História Casamento Arranjado ! (Jay Park version). - Capítulo 11


Escrita por: ~, ~Waaang_852 e ~Bang_Antonela

Postado
Categorias Got7, Jay Park
Personagens BamBam, Jackson, Jay Park, JB, Jinyoung, Mark, Youngjae, Yugyeom
Visualizações 191
Palavras 2.969
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi genteeeeeeee, olha quem voltou!!!
Primeiramente me desculpem pela demora, em segundo eu espero realmente que vocês gostem...

Capítulo 11 - Minha Nonna!


Fanfic / Fanfiction Casamento Arranjado ! (Jay Park version). - Capítulo 11 - Minha Nonna!

Haviam duas semanas que eles haviam voltado de jeju, duas semanas e três dias que só se comunicava com JB por mensagens, que o desejo de tocar o corpo do menor e ser tocada por ele aflorava em seu interior. Hyejeong estava aborrecida, estava neste momento sendo obrigada a fazer papel de noivinha perfeita para os amigos do "noivo", escutar aqueles idiota contando vantagens e cafajestadas uns pros outros a dava nojo e se pegar pensando em JB e em seus toques a deixava com raiva de sí mesma, sabia q estava nutrindo algo pelo o menor, mas se recusava a assumir isto.

Saiu de seus pensamentos a tempo de ouvir o que Jay Park contava:

- Foi cômico! Ela era tão inocente, tão trouxa! Ela realmente achou q eu queria algo com ela e fez o que eu disse, ela tirou a roupa e acabou virando alvo da escola toda! - O maior ria orgulhoso do que contava, não sabendo que a pobre moça da qual falava, estava a presenciar aquelas palavras naquele momento e isso só serviria para aumentar o ódio e o desejo de vingança da mesma.

A moça a ouvir tais palavras odiou ainda mais o "noivo", o nojo subia-lhe fazendo com q tivesse vontade de jogar a água com limão que tomara para fora; ela não era mais essa trouxa q ele um dia conhecera e descrevia, a moça queria se manter imbatível, mas algo em seu espírito feminino dizia que ela devia deixar q seu lado frágil se mostrasse, este falou mais alto e assim q a moça fez q ia se retirar do recinto, alguém agarrou a gola de seu noivo o fazendo se levantar e olhar para o homem que o segurava pelo colarinho e q estava acompanhado de mais 6 outros homens.

- Você devia aprender sobre o que falar perto de uma mulher! - seu olhar foi para o rosto banhado em lágrimas da moça.

- Me solta seu idiota, quem você pensa que é pra falar assim comigo?! - Jay Park encarava a pessoa a sua frente com desdém. - E você pq esta chorando sua boboca?!

- Vc quer sair daqui junto com seus amiguinhos de cara quebrada é?! - Outro garoto se pronunciara.

Este foi até a moça que encarava aquilo sem entender nada de forma a estar assustada e tocando o ombro da mais velha:

- Tudo bem nonna?! Se quiser a gente resolve com esses idiotas! - O mesmo chegou perto do garoto q mantinha Jay Park preso pelo colarinho.

- Já chega! -Um terceiro cara se pronunciou. - Jr, Bambam, já chega! Não queremos briga com um monte de playboys de merda! - O mesmo se levantou da mesa deixando uma quantia sobre a mesma e logo pegando um casaco mais pesado do que o que vestia sobre a cadeira. - Não vale a pena perder tempo com esse tipo de "homem"! - fez aspas com os dedos e foi até Hyejeong.

- Pare de chorar senhorita, vamos, deixe estes idiotas ai! - Ele pegou uma das mãos da mais velha sorrateiramente e fez uma carícia delicada no centro da palma, só então a maior olhou para o rosto de seu defensor.

- Bwo?? - A mais velha parecia confusa, como poderia sair dalí com 6 caras que não conhecia?! - Mas...

- Mas hyung... - Um deles contrariava o que o garoto ao lado da moça dizia.

- Vamos, embora! - O mesmo mantinha sua palavras. - É uma ordem!

- Aish! - o garoto que segurava o Park pela gola o baixou e se pós ao lado dos outros cinco, enquanto o Hyejeong era conduzida para fora do recinto pelo líder do grupo.

Lá fora

- Pra onde estão me levando? - A moça estava amedrontada. - Eu não os conheço...

- Entra nonna! - O garoto colocava o próprio casaco sobre os ombros da moça que ainda estava chorosa e abria a porta do carro.

Aquela voz lhe era familiar, ela já havia reparado nisso, mas pelo frio e pela mascara que abafava a tonalidade da voz não sabia afirmar se realmente era ou não era mesma voz; foi assim até que ela entrou no carro sendo seguida pelo mais alto.

