1. Spirit Fanfics >
  2. Casamento arranjado (Sobrenatural) >
  3. Capítulo ll

História Casamento arranjado (Sobrenatural) - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura💚

Capítulo 2 - Capítulo ll


Fanfic / Fanfiction Casamento arranjado (Sobrenatural) - Capítulo 2 - Capítulo ll

Olhei para a minha penteadeira, o relógio já marcava 6:30, já estava na hora de descer para a sala, meu pai queria que fôssemos antes até o restaurante pois ele não era perto, a alguns anos nós nos mudamos para Seul, coisa que eu sempre tive minhas dúvidas o porquê de tanta pressa e até mês passado soube e como se não bastasse meu querido pai, fez com que eu prometesse que iria me casar, como eu relutei contra isso ele fez um feitiço de tortura, no meu braço direito a uma marca, os humanos diriam que é uma tatuagem mais errado! É a droga de uma marca que só será desfeita quando eu disser "Sim" no altar, o meu pai fez questão de colocar isso no feitiço, um feitiço que poucos sabem fazer, pois além de muito antigo não é usado mas, não tanto como antes que os pais usavam para fazer seus filhos ou filhas casarem. Meu pai conhece a droga desse feitiço e só ele pode desfazer e além disso me forçou a concordar se eu tentar relutar a marca começa a brilhar e é como uma tortura a dor dela é insuportável, mais breve ela irá sumir assim que eu me casar a mesma desaparecerá por si própria, talvez depois desse casamento eu possa fugir, será arriscado eu não me importo mais se eles me acharem fraca! Eu esperei tempo demais, aguentei muito dessas pessoas e não vou perder minha "liberdade" por causa de um casamento arranjado! Eu nem mesmo sei a merda do motivo por eles estarem fazendo isso! Por que eu? Por que não a yuna? Talvez porque eles se importam com os sentimentos dela, mais e os meus? O que eu fiz pra essa família me tratar dessa forma?

- Vamos S/n, nossos pais já estão no carro. - yuna gritou do andar de baixo.

Apenas peguei meu celular é desci as escadas, yuna estava encostada na porta da frente olhando diretamente para mim. Ela estava bem arrumada, yuna é uma garota muito bonita, já teve muitos namorados, todos na escola queriam dar uns "pegas" nela se assim posso dizer, se nossos pais soubessem que a querida filha deles já tinha pego metade dos garotos da escola na qual nós estudávamos, ela com certeza iria levar uma broncas, pois meu pai valoriza muito a "imagem" da família. Mai eu não iria contar, eles que descubram por si só. Não irei me meter nos assuntos da yuna, nós já não nos damos bem, não quero ela me enchendo se eu contar algo, não por medo mais porque eu não tenho a mínima paciência pra ficar aturando reclamações principalmente da yuna e conhecendo ela pelo que conheço ela reverteria os fatos e sobraria pra mim.

- Demorou S/n, e olha usando calças.. o papai e a mamãe não irão gostar nada disso.

- Não enche garota, não era você que estava gritando que eles já estavam no carro? Saia da frente e vamos logo.

- Está bravinha por que vai se casar com um novinho que nem conhece? Quando chegar no restaurante aposto que vai ser um dos amigos do papai.

Revirei os olhos com tal comentário ela estava se divertindo com toda essa situação! Garota escrota!. Ela saiu da passagem e passamos pela mesma, eu espero que ela não esteja certa eu não vou com a cara de nenhum dos amigos dos meus pais, pelo menos os mais próximos eles sempre me olhavam estranho, deveria ser pela a camuflagem de humana, alguns eram uns verdadeiros babacas eles eram imortais, alguns tinham séculos de idade mais pareciam ser pessoas de no máximo 25 ou 30 anos. Quando entrei no carro recebi um olhar de reprovação dos meus pais.

- Essa demora toda pra está assim?.- Minha mãe me questiona, nada que eu faço é suficiente pra ela.

- Acho que sou bem grandinha, pra saber o que devo ou não devo vestir e olha o casamento vai ser meu certo? Então eu decido o que eu uso!

- Como ousa falar assim comigo garota?! Eu sou sua mãe!

Acabei dando uma risada sarcástica e a ignorei, e por incrível que pareça o meu pai não se meteu em nada o que foi ótimo. Abri a janela e observei a paisagem, o meu pai ligou o carro e foi em direção ao restaurante. Minha mãe não parava de comentar e argumentar sobre mim, tinha vontade de fazer um feitiço para ela ficar quieta mais apenas ignorei como sempre e me concentrei na paisagem, cada vez mais nós íamos nos afastando da cidade, provavelmente iríamos para o restaurante que fica perto da floresta que é especialmente só para seres sobrenaturais.

{...}

Ao adentramos no restaurante o meu pai se aproximou de mim.

- Coloque um sorriso S/n, seu pretendente é um dos melhores, deveria me agradecer e não ficará com essa cara de emburrada, coloque um sorriso ou já sabe não é?

Ele olhou para o meu braço e eu senti dor, mas ela foi suportável, não foi igual antes que eu acabei caindo e implorando para que ele parasse com aquilo, mas claro que ele não daria um vexame na frente das pessoas. Eu o encarei e ele saiu de perto de mim e foi para o lado da minha mãe. Ele nos chamou para irmos mas a frente pois a sala que o meu "noivo" estava era privada. Então eles deveriam ser bem importantes, mas que será? Olho ao redor enquanto estávamos indo em direção até a sala e as pessoas estavam me olhando, deveria ser por causa da camuflagem. Eu acabei dando um sorriso satisfeito, afinal eles pareciam estar em acreditando que eu era uma humana.

