História Casamento arranjado - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Midoriya Izuku (Deku)
Tags Boku No Hero Academia, Lemon, My Hero Academia, Yaoi
Visualizações 35
Palavras 1.386
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bom aqui está o segundo capítulo.
Obrigado por terem favoritado e comentado o primeiro capítulo.
Então bora começar!

Capítulo 2 - Não vou voltar.


POV_NARRADOR ON 

Na casa da família Bakugo todos já estavam à mesa prontos para tomar o café da manhã, mas havia um problema, o filho da família Bakugo ainda não havia descido pra o café, e naquela família pelo menos uma das refeições do dia era feita com todos à mesa. E a ''lei'' por assim dizer era colocada em vigor pela senhora Mitsuki, e ninguém tinha coragem de não cumpri-lá, pois tanto pai como filho sabiam como a mulher era.

Mesmo assim naquela manhã Katsuki não havia descido para tomar café, Masaru Bakugo temia pelo bem estar do filho, pois sabia que sua mulher ficava praticamente louca quando uma de suas ordens era descumprida.

E como foi previsto pelo senhor Masaru a mulher não perdeu tempo, logo após eles dois terem terminado o café ela subiu em direção ao quarto do garoto. Chegando na porta do quarto a mulher chamou pelo filho, se é que aqueles berros podem ser descritos como chamar. A mulher chamou umas três vezes, mas não teve resposta, então com toda a ''paciência '' da qual era provida simplesmente chutou a porta do quarto, e como já era esperado pela mulher ela havia quebrado a porta. 

Ela adentrou o quarto já aos berros, xingava o garoto de tudo quanto foi nome que veio a sua mente no presente momento, mas a mesma foi surpreendida com um quarto vazio.

A mulher olhava para a cama arrumada e não sabia o que dizer ou fazer, por que a cama estava vazia? Por que seu filho não estava no quarto? Era o que Mitsuki se perguntava.

Ela sabia que o filho não tinha mais seus 14 anos e que portanto não tinha obrigação de lhe dizer até quando ia ao banheiro, mas naquela casa as coisas não funcionavam daquela forma, pois Mitsuki deixava bem claro que até o dia do filho se casar e ter sua própria casa, ele teria sim que lhe avisar até na hora que ia ao banheiro.

Mitsuki tentou manter a calma, pois concerteza seu filho não havia fugido ou sido sequestrado (era o que ela pensava), procurou pelo filho dentro do banheiro que havia no quarto e também no closet, mas não o encontrou, saiu do quarto pisando duro. Ela dizia para si mesma, que quando colocasse as mãos no filho ninguém seria capaz de faze-lá soltá-lo, ele iria se arrepender de ter nascido.

Mitsuki procurou pelos outros cômodos da casa, mas como temia não o achou.

Então Mitsuki já se dando por vencida foi falar com o marido.

Contou a ele que não havia encontrado o filho no quarto, e que já o havia procurado por todos os cômodos da casa, mas que em nenhum deles havia encontrado o garoto.

Masaru como era alguém de muita calma, ele mesmo achava que esse era o motivo pelo qual estava casado com Mitsuk e também porque mesmo ela sendo tão esquentada ele a amava, desde o momento em que foi levado para conhecer Mitsuki e colocou os olhos nela ele a amou, foi instantâneo, amor a primeira vista, ela pelo contrário levou algum tempo para aceitar o marido. 

Masaru como o ser calmo que era, voltou junto da mulher ao quarto de Katsuki. Já Mitsuki achava que Masaru estava duvidando do que ela disse, é isso a deixou muito brava.

Os dois então adentraram o quarto.

Masaru olhou a sua volta, e como Mitsuki havia lhe dito o filho não estava lá. Então ele foi até a cômoda que havia no quarto ao pé da cama do filho, abriu gaveta por gaveta, até achar o que pensava que iria encontrar, ao encontrar um bilhete que parecia ter algo escrito parou de procurar. 

Masaru abriu o bilhete e o leu em voz alta.

No bilhete havia as seguintes informações:

''Oi pai. Eu sabia que encontraria, por isso o deixei ai, e também sabia que a mamãe nunca procuraria por algo como isso, na verdade ela deve estar tão furiosa nesse momento que nem sequer procurou por nada.

