História Casados - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Jensen Ackles, Nina Dobrev, Supernatural, The Vampire Diaries
Personagens Bobby Singer, Castiel, Dean Winchester, Elena Gilbert, John Winchester, Sam Winchester
Visualizações 84
Palavras 3.415
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Como prometido... Aqui estou com mais um capítulo.

Uma boa leitura.

❤❤❤❤❤❤

(Capa nova... Pq sim... Essa fic merece.. rsrs )

Capítulo 12 - Segredo revelado


Fanfic / Fanfiction Casados - Capítulo 12 - Segredo revelado

 -Dean - Elena o chamou, fazendo com que o mesmo, a olhasse nos olhos - Independente do que vou te dizer, eu quero que, faça o que seu coração manda. Por favor.

-Tudo bem.... Mas não se esqueça. Eu te amo.

-Obrigada. - Ela então, respirou fundo e começou a falar - Quando eu tinha meus quatorze anos, Frederick, virou muito amigo de meu pai. Meu pai, como você sabe, era caçador, e a desculpa dele, era poder caçar também. Mas meu pai, ele tinha um faro bem aguçado, para pessoas. Ele sentia de longe o que se estava errado e acontecendo. Não sei como, ele fazia isso, mas ele simplesmente fazia. Depois de um tempo, o Frederick, começou a se aproximar, muito mais, meu pai sempre estranhando, reparou em uma coisa. Que o imprestável, sempre ficava me olhando de rabo de olho, quando eu estava presente. Eu também, senti isso, mas como eu pensava que eles eram amigos, não falei nada, para não estragar a quela amizade. Certo dia, meu pai, chegou pra mim, e falou, para que quando ele estivesse aqui em casa, era pra mim, não me aproximar. E assim eu fiz. Certo dia, ele apareceu aqui em casa, quando meu pai não estava, e me disse coisas como que eu era dele, que ninguém iria atrapalhar os planos dele, e muitas outras coisas, no qual me deixaram apavorada. Fechei a porta na cara dele, e corri para o meu quarto, e foi desse dia em diante, que meu pesadelo começou. Ele vinha todos os dias, com várias desculpas diferentes, mesmo meu pai, pedindo para que ele não viesse mais aqui, principalmente com frequência, só se alguém estivesse morrendo. Ele depois do nada, parou de vir. - Elena então, respirou novamente mais fundo, sua voz já estava trêmula, por segurar o choro - Foi aí, que tudo aconteceu. Ele e seus capangas, armaram pra cima do meu pai, o vigiaram quando ele tinha ido ao mercado, comprar umas coisas para o jantar. Então pegaram ele, e lhe deram uma surra, e deixaram caído no chão da rua. Enquanto isso, eu estava em casa, me preparando pra tomar banho, e foi aí que ele entrou e me pegou. Quando eu acordei, eu estava amarrada em uma cadeira, muito fria, acho que era ferro, pois minhas costas doíam muito, de ficar alí, sentada. Acordei e o vi, parado na minha frente. Perguntei o que significava aquilo, e onde estava meu pai. Ele me disse que aquilo, significava, minha mais nova vida. Não entendi de primeira, então ele explicou novamente, com mais detalhes....


Flashback on

-O que significa isso ? - Elena tentava se soltar, mais já estava vendo que era em vão.

-Significa sua mais nova vida... Amorzinho. - Disse Frederick, chegando mais perto dela.

-Onde está meu pai ?

-Seu pai ? Ah... Vamos ver... Acho que caído no chão de uma rua qualquer por aí, todo quebrado. - Ele sorriu de lado, após receber um olhar de desespero e logo depois de raiva, da pequena menina.

-Eu não vou perguntar outra vez... O QUE SIGNIFICA ISSO ? Seu imbecil. - Gritou ela, que em sua voz, mostrava toda a raiva que ela sentia, por todo o seu corpo.

-Significa, sua mais nova vida... Meu amor. Enfim, estaremos a sós, vivendo meu reinado, criando nossos futuros filhos, e você sendo minha esposa.

-Do que você está falando... Seu louco ?

-Que em breve, nos casaremos. - Disse ele, mexendo as mãos, e sorrindo alegremente.

-Eu não acredito, no que estou presenciando. Eu não vou me casar com você, seu louco.

-Ah... Vai sim.

