História Casamento forçado - reescrevendo - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Saint Seiya
Personagens Personagens Originais
Tags Camus E Milo, Camus X Milo, Casamento-forcado, Milo E Camus, Milo X Camus, Reinos, Yaoi
Visualizações 67
Palavras 1.546
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, LGBT, Poesias, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Obrigada :
AngelicaCF
yeahorat
Xurumelo
allannaja
VenenoEncarnado
SonRita

Por favoritarem , isso me deixou muito feliz mesmo 😁😁 obrigada venenoEncarnado por comentar 😊

Beijos 🖤 vou atualizar mais cedo hoje

Atualização - todos os dias ( se possível )

Capítulo 2 - Nem tudo é o que parece


Perigo 

O grego desceu as escadas tranquilamente mas logo no final da escadaria revirou os olhos as irmãs de Camus se encontravam ali o esperando menos a morena Raquel que estava ajudando o pai com os documentos do país

- Boa noite princesas ( passou por elas e foi em direção ao seu quarto , porém teve a brilhante ideia de ir atrás de Manigold que devia está do lado de fora do castelo ) 

Saiu para fora desceu as escadas da entrada olhando para os lados onde a grama era bem verde seguiu a trilha de pedra que havia do lado esquerdo que levava direto para um jardim lindo cheio de árvores e foi onde viu uma sombra na parte mais acima onde havia uma escada de 7 degraus , subiu e foi onde encontrou Manigold beijando Albafica o prensando na parede então limpou a garganta fazendo Manigold o encarar 

- Acho que devia pedir a mão dele primeiro meu caro general ( disse sorrindo ) 

- Meu caro irmão ( sorriu apenas ele tinha essa intimidade com o rei ) Albafica é tudo que eu poderia querer nessa vida e me atrapalhou no melhor momento 

Albafica estava agora com os cabelos soltos meio bagunçado e o zíper do vestido aberto na parte de trás o menor continuava com a cabeça baixa , foi então que Manigold levantou seu rosto delicadamente 

- Albafica você vai explodir se ficar mais vermelho que isso ( Manigold sorriu docemente )

- E.......e.......eu acho que é melhor eu entrar ( Albafica )

- não precisa se envergonhar alteza vocês estavam fazendo algo normal ( Milo disse ) agora vamos para dentro por que está ficando frio aqui 

Albafica andava sendo abraçado por trás pelo general que conversava alegremente com o outro rei quando ouviu um barulho estranho vindo da parte interior do jardim onde sua mãe costumava ficar continuou andando porém ouviu novamente e parou de caminhar chamando a atenção de ambos os dois 

- o que foi Alba ? ( Perguntou Manigold ) 

- Vocês não ouviram isso ? ( Perguntou )

- Isso o que ? Eu não ouvi nada ( Milo )

Foi então que Albafica escutou novamente, essa voz doce e baixa era de Camus pedindo ajuda 

- CAMUS 

Saiu correndo sendo acompanhado pelo outros dois , a cena que Milo encontrou fez seu sangue ferver e com mais raiva ainda agarrar o maior que estava por cima do caçula 

 

Algum tempo atrás

 

Milo tinha acabado descer deixando Camus no quarto este que após limpar sua boca retirou aquele vestido e colocou um roupão branco de algodão até os joelhos e amarrou os cabelos em uma liga alta 

Saiu pela sacada de seu quarto indo em direção ao jardim que sua mãe sempre ia , sentou em um balanço de madeira bem trabalhado , começou a se balançar sentindo a brisa do vento frio que batia em seu rosto a liga que prendia seus cabelos havia se quebrado pela quantidade de cabelo e agora estavam soltos voando então começou a se lembrar do poema que a mãe fez para si : 

ninguém é pra sempre meu pequeno , você é um dia vai crescer e eu não vou está mais aqui , queria muito te ver crescer te ver feliz , seu casamento , sua primeira vez , seu primeiro amor , queria está aqui para ver tudo isso , infelizmente a mamãe vai partir mais cedo que o esperado . Querido a mamãe te ama demais você é novinho ainda , porém deve se preparar para o que vai vim pela frente , meu bravo guerreiro ! 

 

Camus já chorava lembrando da mãe que faleceu quando ele tinha apenas 6 anos de idade , sempre foi maltratado pelas irmãs o único seguro era os empregados e Albafica que sempre cuidava de si .......... Abriu os olhos ao sentir um peso ao seu lado , olhou e viu quem era , era Radamanthys um empregado que o viu crescer 

- Olá Radamanthys ! 

- Alteza , por que choras crianças ? 

