História Casamento Forçado - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Avenged Sevenfold
Personagens Johnny Christ, M. Shadows, Personagens Originais, Synyster Gates, The Rev, Zacky Vengeance
Tags Brigas, Essa Fic De Novo, Morte, Por Que Sim, Syn
Visualizações 9
Palavras 2.749
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Esse cap. Diferente de antigamente foi modificado pois ele era muito pequeno. Enfim boa leitura.

Capítulo 2 - Vítima


Fanfic / Fanfiction Casamento Forçado - Capítulo 2 - Vítima

POV's NICOLE

 

    Passei meus dedos pela penteadeira puxando o pequeno pente prata e comecei a pentear meus cabelos enquanto me encarava no espelho e pensava em como escapar desse martírio, eu pensava mil coisas, mil maneiras, porém todas inúteis, me sentia uma completa idiota, estava envergonhada de mim mesma, como fui deixar as coisas chegarem a esse ponto, em um dia você ter sua vida mais ou menos como você gosta, tudo sobre o seu controle e de repente tudo isso se perder por uma escolha errada vindo de sua parte. Sim a essa altura eu já tinha em minha mente que se aquilo tudo iria acontecer era por minha culpa, por que eu aceitei, fui uma grande covarde e nao soube impor minhas vontades, me deixei ser usada como um mero objeto inútil, sendo que eu podia ter muito bem dado o meu grito e saído disso o mais rápido e ido viver a vida lá fora que sempre quis, mas como sempre não passava de uma mera menininha covarde, medrosa, sim tive medo de nao saber o que fazer lá fora, claro desde quando nasci sigo a risca minha vida como mamãe quer, ela escolhia por mim, que cheguei a um ponto de não ter mais opinião própria, eu era uma completa retardada agora.

 

     As palavras daquele idiota ainda pairavam por minha cabeça, "Você não vai ser feliz comigo”. Mas era óbvio que não mesmo, eu não o amo não sinto nenhum sentimento por ele,e nem que se não fosse obrigada eu não gostaria desse sujeito abusado. Desde que o conheci nutri dentro de mim sentimentos de misto de ódio medo e repulsa, ele pode ser bonito como fosse, mas era um grande idiota, um babaca por sinal o que o estraga por completo, aqueles sujeitos arrogantes que se acha melhor que todo mundo e que só por sua beleza acha que pode ter a mulher que queria, afinal mamãe disse que ele era famoso e eu definitivamente não o conheço de lugar algum, para mim não passa de um qualquer. Porém por mais de todos esses meus sentimentos ruins outra coisa que nao saia de minha cabeça era seu rosto, ele era sem igual, único, não podia negar, já que estava preparando para a bosta pelo menos eu teria um marido bonito. Mas quando me peguei tendo esses pensamentos idiotas dei um jeito de me recompor e me ajeitar no banco voltando a me encarar no espelho, aquele pensamento havia sido estúpido demais, onde já se viu um cara idiota como aquele.

   

Apenas bufei meio rabugenta.

 

Fiz cara de ódio continuando o que fazia penteava meus cabelos calmamente ainda tendo brigas internas com meu subconsciente que ainda insistia em suspirar com o rosto de Brian, dei graças ao meu bom Deus quando meu celular tocar.Sorri animada me levantando e correndo até minha cama onde o mesmo se encontrava jogado, antes mesmo de pegá lo vi em seu visor o nome que chamava, porém o único que me ligava, mas era o que mais me deixava feliz. Jullyene, minha melhor e única amiga.

 

    Apesar de dizer antes que quando regurgitei a opção de fugir sem olhar para trás, mas que não tinha amigos, não era totalmente verdade, eu até tinha uma amiga, única aliás. Jully eu a conheci desde de pequena crescemos juntas aqui pelos corredores de minha casa, não que mamãe deixasse crianças entrarem aqui para brincarem comigo, pelo contraria ela jamais permitiria tal coisa, porém Jully era filha da nossa governanta que por trabalhar em tempo integral tiveram que morar aqui com a gente em uma casa de fundos, assim criei um vinculo muito grande com Jully, desde então não nos desgrudamos mais, mas quando Jully e eu fizemos 16 anos sua mãe se aposentou e comprou uma casinha no baixo mais pobre da cidade e se mudaram para longe, fiquei desesperada, quase entrei em depressão com sua partida, porém com tamanha tristeza consegui fazer mamãe me dar um telefone celular para eu poder entrar em contato com ela, vencida pelo cansaço mamãe resolveu me dar o aparelho, jully ainda vinha aqui de vez em quando porém ela não vinha mais no último ano, havia se formado na escola e estava procurando serviço, a passagem ônibus de sua casa até a minha era muito cara, e sua mãe sozinha já não sustentava a casa mais.

