História Casamento de contrato- Mitw - Capítulo 25


Escrita por:

Postado
Categorias Felipe Z. "Felps", Rafael "CellBit" Lange, TazerCraft
Tags Mitw Cellps
Visualizações 225
Palavras 2.024
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, LGBT, Literatura Feminina, Orange, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


boa leitura <3

Capítulo 25 - No love


FELPS

O caralho do filho não era meu.

Não era meu, não era o filho de gabs! Ela não estava grávida e nem pretendia, eu não pretendia trair cellbit, nem o fiz!

Porra, eles entenderam tudo errado... eles só estavam no lugar errado e na hora errada! Acendo meu quinquagésimo quarto cigarro do dia e lentamente, levo meus dedos que enlaçam o produto aos meus lábios finos, sentindo a fumaça invadir meu canal respiratório.

Tudo novamente na minha vida parece um monólogo, monótono, mentiroso e vazio. Eu nunca vejo nada claro, é como fumaça e espelhos, eu me vejo mas não muito bem, eu não estou nada bem.

Faz meses que não corto meu cabelo, não mudo meu alargador, não faço aquela tão esperada tatuagem! Nem quero, não há maquiagem que cubra meu cansaço, igual em um enterro, arrumar o defunto não vai deixar ele menos morto por um terno bonito.

Por que ele tinha que entender tudo errado? Por que Flavia tinha que entender tudo errado? Será que eu era mesmo o errado por brincar que assumiria o filho de uma amiga de gabs? Isso era injusto!

Ele parece tão feliz agora que...

CELLBIT

Eu não estou nada feliz.

Eu queria Felipe de volta, mas o que ele fez comigo é imperdoável.

Minha vida é tão esquisita sem ninguém além de animais por perto! Eu ouvia algum som de Ben Cocks e tomava alguma bebida de teor alcoólico alto, assim nunca estaria só.

Acabei falando com Pac e marcamos uma balada, mas eu não tinha pique o suficiente nem para sair de casa, obrigada Zaguetti, você destruiu tudo!

Suspiro fundo e saio da minha cama, quase piso no meu gato que mia alto, pelo susto. Me fazendo dar um sorriso mínimo pois me faltavas forças nos músculos faciais para sorrir.

Um ano da minha vida jogado completamente no lixo.

Pego uma camiseta e a visto, junto de uma calça jeans aleatória, passo um pente no meu cabelo e visto um tênis, estou pronto pra socializar.

A última festa de verdade que fui foi a de Mariana, onde Zaguetti se embebedou até o talo e desmaiou, de tão louco.

Falando nisso, Phoenix conheceu um garoto de  Londrina e, bobo e apaixonado, se mudou pra lá.

Se eu nunca tivesse perdoado ninguém, isso nunca teria acontecido! Queria gritar aos quatro ventos o quanto minha infelicidade e ansiedade me devoravam e me derrotavam internamente.

Pego um perfume aleatório que ganhei de presente no meu aniversário e olho meu celular, onde Pac avisava que daqui cinco minutos estaria em minha casa.

Não sei que bruxaria Mari fez pra Linnyker liberar Tarik hoje, mas afinal, deu tudo certo, pelo visto.

MARI

-Sério, que tipo de ser humano você é? Ou você é um verme desprezível? Quer que eu espalhe a merda do seu segredo pros quatro cantos do mundo? Então libera a merda do seu marido que, pelo visto, NÃO é tua propriedade a sair comigo!- Eu levanto o tom,  me escorando na tortura psicológica pesada.

Eu tenho 28 anos, quase 29 nas costas! Mas com Mike, as coisas só darão certo se eu agir como um garoto de quinze num relacionamento abusivo.

Ele assente, eu me levanto com um olhar fuzilante e puxo Pac por sua camiseta social, o levando para seu quarto.

CELLBIT

Ele chegou, depois de meses sem ver ele! Desço as escadas do meu pequeno prédio e me deparo com minha antiga Porshe preta, que agora era pilotada pelo Luba.

-Oi gente!-Sorrio simpaticamente, recebendo sorrisos, olhares surpresos e coisas do gênero, como se eles não soubessem que eu viria aqui hoje.

-Cellbit cara, por onde tu andou?- Luba diz, surpreso pela minha mudança de comportamento e forma de agir.

-Ah sei lá, fazendo uns negócios, trampando ali, conhecendo um ou outro carinha ali. E vocês, pessoal?- Digo meio desinteressado em minha vida pessoal, não vejo questão de falar sobre ela.