Eu quero dizer que por mais que os ame, não pretendo fazer isso, não pretendo me casar. Mesmo vocês contando sua história melosa de como se conheceram e de como o papai se apaixonou e que a mamãe não queria vê-lo após o casamento nem pintado de ouro, mas que o papai a fez se apaixonar por si. Não acredito que comigo acontecerá a mesma coisa, não sou uma pessoa dada a esses melodramas. 

E também quero conhecer o mundo lá fora, saber o que ele tem a me oferecer.

Não pretendo voltar, então já podem tirar o cavalinho da chuva se não o coitado pega um resfriado. Não irei voltar nem hoje, nem amanhã nem nunca.

Não importa o que acontecer, não quero ficar amarrado a uma só pessoa pro resto da vida.

Amo vocês, tô falando sério e sei que vocês sabem.

                     Adeus de seu amado e querido Katsuki!''

Após lerem isso os dois se entre olharam, como se dissessem: e agora, o que faremos? 

Eles pensaram em chamar a polícia, mas não queriam que todos da cidade soubessem do ocorrido, pois naquela cidade ninguém podia fazer nada sem que todos ficassem sabendo e já saíssem contando pra mais gente, e a cada vez que a história era repassada pelas fofoquerias do lugar a história era aumentada meio metro, de uma vizinha que eles viram andando com um homem suspeito na rua (que por acaso era primo da mesma), se saia cada história que era de deixar o cabelo em pé. E eles não queriam andar na boca do povo. E uma das mulheres mais fofogueiras da cidade por um grande acaso do destino era mulher do delegado, e o mesmo contava tudo e qualquer coisa que acontecia na delegacia.

Então pensaram bem e resolveram ligar para o melhor amigo de Katsuki.

Ligaram para o mesmo e perguntaram se ele sabia de algo e o garoto negou, disse que não sabia nem que Katsuki pretendia fugir, e que sabia porque o amigo não havia lhe dito nada. Pois se Katsuki sumisse a primeira pessoa que eles iriam contatar seria ele. Eles agradeceram e pediram para o garoto não comentar nada com ninguém, e que se ele tivesse qualquer notícia de Katsuki era para ele telefonar.

Os dois desligaram o telefone desolados, pois não faziam idéia de onde procurar o filho e também não sabiam o que falariam para a família Midoriya.

Masaru como não gostava de esconder nada de pessoas das quais confiavam nele para algo, decidiu que era melhor avisar os Midoriya antes de chegar a noite, Mitsuki discordou mas acabou consentindo.

Masaru achou melhor ele mesmo dar a notícia, então telefonou para a casa da família. Quem atendeu foi a empregada, ele disse que queria falar com Hisashi Midoriya, a mulher disse que ele não se encontrava no momento mas que sua mulher Inko estava em casa, Masaru disse que poderia falar com Inko então.

Inko atendeu o telefone e Masaru pediu pra ela e o marido irem até a casa deles, pois tinha algo muito urgente para falar  a respeito do casamento e que não poderia esperar até chegar a noite. Inko disse que estava indo imediatamente.

Masura ao desligar o telefone começou a ficar nervoso e preocupado, e viu que Mitsuki se encontrava da mesma maneira.

Quase uma hora após o telefonema a campainha tocou.

Os dois automaticamente já sabiam quem era. Foram correndo abrir a porta.

Ao abrir a porta lá estavam Hisashi Midoriya e Inko Midoriya, ela pediram para os dois entrarem. Eles assim o fizeram, e perceberam o nervosismo dos outros dois.

Então Masaru começou relatando o que havia acontecido, pediu desculpas pelo que seu filho fez e disse que contrataria um detetive particular para procurar pelo garoto, pois ele sabia que era de interesse mútuo encontrar o mesmo.

Inko e Hisashi ficaram chocados, eles estavam na verdade era preocupados em como contar a notícia para o filho. Eles disseram que ajudariam no que fosse possível para encontrar Katsuki. E logo já se despediram e foram embora.

E deixaram na casa um casal de pais aflitos.

Hisashi após sair da casa dos Bakugo foi direto para sua empresa, ele disse para que a mulher esperasse por ele para dar a notícia a Kirishima.

POV_NARRADOR OFF  

 


Notas Finais


Tchau e até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...