História Carpe diem - Capítulo 4


Escrita por: e hippolyte

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Black Pink
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Lisa, Park Jimin (Jimin), Rosé
Tags Bts, Jimin, Jiminxrosé, Jirose, Jungkook, Lisa, Liskook, Rose, Shortfic
Visualizações 205
Palavras 2.059
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá pessoal, estou aqui trazendo mais um capítulo de Carpe diem, digamos que, esse capítulo foi tenso... mas enfim, vocês vão saber quando ler!

Boa leitura e ah, leiam as notas finais! ❤

Capítulo 4 - Carpe diem


Fanfic / Fanfiction Carpe diem - Capítulo 4 - Carpe diem

Fazia exatamente 10 minutos que Chae-Young estava sentada em seu sofá, observando tudo ao seu redor. Nenhuma palavra foi proferida, e aquilo estava começando a deixar Jimin constrangido. Ele, que estava escorado na parede de braços cruzados, perguntava-se o que ela havia ido fazer ali. Se desculpar, talvez? Não… Ela não era o tipo que se desculpava, nem mesmo quando estava errada, e aquilo era só mais de um dos inúmeros defeitos que ela tinha. Jimin sabia de quase todos, sabia muito bem, porém não falava nada, afinal, qualquer um tem defeitos, e quem era ele para julgá-la? Não tinha esse direito, e sabia disso, pois ele era cheio de defeitos como ela, afinal, eram humanos.

— E então, o que te trouxe até aqui? — perguntou, rompendo aquele silêncio infernal.

— Minhas pernas? — retrucou, arqueando uma das sobrancelhas, e Jimin revirou os olhos, soltando um risinho contido, Park Chae-Young era inacreditável.

— Vejo que está de bom humor. — murmurou, descruzando os braços e seguindo para a cozinha. — Quer uma água ou suco?

— Não tanto quanto gostaria. — murmurou, franzindo o cenho. — Hum… Tem o bolo do Jin? — ela perguntou sorrindo, e ele arregalou os olhos, fazendo-a levantar-se e escorar-se no balcão. — Qual é, Jimin, não tem como esquecer o bolo do Jin. — Jimin aquiesceu, sabia das habilidades culinárias do irmão, mas não pensou que ela ainda se lembrasse de seu bolo. Afinal, Seokjin havia feito a seu pedido, pois era o aniversário dela, e os pais estavam viajando, deixando-a sozinha para cuidar de Lisa.

Naquele dia, Jimin sentiu-se incrivelmente feliz por tê-la feito sorrir daquela maneira. Era seu aniversário de 14 anos, e ela achava que não comemoraria aquele ano, ledo engano, Jimin jamais se esqueceria, jamais esqueceu.

— Ele sempre faz. — Falou como se não fosse nada, mas ela sabia o quanto ele amava o bolo do irmão.

— Falando nele, onde ele está? — indagou, pegando a fatia de bolo que Jimin lhe oferecia.

— Em um encontro ou coisa assim. — deu de ombros — Ele não explicou muita coisa.

— Uau, Jin oppa arranjou uma namorada?! — ela riu. — Isso é o máximo! Então, agora só falta você. — Jimin que sorria, aos poucos foi desfazendo o sorriso. Ela sabia o que ele sentia, então, sabia que ele não tinha alguém em mente para sequer dá alguns beijos.

— Talvez um dia. — respondeu. — O que você veio fazer aqui, Chae-Young?

Ela colocou um pedaço do bolo na boca, e fez uma carinha engraçada ao sentir o gosto.

— Isso tem o mesmo gosto. — respondeu, ignorando a pergunta dele. — Está muito gostoso, Jin continua ótimo na cozinha. — disse sorrindo.

— Não mude de assunto. — ele resmungou, aproximando-se perigosamente do corpo dela. — Você não veio aqui apenas pelo bolo do meu irmão, estou certo? — indagou, arqueando uma das sobrancelhas.

Ela colocou o garfo ao lado do prato e voltou seu olhar para Jimin, que a encarava com os olhos semicerrados.

Tsc, você nunca foi burro. — ela estalou a língua. — Como você está? — Jimin deu um passo para trás, afastando-se dela.

— Não é todo dia que se tem um segredo revelado, mas vou sobreviver. — respondeu, passando a mão pelo cabelo. — Se era apenas isso, você já pode ir. — falou, apontando para a porta.

— Você está me expulsando?! — indagou, perplexa. — Eu vim até aqui saber como você está depois de tudo que aconteceu, e você me expulsa?! — perguntou, parecendo a pior coisa do mundo, e Jimin revirou os olhos.

— Você viu que estou bem, o que mais a prende aqui, Chae-Young? — perguntou, aproximando-se dela novamente, fazendo-a engolir em seco. — Me diga a verdade, o que você quer?

— Eu já disse que só… — suas palavras foram interrompidas ao ter seus lábios capturados pelos lábios de Jimin. Ela arregalou os olhos, piscando, enquanto sua mão estava espalmada contra o peito desnudo do mesmo. Ele pediu passagem com a língua e ela atendeu seu pedido, entregando-se a aquele momento.