- não me chame assim Radamanthys não sou mais criança 

Radamanthys colocou a mão no rosto do menor 

- me lembro como se fosse hoje sua mãe caminhando pelo jardim com você nos braços 

O loiro foi descendo a mão e isso estava encomodava Camus 

- você sempre foi uma criança fria , porém muito bonita não é à toa que sempre o desejei muito 

- Do que está falando Radamanthys 

Camus disse horrorizado o homem que te viu crescer dizer essas palavras , assim que sentiu a mão do mais velho em sua coxa se levantou 

- não diga mais isso Radamanthys sabeis que o que acaba de dizer é uma coisa inaceitável , você me viu crescer 

Radamanthys segurou Camus o jogando contra o gramado 

- sim eu vi crescer profissionalmente falando , mas não vou negar que você se tornou muito desejado a partir de seus 14 anos 

Beijou o pescoço do francês 

- Me solta , me solta , socorro ( gritava ) 

- Ninguém vai te ouvir criança todos estão no andar de baixo do palácio e essas paredes são grossas não emitem som algum , então apenas relaxe garoto , eu darei um belo trato em você porém não se preocupe querido quando acordar não estarei mais aqui 

Assim abriu o roupão do azulado expondo sua pele coberta apenas por uma cueca boxer 

- você é lindo demais garoto 

Camus continuava pedindo ajuda estava sentido náuseas ao sentir aquele velho em cima de si prestes a lhe tirar a pureza , Camus gritou mais uma vez e desistindo fechou os olhos escorrendo lágrimas esperando pelo pior , porém o que sentiu foi o peso sair de cima de si , abriu os olhos e viu seu futuro esposo no chão brigando com Radamanthys 

Albafica ajudou a Camus a se levantar , ficou desesperado ao ver a cena ali , todos do palácio já haviam descido tanto as irmãs de Camus como o pai 

- que homem é esse ? ( Shina )

Os dois brigavam Radamanthys estava muito machucado enquanto Milo tinha apenas a boca sangrando , mas foi surpreendido com um mata leão estava sentindo o ar se esvair , Manigold não podia interferir e não deixou ninguém interferi sabia como Milo amava uma luta e nunca a perderia , Milo estava sem ar no chão com o outro por baixo de si , então viu a coroa ao seu lado e com esforço a pegou fincando a ponta da coroa na garganta do outro bem no fundo acertando sua artéria 

Milo se levantou agora sim estava machucado suas roupas completamente sujas de terra e sangue e a coroa em sua mão direita escorrendo sangue , encarou Camus que estava assustado e assim que notou o olhar do outro sobre si fechou o roupão 

- acho que ele não vai mais tocar em você 

- Obrigado , por favor deixe eu limpar isso 

Camus segurou a mão de Milo e o guiou até seu quarto onde ajudou a tirar aquele sangue todo e lhe entregou um roupão para vestir , Camus estava sentado no meio de sua cama sentado limpando a coroa quando Milo sentou sobre o colchão 

- Obrigado por te me defendido ( Camus disse ainda limpando a coroa )

- Só fiz meu dever , não deixaria aquele asqueroso tocar no que me pertence ( disse )

Camus terminou de limpar a coroa e encarou o maior em sua frente 

- Isso lhe pertence ( mostrou a coroa ) eu não lhe pertenço , toma sua coroa ( jogou de qualquer jeito nas mãos do rei 

- Camus por que não me dar uma chance ? 

- por que eu não lhe amo , eu não quero nada com você entendeu nada 

 

- Cansei ! Boa noite Magestade tenha uma ótima noite por que amanhã bem cedo partiremos 

Saiu do quarto batendo a porta e logo em seguida Albafica entra pela mesma 

- Olá , quer conversar ? ( Perguntou )

- quero sim 

Albafica se encostou na cabeceira da cama e em seguida Camus deitou em seu colo brincando com sua mão em cima da barriga 

- Então está preparado para amanhã ? 

- Não alba , eu realmente não quero ir com ele 

- isso é pelo reino Camus não podemos fazer nada 

- Sabe seria muito bom se algo desce errado e ele quisesse se separar de mim 

- o que você vai fazer Camus olhe lá suas atitudes 

- Vou dar um pouco de trabalho apenas isso 

- não brinque com fogo querido você pode se queimar 

- desde que ele seja incinerado eu aceito me queimar 

- você não tem jeito , seu cabeça de bagre 

No andar de baixo do palácio 

 

- Magestade desculpe interromper mais por que matou aquele homem ? ( Holanda )

- ele iria violentar seu irmão ( respondeu simples )

- ele foi violentado ? 

- vou repetir , ele iria ser violentado , avise suas irmãs para se despedir por que amanhã não irão ver seu irmão até o dia do casamento 

- não entendo por que ele , não entendi mesmo 

 


Notas Finais


Eu sei que ficou péssimo, ruim , chato , mas fazer o que né o capítulo foi todo no improviso eu queria escrever um pouco sabe


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...