1. Spirit Fanfics >
  2. Cardigan . Ziam Mayne >
  3. Cardigan - Capítulo único.

História Cardigan . Ziam Mayne - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Bobo, mas fofo.

Capítulo 1 - Cardigan - Capítulo único.


Fanfic / Fanfiction Cardigan . Ziam Mayne - Capítulo 1 - Cardigan - Capítulo único.

"I kneɯ I'd curse чou for the longest tıme, chαsın' shαdoɯs ın the grocerч lıne, I kneɯ чou'd mıss me once the thrıll expıred αnd чou'd be stαndın' ın front porch lıght. And I kneɯ чou'd come bαck to me."

Cardigan, Taylor Swift.


É só um toque, seus dedos tremem no segundo seguinte e então todo o seu corpo está em alerta. Sente como se tivesse acabado de cometer um grande erro, mas é tarde demais para arrependimentos. Deus, seria um passo tão pequeno se ele não fosse quem é. É um ato tão pequeno, mas com consequências tão grandes, as mais importantes acontecem dentro dele, a ansiedade e o medo de chegar tão perto do passado, talvez perto o suficiente para não conseguir mais voltar atrás.

O celular vibra sem parar em cima da cama, mas não existe força em suas pernas para sair do chão. É tudo o que ele pensou em fazer durante toda a semana, em cada cidade em que se apresentou, é a primeira tour, todos os ingressos esgotados em questão de minutos e depois de todos os tratamentos para a ansiedade e drogas, é tudo o que ele consegue fazer para salvar a carreira, pular da cama e escrever mais músicas, interagir com os fãs por redes sociais, fotos na porta do apartamento e aeroportos.

Depois de dois álbuns é a primeira tour. Estar na estrada é cansativo; poucas horas de sono, comida fria, cuidados com as cordas vocais, pessoas lhe seguindo em todos os lugares e a distância da família. Mas Zayn gosta de estar com os fãs, de vê-los animados por ele, lotando estádios, ruas e aeroportos por ele. É algo que lhe põem para frente, vê-los de perto cantando as suas músicas e levando cartazes, jogando coisas e ele gosta das histórias rápidas quando aparece na porta do hotel e a interação saudável.

Todos os anos em que esteve dentro de casa sem conseguir sair por causa da ansiedade, eles estavam nas redes sociais lhe enviando mensagens de apoio e esperando por ele. E é isso que Malik gosta de fazer, ele nasceu para isso.

Quando batidas na porta assombram seus pensamentos, ele toca o rosto com as mãos trêmulas. Ainda é um dia daqueles.

"Zayn, podemos conversar?." Niall soa preocupado.

Ao abrir a porta Horan aponta para o celular em sua mão esquerda, mostrando a conta oficial do Twitter de Zayn aberta e a quantidade de notificações por segundo. Claro que as fãs não deixariam aquilo para trás sabendo sobre o seu passado, pelo menos metade dele. Zayn sente-se doente, ele só quer deitar um pouco e esperar por uma notificação em específico. Niall o empurra amigável para trás e rosna, adentrando o quarto sem pedir e fecha porta, trancando-o.

"Você acabou de seguir o seu amor de infância, sério? Tudo bem que ninguém sabe disso, mas você conhece as suas fãs, elas procuram, elas salvam fotos e- sabe que subiram uma tag, né? Olha-." Há uma pausa e depois Niall está esfregando o celular em seu rosto com a tag aberta.

#Ziamisreal.

Houve esse cara uma vez que chamou a sua atenção como ninguém havia chamado a muito tempo e eles começaram a sair como amigos, mas não aconteceu. Ele fora impedido de vê-lo e pela quantia certa de dinheiro o mesmo ficou quieto sobre todas as suas conversas e todas as horas no sofá. Tudo se transformou em nada em pouco tempo, eles começaram a pressioná-lo por músicas novas e então surgiu Gigi Hadid para acalmar tudo e manter a aparência.

Ao contrário do que todos pensam, ela sempre fora uma garota legal com ele desde o começo, ouvindo-o quando ele precisava e lhe dando apoio todas as vezes em que os dois precisam ser vistos juntos em algum evento ou simplesmente em alguma publicação. Um contrato assinado pelos dois para manterem esse namoro.

Os papéis assombram seus sonhos todos os dias, não poder ser quem ele quer ser é difícil na maioria do tempo, somente quando está compondo que consegue colocar um pouco de si no seu trabalho, usar as suas próprias palavras para descrever os seus sentimentos para as fãs e desabafar.

"Eu quero voltar 'pra casa, Niall."