 

     Jully era para mim como uma irmã, me ajudava em absolutamente tudo era meu anjo da guarda, ela era uma garota normal loira olhos verdes magra alta e muito vaidosa, porém uma menina muito mais digamos que ousada do que eu, porem a melhor amiga que poderia existir, sempre me trazia coisas novas, tentava me apresentar garotos nas poucas vezes que me ajudava a fugir de casa para darmos uma volta pela cidade sem que mamãe percebesse, porém sem sucesso pois eu nunca tive coragem de dar um passo a mais com meninos se é que me entendem nada mais do que meras beijocas, mas mesmo assim me divertia,eu jamais imaginaria coisas ruim vindo dela, ela era perfeita, diferente de mim.

 

    Sem pensar muito, atendi o telefone já escutando sua voz agitada e eufórica de sempre, sorri minimamente.

  

     _Oi Jullyl!Falei meio desanimada.

 

 

      _ Ixi que voz já é essa Nic? Eu te liguei para saber que loucura de casamento é essa?Jully questionou afobada, a que em outra ocasião me faria rir.

 

    Me senti meio envergonhada de conversar com ela sobre isso, pois em sua posição de minha melhor amiga Jully sabia exatamente tudo sobre mim, então já desconfiava que algo de estranho estava acontecendo, porque nunca me dei muito bem com homens como ele imagina agora sem mais nem menos me apareço casando.

 

     Suspirei pesadamente me sentando sobre a cama macia olhando para meu espelho na parede da frente.

 

    _Então mamãe já avisou?Questionei cabisbaixa mexendo em minha franja.

 

 

 

    _Sim, ela mandou convite e tudo, que isso mulher vai mesmo se casar?E com quem?Ficou surpresa e mais do que isto curiosa. _ Você está estranha, sumiu nao me conta mais as coisas, como pode esconder isso de sua melhor amiga?Nao gosta mais de mim?-Fala de modo manhoso provavelmente fazendo biquinho me fazendo sorrir de canto.

 

 

 

      _Eu preciso conversar com você pessoalmente amiga, preciso da sua ajuda, está acontecendo coisas ruins aqui em casa e eu preciso te contar, mas não há mais tempo! Respondi engolindo alguns soluços.

 

       Eu nao podia ir contando assim de qualquer jeito, conheço como Jully é, viria aqui em casa correndo querer me ajudar a fugir, mas eu não podia, queria sim desabafar, mas essa não era a hora, deixaria para conversar com ela no dia do casamento mesmo sabendo que ela ficaria muito pita da vida comigo.

 

_Nicole o que está acontecendo aí na sua casa?Ela quase gritou muito preocupada por sinal, suspirei fechando os olhos por um instante.

 

 

 

       Pensei um pouco em que falar, mas nada surgia por minha boca, mordi o lábio um pouco aflita, eu tinha que contar não podia guardar mais isso comigo estava me matando e ela era minha melhor amiga, sei que ela me apoiaria e jamais me abandonaria, abri meus olhos novamente me levantando e quando me preparei para lhe contar tudo escutei batidas leves na porta,suspirei pesado encarando a mesma se abrir e revelar mamãe já com suas vestes de dormir,me espantei encarando o embrulho que ela tinha em mãos,arqueei uma sobrancelha.

 

 

 

      _Jully,vou ter que desligar nos falamos amanhã!Desconversei rapidamente desligando após escutar xingos de Jully esbravejando não saber o que estava acontecendo, ela odiava quando eu fazia isso.

 

 

 

     Olhei para a tela por uns segundos vendo a chamada sendo terminada e logo joguei o aparelho para o meio do enorme coxão o fazendo bater algumas vezes até parar perto do meu travesseiro. Encarei mamãe que  entrou e parou na minha frente com o largo sorriso estampado no rosto pálido sem a devida maquiagem. Vindo dela não seria coisa boa, ou seria ela vir se vangloriar desse maldito casamento novamente.

 

    Ela parecia realmente feliz com isso.

 

     _O que isso mãe?Questionei confusa me referindo ao embrulho em suas mãos o que fez a mesma se aproximar mais um pouco.