- Quem, quem é... - A frase da moça foi interrompida assim que o gorro e a mascara deixaram o corpo masculino. - JB! - Os olhos da moça novamente se enchiam de lágrimas.

- Hey nonna, te salvamos daquele idiota! - O maior colocou a chave na ignição. - Ei não... não chora, não vale a pena... - A moça não se conteve e o abraçou.

- Vou te levar pra casa! - JB deu partida no carro e os outros 6 carros atrás de sí deram partida. - pra que lado você mora Hyejeong?

- Não quero ir pra casa, me leva pra sua, por favor... - A mais velha pediu.

- Aish... Tudo bem! - O mesmo seguiu reto e a mais velha pode ver os outros carros entrando pra rua da direita ou para esquerda e eles seguirem sozinhos em linha reta.

- O que você estava fazendo alí JB? - A mais velha deitou a cabeça no ombro do mesmo. - Estava me seguindo??

- Sai com os meninos pra comermos algo dps do treino e por acaso vocês chegaram lá minutos depois. - Ele trocou a marcha olhando pelo retrovisor e dps o rosto da moça. - E eu lá tenho perfil pra andar seguindo mulheres Hyejeong, não me faça rir! - A mesma ia responder quando de repente seu telefone tocou mostrando o nome de " Corno Park".

- Quando foi que você trocou o nome dele nos meus contatos?! - A moça riu divertida olhando o visor do celular.

- A duas semanas e três dias, enquanto você dormia. - ele riu. - Agora atende o corno e diz que você esta na sua casa!

- Alo! - a mais velha obedeceu o mais novo. - Estou em casa Jay Park! Como aonde?! No meu apartamento. Não esperava que eu fosse ficar ai escutando vc e seus amiguinhos falando merda uns pros outros! Ahhh não, tchau Park! - A moça desligou e colocou o telefone no porta luvas do carro.

- Muito bem, chegamos! - O maior anunciou entrando pelo portão do condomínio, ele estacionou e a maior ficou a observar o lugar, um condomínio bonito, muito bonito e bem organizado.

- Você mora por aqui?! ~ a maior observou algumas crianças brincando em um parquinho ali perto.

- Sim, agora vamos venha! ~ o menor colocou o casaco dele sobre os ombros da maior e entrelaçou a mão dela a dele.

Hyejeong estranhou aquele ato, mas se sentiu protegida, JB a fazia se sentir protegida. A maior seguiu ele entrando no condomínio.

- Boa Noite Sr. Im, vejo q veio acompanhado, é a sua menina?!

- Boa Noite Sr. Min, mais ou menos, não há problema não é?!

- Ó não, não há problema algum. Espero que de certo! - o porteiro piscou para o menor.

JB apenas riu e passou pela portaria com a maior até o elevador e assim seguiram até o apartamento do Im.

- Não repara na bagunça, essa semana foi corrida... - ele deixou as chaves sobre a mesa de centro e pendurou o casaco no cabideiro. - Esta com fome? Quer comer ou tomar algo?

- Any, não quero nada não! - a maior se sentou no sofá . - é um lindo apartamento JB...

- Obrigado. - ele se sentou ao lado dela e lhe entregou uma caneca.

- Disse que nanão queria nada...

- Vai te fazer bem! - ele entrega a caneca a ela e observa a maior tomar o líquido quente aos poucos.

JB Povs On

A manhã havia sido conturbada, eu tentei mais uma vez resolver aquele assunto com o Sr. Park, desta vez eu juntei toda a minha paciência e minha educação, engoli meu orgulho e fui até ele com a esperança de que ele aceitasse me ajudar neste assunto, mas nada, como todas as outras vezes ele me escorraçou sem nem ao menos me deixar explicar o que eu queria pedir-lhe, pelo jeito continuar com essa vingança seria a única maneira de talvez conseguir o que eu preciso.

Depois disso resolvi encontrar com os meninos para treinar um pouco e relaxar a cabeça e foi o que fizemos, a seguir, chegamos a conclusão de que precisávamos comer algo e fomos até uma lanchonete; pedimos alguns lanches, brincamos e rimos entre nós até que de repente reconheci o herdeiro dos Parks no meio de um grupo de playboyzinhos que sentou em uma mesa próxima a nossa e junto a ele uma Hyejeong brevemente aborrecida; os meninos que já sabiam dos esquemas também os reconheceram, mas preferimos ficar alí e terminamos nosso lanche quietinhos, até que em meio a todas aquelas cafajestagem das quais eles se vangloriavam o filho corno do Sr. Park começou a contar uma história a qual reconhecemos.