Liam Payne não é o cara que ele conheceu a um tempo, Liam é alguém que sempre esteve em todos os lugares, preso em seus pensamentos mesmo a milhares de quilômetros de distância. Eles se conheceram na escola, tornaram-se amigos no primeiro dia e então inseparáveis o tempo todo. Indo a acampamentos, jogando vídeo game, dormindo um na casa do outro. Na adolescência fizeram tatuagens combinando, rasparam as cabeças bêbados, entraram em brigas e frequentaram festas até o amanhecer.

Os dois contra tudo e contra todos, e como garotos de cidade pequena, tinham seus sonhos. Zayn sempre quis que o mundo todo ouvisse as suas composições, queria encher estágios, dar entrevistas e aparecer em revistas famosas. Liam sempre quis ajudar os seus pais, permanecer na mesma cidade em que nasceu assim como o pai.

E aparentemente os dois estavam seguindo esses sonhos.

Quando Zayn foi atrás do seu sonho, eles acabaram perdendo o contato, ele nunca mais soube do rapaz, até que um mês atrás ele leu algo que as fãs estavam comentando e encontrou a conta de Liam, algumas fotos aleatórias e poucos tweets. Desde então ele vem todos os dias entrando na mesma conta em busca de algo a mais que Liam poderia postar, qualquer informação e em meio a isso, coragem para mandar uma mensagem sequer, qualquer coisa.

"Cara, não podemos voltar para Nova Iorque agora. Você tem show essa noite e ainda mais alguns até encerrar a turnê, tem pessoas te esperando." Niall começa, com olhos compreensivos.

"Bradford." Malik joga.

Ele sabe que Niall entende. A distância é um pouco que o atinge todos os dias, as chamadas com a sua família são curtas e não é o suficiente, mas com Liam ele nunca mais teve contato e isso é algo que ele gostaria de resolver, pois o rapaz é alguém importante para ele, embora tenham seguido caminhos opostos.

"Ok. Conseguimos algumas semanas para você quando encerrarmos a turnê, mas você precisa conversar comigo antes de seguir o seu amor de infância, seu merdinha." Niall ri e Zayn o acompanha, mas o loiro para assim que o celular vibra mais uma vez em sua mão. O moreno o observa, a expressão surpresa, os lábios em linha reta. "Liam Payne te seguiu de volta."

Zayn pula de onde está e pega o próprio celular esquecido em cima da cama, mas não antes de lançar um olhar sugestivo para Niall e o mesmo entender. Ele precisa sair da sua conta e lhe dar um pouco de privacidade, ambos sabem que aquilo só é necessário quando Niall precisa publicar algo sobre a turnê. A mesma notificação Zayn encontra na barra de notificações e é como se ele fosse o mesmo adolescente apaixonado de muitos anos atrás, reagindo a qualquer coisa que Liam fazia.

"Droga, ele está suspirando?." Uma segunda voz preenche o quarto e Zayn levanta o olhar para ver Louis com a cabeça em sua porta.

Claro que seu melhor amigo estaria ali, ele praticamente passou uma semana inteira trocando mensagens rudes com ele para que o mesmo tirasse um tempo para si. O campeonato inglês havia acabado a um tempo e Louis chegou em casa com uma bela medalha no pescoço e fotos da taça, muitas dessas fotos foram parar no celular de Zayn e muitos outros vídeos da comemoração bêbada de Louis. Zayn prometeu que no próximo jogo do Liverpool ele estaria.

"Tem gente morrendo ali embaixo, você não vai aparecer?". Louis brinca e Niall leva as mãos para a cabeça como se tivesse esquecido de algo, antes de sair correndo para fora do quarto.

Os dois meninos trocam sorrisos cúmplices e o mais velho adentra o quarto, a caminho de pegar uma das bebidas do frigobar acena para que Zayn prossiga.

"Não foi um suspiro." Dá de ombros. "É só alguém que eu estava esperando encontrar a muito tempo."

"Sim, Liam Payne. Eu li a thread que as suas fãs fizeram sobre vocês dois no Twitter."

"Eu tenho tudo, mas tem essa parte de mim que parece vazia todas as vezes em que eu penso sobre relacionamentos e estar com alguém de verdade, por amor. E ele é a única pessoa por quem eu me apaixonei de verdade, entende?." Zayn resmunga, esfregando a testa.

"Porra, sim." Os olhos azuis estão baixos quando Zayn checa o rosto do amigo, mas há um sorriso genuíno em seus lábios finos.

"Como está o Harry?". Zayn joga, sentando-se na cama.