-Eu não tenho o porque de fazer isso. Eu não quero, você não manda em mim. Meu pai, não vai medir esforços, para vir me pegar, e quebrar a sua cara... Seu filho da pu... - Ele a corta, com um tapa em seu rosto.

-Primeira regra, e espero que você nunca se esqueça. Nunca... Está me ouvindo bem ? Nunca, me insulte. Minha mulher vai ter tudo o que quiser, mas nunca levante a voz pra mim, ou as consequências, serão as piores.

-Pior do que está com você, no mesmo ambiente que você, respirando o mesmo ar que você, é impossível. E outra, eu não sou a sua esposa, não sou nada sua. - Ela então o olha com mais ódio - NÃO SOU SEU FILHO DA PUTA.

-CHEGA - Ele lhe dá outro tapa, do outro lado do rosto. - Já basta. E outra, querida noiva. Enquanto você não melhorar, esse seu comportamento, não terá um lugar muito bom para dormir, e muito menos, uma coisa, para forrar seu querido estômago. Esse será seu castigo de hoje. E agradeça, pois ele ainda está muito bom. Vadia. - Então ele saiu, deixando assim, Elena ali, amarrada, a cadeira fria de ferro, em um lugar úmido e frio. Sem ter como se esquentar ou ter o que comer. Por simplesmente, ser alguém cujo um maluco a quer para ser sua esposa.


Flashback off


-Ele então, não foi mais la, na Quele quarto frio, depois o restante da noite. O dia veio, assim como as minhas dores nas costas, e o corpo. Não demorou muito, um homem, entrou com um vasilha que tinha agulha, seringa e um daqueles negócio, que pega sangue, quando vamos doar - Elena então, fez uma careta, aquilo que ela estava começando a passar, a revirava o estômago. - Ele então, injetou na minha veia, e eu passava quase todo o dia com aquilo no braço, quando acabava, se eu não estivesse, sentada, cairia no chão, e ficaria por ali mesmo. Todo dia era a mesma coisa, eu já não estava me dando conta de mais nada, nem das horas, nem do dia, nem de quanto tempo passei ali. Foi quando Frederick, entrou novamente.


Flashback on


-O - O que você quer ? - Perguntou ela, reparando que ele entrou ali, mas não estava vendo muito bem, pois sua visão, já estava ficando fraca, por falta de alimentos e de seu sangue.

-Vejo que minha futura esposa, é realmente forte. Se fosse outra, já teria morrido, apenas dentro de uma semana, por não comer e ter que tirar seu delicioso sangue.

-O que você quer de mim ? - Ela então, tentou mais uma vez, levantar seu rosto, pra olhar dentro dos olhos do cara, que estava fazendo, de sua vida um inferno.

-Eu quero, você, como esposa, quero filhos, e quero respeito.

-Por que em ?

-Por que você é a minha escolhida. A garota que eu amo. E quem é tão importante, que não posso deixar simplesmente escapar de minhas mãos.

-Do que você tá falando ? Que importante. Você é louco.

-Nao me insulte Elena, você não está aguentando nem sentada, quanto mais um surra, por ser tão língua solta. Mas voltando ao assunto - Ele da meia volta, e começa a andar em volta de Elena. - Você é um tipo de ser humano, que pode salvar muitas pessoas, e ao mesmo tempo, matar. Pode salvar seres sobrenaturais quanto mata-los, e isso tudo, por ser simplesmente, a garota duplicata. Querida, - Ele segura em seu queixo, e faz com que ela o olhe nos olhos - Quem tem você, está muito mais do que feito. E agradeça a mim, pois por mais que eu lhe de castigos, por ser tão rebelde, principalmente com seu futuro e rico marido, te quero viva. Pois quem ama, cuida.

-Mas você está se esquecendo, de que quando se ama, não quase mata o outro, por falta de alimentos e de seu próprio sangue. Não sou nada sua, nunca serei. E não tô nem aí, pra essa história mal contada, só pra me fazer mal, e você se satisfazer.

-Elena... não se irrite. O seu sangue, está muito bem guardado, a mim. Eu, Elena, sou aquele a quem você deveria temer, muito mais do que a morte...

-A é ? E por que ?