- Então foi isto que ele aprontou com ela! - acabei pensando alto .

Ele contava o que fizera com tom de deboche e todo orgulhoso, o que fez Hyejeong que já estava incomodada, acabou por se fragilizar provavelmente com a lembrança e nos deu a visão de seus olhos se enchendo de Água, quando eu já ia me levantar pra quebrar a cara daquele desgraçado, Jr se levantou e segurou aquele corno pelo colarinho, o fazendo levantar da cadeira em que estava e mirar o mais novo.

- Você devia aprender sobre o que falar perto de uma mulher! – Jr disse irritado enquanto olhava para o rosto banhado em lágrimas da nonna.

- Me solta seu idiota, quem você pensa que é pra falar assim comigo?! - Jay Park encarou o mais novo a sua frente com desdém, mesmo estando pendurado pelo colarinho. - E você pq esta chorando sua boboca?! – ele disse ríspido e bruto.

“ Aquele filho de uma puta! Eu vou quebra a cara desse cara e vai ser agora...” novamente ia me levantar, mas Bambam se levantou antes se envolvendo na briga.

- Vc quer sair daqui junto com seus amiguinhos de cara quebrada é?! – Bambam estava realmente nervoso.

Ele foi até a nonna que estava muito assustada:

- Tudo bem nonna?! Se quiser a gente resolve com esses idiotas! – Bambam se juntou ao Jr que ainda mantinha Jay Park preso pelo colarinho.

- Já chega! -Eu sabia no que aquilo ia dar e não queria que os meninos se metessem em brigas. - Jr, Bambam, já chega! Não queremos briga com um monte de playboys de merda! – Me levantei deixando o dinheiro da conta e peguei um casaco mais pesado do que eu vestia sobre a cadeira. - Não vale a pena perder tempo com esse tipo de "homem"! - fiz aspas com os dedos e fui até Hyejeong.

- Pare de chorar senhorita, vamos, deixe estes idiotas ai! – Peguei uma das mãos da mais velha sem que ninguém visse e acariciei delicadamente na palma, só então ela me olhou.

- Bwo?? – Ela me olhava totalmente confusa.- Mas...

- Mas hyung... – Bambam me olhava pasmo por eu não permitir que aquilo continuasse.

- Vamos, embora! – Encarei ele e Jr - É uma ordem!

- Aish! – Jr baixou aquele corno e se juntou a todos nos, enquanto eu levava a nonna para fora daquele lugar, longe daquele idiota.

Lá fora

- Pra onde estão me levando? – Ela parecia completamente assustada com a situação. - Eu não os conheço...

- Entra nonna! – Coloquei meu casaco sobre os ombros dela a protegendo do frio e abri a porta do carro pra ela.

Ela só me reconheceu depois que entramos no carro e eu retirei as roupas que a impedia de ver meu rosto, ela parecia mais calma agora, ia levar para a casa dela, mas ela preferiu ir a minha e eu não consegui negar, depois de alguns minutos aquele corno ligou e eu fiz a nonna despista-lo. Fomos pra minha casa e depois do porteiro perguntar se ela era a minha namorada, eu a levei para a minha casa; agora ela esta aqui, a minha frente tão linda quanto da última vez, mas agora frágil e indefesa.

- Ei... Não... – sequei as pequenas lágrimas do rosto da menor. – não vale a pena nonna! – a abracei tentando a confortar.

As coisas foram muito rápido se um momento nós estávamos abraçados, em outro o beijo já era compartilhado, ela no meu colo, suas mãos no meu pescoço, as minhas passeando por seu corpo. Minhas regras haviam se esvaído, se perderam no meio do nosso osculo e o terrível assassino das minhas próprias e impostas regras; eu mesmo!

Me levantei com a mesma em meus braços, caminhando cegamente pela casa e Perigosamente subindo as escadas com a mais velha, envoltos em beijos árduos e vorazes, embebidos em luxúria. Quando chegamos no quarto ela estava apenas com a lingerie e a saia, a deitei em minha cama, voltei a beija-la enquanto descia o zíper lateral de sua saia e ela, tão afoita como eu, foi capaz de erguer-se um pouco para que eu pudesse retirar a peça que sumiu em algum lugar no quarto.

