpink, Blog, Caramel, Fotografia, Jenlisa, Lisa Anjo, Mintfanfics, Sobrenatural, Universidade
Visualizações 53
Palavras 1.110
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Fantasia, Ficção, Fluffy, LGBT, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo-Ai, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Voltei com outra fanfic, espero que não fique um lixo, kkkkkkaiquebostinha, tá betado na medida do póssivel, qualquer erro, me desculpem ;)

espero que gostem e tals

Capítulo 1 - É assim que chamam os anjos hoje em dia?


Entrei na cafeteria e o sino da porta fez seu típico som, o cheiro familiar de café invadiu minhas narinas junto com o cheiro do meu doce preferido, que a propósito era uma das especialidade da casa, a famosa torta de chocolate com caramelo.

Todos ali eram conhecidos por mim, aquele era meu ponto de escape, meu refúgio de tudo e de todos. Meu silêncio era respeitado e isso era o que mais eu adorava ali.

O sorriso doce da senhora Haneul foi lançado em minha direção, eu retribui enquanto prendia meus longos fios de cabelo com um pequeno elástico preto.

Me sentei no banquinho de frente para o balcão, tirei meu notebook de dentro da bolsa logo o botando em cima da superfície lisa, junto com meu celular um pouco velho.

— Vai querer o de sempre, Jennie? — Kyhyun, um atendente que trabalha ali falou com um sorriso doce em seu rosto pequeno.

Apenas um sim sussurrado foi solto, esfreguei meus lábios um no outro, botei minha câmera em cima da mesa e peguei seu cabo conectando-o ao notebook.

A postagem estava pronta, não sei se me orgulhava do bom trabalho ou me criticava por ser uma pessoa tão ridícula.

As imagens passavam lentamente da câmera para o notebook, bufei cansada, minhas pernas balançavam inquietas e minhas unhas faziam barulho estalados na mesa, olhei para fora pela janela vendo apenas tons de marrom alaranjado, meus olhos piscavam lentamente sob as pestanas curtas, eu não havia dormido mais que duas horas, passei a noite toda trabalhando.

Um café com um pedaço de torta foi posto na minha mesa, estranho, eu nunca tomo café, principalmente um caramel macchiato.

— Isso não é meu — Falei calmamente enquanto pegava a torta e a trazia em minha direção, deixando o café de lado, eu que não ia tomar algo que poderia estar com sei lá, veneno, o que não era tão impossível já que muita gente me odiava, mesmo que sem nenhum motivo aparente.

— Me mandaram entregar — minha testa franzida já denunciava meu desgosto por ter que pagar algo que eu não iria tomar.

Notas de dinheiro amassadas foram tiradas de meu bolso, mas quando fui entregar, ele apenas afastou minha mão levemente, negando com a cabeça.

— Já está pago, inclusive o bolo — ele falava com uma expressão estranha— foi aquela moça ali — e então apontou para uma menina de expressão sorridente de cabelos aloirados que acenava loucamente na minha direção.

A única reação que eu tive foi a de arquear a sobrancelha e encarar aquela menina estranha, quanto mais eu rezo mais assombração me aparece.

Kyhyun, saiu para atender outros pedidos, então aquela menina aparentemente sobre efeitos de drogas veio em minha direção, os olhos dela estavam vermelhos e minha mente piscava em alerta sobre este fato.

Ela sentou em um banco ao meu lado, mas ao invés de ficar de frente, sentou olhando pra mim, um enorme sorriso predominava em seu rosto e seus olhos estavam arregalados, será que ela estava pedindo socorro?

— Oiiiiiiiii — arrastou a última vogal para parecer amigável, mas ela parecia cada vez mais um louca, o que significava que não estava funcionando — Eu sou a Lisa, Prazer — estendeu sua mão e eu apenas ignorei, a palma da sua mão era assustadoramente grande e seus dedos eram longos e finos.

Seu braço direito permanecia estendido, apenas empurrei a caneca com café fumegante em sua direção, caneca esta que deslizou até perto de si, talvez assim ela apenas pegasse o pedido e fosse embora da mesa e me deixasse em paz, eu precisava terminar a postagem antes de ir para a faculdade, então, apenas continuei organizando as fotos e escrevendo legendas nelas, as fotos estavam perfeitas e não precisaram de um mínimo de edição.

— Você não gosta? — perguntou botando a mão em contato direto com a caneca, mas tirando em seguida e assoprando sua mão — aí! isso dói

— Não, não gosto. O que você quer? — perguntei tirando o olhar do notebook e das legendas das fotos tiradas ontem, peguei um pedaço grande de torta com o garfo prateado e coloquei na boca mastigando lentamente, enquanto ignorava o grande fato dela não ter se tocado que a caneca estava quente, sendo que tinha fumaça saindo da caneca, talvez ela fosse retardada?.

— Meu pai me enviou a terra para cuidar de você, humana — falou seriamente, e eu juro, juro mesmo que quase saiu um pedaço de bolo pelo meu nariz.

Qual é mano, a única que precisava ser protegida ali era ela, se queimou com uma caneca de café, do que ela vai me proteger? De coisas imaginárias? Porquê ela estava claramente sobre o efeito de alucinógenos.

— Você está bem, pequena humana? — franziu a sobrancelha como se estivesse realmente muito confusa.

— Você por acaso é retardada? — falei enquanto tossia, engasgada com a torta e sem nem perceber acabei pegando o café da sua mão e bebi um pouco do líquido da caneca, para a torta descer logo, provavelmente morreria envenenada e não asfixiada agora.

— É assim que chamam os anjos hoje em dia? —  Fez uma cara indignada como se estivesse realmente ofendida e limpou os farelos que tinham caído em sua roupa pela minha crise de tosse.

— Que? — Anjo? Essa menina é claramente uma drogada, claramente.

— É, aqueles que usam auréola, só que isso é só história, mas parece ser bonito, eu queria ter auréolas  — Falou como se estivesse realmente chateada, enquanto tentava olhar para cima da cabeça, ela é doida ou é impressão minha, estou realmente com um leve medo desse ser.

— Há, entendi —  Apenas sorri e concordei como se estivesse entendendo alguma coisa que ela falava.

Peguei meu celular de cima do balcão, coloquei longe de sua visão e disquei os números da polícia qualquer ataque eu já estaria pronta para ligar, e então voltei minha atenção ao computador, cliquei em enviar, tentando não pensar que talvez, ela me matasse daqui a 1 minuto.

“A Postagem foi enviada, deseja postar uma nova?”

— O que você tanto olha nessa caixinha portátil? — Se entortou para frente e tentou ver algo no meu computador, mas fechei ele rapidamente.

— Nada! Quer dizer, nada não, então eu já vou indo tá, foi um prazer t-… enfim — joguei meu notebook de qualquer jeito dentro da minha bolsa junto com a câmera, eu me arrependeria depois, mas por enquanto estou feliz de não estar morta.

— Mas e nossa conver-

Lisa tentou falar, mas o sino da porta fez barulho, Jennie havia saído.

 


Notas Finais


é isto ♡
view em DDU-DU-DDU-DU e em Fake Love


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...