1. Spirit Fanfics >
  2. Cartas Para Julieta >
  3. Verona

História Cartas Para Julieta - Capítulo 1


Escrita por: bellflowers

Notas do Autor


Olá meus amores! Como vocês estão? Bom...essa é uma fanfic que eu tenho guardada nos meus Docs há algum tempo, mas que só agora eu decidi postá-la. Essa fic foi inspirada no filme " Cartas Para Julieta". Caso vocês nunca tenham assistido, assistam! ( Está disponível na Netflix) Essa fic será curta, no máximo seis capítulos e será bem leve e divertida.

Assim como eu gostei de escrever, eu espero que vocês também gostem <3

E para finalizar, obrigada @jhupIin pela capa e banner <3

Boa leitura ❤

Capítulo 1 - Verona


Fanfic / Fanfiction Cartas Para Julieta - Capítulo 1 - Verona

Ela ama Jean, ela realmente ama. Mas a obsessão dele por tudo que é italiano - de vinhos a queijos - tornou-se insuportável.

Aqui estão eles, em Verona, um dos lugares mais românticos da Terra, bem ao lado da casa de Julieta. Você sabe, Romeu e Julieta, certo?

E ele só consegue pensar naquele leilão de vinhos e em quantos tipos de queijo ele vai encontrar aqui para o seu restaurante.

Ela ama Jean, ela realmemte ama. Mas ela não consegue encontrar uma maneira de dizer a ele que ele tem sido negligente ultimamente.

Um dia inteiro sozinha, em nossa lua de mel... Esplêndido.

Jean está mais uma vez perdido no interior da Itália, procurando queijos ou vinhos, ela realmente não se lembra. Ela só sabe que tem todo o tempo do mundo para explorar Verona, a casa de Julieta.

Ela está vagando há mais de uma hora pela cidade, tentando absorver cada som, cada cor, cada padrão. Tudo aqui é tão diferente dos EUA e da caótica Nova York; os aromas, os sons, a linguagem, a atmosfera. Até o céu parece um pouco mais azul.

A casa de Julieta é sua última parada. Ao encontrar a casa, ela fica sem palavras.

A velha mansão está cheia de mulheres de todos os cantos do mundo, de todas as línguas, todas as cores, todas as idades. Outros recitam citações da famosa obra de Shakespeare, outros abraçam em lágrimas a estátua de Julieta.

E outros estão sentados em qualquer lugar que encontram, rabiscando furiosamente em pequenos pedaços de papel.

É óbvio que todos eles estão com o coração partido, cada um à sua maneira.

Depois que eles terminam, Mikasa silenciosamente os observa escondendo as cartas nas fendas da parede. Uma mulher soluçando se aproxima dela, mas ela não entende se realmente vê para onde está indo.

Seu coração aperta com a visão.

— Senhorita, você está bem? Posso pegar um pouco de água para você?

A mulher só continua andando até a saída, falando sozinha entre soluços em uma língua que Mikasa não entende.

Ela não sabe por que, mas a visão de partir o coração a obriga a ficar.

São cerca de 3 da tarde quando todos foram embora, mas Mikasa ainda está na casa de Julieta. De repente, do nada, uma mulher de cerca de 40 anos chega com uma grande cesta no braço e começa a recolher as cartas.

Surpresa, Mikasa a observa. Ela está... Ela está roubando-as?! Para que ela os quer?

Decidindo ser um pouco mais corajosa, Mikasa se levanta e se aproxima da mulher estranha

— Com licença. Parlate Inglese?

— Sim Sim, claro.

— Oi, prazer em conhecê-la. Eu sou Mikasa Ackerman.

A mulher sorri gentilmente e pega a mão estendida de Mikasa.

—Eu sou Hanji Zoe, prazer em conhecê-la.

— Desculpe se pareço rude, mas vejo que você está recolhendo as cartas que todas aquelas mulheres deixaram. Posso perguntar... Por que você está fazendo isso?"

Hanji parece confusa.

— Por que eu pego as cartas? — De repente, ela percebe o grande caderno de Mikasa e sorri. — Ah, entendo. Você é uma historiadora!

Uma historiadora, realmente...

— Sim, sim. E também sou uma escritora.

Hanji pega as últimas três cartas e sorri para ela com conhecimento de causa.

— Venha comigo. Eu vou te mostrar.

Ela não consegue acreditar que está com as secretárias de Julieta, as mulheres que respondem a todas as cartas na Casa de Julieta. Mas aqui está ela.

Hanji caminha ao redor da mesa enquanto a apresenta às mulheres.

— Esta é Nanaba. Ela lida com problemas conjugais.

— Maridos são como vinho, cara, demoram muito para amadurecer!

Mikasa ri enquanto Hanji continua.

— Esta é Pieck, ela lida com doenças e perdas. E Maria... — Hanji diz suspirando.

— Por que você está sempre suspirando quando diz meu nome?

— Maria tem 9 filhos e 14 netos. — Explica Hanji, deixando Mikasa sem palavras. — Ela escreve o que ela gosta, para quem ela gosta.

— E você? Quem você está respondendo? — Mikasa pergunta curiosa.