 

 

 

    _ Isto minha querida?Ela me entregou o embrulho assim o peguei meio receosa. _O motorista do seu noivo mandou, disse que é presente do Brian, viu como é gentil?Sorriu maliciosa. -E você o menosprezado. Te falei que havia feito a escolha certa minha filha. 

 

    Mamãe se sentou em minha cama depositando o presente ao seu lado me olhando animada o que me fez rolar os olhos. Pegou novamente o embrulho e o esticou o colocando em.minhas mãos olhei para aqui um pouco insegura. Afinal o que ele queria com aquilo? Se disse estava se casando comigo obrigado também, o que ele ganhará com esse casamento? E por que me daria um presente? Estaria ele debochando da.minha cara? E por qual motivo? Se passava em.minha cabeça tanta coisa que me fez sentir raiva dele novamente aquele metido, aquele… aquele… Descarado. Eu não sabia nada sobre ele só tinha minha primeira impressão sobre ele formada o que não era nada boa.

 

 

 

   Sai de meus devaneios e no mesmo instante soltei aquilo a fitando chateada, o embruñho caiu no chão bagunçando um pouco. Aposto que está sendo obrigado a mandar isso pelo pai. Ou mamãe pediu do jeito que é, mas eu não iria aceitar aquilo, eu não sou aquilo que ele disse que eu era e eu iria provar ao contrário.Cruzei os braços e mamãe me fitou confusa.Tratando de pegar o presente rapidamente do chão e o ajeitando.

 

 

    _ Não quero!Esbravejei caminhando pelo quarto para longe dela.

 

    Mamãe se levantou me encarando raivosa, se ela gostou tanto do presente porque nao ficou com ele.

 

     _Que isso Nicole?Você nem ao menos abriu!Tome pega logo, isto é o que você merece e muito mais! Veio caminhando em passos firmes até mim entregou-me novamente com um tom arrogante.

 

 

 

A contra gosto peguei aquele maldito pacote, eu não queria aceitar nada vindo daquele imbecil tatuado,encarei mamãe que mantinha os olhos fixos e brilhantes sobre o embrulho como se o comesse com os olhos,aos poucos o abri revelando uma caixa de veludo e quando a abri vi um colar de ouro branco com uma pedra de rubi,mamãe abriu a boca em um perfeito "O",fiz cara de raiva como ele ousa me mandar isso? O que ele acha que eu sou?

 

    Brian era um rapaz totalmente do que eu estava acostumada, ele era rebelde, se era mesmo famoso como mamãe disse deve ser algum tipo de cantor de rock digo pelas vestes, coisa que só tinha visto pela internet, e se ele era isso mesmo que eu estava imaginando não fazia sentido esse colar, ele não fazia o estilo de homem romântico ainda mais com uma mulher que ele mesmo disse que não fazia o seu tipo, então aquilo tinha apenas uma finalidade, debochar  de mim.

 

     _Isto é lindo filha, e é sinal de que você encantou o rapaz!Conseguimos filha!Ela vangloriou tomando-o de minha mão, rolei os olhos e vi um papel caindo.

 

    Mamãe olhava aquela joia como se fosse a coisa mais perfeita que já havia visto, talvez pensando se Brian havia dinheiro para me dar aquilo talvez houvesse muito mais de onde veio aquilo, seu peito estufou soltando uma leve gargalhada.Franzi o cenho e me agachei para pegar o mesmo embrulho que a joia vira enquanto mamãe babava na joia que eu devolveria assim que o visse junto de um belo tapa.  Ali dentro ainda havia uma coisa, ao que me parecia um bilhete, peguei e desdobrei ao que parecia ser de Brian obviamente meio relutante o peguei para ler.

 

 

 

     "Está aí um pouco do que quer, pelo menos o use"

 

 

 

    Sim era daquele idiota, fiz minha melhor cara de ódio amassando aquilo como se estivesse estilhaçando seu coração com as pontas de minhas unhas e o joguei pela janela se perdendo ao vento. Corri e me sentei em minha cama suspirando pesado ainda chateada com aquela situação.

 

 

 

    _Saia daqui mamãe e leve isso com a senhora!Ordenei segurando as lágrimas de raiva apontando para a porta.

 

 

    _Que modos são estes Nicole!Mamãe me encarou surpresa.

 

 

 

     _SAI MÃE!Berrei apontando novamente para a porta o que a fez me olhar com receio, fechei os olhos ofegante.

 

 

 

     _ Quanta grosseria!Resmungou se retirando enquanto se vangloriava sobre a peça que carregava.