"Feliz com mais uma inauguração a caminho e cara, eu juro que quase enlouqueço com essa coisa de tintas e telas. É bom." Louis engole um pouco o sorriso quando percebe Zayn e Zayn percebe isso, então abre um sorriso pequeno.

"E sobre bebês?". Provoca e a reação do amigo é lhe dar o dedo do meio.

"Eu quero aproveitar o meu marido antes de ter pequenos merdinhas correndo pela casa."

"Você diz isso porque sabe que vai criar eles como pequenos demônios."

"Foda-se, Malik." O brilho no dedo dele é o que chama a atenção de Zayn, um dos seus melhores amigos se casou mesmo. Porra.

Lembra-se do dia, todas as pessoas reunidas e as famílias tirando fotos, recebendo todos e todos os sorrisos. As cadeiras, os arranjos grandes e coloridos, a forma como Harry manteve o mesmo sorriso grande de covinhas a todo o momento, seu terno rosa claro e Louis colocando um anel em seu dedo como símbolo de todas as coisas que teve que enfrentar até poder chegar ali. Casado com a pessoa que ele ama. Começando uma vida a dois. Zayn lembra-se de fazer um discurso, tomar champanhe e pensar em sua vida, perguntando-se quando seria a vez dele de se emocionar em um altar a espera de alguém que ele gosta de verdade, sem mentiras, sem medo e sem contratos.

A aliança no dedo de Louis o faz se lembrar dos seus sentimentos por Liam, a única coisa verdadeira que ele sentiu em toda a sua vida. Bonito, puro e verdadeiro. Todos os seus sorrisos, a liberdade de poder sorrir para o teto jogado na cama de Liam, os dois bêbados demais para lembrar do que eles fizeram fora de casa, as gargalhadas altas, a música baixa no fundo. Todas as vezes em que Liam deixava ele chorar em seu ombro quando ele sentia-se para baixo, com medo do futuro, com medo de crescer e descobrir o quão difícil era realizar o seu sonho.

Mesmo quando ele não tinha nada, ele teve Liam. E agora ele não o tem.

Liam sempre encontrava uma forma de deixá-lo bem quando ele achava que não conseguiria sair da cama. Ele costuma pensar que não havia outra maneira, uma hora ou outra aquilo acabaria acontecendo, ele iria se apaixonar por Liam e estaria perdido, completamente bobo por ele. Todas as vezes em que ele lembra dos dois jovens, é como se ele sempre fosse apaixonado, todos os sorrisos, os abraços, as brincadeiras e todos os outros momentos deles, não houve um dia em que ele olhasse para Liam como apenas o seu melhor amigo.

"Seja discreto, procura alguém da família que siga ele e manda mensagem, consiga o número e pronto. Perguntas casuais, você não vê ninguém da família a muito tempo e provavelmente eles pensam que você ficou metido, ou algo assim." Louis joga, gesticulando.

"Você acha- será que eles pensam isso de mim? Eu nunca quis perder-"

"Não explica 'pra mim, faça isso com eles." Louis interrompe. "Tsc, quer que eu faça isso?".

"Não?".

Antes de uma discussão começar, Louis se adianta e toma o celular da mão de Zayn, fazendo-o resmungar e se arrastar para perto quando uma bunda grande ocupa um espaço ao seu lado. Ele observa Louis bater os dedos e encontra Liam nas notificações, Zayn ainda não havia tido coragem para abrir e ler novamente que Liam havia lhe seguindo.

"Por que ele não te seguia? Suas músicas não são tão ruins."

"Se fode." Zayn rosna.

Ao abrir as pessoas que Liam segue, algumas Zayn não faz idéia de quem são, mas assim que encontra Ruth, a conhece de primeira. Ele sempre fora próximo das irmãs de Liam, mas não sabe se elas ficariam felizes de conversar com ele depois de tanto tempo, independente de quem ele é hoje em dia e tudo bem, Zayn sabe que deve ser preparar para alguma reação ruim da família, ele nunca tentou entrar em contato depois que se mudou, algumas vezes por falta de tempo, mas um pouco mais por medo da reação deles.

"Pronto." Zayn pisca para a realidade quando ouve Louis.

"Pronto?".

O moreno pega o celular das mãos dele e lê a mensagem ainda aberta na DM. "Ei, aqui é o Zayn, eu queria que o seu irmão me come- Louis! Que porra você fez?".

Tomlinson está rindo alto quando Zayn verifica novamente a mensagem e para o seu alívio Louis havia mandando essa mensagem para ele mesmo, em sua DM. O rapaz toma o celular novamente e abre a DM de Ruth, onde uma mensagem diferente estava.

