1. Spirit Fanfics >
  2. Carry On - Taegi Fic (ESCREVENDO EM 2020) >
  3. Capítulo 8 - Yoongi

História Carry On - Taegi Fic (ESCREVENDO EM 2020) - Capítulo 8


Escrita por:


Capítulo 8 - Capítulo 8 - Yoongi


Fanfic / Fanfiction Carry On - Taegi Fic (ESCREVENDO EM 2020) - Capítulo 8 - Capítulo 8 - Yoongi

               A grande quantidade de luzes vindas ao meu olho me fazem acordar, embora isso fosse o que eu mais queria evitar. Se eu pudesse me definir em três palavras, diria comer, dormir e trabalhar (N/A: ele realmente disse isso, eu amo um homem pqp), mas eu só queria mais três minutos.

               Perdido em meus pensamentos, percebo um peso a mais na cama, e, quando viro minha cabeça para o lado, meus olhos se arregalam automaticamente. Taehyung. Kim Taehyung estava do meu lado. Ambos estávamos sem blusa, apenas de shorts, com as pernas entrelaçadas. Seu braço estava sobre minha cintura e ele estava virado para mim, de forma que me possibilitava observar todos os seus leves traços. Ele realmente era lindo, mas por que estávamos dormindo junto?

               Tento lembrar o que aconteceu no dia anterior e então me lembro do momento em que fomos ver um filme e provavelmente dormimos. Tento não fazer barulho e me mover para pegar meu celular e ver as horas, mas percebo que será quase impossível, devido à nossa proximidade. Tomo, então, a decisão de acordá-lo, já que era o único jeito. Mas como acordar alguém que você mal conhece?

- Erh... Bom dia? - digo, com a voz falhando, mas pareço não ter sucesso - Tae, oi - e nada. Decido cutucá-lo, mas parece ser em vão. - Taehyung, acorda. - e nada.

                 Decido então tentar me mover, já que ele parecia uma pedra, mas, incrivelmente quando vou me levantar, o braço que me cercava me puxa, fazendo com que nossas respirações se encontrassem, e o garoto emite um som como "Uhhh", como uma forma de protesto por estar sendo acordado.

- Oi, Tae... Nós... dormimos juntos - falo, tentando não me desconcentrar - Queria pegar meu celular.

- Uhmmm... Você vai voltar? Tá frio. - diz, com os olhos ainda fechados, sem muito raciocinar.

- Volto, er... dez segundos, você pode contar. - digo, um pouco confuso.

                  Pego meu celular, que estava jogado no chão, provavelmente derrubado ao longo da noite e volto até a cama, me sentindo super estranho, enquanto tentava compreender a situação que me encontrava, mas Taehyung me puxa para perto, murmurando algumas coisas que não fui capaz de identificar.

- São sete horas. Temos que estar lá às oito horas. Você já quer levantar? - pergunto, ainda em choque, me questionando se ele sabia que estava se enrolando comigo.

- Não. Está tão bom aqui, quentinho e com você por perto, Suga. - o que me faz arregalar os olhos. Agradeço, nesse momento, por ele manter os olhos fechados.

- Ah, então você sabe que sou eu. Ok. Daqui a pouco eu te acordo, se quiser. Vou mexer no meu celular enquanto isso.

- Obrigada.

                 Dito isso, mantive meu celular em minhas mãos, mas não fui capaz de se quer ligar sua tela, quando havia um homem em minha cama. E não apenas um homem, mas um homem que conheci ontem. Um homem que dormiu comigo. Um homem como Taehyung. Nós parecíamos um casal, devido à forma como nos encontrávamos depois do puxão, já que estávamos ambos de lado, com Tae segurando minha cintura e eu com o braço esticado, embaixo de sua cabeça.

                 Seus cabelos estavam perfeitamente imperfeitos, e eu me sentia a ponto de explodir de tanto romantismo, sensações até então desconhecidas por mim. Seu tronco nu era apaixonante, e a forma como seu peitoral subia e descia, calmamente, me hipnotizavam. Seus dedos, ao encontro com minha pele, tornavam tudo mais belo, já que sentia, por vezes, ele me apertar de forma leve. Eu estava totalmente louco.

- Eu sei que está me observando - diz Taehyung, ainda de olhos fechados, fazendo com que eu entre em pânico (N/A: o famoso gay panic do Yoongi) - Tudo bem, mas você podia chegar mais perto. Faz tempo que ninguém cuida de mim, preciso aproveitar os últimos segundos que tenho para fazer valer a pena. - diz, me tornando um mero passivo.

              Ele nos aproxima ainda mais, me deixando a centímetros. Sua boca nunca havia parecido tão convidativa assim, e eu tentava controlar a respiração. Taehyung abre, de repente, seus olhos, de forma que nos encaramos de forma intensa. Meus pulmões não eram capazes de aguentar tamanha falta de fôlego, meus lábios pareciam secar e necessitar imediatamente dos seus lábios. E ele parecia me ler totalmente. Ele chegou seu rosto mais perto ainda, e, por impulso, fechei meus olhos. Seus lábios estavam a milímetros dos meus, e eu estava desesperadamente precisando deles. Sinto, então, o que tanto estava esperando.

               Seus lábios encostaram nos meus, parecendo uma bomba de oxigênio, fazendo com que eu me acalmasse instantaneamente, como se o mundo inteiro estivesse parando. Sua mão, antes localizada em minha cintura, foi subindo lentamente para meu pescoço, e meus braços foram para o dele. Minhas mãos foram fazendo desenhos aleatórios em seu cabelo, da mesma forma que ele fazia carinhos, descendo do pescoço e passando para a parte do peitoral.

