História Casamento Mentiroso - Imagine Suho - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias EXO, IU, Momoland, Red Velvet
Personagens Baekhyun, Chanyeol, D.O, Irene, Joo E, Joy, Kai, Lay, Nancy, Personagens Originais, Sehun, Seulgi, Suho, Wendy, Xiumin, Yeri
Tags Casamento Mentiroso - Suho
Visualizações 65
Palavras 990
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá amores! Vocês estão gostando da fanfic? Estou pensando em várias coisas, se estão gostando, comentem!isso me deixa extremamente feliz!.

Boa leitura! ^.^

Capítulo 3 - Quero que tudo isso acabe.


Fanfic / Fanfiction Casamento Mentiroso - Imagine Suho - Capítulo 3 - Quero que tudo isso acabe.

Essa festa, foi uma bela tortura pra mim, Suho não olhou em meu rosto em nenhuma hora da festa, só fingimos que nos amamos.

Agora estou no carro, desejando que isso tudo acabe, essa falsidade. Nancy deve estar sozinha, em casa.

Eu estou sentindo falta de casa.

Agora morarei, em outra casa, eu odeio ter que morar em outros lugares sem permissão, mas se eu falar um "a", sou espancada.

Esse Suho é um homem mais arrogante que vi em minha vida, sou acustumada com homens e garotos educados, e cavalheiros.

Ele olhava tentamente, as ruas escuras, ele era bem bonito, mas não era bonito por dentro. Ele fala comigo, como um coice de cavalo.

As ruas estas horas, são tão escuras, me lembro que quando eu era pequena, eu tinha muito medo. 

Chegamos na tal mansão que era bem linda, pelo menos isso ele é bom, em escolhas de moradia.

Ele saiu do carro primeiro, e abriu a parte de trás do carro, pegando nossas coisas. 

Suspirei baixinho e fiquei observando as coisas do carro atenta, era tudo bonito e azul. Percebi que ele amava azul, eu acho.

— Não vai sair?.— Ouço a voz do mais velho, e abri a porta ignorando o mesmo totalmente.

Como ele estava com as malas, em mãos. Não me preocupei em pegar minhas malas.

Arrumei meu vestido e saio andando em direção a porta da mansão, abrindo a mesma e me deparando-me com várias luminarias no teto, e uma decoração esplêndida.

Ele estava atrás de mim e me afastei, olhando em cada detalhe a mansão. Havia uma sala gigantesca, era tão bonita.

Me sentei em uma poltrona confortável e encarei a fogueira, no centro da parede da sala. Era como um destaque ali, estava frio, então aproveitei o clima da fogueira, ou lareira como chamam.

— Vou colocar as coisas, em seu quarto, não vamos dormir no mesmo quarto.— Continuei encarando a lareira, e deixando o moreno falar.

— Está surda?.— Direcionei meu olhar para o mais velho, e vejo ele com uma cara nada boa.

— Não estou surda, ouvi muito bem, e não me importo a onde dormirei, ou não.— Me levanto-me e saio do cômodo onde ele estava e ouvi um murmúrio.

Provavelmente, me xingando.

Me encontrei em um corredor estenso e fiquei andando, observando as portas de madeira, bem acústica.

Abro uma porta bem bonita, e me deparo-me com um quarto bem feminino, era de criança, estranhei.

— É o quarto de minha irmã, tem certeza que vai dormir ai?.— Me assustei-me com o ser atrás de mim e neguei.

— Venha, vou te mostrar seu quarto.— Segui o mesmo, em passos lentos. 

— Chegamos, é do lado do meu, então não estranhe.— Ele estava me parecendo sincero, então darei uma chance, sem lhe dar uma patada.

O mesmo, com uma atitude de cavalheiro, abriu a porta e me assustei, por dentro claro.

Estou começando a me impressionar.

Entrei no cômodo e ele era lindo, branco com preto e algumas cores afeminadas, eu gostei, parece meu quarto antigo.

— Tome, suas malas.— Me entregou-me as malas e olhei meia envergonhada para ele que fechou a porta na minha cara.

— Carinhoso, como um coice de cavalo.— Soltei um riso pelas narinas e deixei minhas malas no canto do cômodo.

Este vestido está me irritando, literalmente, nunca vi um vestido tão pesado em meu corpo.

Retiro o mesmo e deixo ele em uma sacola, pra que deixar um vestido guardado? Jogarei fora, sei que isso é pecado, mas não tenho necessidades.

(....)

Depois de tomar um longo banho, vesti um macacão azul, curto. Que me deixava meu corpo bem translúcido.

Fiz um coque e andei pelo corredor estenso, não sei por que. Mas esse corredor, me dá calafrios.

Desci as escadas e me direcionei a cozinha, e me deparo com Suho colocando alguns pratos na mesa.

— Quer ajuda?.— Negou e dei de ombros, e fui para a sala, aproveitar a lareira novamente.

Vi algumas prateleiras de livros, e me interessei, eu gosto muito de ler. Não vou deixar, estes livros para trás.

Fui até os livros, e passei o dedo procurando algum livro, que me interessasse, e achei um.

Fala sobre casamentos arranjados, claro que me interessei. Deve ser um enrredo maravilhoso, em minha opinião.

Parece que Suho não leu este livro, mas vou ser a primeira a ler. Me sentei-me sobre o sofá e abri o livro começando a ler.

— Gosta de ler?.— Olhei para o mesmo, que estava me olhando a ler.

—  Sim, meio conveniente pegar este livro.— Encarei o livro e ouvi uma risada.

— Não tem problema, não tem nada de errado.— Ele estava sendo bonzinho, ou só impressão?.

Senti ele sentar do meu lado, meu coração está a mil. Não sei o porque disto, mas meu coração está quase morrendo.

— Posso ler com você?.— Eu estou estranhando esse Suho, a horas atrás fechou a porta em meu rosto.

— Vou ir comer.— Me levantei-me em busca de disfarçar a vergonha em meu rosto.

A comida já estava na mesa, ainda bem. Eu estou morrendo de fome.

(....)

Terminamos de comer, e Suho foi dormir, e aqui sozinha. Queria assitir alguma coisa na televisão.

— Assistir sozinha não é legal.— Suspirei e decidi dormir também.

Fui até meu quarto e fechei a porta, me jogando sobre a cama e fechei-me os olhos pensando em tudo.

Quero que isso acabe.

(...)

Me acordei, sentindo o vento em meu rosto, da onde esse frio veio? Me levantei, e fui fazer minhas higienes matinais.

Ouço alguns chuviscos e falas lá na sala eu acho, eu quero muito morrer. Se for meus pais, eu me mato.

Desço as escadas e me assusto, com Baekhyun na sala sorrindo pra mim.

Suho não estava com a cara boa, ele esta estranhando o Baek.

Corri até o mesmo e o abracei fortemente, eu senti tanta falta de Baekhyun, ao meu lado.

— Senti sua falta.— Demonstrei-me um sorriso e o mesmo queria me dar um selinho, na frente de Suho.

— Então, é você quer passear comigo?.— Baek sorriu apertando minha cintura e Suho só faltava dar um infarto no mesmo.

— Como?.— Ouvi Suho dizer e senti Baekhyun desconfortável.

O que ele pensa que é?.




Notas Finais


E agora? Suho com ciúmes? Baekhyun tentando tirar onda?.

Não esquecem de comentar, por favor! ^.^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...