"Ei, se lembra de mim?". Louis lê, em seguida devolve o celular. "Eu preciso ir, tenho um encontro antes do show e meu marido não gosta de atrasos."

"Diga que eu disse Oi. E obrigada por isso, Lou, mesmo que a mensagem tenha sido sem criatividade." Brinca, dando o dede do meio assim que recebe um também.

O frio na barriga ainda é o mesmo, mas é a sensação que o faz pensar que ele está onde quer estar. Atravessando o backstage com as pessoas que fazem toda aquela mágica ser possível, ele ouve Niall repassar tudo o que já fora dito antes, na checagem de som. Distância entre as pontas e passarela, lista das músicas e onde ele encontraria água. É algo simples, ele nunca foi de correr ou andar muito no palco, costumava levar um violão, um banco e algumas vezes algumas músicas no piano. As músicas mais animadas eram sempre cantadas em meio a uma breve caminhada na passarela e só, parecia o suficiente.

É o último minuto, agachando-se e adentrando a plataforma que o faria subir diretamente no palco, ele checa mais uma vez o celular, Ruth ainda não lhe respondeu. Niall fica com o aparelho no último segundo.

Seu rosto é iluminado e tudo o que ele consegue ver são milhares de cartazes e rostos sorridentes, algumas lágrimas, mas de felicidade. É uma longa extensão ocupada por fãs ao redor da passarela e no restante dos setores e é tudo o que ele consegue enxergar, é o único momento em que sente que está em total conexão com elas. Os cartazes balançam, seu nome, algumas fotos, recados, piadas, letras coloridas e coladas formando frases e alguns trechos das músicas.

O clima é animado, é confortável de uma forma assustadora, como se ele estivesse prestes a ter uma conversa com amigos e é exatamente assim que ele se sente. Algumas vezes sente-se doente quando se lembra do tempo em que passou em casa, cancelando qualquer apresentação e participação em eventos, mas sabe que não é sua culpa e todas elas também, ele havia lido muitas mensagens de apoio nas redes sociais e um pouco disso acabou lhe ajudando muito.

A primeira música é Pillowtalk, sendo essa o primeiro sigle lançado.

Quando Truth começa gritos animados ecoam junto a batida da música e isso o leva ao um nível alto de felicidade, é tudo o que enche sua cabeça e coração, é tudo o que ele quer fazer pelo resto da sua vida, é o que ele sabe fazer e a única forma que encontra de ser quem ele é. O momento onde pode cantar as suas letras, todos os sentimentos que colocou no papel, que preparou durante dias, semanas.

Uma vez que metade das músicas haviam sido cantadas, ele interage com as fãs antes das últimas. Lê alguns cartazes cuidadosamente, como Niall havia sugerido e assim começa Let Me, tirando um momento para dar o dedo do meio para Louis de onde ele está.

Icarus Falls é um álbum um tanto mais pessoal, onde ele encontrou-se um pouco mais experiente em usar suas próprias letras e bater de frente sobre isso, não que Mind Of Mine não fosse. Mas por falta de experiência ele acabou deixando-se levar por muitas opiniões alheias e com a ansiedade, não sentiu-se bem em muitos eventos de divulgação. Icarus Falls fora onde ele acompanhou de perto todos os passos de divulgações, promovendo reuniões pequenas com alguns fãs e assim podendo expor um pouco sobre como foi o processo de composição e gravação, tanto das músicas quanto de alguns vídeos.

É todo o trabalho que ele lutou para construir e ele simplesmente ama cada pedaço e poder mostrar aos seus fãs em sua primeira turnê é impagável.

É só um breve momento, Zayn não precisa recuar porque ele se afundou rápido demais no pensamento de poder descansar por duas semanas inteiras. São tudo flores, há uma mensagem de apoio de Gigi em seu celular depois de uma longa conversa e figurinhas para expressar suas emoções depois de uma longa semana, ela com ensaios fotográficos e ele com o encerramento da turnê.

Niall toca tudo o que encontra ao seu redor e Louis provavelmente está passando um tempo de verdade com o seu marido. Então, é a vez de Zayn.

Bradford ainda é tudo o que ele lembra; as mesmas mercearias, os mesmo pontos que ele frequentava quando mais jovem e as mesmas ruas. É um pedaço de si, mesmo tendo viajado por vários cantos do Mundo, é impossível não sentir-se enfiado em um poço de nostalgia.

Ruth lhe deu um endereço de onde ele poderia encontrar Liam depois de uma longa conversa. Zayn não pôde deixar de se sentir um tremendo idiota quando ela riu dele por achar que estariam com raiva, quando na verdade todos haviam seguido com suas vidas, tanto que ela e Nicola haviam se mudado a um tempo da cidade.

