História Casamento Forçado - BTS - Capítulo 22


Escrita por: e JeonKookita

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, G-Dragon
Personagens G-Dragon, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, Tao, V
Tags Bangtan Boys, Be Black, Exo, Namjoon, Rap Monster, Ztao
Visualizações 2.679
Palavras 1.764
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Hentai, Lemon, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Necrofilia, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Tá ai o 2° capítulo saiu atrasado mas saiu kkk
Obs: Para quem não sabe o cara a foto e o Zico ele é de um grupo; Block B é muito bom, recomendo

Capítulo 22 - Probleminhas


Fanfic / Fanfiction Casamento Forçado - BTS - Capítulo 22 - Probleminhas

         

                  S/N P.O.V


Fomos o caminho todo rindo, pelo que conheço de Namjoon, ele deve me levar num restaurante super, chique igual ao  que ele me levou antes do casamento. Passa-se alguns minutos e chegamos em um restaurante, sua frente tem um arco com flores brancas.


 Ele estacionou o carro e  nós descemos, caminhamos de mãos dadas até a entrada do restaurante. Nunca imaginei que ele me traria num lugar tão romantico assim. Confesso que não curto muita a onda romantismo, mas esse lugar é lindo, ele conseguiu me surpreender.


Chegando no hall do restaurante,  Namjoon pediu uma mesa mmis afastada, a moça da "recepção" nos levou até uma mesa perto de uma janela enorme, que mostrava Seul de dia. Os raios solares não adentrava no restaurante por conta do vidro ser escuro.


 Ele puxa a cadeira para mim e eu me sento, logo ele passa para o outro lado da mesa e senta a minha frente. Demos uma breve olhada no cardápio e pedimos a comida; enquanto esperavamos o pedido, ele ficava me olhando com um sorriso fofo. Eu que antes olhava a janela, passei a encará-lo.


- Aconteceu algo? - Pergunto.

 

- É a primeira vez que saímos para comer juntos. - Respondeu-me sorrindo, dando a visão de suas covinhas.


 - Mentira, nós já saímos juntos antes do casamento, lembra? - Disse e ele revirou os olhos.


- Quero dizer depois de nós passarmos a nos dar bem. - Falou simplista.


- Ah, claro. - Não demorou muito para o pedido chegar, o mesmo veio acompanhado à uma garrafa de vinho. 


-  Nós vamos beber a essa hora? - O encaro enquanto o garçom põe o pedido na mesa.

 
- Sim, qual é o problema? - Ele fala. -  Não vamos beber muito, só uma taça... Talvez duas. - Assinto.


Comemos e conversamos sobre a família de Namjoon,  ele falou que tem umas amigas próximas da família, filhas de amigas de sua mãe, que ele já ficou mas nada sério, e que uma de suas primas era louca por ele. Achei engraçado a sua confissão, sua sinceridade. Ele fala que não quer que haja segredos entre nós e que quando houver uma festa de família, que eu já saiba dessa tais mulheres e que não deixe elas me envenenar, apenas concordo.


 Perguntou também, sobre a minha infância, respondi que mais tarde contava sobre, porque se começasse não terminaria tão cedo. Mas contei como fui parar na Coreia, como meus pais coreanos "viraram" meus pais, contei da minha família lá no Brasil.


Enfim, o almoço foi ótimo, cheio de olhares carinhosos e toques dele, como na minha bochecha ou nas minhas mãos, estava adorando esse novo Namjoon.




                Algum tempo depois...



Já estávamos voltando para a empresa, durante o caminho, conversamos mais um pouco sobre músicas, dramas, gostos que tínhamos em comum, parecíamos namorados nos conhecendo ainda. Adentramos a empresa e subimos para meu andar, ele estava me levando para minha sala, quando Hoseok chega dando uma risada alta junto a  Jin, nós os olhamos.


- Conhece eles? - Perguntei falando baixinho para Namjoon.


