História Casamento Forçado 2.0 - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Shadowhunters
Visualizações 112
Palavras 1.180
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 7 - Capítulo Dois.


Fanfic / Fanfiction Casamento Forçado 2.0 - Capítulo 7 - Capítulo Dois.

Clary Morgenstern


- Eu não acredito que aquele filho da puta foi capaz de fazer isso com você. - a Emma diz com a raiva evidente em sua voz. - Caramba Clary, ele é seu pai. Como teve coragem de fazer isso? E a Jocelyn? Ela está de acordo com essa merda?

- Aparentimete sim. - falo e vejo o exato momento em que suas feições de raiva mudam para de compaixão. -

- Eu sinto tanto amiga. - Diz se aproximando e me abraçando. - O que você pretende fazer? Você não irá se casar não é?

- Eu não tenho escolha Emma. - Digo e ela rompe o abraço me olhando espantada.

- É claro que tem outra escolha! Você pode simplesmente dizer que não irá casar-se com um estranho e não privar a si mesma de ser feliz quando encontrar o seu verdadeiro amor. - Ela diz com uma certa raiva. De mim.

- Eu não posso fazer isso Emma. - Ela me olha erguendo a sobrancelha. - Se eu disser isso a Máfia pode...

- Que matem o Valentim. - ela diz me cortando. - Ele não teve consideração por você e você deveria simplesmente retribuir o favor.

- O Valentim mal ou bom não deixa de ser meu pai, e eu não nunca me perdoaria se ele morresse por minha causa. - Digo e antes que ela fale alguma coisa prossigo. - E não é só meu pai que irá pagar com a vida por causa da dívida. É toda a minha família.

Ela fica chocada e seu feição suaviza quando ela se dar conta de que eu estou certa e que não existe outra saída a não ser casar.

- Não esperava que você fosse me apoiar nessa loucura. - Falei olhando nos seus olhos. - Mas eu precisava desabafar com alguém de confiança.

- Eu sei amiga. - ela falou me abraçando. - Eu estou aqui com você, sempre vou estar. Não concordo com você, mas entendo porque está fazendo isso. Desculpa. - fala indo para sua cozinha e volta de lá com uma garrafa de vinho e duas taças. - Precisamos de álcool. - Diz me entregando uma taça e derramando o líquido doce na mesma. Bebemos uma, dois, três taças e só ai voltamos a tocar no assunto casamento.

- Quando você irá conheçer o homem que sera seu marido? - Ela pergunta e eu suspiro lembrando que essa possívelmente seja a decisão mais idiota que já tomei na vida.

- Eu não faço ideia. Ainda não falei ao Valentim que aceitei essa loucura. - Digo e ela balança a cabeça.

- Você é a mulher mais corajosa e forte que já conheci na vida Clary. - fala sorrindo gentilmente. - Irá passar por isso com certeza. Eu não sei como ou quando, mas você ainda será muito feliz moranguinho. - Diz e me aproximo dela e a abraço sentindo vontade  de chorar.

Eu não sabia o que iria ser da minha vida daqui pra frente. Estava tudo uma confusão dentro de mim e a única coisa que eu sabia, era que de agora em diante minha vida iria mudar complemmate e não poderei mais ter minha liberdade. A liberdade que eu tanto amo e privo.

- Você me deixa dormi aqui hoje? - Pergunto me sentido horrível. - Eu não quero ir para casa e ver minha mãe. Não hoje.

- É claro que você poderá dormir aqui. Irei arrumar o quarto de hóspedes para você. - Diz levantando e murmuro um obrigada. - Enquanto isso você pode tomar banho. Está com essa roupa desde ontem, provavelmente as suas condições não estão as mais agradáveis. - Diz sorrindo e não seguro a risada a acompanhado. - Sabe o caminho do banheiro. - Diz e se vai em direção ao quarto e caminho para o banheiro tomando um banho renovador.

Passo uma hora embaixo do chuveiro e quando saio me enrolo em um roupão e vou para o quarto em que irei dormir encontrando a Emma sentando na cama me aguardando.

- Eu quero ajudar você! - fala me pagando desprevenida.

- Como assim me ajudar?

- Você sabe que para mim você é uma irmã e nunca me perdoaria se alguma coisa de mal acontecesse com você por cair em uma cilada por não ter o devido apoio judiciário. - Diz como uma verdadeira advogada formada. Quando essa maluquinha quer ela sabe ser seria. - Você está entrando de cabeça em um casamento arranjado e por dinheiro, então provavelmente irá envolver documentações ou algum tipo de contrato.

- Sim. Acredito que irá haver um contrato sim. - Digo me acomodando ao seu lado prestando bastante atenção a conversa.

- Eu te conheço o suficiente para saber que nunca deixaria nenhum homem mandar ou controlar você. - É, ela estava certa. - Por isso você deve falar com seu pai. Aceite esse casamento, salve sua família mas não faça isso sem pedir condições Calry.

- Condições?

- Sim, condições. - Diz calma. - Diga que não abrirá mão da sua liberdade. Deixe claro que não irá ficar a mercer das vontades do seu marido e que é uma mulher dona de si que só está fazendo esse sacrifício para salvar sua família da morte certa.

Eu já falei que a Emma estar cursando advocacia? Porque ela é a melhor. Mesmo sendo apenas uma estudante de apenas dois ano, ela com certeza é muito boa. Tenho certeza que será a melhor em sua área.

- Sim. Você tem razão. - Falei sorrindo. - Sabia que você é a melhor amiga do mundo?!

- É eu sei. - Falou convencida. - Agora vou deixar você dormir. Você sabe que pode ficar aqui o tempo que precisar não sabe?

- Eu sei Emma. Obrigada. - Digo agradecendo a Deus pela amiga que tenho.

- A minha casa é a sua casa! - Diz e assinto. A Emma me conhece tanto que sabe que a última coisa que quero no momento é conviver no mesmo teto que minha mãe depois que ela e meu pai praticamente me venderam. - Bom, amanhã quando você acordar eu provavelmente não vou está em casa, então já sabe o que fazer.

- Sei sim. - falo pegando um pijama que estava em cima da cama que a Emma me emprestou por hoje. -  Irei ficar por aqui alguns dias.

- Ótimo. - fala e vem me dá um beijo e abraçar. - Boa noite moranguinho. Durma bem.

- Você também maluquinha. Bons sonhos. - falo e ela sorri saindo do quarto me deixando sozinha.

Me vestir e deitei na cama tentando dormir, mas para minha sorte o sono não colaborou comigo e passei horas olhando para o teto pensando em como irei fazer daqui para frente.

Não queria que minha vida se resumisse apenas nesse casamento mas estava difícil pensar em outra coisa no momento.

Tenho certeza que meu dia amanhã será horrível. Minha felicidade será  jogada no lixo e será eu a pessoa que ira joga-la.

A única coisa que me consola é saber que minha família estará segura e protegida. Por eles eu sou capaz de fazer tudo.


Notas Finais


Voltei antes do previsto😁
Espero que tenham gostado do capitulo. Não esqueçam de curtir e comentar o que estão achando.
Adoro interagir com vocês.😉😍
Um beijo enorme e ate a proxima😚
Tchau🤗🤗


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...