História Casamento de contrato- Mitw - Capítulo 22


Escrita por:

Postado
Categorias Felipe Z. "Felps", Rafael "CellBit" Lange, TazerCraft
Tags Mitw Cellps
Visualizações 92
Palavras 1.095
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, LGBT, Literatura Feminina, Orange, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


CAPITULOS SEGUIDOS
UHU
Boa leitura <3

Capítulo 22 - Cry me a river


FELPS

Jantar na mesa, todo mundo reunido mas nenhuma palavra sendo dita, olho para Cell e o mesmo come em silêncio, olhando para seu próprio colo. Calango come com uma feição simpática e de vez em quando digitava algo em seu celular, o resto do pessoal estava quieto também.

E eu? Eu estou aqui encarando o loiro igual um idiota apaixonado, pensando na merda que eu fiz! Sabe quando sua mãe quando pequeno, te bota no cantinho do castigo? Então, acho que eu estou exatamente nele agora, sem poder sair correndo e abraçar uma pessoa bem forte!

-Acabei- Ele fala baixo e se levanta da mesa, levando seu prato para a cozinha e o deixando na pia.
Calango se espreguiça na cadeira e da mais uma garfada na tentativa de lasanha que eu fiz, parece gostosa pelas expressões deles, na mesa agora tinha eu, Thiago e alguma criada aleatória

-A janta estava ótima, obrigada Felipe- Ela sorri amigavelmente e leva seu prato até a cozinha.

O mais novo olha para mim e eu o olho de volta, seu olhar expressava algo que não conseguia identificar.

-Então, já se resolveu com o Cell?- Disse, dando outra garfada em minha lasanha enquanto nego com minha cabeça-Certo... vai falar com ele!- Disse mastigando num tom simples, como se fosse algo fácil!É bem mais difícil e complicado do que parece, ok?

-É difícil- Digo num suspiro cansado em pensativo, bato minhas mãos contra a mesa de vidro, causando um barulho como se algo tivesse se rachando

-Ou será que vocês não estão botando dificuldades em coisas que não são difíceis?- Diz, enrolando meus cabelos encaracolados com os dedos, acariciando-os.

-Faz sentido- Digo mais alto do que falo normalmente, será que eles estava certo?

-Cellbit tem que ser maturo! E você tem que resolver as coisas,perfeito!- Ele diz, tirando as mãos de meus cachos.

Me levanto da mesa e deposito um afago nos cabelos de calango, como um “obrigada” e saio correndo para o quarto de Cellbit

-Cell...- Falo baixo, esperando uma resposta.

-Vai embora, Felipe- Ele diz ainda lá dentro, sua voz está abafada, ele provavelmente esta tampando a boca com o travesseiro

-Eu preciso saber o que aconteceu, vamos ser maturos Rafael!- Exclamo num quase grito, minha voz sai grossa e parece que eu estou bravo, não que eu não esteja! Eu estou ferindo meu orgulho, mas as vezes, é necessário. Abro a porta com força e o vejo ali, com a cabeça enfiada no travesseiro e em seu celular tocando minha musica favorita.

Sua cintura está coberta e ele usa meu moletom preferido, que tinha sumido a alguns dias atrás, as luzes do quarto estão apagadas e apenas o abajur meio falho num tom laranja ilumina aquele local, trazendo um ar triste ao cômodo.

-Felipe, vai embora, por favor- Ele diz, virando seu rosto para mim, num olhar de culpa e dor, sinto um arrepio na espinha após ver aquilo, ele estava sofrendo e a culpa é toda minha!

-Me conta o que aconteceu, e eu vou- Digo dando de ombros e cruzando os braços, tentando demonstrar que não me importava mas, por dentro, eu estava chorando junto com ele.

-Eu não quero ficar perto de uma pessoa que só vai me chatear, eu não to pronto para amar de novo!- Ele diz, caindo em choro novamente, fazendo eu me segurar para não ir abraçar ele.

-Ótimo, tem várias outras pessoas querendo meu coração e que não estão afim de pisar em mim. Quer saber? Que chore um rio por mim!Agora tchau!- Digo, me fingindo de puto, descruzando os braços e fazendo muitos movimentos com minhas mãos, logo dando as costas e saindo do quarto.

Me apoio na parede e vou deslizando até minhas nádegas tocarem o chão e eu por minhas mãos em meu rosto, chorando igual um idiota

MIKE

Nunca pensei que eu estaria aqui, sentado num banco de loja em Vancouver, esperando meu marido vestir uma roupa enquanto tomo um sorvete comprado em aquelas praças bonitinhas que apenas casais vão, mas eu estou aqui!

-O que achou?- Tarik pergunta animado, dando um giro após sair do provador,  ele usa um moletom preto com listras brancas em sua lateral, o moletom cobre sua bunda e é grande o suficiente para cobrir suas mãos, que o deixa excessivamente fofo!

-Tá lindo! Gostei mais desse do que o do vermelho!- Digo, o analisando novamente, o mesmo sorri e caminha até mim.
Acho que o mesmo vai me dar um beijo e até me preparo, quando ele chega mais perto ele enlaça sua mão na minha, arrancando meu sorvete, o dando uma lambida.

-EI!-Digo, fingindo estar bravo, fazendo Pac rir, não me aguento muito tempo e dou risada junto a ele.

É estranho o que eu sinto por Tarik, sua inocência me conquistou, seu sorriso, seu olhar! Eu nunca pensei que iria me apaixonar novamente por alguém, mas parece que eu estou apaixonado! O amar é inevitável!

-Ei- O chamo, me aproximando de suas costas,  que estavam viradas contra meu corpo.

-Oi-Ele olha para minha cara, apoiada em seu ombro.

-Eu amo você- É a primeira vez que falávamos isso, e eu me sinto leve, como se eu fosse uma pena. Ele enrubesce e fica sem palavras, o que o deixa mais fofo do que normalmente é!

-E-eu também- Ele sorri para mim e eu selo nossos lábios num selinho demorado, seus lábios são doces e nada cansativos de os beijar.

 

Ah, eu me fudi demais...

CELLBIT

Parabéns cellbit, parabéns! Quer um prêmio? Você consegue afastar todo mundo que importa pra você, você não sabe ter amizades e nem relacionamentos! Nem seus pais gostam de você, como queria que o Felipe gostasse? Sério, você é um idiota?

Falo comigo mesmo na terceira pessoa, repetindo essa fala diversas vezes, eu não consigo o tirar da cabeça! Que saco, que puta saco! Eu me jogaria de uma ponte agora mesmo!

Abro meu celular, pensando em esquecer tudo isso nem que seja por apenas um segundo, vejo que tem mensagens e abro as mesmas, para ver quem é

Phoenix </3

Oi Cell... eu queria te pedir desculpas, sei que nunca fiz isso, mas dessa vez é de coração! Por tudo, todos os vacilos! Vamos nos encontrar, quero tentar ser seu amigo, eu era um idiota babaca! Por favor... </3-20:34

FIM DE CHAT

Fico encarando aquelas mensagens por alguns segundos tentando responder, nada vinha na minha cabeça, nada!

                                                                                        -Ok, até amanhã, as 16:30! Pode ser? :)-20:42

-Claro! Muito obrigada, rafa! <3-20:43

FIM DE CHAT

Pois é, amanhã vai ser um longo dia...


Notas Finais


AAAAAAAA LOKASSO
Espero que tenham gostado<3 Tem alguma pergunta? Mande ela aqui nos coments com a #ask! Amo vocês, até o próximo<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...