-Por eu ser, o ser sobrenatural, que pode acabar com os seres humanos, e com você. - Ele então, mostra a Elena ,sua outra face. Seu rosto se transforma, seus dentes crescem, deixando assim, Elena com o coração em suas mãos. O desespero a toma por inteira, fazendo assim, com que ela começasse a tremer, vendo que ali, sentada, amarrada, fraca e vítima de um verdadeiro mostro, iria a qualquer momento morrer, e esse momento, seria ali. Ele então, soltou Elena, e a jogou contra a parede. Ela, mesmo tentando, não conseguiu se levantar. A dor em sua cabeça, e costas, estava praticamente a impedindo de ficar com os olhos abertos, mas como uma pessoa forte, ela lutou contra seu próprio corpo e dor. - Acho que sentada ali, não iria dar, para que eu sinta o gostinho de outra coisa, além do seu sangue maravilhoso.

-O que você quer ?

-O seu sangue - Ele olhou para o seu pescoço - E você - Ele então olhou para a sua parte íntima. Deixando assim, Elena mais apavorada ainda.

-Por que você quer o meu sangue ? desgraçado

-Oras... Sou um vampiro, não vê ? - Ele foi chegando, mais perto dela, e ela vendo aquilo, foi tentando se arrastar para o mais longe possível dele. - E seu sangue, como eu disse, é muito mais que especial. Ah e outra. Tomei bastante o seu sangue. Cada gotinha que me foi dado, o que me deixa mais forte e o principal, ligado a você. Tudo o que você sente, onde você vai, e tudo que lhe acontece, eu sinto e vejo. Elena, você está ligada a mim, e isso é maravilhoso. Mas você estará ligada muito mais, me fazendo ficar cem por cento, quando consumirmos o casamento.

-O QUE ?

-Isso mesmo... Depois que consumirmos o nosso casamento, estarei ligado a você, por toda a minha eternidade. Mas para isso, quero que colabore. Você terá que colaborar. Já que seu pai, nunca me permitiu isso, agora não tenho uma pedra no caminho, para que isso aconteça. E você tem que passar a se comportar. Ou então - Ele com sua velocidade de vampiro, em um piscar de olhos, foi até ela, e mordeu seu pescoço, deixando assim, só os gritos de dor, de Elena. Mas logo parou, pois ela, já estava mais do que fraca, e ele precisaria dela, totalmente bem, para o casamento que para ele, logo chegaria. - Você terá sérios problemas... - Ele então, lambeu, o sangue de Elena, que escorria por seus dedos. - Hum, de seu belo pescoço, o sangue fica muito mais saboroso...


Flashback off


-Ele não parou em quanto eu não melhorei. Aquele maluco, passou mais uns dias sem me ver. Não foram mais tirar meu sangue com tanta frequência, como estavam tirando, eu só tinha uma refeição durante todo o dia.

Dean então, depois do que ela lhe contou, segurou mais ainda em suas delicadas mãos, esperando por mais. Pois o que ela tinha pra contar, não estava acabando.

-Ele, me forçou a beber seu sangue. Mas eu, mesmo com medo. Jogava fora. Mesmo levando tapas atrás de tapas, não bebia. Até um certo dia chegar.


Flashback on


-VOCÊ - Disse Frederick entrando com tudo no quarto úmido onde Elena estava. Fazendo com que a mesma, desse um pequeno susto, da cadeira em que ainda permanecia sentada, e que ainda tiravam seu sangue. Por seu corpo, está fraco novamente, ela não conseguiu ficar por muito tempo, olhando para o cara, que estava judiando dela. - Vai tomar meu sangue, nem que seja a força.

-Tenta pra você ver.

Então ele, foi até ela, e lhe deu vários tapas, a arrancou da cadeira, em questão de segundos, deixando assim, ela muito mais assustada e com medo. Ele tirou a agulha que estava em sua veia, fazendo com que ela, gritasse de dor. Ele começou a rasgar a sua roupa.

-O que você está fazendo... Me solta. Me solta... Para - Gritava ela, com a sua voz, falha. E quanto mais ela gritava, ele batia nela.

-Isso é por desobedecer. Sua Vadia. - Ele então, a jogou no chão frio, e por mais que ele queria já consumar o casamento, que ainda não havia acontecido, se segurou, mas deu o castigo, que para ele, Elena merecia. Com força, e brutalidade, ele enfiou na vagina de Elena, seus dedos,fazendo com que a mesma, gritasse muito mais de dor.