Depois disso seu primeiro dia de descanso aconteceu dentro de um carro. Zayn não quis pessoas ao seu redor, como seguranças, apenas Niall por não ter outra opção. Bonés e óculos de cores diferentes quando precisasse sair na rua e cuidados a serem tomados para não encontrar seus fãs, pelo menos para aproveitar um pouco antes de descobrirem sobre a viagem. Ele sabe que elas sempre descobrem.

Em casa fora uma festa, suas irmãs a sua espera e seus pais animados até demais com a sua visita. O quarto em que ele costumava ficar ainda era o mesmo quando ele vasculhou as paredes e gavetas, encontrando pôsteres, desenhos e jogos velhos. Todos os lápis pequenos de apontar e rascunhos de tatuagens que ele esqueceu com o tempo, diferentes do que ele é agora. No fundo de uma gaveta um punhado de fotos enfiadas entre papéis, Liam e ele em uma cabina de fotos, em um estacionamento de mercado e algumas no quintal da casa. Aquele sorriso.

Zayn levou um tempo para conseguir sair de casa, mas assim que o fez foi para seguir o endereço marcado no pedaço de papel, sua caligrafia ainda tremida de quando copiou da mensagem de Ruth.

Zayn está nervoso no segundo seguinte, não é como cantar para um estádio cheio e não é receber um prêmio na frente de pessoas importantes. É estar indo direto para alguém que o conhece como a palma de sua mão, conhece seus medos e seus sonhos. Alguém que ele não conseguiu se preparar para ver, mesmo sentindo em todos os seus ossos que é ele quem ele precisa, é Liam que o faz se sentir bem, é Liam que esteve ao seu lado quando ele era apenas um garoto tímido com um sonho grande demais, de cidade pequena.

Flores de todos os tipos e cores tomam cada extensão do lugar, arranjos pequenos, médios e grandes. Plantas pequenas nos cantos e algumas altas separadas, todas organizadas e bem cuidadas. O cheiro é divino, é como se ele nunca tivesse parado para prestar atenção nelas antes, embora em seu apartamento em Nova Iorque tenha um bocado espalhadas. Ele se lembra perfeitamente do Sr. Payne contanto a Liam e ele o seu amor por flores de todos os tipos e sobre o seu sonho de abrir uma floricultura, embora não parecesse nada muito grande e lucrativo. Independente, Zayn se pega sorrindo para tudo aquilo, com os batimentos acelerados e as mãos suadas.

No fim Liam havia ficado em casa com os seus pais, ajudando-os, quando metade dos jovens que eles conheciam se mudaram, inclusive ele.

Há algumas pessoas no fundo, ele imagina que ainda tenham mais flores e só quando alguém pede licença ele percebe que ainda está parado na porta, atrapalhando. Para alguém que não quer ser reconhecido, parece que havia começado com o pé esquerdo. Niall o puxa pelo pulso e resmunga baixo, empurrando o óculos nos olhos. Zayn arruma o capuz em sua cabeça e mantém o seu próprio óculos, antes de caminhar para dentro, cheirando e tocando as flores que formam um corredor colorido e cheiroso.

"Te vejo semana que vem?". Zayn ouve, para e gira os calcanhares em direção ao balcão pequeno no lado oposto ao seu.

Há aquela cena em que ele se perde ali mesmo, no meio de uma quantidade considerável de pessoas, provavelmente atrapalhando novamente a circulação. Liam está do outro lado, um boné virado em sua cabeça e todas aquelas tatuagens cobrindo seus braços e costas das mãos. Está deitado no balcão, dando atenção a uma senhora com um arranjo de girassóis em mãos.

E é somente isso que faz Zayn derreter em seu lugar, o mesmo sentimento guardado em seu peito de muitos anos atrás fluindo de si. Ele não consegue não olhar, é como um ímã, suas pernas trabalham rápido para levá-lo até lá quando a senhora agradece e se afasta. Ele passa na frente de um grupo de garotas, tomando a frente e a atenção de Liam.

Ele só espera que se acontecer dele desmaiar, Liam o segure.

É um tanto constrangedor. Primeiro, os dois se encaram, mas Liam não parece conhecê-lo, tanto que não está surpreso ou assustado, ele apenas espera pacientemente, na mesma posição em que atendeu a senhora. E Zayn encara de volta, por trás dos óculos seus olhos analisam a feição madura a sua frente, a barba castanha por fazer, o maxilar marcado, os fios castanhos um tanto grandes escorrendo para fora do boné e depois todos aqueles músculos debaixo da camisa e tatuagens.