-Fui preso em cativeiro!- Pac se pronuncia, revirando os olhos e arrancando risadas de “Eu ri, mas Deus disse que é errado”

-Espanquei Mikhael Linnyker- Mari diz, sorrindo e de mãos dadas a alguma garota que devo ter visto antes

-Dormi bastantão mano- Guaxa diz, finalmente dizendo algo realmente engraçado.

-Fui pedida em namoro-A garota diz, dando de ombros e sorrindo para Mari

-Sério? Por quem?!- Não que me interesse pela vida pessoal da garota, mas meu medo de que seja Felipe é enorme, quase que nem respiro.

-Pela pessoa mais linda desse mundo, ué!-Mari, como sempre narcisista, diz, sorrindo convencida.

-hahahaha engraçadona você, mas você conhece a Meredith da floricultura?- Me pronuncio forçando uma risada falsa, não sei por que me lembro dela, acho que são os traços marcantes ou... por ela se parecer com Flávia-E também, ela não é idosa- Lembro da idade de Mari e seus quase 29 anos, ela realmente não envelhece!

-Você me respeita, obrigada- O catarinense fala, ele tinha quase a mesma idade que Mari.

A organização desse carro está estranha, Luba está no volante, guaxi no passageiro, batista no colo de Pk,  Bel (se não me engano) sentada no colo de Mari e Tarik ao meu lado.

-Acho que seria mais fácil se o Pac sentasse no teu colo.- Pk fala algo que é uma verdade, Tarik me olha furtivamente e eu assinto, ele vem para meu colo trazendo um alivio em minhas pernas.

Suas coxas são bem grossas e bunda grande, o que ocupa muito espaço. Quando ele se senta me seguro para não levar minha mente a um mundo impuro e malicioso onde Pac é meu “sugar baby” e eu sou seu “daddy”.

*quebra de tempo*

Chegamos na balada e eu me espreguiço no banco, saindo do carro e dando de cara com uma boate cujo nome é Pink gayfest (Festa gay rosa) e adentramos o local, era escuro e felizmente, não tinha cheiro nem resquícios de vomito,  mas minha vontade de estar na minha casa era gigatemente maior do que a de estar aqui, com esse bando de gente que acha que sabe tudo sobre mim! Eu gosto deles, mas no que eu me afastei, eu me mudei mais do que nunca.

Tocava alguma música aleatória da Lady Gaga e logo percebo o quão sou diferente dos outros homos, Luba, Pac e Batista surtam ao ouvir o som que ecoa pelo grande estabelecimento que cheirava a bebidas e algodão doce.

*quebra de tempo*

Acabei me entregando pro funk da Gloria Groove que tocava, dançando junto ao Pac a uma mulher cantando “ela bate o bumbum de ouro”.

Pac rebolava ritmicamente, coisa que eu falhava miseravelmente, como sempre.

-Galera cola aqui- Febatista grita, puxando o pessoal pela mão, como se fosse quase uma corrente e eu seguro na mão de Pac.
Sua mão é quente e macia, eu gostava de sua textura.

PAC

Eu estava doido pra beijar o Rafael.
Eu não sei o por que, mas eu adoraria beijar ele, e é isso que eu vou fazer! Puxo Luba para mais perto de mim, ele é ótimo em arranjar pessoas.

-Lubisco, eu estou morrendo de vontade de dar uns beijo no Rafa, me ajuda!- Eu exclamo, talvez o teor alcoólico da bebida tenha afetado meu cérebro, mas isso não importa! Primeira vez numa festa sem o Linnyker por perto, então vou fazer o que quero fazer a muito tempo.

A culpa não é minha que ele fica muito gato em blusa xadrez e com uma bebida na mão! Loiro filho da puta, devolve meu coração!

-Safadoo- O catarinense fala arrastado, sorrindo malicioso- Deixa comigo! Galera, vamos brincar do desafio do beijo? A gente tá sentado aqui nessa mesa sem fazer nada!

-Bora!- Falam num coro, sorrindo. Tirando Mari e Bel, que devem estar transando em alguma cabine de banheiro feminino qualquer.

Nós começamos o desafio, a garrafa girou e caiu em Luba e Cellbit.

Luba se levantou e Cellbit também, por cima da mesa eles iniciaram um selinho lento, logo se transformando num beijo de língua, mas assim encerra.