Os lábios de Jimin eram macios e tinham um gosto doce, o beijo era lento e carinhoso, como se ele estivesse aproveitando cada mínimo segundo dos lábios dela. Já Rosé, não sabia o certo o que pensar, sabia que Jimin nutria uma paixão infantil por si desde o fundamental, porém nunca deu bola para ele, principalmente quando o ensino médio chegou. Mas ao vê-lo se tornar cada dia mais bonito — não que ele não fosse quando mais jovem —, a deixava dividida, e principalmente irritada, quando ouvia algumas garotas de outras turmas falando do nerd gostoso que elas adorariam pegar. Ele segurou seu rosto, continuando a beijar seus lábios, e dando leves mordidas, para logo afastar-se dela, minimamente.

— Foi por isso que veio? — perguntou, acariciando a bochecha rubra.

— Não… Mas… — ela murmurou, tocando seu rosto de forma carinhosa, pegando Jimin de surpresa. — Carpe diem, Jimin. — disse, para logo abocanhar seus lábios novamente, com volúpia. Ele fraziu o cenho com a frase, afinal não sabia o que significava, porém não perguntou.

Dessa vez, Jimin passou sua mão destra pela coxa de Chae-Young, apertando-a, enquanto a outra estava sua nuca, aprofundando mais o beijo. Ela segurou os fios loiros entre os dedos e continuou a beijá-lo como se não houvesse amanhã. Com a mão disponível, acariciou o peito desnudo, até parar no cós da bermuda que trajava. Jimin segurou-a, empurrando-a em direção a parede, fazendo-a tropeçar e bater contra parede de maneira violenta, ela gemeu, e rapidamente Jimin largou seus lábios.

— Desculpe-me! — exclamou envergonhado, e ela sorriu.

— Cala boca e me beija, Jimin. — resmungou, e ele voltou a beijá-la.

Jimin agarrou sua cintura e levantou a blusa que ela vestia, jogando-a no chão. Ela arfou contra seus lábios, ao sentir as mãos dele apertando sua cintura, e depois seus seios, por cima do sutiã. Sua pele parecia vibrar com cada toque de Jimin, deixando-a extasiada. Gemeu ao sentir os lábios de Jimin distribuindo beijos por toda a extensão de seu pescoço, dando leve mordidas por ali, enquanto apertava sua bunda.

— Eu só posso ‘tá sonhando… — sussurrou em seu ouvido, apertando mais ainda a bunda dela, ela riu, puxando seu cabelo e beijando-o outra vez.

— Você não está sonhando, Jimin. — ela mordeu os lábios dele, escorregando sua mão até seu membro, apertando-o, fazendo-o gemer. — Estou bem aqui. — disse sorrindo, voltando a beijá-lo.

Seus corpos estavam grudados, e a pele de Chae-Young arrepiava-se com os toques de Jimin, ela desabotoou a bermuda que ele vestia e colocou a mão por dentro da bermuda, enquanto sentia os lábios quentes beijando o vale de seus seios, arfou ao sentir ele chupar um de seus seios, fazendo sua intimidade latejar, apertou o membro de Jimin, fazendo um movimento de vai e vem, fazendo-o soltar um rosnado contido.

Jimin parou de chupar seus seios, endireitando o sutiã dela, para logo levar sua mão até a intimidade dela, por baixo da saia que trajava, passando os dedos ali, por cima da fina calcinha. Ele mordeu os lábios e sorriu, afastando o tecido fino, penetrando-a com um dedo, sentindo sua entrada molhada, fazendo-a gemer baixinho. Quando ele voltou a beijá-la, ainda a penetrando com os dedos de maneira lenta, sentindo-a rebolar contra eles, Jimin ouviu o barulho da porta e largou seus lábios, fazendo Chae-Young arregalar os olhos.

 Seokjin havia chegado, e nem se deram conta que estavam na sala, praticamente pelados! Com uma rapidez digna de filmes, Jimin pegou a blusa de Chae-Young, jogando para que ela se vestisse, porém, antes mesmo que a garota pensasse em passar a blusa pela cabeça, Seokjin já havia aberto a porta, dando de cara com os dois.

Ele arregalou os olhos minimamente, ao notar Chae-Young ali, desviou seu olhar para seu irmão, depois para a garota ao seu lado, e o estado em que se encontrava; descabelada, vermelha, sem blusa e ofegante, fora o fato de que ela parecia querer um buraco para se enfiar.

— Então… — Jimin, que não estava muito diferente, resmungou. — Você não ia a um encontro? — Seokjin franziu o cenho, mas logo balançou a cabeça, desviando o olhar para o irmão.

— A Ane teve um contratempo, remarcamos. — disse, dando ênfases ao nome da mulher, e coçando a cabeça, como sempre fazia ao sentir-se estranho em relação a algo, deu mais uma olhada no irmão, e seguiu para a cozinha, mas não antes de dizer. — Olá, pequena Chaechae. — e logo depois riu, deixando Chae-Young totalmente constrangida pelo ocorrido, e pelo apelido de infância.

