História Casamento arranjado - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Boku no Hero Academia (My Hero Academia)
Personagens Izuku Midoriya (Deku)
Tags Boku No Hero Academia, Lemon, My Hero Academia, Yaoi
Visualizações 46
Palavras 1.716
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Lemon, Romance e Novela, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hoje eu tô inspirada. Portanto vou postar mais um.
Espero que gostem.
Boa leitura!

Capítulo 3 - Pode mandar na lata mesmo.


POV_IZUKU ON

Essa manhã minha mãe saiu, mas não demorou muito, ela só voltou meio estranha, na verdade bem estranha. Ela parecia bem pensativa, ela tava tão distraída que se eu dissesse que ia virar gogo boy ela apenas diria sim, e essa concerteza não é a minha mãe, eu acho até que ela foi abduzida por extraterrestres e fizeram lavagem cerebral.

Meu irmão estava no quarto dele, sofrendo por antecipação. Eu estava no meu, pensando em como seria quando fosse o jantar para conhecer o meu noivo. Eu todos os dias fazia todo tipo de oração, pra todos os deuses pedindo pra que Tenya Iida fosse o ser humano mais bondoso e calmo da face da terra, pedindo pra que ele gostasse de mim e pra mim gostar dele.

Enquanto eu estava perdido em pensamentos sobre o futuro e como seria a aparência do filho da família Iida, a tarde havia se passado num piscar, e a noite estava a porta. 

Logo que escureceu meu pai chegou, pois ouvi o barulho da garagem.

Derrepente escuto alguém bater na porta.

_Pode entrar, está aberta.

E quem vejo entrando é meu pai. Ele parecia nervoso e pensativo, eu nunca o vi assim, ele é uma pessoa muito calma e centrada.

_Boa noite filho. Como foi seu dia?

Eu achei aquilo um pouco estranho, pois ele sempre esperava até o jantar para me perguntar como havia sido o meu dia, ou até a hora de ir dormir. E aquele era o dia do Kiri, ele deveria perguntar para ele como ele estava.

_Foi um dia normal, a não ser pela manhã que foi um pouco conturbada. 

_O que aconteceu pela manhã?

_Eu levantei e fui até o banheiro e o Kiri estava lá, mas isso não foi o problema, o problema é que ele não saia do banheiro. Dai eu ameacei ele.

_Como você ameaçou ele?

_Eu disse que iria derrubar a porta, ele deu risada e disse que estava com dor de barriga, dai eu o lembrei da história do dia da apresentação de Romeu e Julieta que ele teve no colégio. Você lembra dela?

_Sim, eu me lembro. Lembro até que ele teve uma dor de barriga. 

_Então, foi por isso que eu lembrei da história, porque hoje de manhã ele estava na mesma situação, a não ser pelo fato de não ter nenhuma Julieta ali. Dai a gente começou a falar um pouco alto demais e acordamos a mamãe.

_Calma ai, eu já sei o que aconteceu depois. Ela brigou com os dois.

_Sim, ela brigou com nós dois, e depois que o Kiri saiu do banheiro a gente conversou sobre hoje a noite. Ele me disse que estava muito nervoso, eu tentei ajudá-lo a se acalmar. Não sei se consegui. 

_Então, é sobre hoje a noite que eu queria falar com você. E também sobre o futuro.

_Como assim? Você deve ter se enganado de filho, eu sou o Izuku pai.

_Não eu sei exatamente quem você é. Mas é com você mesmo que eu quero conversar.

_É sobre o Kirishima, eu queria te pedir um favor, e uma ajuda.

_Pode pedir o que quiser.

_Primeiro eu tenho que te contar o que aconteceu. 

Ele me contou toda a história do sumiço do Katsuki Bakugo. Eu fiquei muito surpreso e também muito aliviado pelo Kiri, pois eu sabia qual seria a reação do Kiri, ele iria pular de alegria quando soubesse da notícia.

_É por isso que eu preciso da sua ajuda, eu preciso saber como contar isso a ele.

_Pode mandar na lata mesmo, ele vai é ficar feliz. Ele não queria se casar, ele estava com medo na verdade. E isso vai deixar ele mais aliviado. Eu posso ir lá conta?

_Não, eu quero falar com ele junto com a mãe de vocês. Mas se é como você diz, então não preciso me preocupar tanto.

_Sim, não precisa se preocupar, ele vai  ficar bem.

Dai meu pai saiu do quarto, eu acho que ele foi fala com o Kiri.

Eu fiquei deitado mais algum tempo, eu sabia que quando eles tivessem acabado com a conversa o Kiri viria correndo me contar tudo.

Então eu fiquei lá esperando. Peguei o livro que estava lendo e li mais algumas páginas, quando derrepente alguém bater na porta. Mas dessa vez eu sabia quem era.

_Pode entrar. 

E como eu suspeitava, era ele mesmo, o Kiri. Ele estava com um sorriso imenso. Mau entrou e já começou a falar.

_Você já soube da notícia? Ele fugiu Izuku, fugiu. Eu não vou ter mais que me casar Izukuuuuu! 

_Calma moço, não fique tão feliz assim, ele pode voltar, a família dele colocou um detetive pra procurar por ele. O detetive pode achar ele a qualquer momento.

_Izuku, se eu disser que você é um grade estraga prazer, o que você diria?

_Eu? Mais nunca. Eu sou é realista Kiri.

_Você não ficou feliz por mim? Ele sumiu Izuku, e até ele voltar ou constatarem que ele morreu eu não terei que me casar.