Ela por sua vez, sentia dor, por todo o corpo, principalmente em sua parte íntima e em seu peito. Ela sentia toda a sujeira vir para cima dela, a cada movimento que ele fazia dentro dela. Ela por mais que lutava contra, não conseguia. A força dele é muito maior, em comparação a fraqueza dela. Ele mordeu o pescoço dela, bateu mais uma vez, e deixou marcas por seu corpo, que não demorou muito, para que ficassem roxas.

Sem mais nem menos, ele parou, se ajeitou, olhou bem para Elena, e começou a falar.

-Isso seria muito mais fácil, se você tivesse colaborado. Mas adora fazer tudo mais difícil. Esse castigo, pode muito bem, piorar. -Então saiu. Deixando Elena ali, caída, e sangrando. Sangrando por todas as partes machucadas de seu corpo. Sentindo assim, seu corpo, ficar cada vez mais sujo. Em sua mente, em seu coração, em seu corpo, ela estava suja, imunda, se sentindo a pior pessoa do mundo... Simplesmente por ter sido, machucada e violentada pelo mostro, que a quer como noiva, por simplesmente se um louco, suga sangue.


Flashback off


-Ele.... Ele.... - Ela então, não conseguiu mais segurar o seu choro. Todas as lágrimas, que ela segurava, caíram como baldes de água. Aquilo que ela mais escondia, aquilo que ela fez o possível para não vir a tona, veio. E da pior forma possível.

-Xi... Xi... Calma. - Dean, já estava escutando, sentiu todo os sentimentos ruins, raiva, ódio, amargura e todos os outros possíveis, segurou nas mãos de Elena, e não se conteve, quando viu que a sua menina, já chorava e soluçava. Saulo foi o cúmulo pra ele. Saber que aquele homem, fez isso com ela, o fez jurar para si mesmo, que o mataria com as próprias mãos. - Elena... Me perdoe. - E pela primeira vez, ele pediu perdão a alguém sem ter que gaguejar ou enrolar. Ele, que tanto queria que ela contasse. Que pensou ter algo de errado com ela e o Frederick. Que se sentiu traído. Que não entendeu o lado de sua pequena menina. Agora vê o porquê dela, não querer abrir a boca, para contar de seu passado. Um passado ruim, e sombrio e que está rondando novamente, a sua menina.

-Te-te perdoar por que ?

-Por eu não te entender, por eu brigar com você, por ter que te fazer desenterrar, o passado que você com tanto custo, conseguiu enterrar. Mas que veio a tona novamente. Você passou pelas mãos, do pior cara e mostro, que já vi. Ele... Ele te violentou. - Ele então, fechou a mão, em forma de soco, e apertou bastante, tentado conter a sua raiva. - Eu vou matar aquele desgraçado.

-Dean... Você não tem que me pedir perdão por nada. Por mais que isso me doa, você tinha que saber. Você é meu esposo, e quem deve saber do meu passado, presente e futuro. Você só quer cuidar de mim. Eu te amo por isso.

-Eu também te amo. E é por isso que eu vou seguir meu coração.

-E qual seria o caminho ? O que vai fazer ?

-Te tirar desse lugar, e matar quem te fez mal.

-Dean... Não vai atrás dele. Por favor. - Ela então segurou em seu braço. - Ele é um mostro. Ele é forte de mais. Ele é o primeiro vampiro-lobo daqui.

-Como você sabe ?

-Ele disse... E uma pessoa que me salvou também.

-E quem seria essa pessoa ? Elena, como você conseguiu sair de lá ?

-Foi assim... - Ela respirou fundo novamente - Depois do que ele me fez. Eu fiquei lá, caída, tentando recuperar as forças. Coisa que estava sendo em vão. Então eu escutei a porta se abrindo, mas não vi ninguém, achei que era coisa da minha cabeça, até que eu sinto alguém me segurar pelo braço, e me fazer ficar de pé, mesmo eu quase caindo, por minha fraqueza e dor do corpo. E foi aí que ela ficou no normal.


Flashback on


-Bonnie ? - Perguntou Elena, surpresa, por ver a sua amiga ali, a segurando e ajudando a ficar de pé. - O que faz aqui ?

-Vim te salvar, oras.

-Eu estou sonhando, num estou ? Você foi embora, a um ano.

-Estou de volta. Minha amiga, precisa de mim. Agora vamos parar de papo, e vamos logo, antes que o feitiço, acabe, e eu acabe morrendo nas mãos do cara que te quer morta. Assim como você.