- Deveria tirar essa camuflagem irmãzinha, as pessoas não param de olhar para nós, isso é vergonhoso! - yuna susurra no meu ouvido.

- Você não é obrigada a estar aqui yuna! Eu não vou tirar minha camuflagem! Se quiser ir embora sabe o caminho da saída! - Ela apenas revirou os olhos e foi ficar ao lado da mamãe, melhor assim. Eu só queria ter resistido mais aquele dia aquele maldito dia, se eu soubesse que tudo isso iria acontecer teria fugido! Mais agora não adianta ficar me culpando, eu não vou chorar por isso já fiz isso até demais, eles não merecem as minhas lágrimas!

Flashback on

-S/n? -A voz de soso ecoa por trás da porta.

- hum?

- Quando sair do seu banho, vá até o escritório do seu pai, ele quer falar com você e disse para se apressar pois é importante!.

- Tudo bem Soso, daqui a pouco eu desço.

Escutei um se apressese, claro que não iria me apressar, ele que me espere.

{...}

Quando terminei o banho e me arrumei desci as escadas indo diretamente para o escritório do meu pai, até que estava curiosa afinal ele nunca me chama pra conversar. Dei três batidas na porta e escutei um entre. Quando entrei não só o meu pai estava ali, mais yuna e minha mãe estavam juntas.

- Demorou, eu pedi para a Solange avisar para descer rápido! Ela por acaso não fez isso? - Ele ergueu uma das suas sombrancelhas.

Antes de responder me virei e fechei a porta. Meu pai estava sentado atrás de sua mesa e ao seu lado yuna e minha mãe me encarando, todos estavam sérios demais, o que não é estranho mais eu não estava com um pressentimento muito bom.

- Sim ela me avisou, mais não vamos discutir sobre isso, qual o assunto o senhor quer falar comigo?- Ele fez menção para que me sentasse, e assim fiz.

- Bom, vamos direto ao assunto, você irá se casar daqui à dois meses.

- O senhor só pode estar brincando não é?

- Sabe que eu não sou de brincadeiras S/n!

Nesse momento meu corpo gelou, com toda certeza eu estava pasma.

- Não eu não irei fazer isso! - Me levantei e bati minhas mãos na mesa. Me virei para sair mais sinto que alguma coisa me prendeu no chão eu não conseguia sair do lugar.- Me solta!- ele tinha feito um feitiço.

- Já sabia que iria ser assim, então se você não vai por bem, vai por mal!

- O que irá fazer? Me fazer prometer que eu irei me casar com quem não conheço?- Acabei dando uma risada sarcástica.- Me solta daqui ou eu dou um jeito de me soltar.

- Pai faça logo o feitiço! - Minha irmã falou se aproximando.

- Calma yuna, vamos S/n não quero te machucar, então aceite logo!

- Nunca!!

- Meu amor, a S/n não irá aceitar então faça o que tem que fazer!

Meu pai soltou um suspiro pasado e começou a recitar um feitiço que parecia ser antigo.

- Não, não por favor.- Eu conhecia esse feitiço já tinha ouvido falar era um feitiço antigo para casamentos arranjados.- PARA, PARA!!!- Eu já estava sentindo minha pele esquentando, acabei sentindo uma fraqueza, e cai de joelhos. Olhei para o meu braço e estava começando a surgir uma marca. A marca de casamento.

- Pronto já está feito. - Meu pai voltou para seu lugar e se sentou.

- Essa marca não irá me fazer casar seu idiota! - Falei quase como um rosnado, minha pele estava queimando e sentia o meu corpo fraco.

- Sim, fará e eu o fiz especialmente para que a marca só sumisse quando você disser "Sim" no altar.

- Eu vou embora daqui hoje! - Eu me levantei mas antes de dar um passo acabei caindo novamente no chão e dessa vez uma for insuportável, correu por todo meu corpo.

- Você não irá a lugar nenhum! Irá me obedecer ou sofrerá as consequências! Essa é uma marca também de tortura, você escolhe me prometa agora que irá se casar ou a dor irá piorar. - Ele se aproximou de mim, e se agachou do meu lado. - Prometa S/n!

- NUNCA!!!!- Mais a dor só piorou coloquei as minhas duas mãos na minha cabeça, eu não estava aguentando mais.

- Prometa e essa dor vai passar. -Ele falava calmamente.- A escolha é sua.

-Agrhh, você não está me dando escolha!!! Faça isso parar por favor está doendo muito. - Lágrimas e mais lágrimas deciam pelo meu rosto.

- Me Prometa!!!

- Tudo bem, eu prometo só faça isso parar. - E em segundos a dor foi passando. E foi nesse momento que eu percebi que não teria mais minha liberdade a qual tanto eu sonhei. Me levantei ainda fraca e olhei para aqueles rostos, os rostos que tornaram sempre a minha vida um verdadeiro inferno, e agora isso, mais por qual motivo?- Eu odeio vocês!! Todos vocês!!!

- Lembre-se S/n, não conte a ninguém sobre isso! - Minha mãe falou ignorando as minhas palavras anteriores.

- EU ODEIO VOCÊS TODOS VOCÊS!!! - Me virei e sai correndo daquele maldito escritório, corri para o meu quarto e me joguei na cama, e chorei como nunca havia chorado.

Flashback off

A partir daquele momento eu soube que eles não se importavam comigo, fomos até a sala e meu pai me avisou mais uma vez que era pra mim sorrir, coloquei o sorriso mais forçado que consegui no rosto, e entramos naquele lugar onde o meu noivo estaria, ao olhar para aqueles rostos que estavam lá, eu soube o motivo do casamento era tudo pelo status social, tudo por poder, era eles o clã 7 um dos melhores clãs e que ajudam diretamente o rei.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...