_Sim eu estou feliz por você, larga mão de ser bobo. Mas é que se ele voltar você vai ter que casar com ele, mas se ele morrer, você terá que casar com outra pessoa da família dele.

_Sim eu sei disso.

_Então tá.

_Agora a gente tem que esperar esse um ano e um mês passar logo pra gente conhecer o seu noivo. E mais um mês para você se casar. Tomara que o seu não fuja. 

_Eu também quero que o tal de Tenya Iida fuja. Porque daí nós dois nãos precisaremos fazer isso.

_Nossa, e eu que achei que você era o mais conformado dessa história toda.

_Não é bem assim Kiri, eu só não demonstrava reprovação porque não valia a pena, mesmo se eu chorasse ou gritasse que não queria e casar, não mudaria nada.

Então nós dois ficamos ali pensando sobre como seria o próximo ano.

E nós dois aos poucos caímos no sono. Na minha cama mesmo.

Quando eu acordei já era de manhã, ainda com os olhos meio fechados por causa do incomodo da luz, fui abrindo aos poucos e quando olhei pro lado vi meu irmão virado de costas pra mim e dormindo.

Pensei em acordá-lo mas ele iria me matar se eu o acordasse. Derrepente escuto um barulho que vinha da minha barriga. E na hora me lembrei que não havia comido nada noite passada, pois havia ficado conversando com o Kiri e acabam se pegando no sono.

Então me levantei, dei uma boa espreguiçada e fui até o banheiro.

Depois de ter tomado banho e escovado os dentes, desci para tomar café. 

Aquela era a sexta-feira mais silenciosa que eu havia tido em anos, eu estava de férias do colégio então estava dando graças a Deus por não ter que levantar e comer as pressas pra ir pra quele inferno. Meu irmão havia terminado o colégio naquele ano, e ele só iria pensar em fazer faculdade se o futuro marido dele deixasse.

Tomei o meu café, no mais puro silêncio. Eu sou uma pessoa que gosta de silêncio, não sou muito agitado, a não ser quando estou conversando sobre algo que eu goste muito, como os livros que leio.

Derrepente ''alguém'' desce escada abaixo gritando.

_Izukuuuuu. 

_O que foi peste. Quase me mata engasgado com pedaço de pão. Tá morrendo é?

_Não, é que a gente tem que sair pra comemorar o sumiço do Katsuki.

_Quanta consideração Kiri, do jeito que você tá falando parece que nem se importa com a família dele ou se ele tá sofrendo na rua, dormindo em um chão gelado, sem nada pra comer.

_Pode para com isso Izuku, essas suas novelas mexicanas eu já conheço, e não caio nelas. Se ele estivesse preocupado com a família dele, não teria fugido, e se ele estiver com frio ou passando fome o problema é dele, ninguém mandou ele fugir de casa. Eu tenho pena só dessas pessoas que não tem pra onde ir e que acabam indo parar nas ruas até irem para algum abrigo. Mas desse sem vergonha que fugiu das responsabilidades,  eu não tenho um pinguinho só de piedade.

_Nossa! Valeu pela lição de moral, e pelo coice que me jogou longe também. Não tá mais aqui quem falou.

_É bom mesmo senhor Izuku. Mas agora pra onde a gente vai pra comemorar? 

_Bom, eu tô com vontade de ir no cinema, a gente nunca mais assistiu nada junto. E depois a gente vai em outro lugar que você quiser.

_Pode ser então, só deixa eu me arrumar.

_Não vai toma café não? 

_É claro que não, vou comer no cinema, se eu enche meu panda agora não vou conseguir comer pipoca.

_Então tá bom. Também vou trocar de roupa.

Me troquei e desci as escadas. Meu irmão me esperava na sala com uma cara emburrada.

_O que foi Kiri? Não tá se sentindo bem?

_Eu estou ótimo Izuku, é que eu pensei que você tivesse morrido, pelo tanto que demorou. 

_Nem vem, eu nem demorei tanto assim, isso é implicância sua.

Dai ele pega o celular é esfrega na minha cara.

_Olha aqui Izuku, esse é o tempo que eu estou esperando aqui.

Lá no cronômetro marcava 30 minutos, eu me assustei quando vi, pois eu nem havia tomado banho, só trocado de roupa.

Ele só podia estar brincando, ninguém demoraria tudo isso pra apenas trocar de roupa.

_Você tá me zoando. 

_Não, eu não estou Izuku. É que toda vez que eu falo que você demorou mais de 20 minutos pra se trocar, você simplesmente fala que é mentira. Então eu resolvi marcar o tempo. Só pra ter o prazer de esfregar na sua cara.

E ele realmente esfregou na minha cara. 

Eu meio que pra mudar de assunto.

_Vamos logo. Antes que eu desista.

_Mudando de assunto, né Izuku. Que coisa feia. Mas então vamos logo.

Saímos de casa e avisamos a dona Susi, nossa empregada, pois a minha mãe não estava em casa e meu pai havia ido trabalhar.

Já na rua, conversávamos sobre qual filme iríamos assistir. 

Mas algo estava me encomodando, o Kiri parecia pálido e meio mal, mas eu não me preocupei tanto pois ele estava sem comer concerteza era isso.

 

 


Notas Finais


Como eu já disse quem gostar me de um sinal, pois a minha bola de cristal ainda tá quebrada.
Beijinhos, beijinhos e até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...