-Como você entrou aqui ? Está sozinha ?

-Caroline está ali na porta, e seu pai e uns amigos ,do outro lado, acabando com uns demônios filhos da puta. Agora - Bonnie então ajeitou Elena mais uma vez, a dando um pouco mais de força, já que ela, estava mais do que machucada.

-Bonnie, ele vai vir atrás de mim. Não tem jeito, ele está tomando meu sangue, é assim fica ligado a mim.

-Calma, temos um plano. - Bonnie então piscou para Elena, e então elas foram saindo do quarto. Toparam com Caroline no caminho, e foram andando. No caminho, já quase saindo, Elena olha para Bonnie, e vê que de seu nariz ,saia sangue.

-Bonnie - Chamou a amiga. - Seu nariz... Esta sangrando.

-Tudo bem... Não esquenta. É o feitiço, que estou fazendo, estou forçando, já que somos três, e tenho que nos manter invisíveis. Já estamos saindo.

Então elas conforme foram passando, foram vendo os homens, de Frederick caídos mortos no chão. Elena ficou assustada, mas deixou isso um pouco de lado, já que eles estavam mortos por justa causa e ela estava vendo sua liberdade logo a frente.

-Elena - Gritou seu pai, assim que elas saíram da casa. Elena não enxergou muito bem, já que ela estava fraca, e por conta da luz. - Querida. Minha filha. - Ele então correu até ela, e a abraçou, ela, mesmo fraca, o abraçou o mais forte que podia. - Graças aos céus você está bem...

-É... Tio.. Ela está machucada. Precisa de um médico... Acho que isso não é tá bem totalmente. - Disse Caroline.

-Caroline... Não estraga o momento. Ele disse isso, por ela está viva. E é claro que ele vai levar ela ao médico. - Falou a Bonnie, cortando Caroline.

-Calma meninas... Calma... -Disse Elena sorrindo, antes de apagar nos braços do pai.


Flashback off


-Eles me salvaram. Ela me salvou. - Disse ela respirando fundo - Sou grata eternamente a ela.

-Elena - Disse Dean, a abraçando. Um alívio correu por seu corpo, mas ainda assim, sua raiva, estava a tona. - Você está bem... Está viva, e longe do desgraçudo. E sua amiga, bem... - Ela o corta.

-Ela está morta... - Disse fria e olhando o nada.

-Como ?

-Ela está morta. Ele a matou. E deixou um recado. Que quem entrasse em seu caminho, ele iria tirar seu querido coração.

-Elena - Dean segurou em uma marca de cabelo dela e foi colocando atrás da orelha, mas soltou com o susto que levou, com o grito dela. Um grito de desespero, tristeza, agonia e todo o choro que ela mais uma vez, segurava.

-ELE A MATOU - ela olhou pra ele - ELE MATOU A BONNIE. A MINHA AMIGA. AQUELA A QUEM FEZ UM FEITIÇO PATA ME SALVAR - Dean então, a abraçou. Mas um abraço apertado, mostrando assim, que ele estava ali, que ela pode contar com ele. Um abraço, cheia de amor e um ombro amigo - ELE A MATOU DEAN... ele matou aquela em que eu amei. Ele matou aqueles que estavam em minha volta, por simplesmente, serem aqueles que ele dizia ser pedras em seu caminho.

-Eu sinto muito, Elena. Sei como se sente. Aquele desgraçado, vai pagar por tudo o que fez. Eu te prometo. O que você sofreu, não vai ficar assim, quem você perdeu, não terá sido em vão.

-Dean... Eu não aguento mais... Eu quero ir embora. Me leva embora. Eu não quero ficar mais nesse lugar, onde me causa tristeza. Minha vida, foi um pesadelo, nesse bendito lugar.

-Sim minha querida... Vou te levar embora. Mas sem ter que acabar com quem acabou com a sua vida. Te prometo - Ele então, segura em seu queixo, e faz ela o olhar em seus olhos - Te prometo, que você será feliz, e ter paz. Eu te amo. Mas para isso, preciso cortar pela raiz, o mau.

-Eu confio em você. Eu quero que ele morra, quero que ele suma de minha e nossas vidas.


Notas Finais


Queridos e amados leitores...
Huuuuuooouuu.... Segredo mais que revelado... Agora sabemos o porque o Frederick tanto quer a Elena...
Vem mais coisas por aí...

Amo vocês ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...