É um deus grego.

"Eles estão aqui por você." Liam joga. "Toda a movimentação nas minhas redes sociais fizeram efeito."

Ele é tão casual que Zayn começa a sentir-se como um idiota, embora Liam não pareça bravo com ele, ele também não parece surpreso ou feliz em vê-lo depois de tantos anos. Não é o mesmo Liam que lhe recebeu na porta de casa quando eles ficaram separados uma semana quando ele pegou gripe, ou quando eles acabaram em barracas separadas em um dos acampamentos e todos os dias de manhã ele lhe dava aquele sorriso grande, abraçando-o como se tivessem ficado dias sem se verem.

"Você sabe, não é?."

E ele sabe, ele imagina que agora as pessoas lancem olhares diferentes para Liam, como "Olha lá, é o ex melhor amigo do Zayn Malik", mas Zayn prefere ser egoísta e pensar apenas na sua necessidade de vê-lo, de tê-lo novamente. Ele não pensa em Liam cercado na fila do mercado, ou com pessoas na porta da sua garagem, não quando ele passou tudo isso e se estressou e não o levou a lugar algum, apenas para matérias sensacionalistas e má fama.

Ele se pergunta se Liam entrou em tags, leu threads com o nome dos dois juntos, fotos antigas recuperadas pelas fãs e pequenos vídeos dos dois bêbados, suas tatuagens combinadas e endereços dos lugares em que eles passam a madrugada se divertindo, livres.

"Podemos conversar?." É tudo o que ele consegue deixar escapar depois que o grupo de garotas acha que eles estão flertando e dão meia volta.

Liam faz aquilo com as sobrancelhas grossas, quando ele está chateado ou sem vontade de fazer algo e Zayn puxa o óculos escuro para fora dos olhos, pela primeira vez encarando-o de verdade depois de muito tempo. Ele só precisa encontrar o momento certo e remendá-los juntos, embora Liam ainda tenha a mesma expressão quando grita para alguém tomar o seu lugar.

Zayn empurra o óculos para os olhos e se certifica que Niall ainda está ali. E claro que sim, ele não perderia algo como aquilo nem se sua vida dependesse disso, ele é o seu conselheiro, e se ele passasse do limite, Niall estaria ali para ajudá-lo.

Zayn não tem certeza absoluta porque Liam está de costas para ele, com os braços cruzados no meio da calçada e a cabeça na direção do carro em que ele chegou, embora eles tivessem escolhido o menos espalhafatoso, ainda assim parecia demais para uma cidade pequena como aquela. Eles não podem tomar tanto tempo ali na frente, então quando Zayn passa por ele, ele vê a carranca em seu rosto, o bico involuntário em seus lábios e a confusão em sua testa.

"Imagino que se lembre do Cherry's." Liam comenta quando os dois estão ocupando o banco traseiro, sem chance de Zayn pegar o banco da frente.

"O melhor hambúrguer da cidade. Eu lembro."

O trajeto até a lanchonete depois de Zayn dar as coordenadas para Niall é totalmente silencioso, como se os dois não tivessem muito o que conversar. Liam mantém o rosto na janela e Zayn acha que vai ficar louco com todo o silêncio dele quando ele tem tanto a dizer, começando por tentar se desculpar por ter se afastado.

Quando Niall estaciona, os dois voltam a puxar o capuz, Zayn usa o óculos também, não quer correr o risco de alguém reconhecê-lo.

"Ei, sabe que não deveríamos estar aqui." Como um disco arranhado, Niall repete.

"É rápido, tudo bem? Além de que não parece ter muitas pessoas a essa hora, não se preocupe." Garante, deixando tapinhas no ombro do loiro.

Liam está passando pelas portas de vidro quando os dois saem do veículo, não há movimento algum ao redor e Zayn se lembra daquilo, a tranquilidade da cidade. Quando atravessa as portas o cheiro doce invade suas narinas, é como um banho de lembranças; as tarde longas com uma mesa cheia de jovens da mesma idade, tortas doces, identidades falsas nos bares e Liam aconchegando-se em seu ombro, cheirando seu suéter lavado.

Zayn pisca para a realidade, mas ainda está preso nesse emaranhado de lembranças quando Niall adianta seu pedido no balcão e Liam e ele tomam a mesma mesa de sempre, sentando nos mesmo lugares. Tem esse breve momento em que ele se sente confortável para dizer tudo o que pretende dizer, mas suas palavras ficam presas quando Niall volta com a garçonete.

Liam pede panquecas e Zayn se esforçar para manter o rosto baixo debaixo do capuz, murmurando o pedido, fritas e Coca-Cola. Niall já havia pedido bolinhos a um tempo atrás.