Distanciei-me dos lábios dela apenas para utilizar os meus em seu pequeno e esguio corpo, fui descendo beijos por seu pescoço, sua clavícula, seus ombros... Abaixei calmamente as alças do sutiã e suavemente ergui seu tronco para abrir o feche e faturar calmamente o pano que recobria seus seios. Os observei por alguns segundos, dei um selinho nela e tomei um de seus seios, que pareciam ser sob medida para o meu desejo e a minha mãos, o massageando enquanto sugava o outro vez ou outra Dando atenção especial aos mamilos.

A linda mulher embaixo do meu corpo me agradecia pelas carícias com gemidos, sôfregos e apertos pelo corpo; eu precisava de mais daquilo, Hyejeong era uma mulher que me enlouquecia na cama, me deixava quente, com desejos e manhas que eu nunca tivera por outra mulher, eu queria mais daqueles gemidos, eu queria ouvir ela urrar de prazer, queria ver seus lábios tentarem gaguejar meu nome por entre os gemidos e a respiração falha enquanto eu acariciava seu interior.

Pensando assim desci meus dedos por sua barriga até o baixo ventre e toquei sua intimidade por cima da calcinha, sentir a mais velha tremer sob mim e ouvi seus gemidos manhosos aumentarem, alguém parecia sentir muito prazer e isso me excitava de tal forma que estar apenas sem a camisa se tornava doloroso pra mim, mas aquilo valeria a pena, isso vale a pena, simplesmente por estas reações que causo em seu pequeno corpo feminino.

Já cansado de como um bebê faminto, mamar em seus seios, eu Ergui meu rosto para observar o dela e por deus, aquela expressão era linda! Sorri e abri o fecho lateral da calcinha que ela usava, coisa que me deixou muito contente, por ser bem pratica; desci uma trilha de selinho por sua barriga e parei com meu rosto próximo ao seu íntimo, ela estava com um semblante de cansaço e prazer e apenas percebeu que eu havia parado de acariciar seu intimo quando encontrou meus olhos alí a observando, ela respirou fundo e sorriu. Aquilo foi a permissão que eu precisava, assoprei seu intimo e ela arfou, levei então meus dedos alí, agora sem o tecido da calcinha, ela gemeu arrastado.

- alguém está escorrendo... – Ri da expressão dela e desci meus lábios a intimidade dela sendo recebido por gemidos arrastados e ainda mais manhosos que antes.

Ela se contorcia, uma das suas mãos estava em meus cabelos e a outra maltratava o pobre lençol que revestia a minha cama, apertando os tecidos entre os dedos, os arranhando com suas unhas. Senti que ela estava quase lá e quando eu fui colocar mais do meu empenho no que eu fazia ela me afastou.

- O que foi? – a encarei curioso “ será que eu fiz algo errado” observei as ações dela.

- Você deve estar incomodado... – ela conduziu seus dedos até o botão da calça começando a descer a mesma.

Ela retirou a peça com a minha ajuda e me fez sentar na cama, ela se ajoelhou e começou a baixar o tecido da minha cueca já molhada pelo pré gozo, libertando-me daquele confinamento horrível em que eu estava.

- Não precisa fazer isso nonna ... – ela me cortou ao começar a me masturbar aos poucos me fazendo gemer.

Ela fazia movimentos lentos e torturantes, mas ainda assim gostosos e ainda mais excitantes, era um ritmo gostoso. Eu gemia uniformemente enquanto sentia suas pequenas mãos me acariciarem até que seus lábios quente e úmidos tomaram o lugar delas me levando ao céu, a nonna com certeza sabia o que fazia com aquela boquinha tão gostosa, não demorou muito para que eu sentisse que essa chegando perto, a parei e ela me olhou curiosa certamente pensando que havia feito algo errado.

- O que foi? Fiz algo de errado moreno? – realmente como pensado.

- Nada nonna, pelo contrário, foi ótimo! – sorri pra ela a levantando do chão. – Mas eu não acho que você seja mulher pra isso... - ela me olhou ainda mais confusa e eu a deitei na cama. – Você é especial demais para engolir algo tão baixo... – o olhar dela se iluminou e aquele lindo sorriso apareceu.

Me deitei sobre a mesma e a beijei calmamente, acariciando sua nuca com meus dedos, quando o beijo se findou estávamos tão envolvidos que só houve tempo para o preservativo e lá estávamos nós, abraçados, aos beijos, entre gemidos e balbuciadas incompreensíveis, lá estávamos nós em nossa atmosfera, em nosso encontro secreto, de parceiros incorretos, dois amantes carnais!


Notas Finais


Bem, mais uma vez me desculpem, espero que tenham gostado e me relevem qualquer erro eu fiz uma revisão mas não sei se todos eles foram abrangidos e corrigidos.
Kissos de shokollaty da tia Anto, amo vcs!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...