— Ah para quem eu escrevo? — Hanji diz enquanto pega uma carta manchada de lágrimas. —Escrevo para os que realmente estão de coração partido, também para quem perdeu um amor e aqueles amam e não correspondidos. Alguém tem que fazer isso.

Uma ideia repentina se forma na mente de Mikasa, e ela logo diz antes que possa pensar melhor.

— Que tal você ganhar mais uma secretária?

As mulheres parecem perplexas.

— Você vê, eu vim aqui com meu noivo ... — Mikasa continua.

— Ah, noivo! — Maria se emociona. — Isso é maravilhoso.

— Parabéns!

— Bem, sim... Jean é meio italiano, e nós viemos aqui de férias. Ele está no trabalho agora, então eu estarei livre a maior parte de nossos dias aqui. Eu... eu realmente quero ficar aqui e ajudá-las com as cartas. E vai me ajudar com meu... livro.

— Uma quinta secretária é bem-vinda. Você também será de grande ajuda com as cartas em inglês. — Hanjj responde com um sorriso. — Bem-vinda, Mikasa.

Alguns dias depois...


Suas mãos tremem de emoção, enquanto lê a velha carta para as outras secretárias. Uma carta tão antiga, com uma história tão dolorosa, que ela está prestes a chorar.

"Eu não fui até ele, Julieta.

Eu não fui para Lorenzo. Seus olhos estavam tão cheios de confiança, eu prometi que iria encontrá-lo e nós iríamos fugir juntos porque meus pais não aprovam. Mas, em vez disso, deixei-o esperando por mim embaixo da nossa árvore - esperando e imaginando onde eu estava. Estou em Verona agora. Volto a Londres de manhã e estou com muito medo. Por favor, Julieta, diga-me o que devo fazer. Meu coração está partido e não tenho mais a quem recorrer.

Amor, Claire."

O silêncio cai sobre elas. Nanaba fala primeiro.

—nE esteve lá. Todos esses anos. Perto e não lido... Quem sabe. Talvez ela tenha ficado com Lorenzo, talvez ela tenha seguido seu coração.

— Ou ela foi para Londres e se casou com um duque. Eles têm seis filhos e ainda fazem amor apaixonado todas as noites. — Maria diz com uma expressão sonhadora que faz Mikasa rir.

Pieck parece entediada.

— Ou ela não se casou com um duque. Ela se casou com um daqueles ingleses miseráveis e frios. Ele está mais pálido que uma parede branca, ficou careca e gordo e ela tem que fazer todo o trabalho quando quer sexo...

— Pieck!. — As mulheres a repreendem.

Mikasa olha para Hanji. Ela sabe que, não importa o que as outras falem, Hanjj é de alguma forma a líder não oficial.

— Hanji... Por favor. Eu tenho que responder. Ela merece. Mesmo que seja tarde demais.

Hanji simplesmente sorri e lhe dá uma folha de papel em branco.

— Então responda.

Depois de uma noite sem dormir e muitas tentativas fracassadas, ela finalmente terminou a carta. Agora ela só tem que mandar... Se alguém conseguir.

Prezada Clara,

"O que" e "Se" são duas palavras tão não ameaçadoras quanto as palavras podem ser. Mas coloque-os lado a lado e eles terão o poder de assombrá-lo pelo resto de sua vida: E... se? E se? E se...? Eu não sei como sua história terminou, mas se o que você sentiu então foi amor verdadeiro, então nunca é tarde demais. Se era de verdade então, por que não seria verdade agora? Você só precisa de coragem para seguir seu coração. Eu não sei como é um amor como o de Julieta - um amor para deixar entes queridos, um amor para cruzar oceanos - mas eu gostaria de acreditar, se eu sentisse isso, que eu teria a coragem de agarrá-lo. E, Clara, se aina não o fez, espero que um dia o faça.

Todo meu amor,

Julieta.

Apenas três dias se passaram, Mikasa sabe que é um período de tempo muito curto, mas ela realmente quer saber se Claire ainda está viva e se ela recebeu a carta.

Quando elas estão terminam o trabalho e estão prestes a fechar, um homem entra em seu escritório. Ele é simples, mas imaculadamente vestido, e ele está lindo com seu cabelo castanho preso em um coque e olhos verdes profundos.

Devastadoramente bonito.

O homem desconhecido fala com um distinto sotaque britânico.

— Com licença. Este é o escritório dos secretários de Julieta?

— Sim, nós somos as Secretárias. — Hanji responde.

— Você pode me dizer qual de vocês escreveu esta carta para minha avó, Claire Jaeger?

O coração de Mikasa bate freneticamente em seu peito.

— Oh meu Deus. Foi eu que escrevi. Meu nome é Mikasa Ackerman. Será que... ela gostou da carta?

— Oh, ela gostou! Tanto, que nós dois estamos aqui. Eu sou o neto dela, Eren Jaeger Mikasa... Posso falar com você por um segundo?

Curiosa sobre o que ele pode querer falar, ela o segue para fora do escritório.

A carranca que se formou em seu rosto e seu tom de desagrado destroem a primeira boa impressão que ela teve dele.

—  Que. Porra. Você. Estava. Pensando?


Notas Finais


Obrigada por ler <3 Ficarei feliz com favoritos e comentários <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...