              Tudo parecia perfeito, até meu celular tocar. Meus olhos arregalam, mas entro em um colapso, pois não quero deixá-lo. Ele então me dá um último beijo e vai se afastando, como se quisesse dizer que era para eu atender. Cedo então, olhando aquele corpo deixar meu quarto, e passo a raciocinar novamente.

- Alô? - digo, frustrado.

- Yoongi, é o Yeonjun. São 7h00 e não quero gastar com Uber de novo. Você passa na minha casa para me buscar? Ai trocamos o volante.

- Pode ser. Em 15 minutos estou ai, mas me mande o endereço, por favor.

- Obrigada. Até mais.

- Nada. Tchau.

              Desligo, bufando, e levanto da cama que tanto me prendeu. Chamo por Tae, mas não consigo encontrá-lo. Pego uma roupa e vou até o banheiro me trocar, e, enquanto o faço, Taehyung abre a porta. Eu estava de cuecas. Sério, Tae?

- Ops... - diz, rindo - Você pode me ajudar a limpar meus machucados? - diz, se aproximando de mim.

- Posso, deixe eu pegar álcool. Ligue o chuveiro, por favor. - digo, saindo à procura de um Kit de Primeiro Socorros.

              Chegando, encontro Taehyung apenas com uma cueca e entro em um gay panic, mas depois percebo que também estou vestido assim, e meu cérebro entra em colapso. Aproximo-me daquele corpo que me deixava sem forças, e olho em seus olhos, pedindo permissão para tocá-lo. Observo atentamente e percebo que as feridas estão em processo de cicatrização, mas estão com vestígios de sangue coagulado em sua volta.

- Você pode entrar no chuveiro? Acho melhor lavar com água e sabão, depois higienizar com álcool e enfim cobrir os machucados.. - pergunto, mesmo sabendo que é um assunto bem mais delicado, mas era o necessário, partindo do ponto de vista biológico

- Acho que pode ser... Vou tomar banho com a cueca... Eu fico sem depois, acho melhor, até por que meus machucados precisam respirar.

- Ok. Entra então. Posso ir te lavando? - pergunto, esperando um não, obviamente.

- Pode. - diz, sem hesitar.

              Tae entra no box e deixa a porta deste aberta, a fim de que eu entrasse também. Eu nunca havia percebido o quão pequeno era aquele box, até dividi-lo com alguém, mas não é como se eu estivesse reclamando.

             Pego o sabão e vou passando por suas costas, já esperando que esse arfasse de dor, mas me surpreendo quando ele segura minha mão e a aperta, como uma tentativa de diminuir a dor que sentia. Mas, quando percebo que preciso das duas mãos, digo para que ele espere, pois iria fazer uma massagem que auxiliaria. Meus dedos se perdiam naquela pele macia, e, com a proximidade, o calor e os pingos de água, tudo ficava mais intenso. Vejo que consigo relaxar aquele corpo, e então viro-o de frente para mim.

              Começo a lavar os machucados em seu abdome e percebo que estávamos realmente perto um do outro. Taehyung franze o cenho, deixando perceptível sua dor, então, sem pensar muito, coloco suas mãos em minha cintura, dizendo que se ele sentir dor, deve apertar-me, e que isso ajudaria. Eu apenas não sabia que talvez isso fosse me desconcentrar, mas continuei fingindo calma.

               Finalizo, e pergunto-me se devo lavar os seus cabelos, mas percebo que, já que já o lavei quase que por inteiro, limpar seus fios seria o de menos. Pego o shampoo e lavo seus cabelos, tomando cuidado para não escorrerem e acabarem em seus olhos. Ainda estava de frente para o garoto, e ele mantinha as mãos em mim. Quando termino, passo a desligar o chuveiro e tento sair para pegar toalhas, mas sou impedido pelo puxão de Tae.

- Obrigada - diz, com a boca em meu ouvido, fazendo com que eu perca o equilíbrio.

- Não fiz nada demais - digo, tendo como foco a parede, e não o fato de estarmos tão perto, basicamente nus e molhados.

- Você sabe que fez - diz, tirando sua cabeça de perto de minha orelha, e me virando, de forma que ficamos um de frente para o outro.

                 Seus olhos se fecham e ele se aproxima de meus lábios, e posso sentir mais uma vez o gosto do céu. A tranquilidade que tanto procurava, estava na minha frente. Ele nos separa e saímos juntos. Entrego-lhe uma toalha e dou sua roupa a ele.

                 Eu estava nas nuvens, mas precisava encarar a realidade. Troco de cueca, já que a que usava estava molhada, e coloco roupas em meu quarto, enquanto Taehyung se arrumava no banheiro. O telefone toca novamente, e percebo que os quinze minutos de Yeonjun já deviam ter passado.

- To chegando! - e desligo, vendo que já são 7h30.

                Desesperado, grito por Taehyung e lhe aviso que precisamos sair agora, pego tudo que vejo pela frente e estou na porta.

- Tae! Vem! - grito, arfando, enquanto calço meus tênis.

- Cheguei - diz, descabelado e lindo.

- Vamos? - pergunto.

- Claro, Yoon. - diz, e segura minha mão enquanto descemos as escadas loucamente.

               Realmente, os tempos mudaram.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...