"Eu sou Niall Horan, o agente." Niall abaixa o óculos até o nariz e sorri. Zayn empurra suas costelas um pouco. "E nada disso foi minha ideia, só para deixar claro."

"Liam, mas isso você já deve saber. Muitas pessoas sabem agora."

"Eu sin- ". Zayn para quando os bolinhos de Niall chegam, espera que estejam servidos e a garçonete esteja longe para prosseguir: "Eu sinto muito, eu só não sabia o que fazer, ok?".

"Uma mensagem? Uma ligação? Uma porra de um e-mail? Um maldito cartão?".

Zayn abre e fecha a boca, tudo o que ele quer dizer se perde na expressão e nos olhos de Liam. É visível o quão chateado ele está, como ele sustenta aquele olhar quebrado em sua direção, como se a qualquer momento ele fosse desmoronar.

"Eu não sou mais a sua válvula de escape, a sua ligação com o passado ou qualquer outra coisa que você espera que eu seja, Zayn. Isso, você e eu, passou."

Passou. Zayn deixa a palavra se repetir em seus pensamentos, invadir sua cabeça como se fosse fazê-lo mudar de idéia sobre estar ali ou sobre o que ele pensou em encontraria. Imaginar um Liam chateado não parece nada com estar cara a cara com um Liam chateado, olhando-o nos olhos de uma forma diferente, quebrado. É como encarar alguém desconhecido e é horrível quando essa pessoa é alguém que ele costumava conhecer como as palmas das suas mãos.

Ele sabe que Niall está empurrando-o discretamente para que ele diga algo, explique sua versão ou ao menos tente jogar qualquer desculpa, mas não é como se ele fosse conseguir fazer algo naquele momento, por alguma razão sua voz não sai e de repente sua mente está nublada, ele só consegue sustentar o olhar de Liam.

"Eu fico feliz que tenha conseguido tudo, cada pedaço de tudo o que desejava alcançar, isso é demais. Todo o seu trabalho é ótimo, exatamente como costumava ser." Liam continua, Zayn observa ele se arrastar para fora do banco. "Foi bom te ver, eu sinto muito por isso."

"Liam."

É apenas o momento certo. Apenas Liam e ele depois de dois dias, os quais ele passou enfiado em seu antigo quarto com dedos doloridos de rabiscar e cabeça doendo de pensar sobre tudo o que Liam havia dito e tudo o que ele não disse. Todas aquelas desculpas empilhadas no canto como se ele não fosse capaz de se defender. Todas as horas, minutos e os segundos, Liam se enfiava em sua cabeça, é como estar no seu apartamento em Nova Iorque, a mesma saudade, como se ele não estivesse a poucos minutos da casa dele.

No fim, Liam tem razão. Em todas aquelas chamadas de vídeos ou ligações curtas, Zayn poderia ter empurrado o medo bobo e perguntado sobre ele, sobre sua família. Poderia ter escrito cartões, cartas bobas com colagens ou fotos de todos os lugares em que esteve e lembrou-se dele. Uma ligação todas as vezes em que Liam invadiu seus pensamentos, um e-mail todas as vezes em que ele sentiu falta da risada ou da voz dele, uma carta com trechos das músicas que escreveu para ele ou uma chamada de vídeo quando as madrugadas eram longas demais sem ele.

Qualquer coisa, menos distância. Ausência.

Perturbado, ele chega até Liam. O sol está se pondo no horizonte, o céu é laranja e vermelho, uma mistura bonita a agradável. Niall está do lado de fora, mudando as estações de rádio, enquanto Zayn gira a placa de aberto para fechado na porta, antes de passar a chave. É quase hora de fechar, ele apenas adiantou as coisas.

Liam está com aquela expressão que Zayn conhece, ele sabe que Liam não quer brigar mais, que ele gosta da vida tranquila, da liberdade de não ser alguém importante, de não ser conhecido. Ele gosta da simplicidade de poder estar com os seus pais, de poder ficar bêbado quando e onde quiser e nos domingos dormir até tarde. De ter os mesmo amigos, as mesmas camisetas manchadas, os mesmos tênis velhos e uma playlist bagunçada. E Zayn abriu mão de tudo isso.

Há todas aquelas plantas esparramadas e nas mãos de Liam caixas pequenas de madeira, empilhadas. Ele as deixa de lado em um baque, visivelmente cansado pelo dia. Dessa vez Zayn não havia tomado tanto cuidado, não era preciso.

"Eu estava te esperando." Liam murmura.