- Não, e você? - Respondeu num tom brincalhão, balancei a cabeça negativamente e começamos a rir. Logo os meninos vieram até nos.


-  O seu almoço foi bom Nam? - Hoseok perguntou. -  Porque o nosso estava ótimo, tinha umas gatas no restaurante.


- O meu foi ótimo, não poderia ser melhor. -  Respondeu ao amigo, me olhando de relance, dei uma risada nasal.


- Que fofo. - Hoseok fala com uma voz fina, Namjoon solta um "é gay assumido". Hoseok arqueia a sobrancelha, tentando demonstrar estar sério, mas logo os dois caem na risada, sorri também. Jin observava tudo aquilo com uma expressão séria. 


- Está tudo bem, Jin? Parece sério. - Pergunto.


 - Estou... Estaria melhor se Hope não tivesse marcado de sair hoje com uma daquelas garotas, só para poder pegar a amiga. - Diz bufando e revirando os olhos, dou risada junto dos meninos.


- Está triste porque arrumou um encontro? - Namjoon fala tirando sarro. - Nunca pensei isso de você. - Sorriu. -  Você não era assim.


- É que eu estou interessado em uma outra mulher... Mas talvez ela nunca irá gostar de mim. - Jin fala. - Mas mudando de assunto, o Zico te atormentou muito... Não o dê importância, ele quer ser sempre o garanhão, fica paquerando todas as mulheres que vê. - Lembro do episódio passado.


- O que o Zico fez? - Namjoon pergunta.


- Ah, quando fui na sua sala ele apareceu e começou  a meppaquerar  e quando eu disse que era casada ele perguntou se meu marido estava dando conta, foi quando o Jin chegou e ele descobriu que você era meu marido,  quase desmaiou.  -  Digo rindo.


 - Ele perguntou o que? - Namjoon pergunta sério.


 - Calma, eu ainda brinquei falando que direcionaria sua pergunta a você. - Digo o encarando.

 
- Ok, vou indo, tenho que resolver um probleminha. - Namjoon me puxa rapidamente pela cintura, colando nossos corpos e me dando um beijo de tirar o fôlego. Na frente de todos que estavam presentes, que claro, ficaram boquiabertos.

 
        Ele passa no corredor e todas as pessoas que viram o beijo abaixaram a cabeça e voltaram a fazer suas funções.


- Uau, acho que alguém ficou com ciúmes. - Hoseok fala.


- Também já vou. - Jin fala ainda sério. -  Tchau Hoseok, tchau S/A.


 - Tchau.  - Respondemos.


 - Também já vou, tchau. - Hope manda um "beijo voador", passou por uma garota piscando para ela, balanço a cabeça negativamente e entro na minha sala rindo, fecho a porta e fico paralisada quando vejo...



                     Namjoon P.O.V



 Só me faltava essa, como se não bastasse esse caras ficarem babando na S/N, agora vão  falar  que eu não dou conta da minha mulher.  Subo e mando Suzi chamar o Zico até minha sala. Ele bate na porta, mando ele entrar, ele entra pálido, parece que já sabe sobre o que se trata, ele fecha a porta e se senta a minha frente. 



- Então, qual era a dúvida? - Pergunto.



  - D-Duvida, qual dúvida? - Ele me encara enquanto eu estou encostado em minha cadeira o encarando sério, ele estava quase tremendo.

 
- Você não foi perguntar para minha mulher se eu dava conta!? - Digo - Então por que não veio perguntar diretamente a mim, se era essa a sua dúvida? - Digo apoiando os meus cotovelos sobre a mesa e ele arregala os olhos.


- Perdão Sr.Kim e-eu não sabia que ela era sua mulher. - Ele fala gaguejando. -  Eu vi uma moça linda igual ela perdida, procurando uma pessoa, foi quando eu fui falar com ela. - Ele explica.


- Ela estava procurando você? - Pergunto ficando reto na cadeira.