Agora, sozinhos, Jimin virou-se para ela e sorriu, ela estava muito fofa corada e com vergonha.

— Chae-Young…

— Preciso ir. — murmurou, vestindo a blusa rapidamente.

— Mas…

— Tenho que ir, mesmo. — disse, evitando olhá-lo nos olhos. — Dê oi ao Jin oppa, por mim. — falou, saindo porta fora sem olhar para trás.

Jimin piscou freneticamente, para logo bufar irritado. Tudo culpa de Seokjin! Seguiu para a cozinha, dando de cara com Seokjin rindo que nem uma hiena.

— Você é o pior irmão do mundo! — Jimin exclamou, irritado. O mais velho riu, fazendo Jimin tacar o pano de enxugar louça, que estava na mesa, nele.

— Como eu ia adivinhar que você ia estar com a Chaechae? — perguntou, rindo.

— Você é um puta empata foda! — resmungou, e Seokjin riu mais ainda, porém logo parou, já que sabia o quanto o irmão gostava da garota.

— Mas me diz, o que você fez pra ela vir aqui? — indagou, pegando uma jarra de água da geladeira. — Cara, você pelo menos fez a janta?! - Jimin revirou os olhos e mostrou o dedo do meio para o irmão, que deu língua, para logo depois o olhar feio.

— Pede pizza, babaca! — disse, virando-se para ir para o quarto.

— Ah, Jimin? — chamou-o.

— O que é? — resmungou.

— Sua bermuda está aberta, e esse volume ai? — perguntou, apontando para o irmão. — Cara, você ainda ‘tá de pau duro! — Seokjin disse, e começou a gargalhar.

— Ah, vá se foder! — gritou, seguindo escada a cima. Naquele momento, tudo que queria era um banho e esquecer que aquele dia tinha acontecido...


Quando acordou, a primeira coisa em que pensou foi em Chae-Young. Hoje falaria com ela, e resolveria isso tudo de uma vez. Porra! Eles quase haviam transado, e aquilo tinha sido… Muito bom. Tanto que até havia sonhado com ela.

Fez toda sua higiene pessoal, e em pouco tempo estava na cozinha, tomando seu café da manhã. Seokjin já havia saído e deixado apenas um bilhete, dizendo para ele usar camisinha, caso fosse transar hoje.

— Empata foda. — Jimin resmungou, de boca cheia.

Quando chegou à escola, já estava quase na hora do portão fechar, e soltou um “aleluia”, pelo porteiro tê-lo esperado. Logo na entrada viu que Chae-Young estava perto de uma árvore, um pouco longe da entrada principal, ela acenou para si e ele prontamente foi até ela, sorrindo. Ela, por outro lado, parecia nervosa, e olhava freneticamente de um lado para outro, vendo se havia mais alguém ali.

Jimin se aproximou dela, queria abraçá-la. Porém foi impedido ao sentir as mãos dela contra seu peito, afastando-o de si. Ele franziu o cenho e arqueou uma das sobrancelhas.

— O que foi? — perguntou, confuso.

— Esqueça.

— O quê? — perguntou, soltando uma risada.

Esqueça tudo o que aconteceu ontem. — disse, mordendo o lábio inferior.

— Você só pode ‘tá me zoando! — resmungou. — Rosé, a gente quase transou! — exclamou, alterando a voz. Ela arregalou os olhos.

— Foi um erro! — falou baixinho, porém alto o suficiente para ele ouvir e dar um passo para trás, descrente.

Havia sido um erro? Ela estava dizendo que eles quase transarem havia sido um erro?! Ele fechou a cara, fazendo o sorriso de antes sumir. Ajeitou os óculos no rosto e endireitou a postura.

— Tudo bem, foi um erro. — a voz dele saiu arrastada, fria. — Apenas… Finja que eu não existo, mas dessa vez, com mais convicção. — murmurou, fazendo-a arregalar os olhos e abrir a boca para falar, porém Jimin foi mais rápido. — A partir de hoje, você é apenas Park Chae-Young, minha colega de classe. — falou friamente, virando-se de costas e deixando-a para trás. 

As palavras duras ecoavam em sua mente, seu rosto parecia imparcial, mas seu coração estava mais uma vez, quebrado.


Notas Finais


Se você chegou até aqui é porque tá de boa e não quer me matar, certo? Espero que sim kkkkkkl socorro!
As atualizações serão realizadas de 15 em 15 dias, pois tenho várias outras fanfics para atualizar, já que escrevo em mais de duas categorias.

°•
Então gente, já pensaram em dar uma chance para um blog novo hoje? No blog, temos betagem, capa de fanfic, banner, assinatura, sinopse, Help plot... DEEM UMA OLHADINHA NO MDK EDITIONS! Ele é um grupo meu, com mais dois amigos, então, se quiserem capinhas e afins, peçam lá! Atendemos todas as categorias ❤

Link do blog: http://mdkeditions-mdk.blogspot.com

Betagem pela linda @JujubaYoong, beta no blog MDK-E.

Enfim, espero que tenham gostado. Beijos ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...