 

 

 

     Joguei-me para trás na cama imaginando a cara daquele idiota rindo de mim,ele que é um filhinho de papai mimado eu estou realmente perdida não posso me casar com ele,mas também não quero ter o menosprezo de meus pais, pois sei que se eu rejeitasse esse casamento as coisas seriam piores do que agora, que grande merda,fechei fortemente meus olhos os oprimindo até sair algumas lágrimas. Peguei meu travesseiro e o coloquei contra o rosto soltando o grito mais alto que pude sendo abafado pelo mesmo que se molhava com minhas lágrimas.

 

     Quanto menos percebi acabei adormecendo.

 

      Era melhor dormir mesmo pois no dia seguinte seria o jantar de noivado,sim meus pais queriam tudo o mais rápido possível para poder já fazer a comunhão de bens, achava aquilo tudo ridículo e toda essa  ganância me enjoava, não queria nem saber disso.

 

                      (...)

 

Na manhã seguinte fui desperta cedo para me arrumar e novamente mamãe me veio com aquelas roupas exageradamente grandes e luxuosas, e a cada minuto que passava me sentia mais perto de cair em um abismo.Eu estava com certo medo tinha muita gente ali não sei o que poderia acontecer tinha até a imprensa o que eu achei exagerado e para completar tinha um bando de adolescentes gritando no portão o que me deixou ainda mais confusa e aflita,eu queria era realmente fugir,mas daí eu estaria sendo uma covarde. Então resolvi enfrentar.

 

     Me olhava no espelho ajeitando algumas coisas que ainda me incomodava quando fui despertada de meus pensamento com alguém entrando, olhei para trás assustada.

 

     _ Observando aquela farsa?Escutei sua voz insuportável atrás de mim me deu nojo.

 

 Virei-me chateada e o encarei fria,mas não posso mentir que ele estava elegante de terno e gravata social. Soltei um suspiro baixo o olhando de cabeça aos pés, e meu Deus o que aquele homem tinha de lindo tinha de insuportável, se ele já é assim agora imagina na hora que eu o conhecer de verdade.

 

 

 

    _Pois é!Dei passos a frente.-Estou vendo como gente como você são exagerados!Parei a sua frente mesquinha e ele gargalhou.

 

    O olhei no fundos dos seus olhos castanhos tentando decifrar alguma coisa porém era tão vagos e vazios que não transmitia nenhuma mensagem apenas calafrios.

 

   _Como eu?Poupe-me fedelha,olha só para você!Brian veio até mim me puxando forte pelo braço até a frente do espelho,me assustei um pouco segurando as lágrimas,ele me chacoalhou.

 

    Malditos sejam meus olhos que me entregam quando mais precisam que sejam fortes, eu não podia demonstrar fraqueza para ele agora de começo por que se nao ele faria o que queria comigo ao passar dos tempos porém era difícil me controlar quando o mesmo era extremamente dominador e manipulador.

 

     _Está vendo aqui quem é o exagerado!Falou incrédulo.

 

 Sim,realmente mamãe exagerou,mas a culpa não era minha,comecei a chorar assustada. Pelo reflexo do espelho via Brian atrás de mim com os olhos em chamas e um sorriso maldoso nos lábios, em pouco tempo que o conheço não entendia o porque dele me tratar assim, se ele realmente estava sendo obrigado pelo pai assim como eu ou se ele faz parte do contrato e vai se beneficiar com alguma coisa, ai eu ja nao sabia, isso me deixa confusa .

 

 

 

     _Me solta!O empurre para trás entre soluços.

 

 

 

      _ Para de se fingir de sonsa e vamos logo para acabar com esse castigo logo!Me jogou contra a cama saindo dali batendo a porta sem nem mesmo olhar para trás para ver aonde eu havia caído.

 

 

 

    Voltei a chorar o Máximo que pude,como vou suportar isso?Brian era uma pessoa maldosa, de tudo que eu imaginei para esse casamento estava sendo tudo mil vezes pior, eu me casaria com um homem bruto e grotesco, que faria de minha vida um inferno sem nem mesmo me contar o motivo, visto que das duas conversa que tivemos, nem sei se pode ser chamado de conversa, Brian se mostrou disposto a se tornar essa nova relação a pior que poderia ser e que ele era um tipo de homem que não tinha conversa, meu Deus aonde eu fui me meter.

 

  Continua...


Notas Finais


Ate o proximo gatas.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...