 
        - Não. 



- Então se ela não estava atrás de você, não tinha motivos para ir fala com ela. - Digo. -  Muito menos paquerar ela mesmo depois dela ter falado que era casada.


- Achei que ela tava blefando.


- Zico, muitas funcionárias de vários andares reclamam de você. - Digo. -  Nunca te demiti porque você é um ótimo funcionário e nunca vi você fazendo nada que deixasse as mulheres de alguma forma constrangidas, sabia que elas aceitavam suas cantadas e depois de uma noite você nem na cara delas olhava, elas vinham reclamar... Mas você paquera minha mulher, mesmo ela se esquivando de você, é demais.


- Por favor, não me demita senhor, por favor. -  Ele implora.


 - Não vou te demitir... Mas não quero ver você paquerar nenhuma mulher dentro da empresa, se gosta de alguma, espera sair para dar em cima dela e sobre a S/N, não quero que você dirija uma palavra a ela, já tenho problema demais para ter que cuidar de você. - Digo e ele suspira aliviado. -  Pode ir.


- Eu imagino, com uma mulher linda e gostosa daquelas, deve chamar muita atenção. -  Ele fala, eu o encaro novamente, ele se levanta rápido e sai da sala.


- Mas é cada coisa, ainda vem falar isso na minha cara. -  Dou uma risada irônica e volto a pesquisar a ficha de Tao, que estava vendo mais cedo antes do almoço.  Falando no almoço, foi tão bom saber mais sobre como ela veio para cá, a cada dia gosto mas dela. 


Sobre tao descobri que seu nome é ZTao, mas todos o chama de Tao, tem 24 anos, sua família é dona de uma empresa muito respeitada na China e que ele é aquele tipo filho problema, que vive dando trabalho para os pais, têm algumas passagens pela polícia como roubo, desacato, drogas e tentativa de estupro.


 - Ele já tentou estuprar uma mulher, é mais perigoso do que eu imaginava. -  Penso, leio mais um pouco e vejo que a garota que ele tentou estuprar era uma antiga secretária do seu pai, a moça tinha 18 anos e se chamava Yumi, era uma japonesa.  Imprimo a ficha da garota com endereço e telefone vou atrás dessa garota. Ela chegou a processar ele mas perdeu, parece que do nada a garota desistiu do processo.


- Que estranho. - Digo pra mim mesmo, vejo a porta abrir e a Suzi entra.


- Senhor, vim avisar da reunião, já irá começar. - Ela fala, eu tinha me esquecido dessa reunião.


- Sim, já vou. - Digo fechando uma pasta com a ficha da moça e desligando o computador. -  Me levanto e antes de sair Suzi fala.

 
- Senhor... O senhor gosta muito da sua mulher? 


- Claro, - Falo. -  Por que a pergunta? 


- Ah, sei lá... Talvez eu posso te oferecer coisas que ela nunca irá te dar. - Ela diz pegando em minha gravata e puxando.

 
- SUZI! - Grito e ela se recompõe. - 1. Não há nada que você possa me dar que ela não tenha, me dando muito melhor que você.

 
- 2. Você não chega aos pés dela, se eu fosse trair minha mulher com alguém nunca seria com uma mulher oferecida e vagabunda como você.

 
- 3. Eu não te dou liberdade para falar assim comigo e nem agir assim, muito menos falar da S/N. - Digo. -  Estamos entendidos? 


- Sim , desculpa senhor. - Ela fala e eu saio da sala para reunião. Parece que todos os problemas vêm junto sempre, percebi os olhares dela, mas ela nunca tentou nada, agora que eu tô me entendendo com a S/N, ela quer vir dar em cima de mim .


- Me dá paciência. - Digo para mim enquanto entro no elevador.
                              

 


Notas Finais


Se vocês quiserem podem me dar dicas ou falarem o que achando a fic hoje à noite talvez tenha outro mas não to dando certeza 💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...