A sim, Zayn espera poder jogar todos os seus sentimentos em cima de Liam, deixá-lo com os ombros pesados com tamanha intensidade das suas palavras, cada segundo em que ele se pegou pensando sobre os dois e todos esses anos em que teve que esconder os seus sentimentos. E mesmo que não seja recíproco, ele sabe, ainda assim ele esperaria o tempo que fosse para receber uma repostas adequada para aquilo.

"Eu sempre soube das coisas que eu queria fazer, todos os meus objetivos, o que eu teria que arriscar para alcançar. Mas, todas as vezes em que eu me imaginei em cima de um palco, você estava lá. Em cada passo dessa minha nova vida você estava lá. Quando éramos jovens eu sabia de tudo, desde o começo eu soube que se você estivesse longe, eu não estaria completo." Joga, arriscando olhar a expressão atordoada de Liam. "Eu não tenho certeza sobre qual foi o momento exato em que nós nos afastamos dessa forma ou quando foi que eu perdi a coragem para tomar as minhas próprias escolhas. Mas eu tenho isso aqui dentro de mim, independente de tudo, e é você."

Poderia não ser o momento certo ou as palavras certas, mas o olhar de Liam diz outra coisa, a surpresa estampada em seu rosto, a forma como ele abre e fecha a boca em busca de conseguir responder tudo o que fora dito por Zayn. Os últimos raios de sol atravessam a porta de vidro, permitindo que feixes laranjas ilumine um pouco do lugar, assim como o belo rosto a sua frente. Liam não diz nada, mas não parece chateado, então o moreno arrisca caminhar até ele.

"Eu queria ter ligado, mostrado a você que mesmo longe você ainda é alguém muito importante na minha vida. Eu não fiz, mas não houve um dia em que eu não pensei em você, sendo o meu melhor amigo e a pessoa por quem eu me apaixonei." Malik diz, seus passos curtos o levam direto para Liam.

E Liam o surpreende com um sorriso pequeno, um repuxar no canto dos lábios.

Parece mais simples, melhor do que ele pensou que seria se Liam o perdoasse, embora ele não tenha certeza de que ele o fez. Zayn arrisca um toque, só um, as pontas dos dedos rente as bochechas, espetados pela barba por fazer. Arrisca descer pela lateral do pescoço, sentindo a pele quente em suas digitais, o perfume de Liam invadindo suas narinas, mas ainda não é como ele quer, não por segundos, não há tempo para reclamar quando Liam quebra a distância entre eles. É um abraço simples, com braços apertados e cabeças nos ombros, cheio de saudade. Zayn arrisca um pouco mais, afunda o rosto na curva do pescoço do castanho e é como uma explosão de lembranças.

Os dois enfiados com cestas cheias de roupas sujas, em um Domingo chato em uma lavandeira cheia. Balaços enferrujados em parque abandonado, com os pés enfiados na areia, Liam roubando flores dos vizinhos, pistolas carregadas com água e cigarros fedidos no batente da janela, enquanto sua mãe batia na porta. Os dois escrevendo seus nomes em pedras e jogando no lago, fins de semana de pesca com os seus pais e um jogo idiota de tabuleiro com as irmãs. As brigas bobas por motivos bobos, Zayn esfregando as mãos nos cabelos curtos de Liam depois que os dois passaram a máquina no banheiro e as risadas abafadas nos corredores do mercado onde Liam trabalhou um tempo.

Todas as pequenas coisas que ele sente falta, todos os detalhes que serviram como inspirações para si muitas vezes.

E quando Liam o beija ele sente que é ali que ele pertence, não o lugar, não a cidade, mas sim aos seus braços, de onde ele nunca deveria ter saído. Eles se enroscam de uma forma que faz o coração de Zayn bater forte, é como se ele estivesse saindo do chão.

Ele solta alguns tweets aleatórios, claramente diferentes de todos os outros e rapidamente as fãs estão comentando sobre isso. Ele tem letras em sua cabeça para pilhas e mais pilhas de músicas e está animado para voltar ao trabalho. Ele sente que aquele espaço vazio está preenchido.

Quando Liam diz que sempre esperou ele em sua porta não há surpresa, é sua última noite na cidade e eles dividem um sanduíche na cama, no mesmo quarto onde eles costumavam a contar segredos e medos. A luz é baixa e uma música qualquer toca no fundo. Zayn tira um foto distraída de Liam e sem pensar muito, a posta no Instagram. "'Cause I'm a fool for you and the things you do." Ele coloca na legenda, ciente de quê no dia seguinte aquilo já teria tomado proporções maiores, mas ele não se importa.

"Eu sabia que você voltaria." 


Notas Finais


;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...