-O T3ddy vai me matar!- Luba diz, escondendo sua cara entre suas mãos.

-O que o coração não vê os olhos não sentem!- pk erra a frase, de tão bêbado que ele deve estar!

A garrafa roda de novo, com aquele clima divertido, cai em Guaxi e Batista.

Eles dão um selinho tímido e demorado, mas logo se separam, Pk olha fuzilante para Guaxi que dá um sorriso, Pk não se aguenta e acaba sorrindo também.

Mesmo que eles não sejam um casal oficial, eu gosto do clima deles! Eu shippo TANTO! Um dia eu ainda vou ter alguém que me ame igual os três se amam.

CELLBIT

A garrafa gira novamente e cai em Tarik e Pk, o Tarik sorri tímido e parte para Pk, atacando sua boca delicadamente.

Eu sinto algo ruim me invadindo, acho que estão tramando algo! Eles se separam e Luba gira a garrafa de novo, sorrindo maliciosamente e com um olhar certamente duvidoso.

A garrafa cai em mim e em Tarik, o que eu mais queria! A gente se olha e vou até Pac, selando nossos lábios  ferozmente, ele retribui e cede a passagem sem eu nem pedir antes.

Minhas mãos acariciam sua cintura, suas mãos enrolam meus cabelos igual Felipe fazia e isso quase parte meu coração, mas a tesão e o desejo falam mais alto e quando menos percebo, meu membro já está duro e pelo visto, o dele também.

Eu aperto sua bunda com força e o mesmo desçe suas mãos até meu membro, o apertando de leve.

Entendo o recado e dou um selinho nele, encerrando o beijo.

-ahm... já voltamos!- Eles entendem e eu puxo Tarik para o banheiro,  entrando numa cabine minúscula.

É a primeira vez que seria o ativo, estava nervoso demais!

CALANGO
 

-Felps, cara!- Digo, chamando sua atenção. Ele estava aqui em casa, se desidratando de tanto choro-Você sabe que não fez nada de errado! Segue em frente mano, ou tenta falar com o rafa, não sei!- Exclamo, indignado com a capacidade de Felipe de ser um grande idiota quando necessário

-E você acha que ele vai querer me escutar? Depois de tudo isso? Depois de um ano! Não foi um dia Calango, eu já perdi minha chance- Diz com um tom de desesperança, seu olhar vazio invade minha alma com um inteiro nada.

Ele não sente nada... mas ele sente tudo! Ele não consegue perceber que ele tem que seguir em frente, minha vontade era gritar pro mundo o quanto eu queria ajudar Felps, mas Pk provavelmente me mataria!

Cell realmente tinha a mente fechada e não iria querer escutar ninguém além de Pac, mas Pac também não iria querer escutar ninguém além de... Bel?!

Sim, Bel! A namorada da Mariana, ela estava no casamento, eu lembro que ela disse que Tarik estava grávido! Saco meu celular pra fora e percebo que tenho seu contato, como? Eu não faço ideia!

Bel

                                                                                                               -Oi, preciso de sua ajuda...-02:14

FIM DE CHAT

Sei que não receberia a resposta instantaneamente, pois conforme felps, eles saíram para uma balada.

Ele sabia que rafa arranjaria alguém para beijar e isso o deixava com medo, ele só não quer admitir seu nervosismo perto de pessoas como eu! Por que eu assusto as pessoas?

-Calango...- Ele diz baixo, me fazendo olhar para ele- Obrigada por ter paciência comigo...- Ele sorri minimamente- Ninguém deveria me aturar, eu sou um completo lixo.

-Para Felps, não é verdade- Eu o puxo para um abraço apertado onde tento passar toda a minha parte boa para ele, mas sei que isso nunca daria certo.

AUTORA

Nada dava certo para felps, nada dava certo para Cellbit, mas ambos pensavam que tudo estava dando certo para o outro.

Cellbit tinha em sua mente que Felps agora tinha um filho e que estava melhor sem ele, mantinha contato com Flávia e, a mesma identicamente a ele em relação a Gabs.

Felps achava que tinha sido um monstro injustiçado, com seu coração completamente partido em mãos, sem saber o que fazer e querendo  Cell de volta, Gabriela pensava igual a ele em relação a Flávia.
 

Tudo era muito confuso na mansão linnyker, onde o amor era extinto.


Notas Finais


Espero que tenham gostado! <3
Hoje tem ask as 21:00!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...