História Casamento por conveniência - Capítulo 48


Escrita por: ~

Postado
Categorias Big Bang, G-Dragon
Personagens G-Dragon, Personagens Originais, T.O.P
Tags Bigbang, Romance, Sexo, Top
Visualizações 357
Palavras 2.127
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi gente, sou euzinha Mello!
senti tanta saudades de casamento por conveniência que decidi fazer essa cap. bônus
as veze penso em fazer uma segunda temp. curtinha, mas não sei

estava com sdds de vocêsss AAAAAAAA
falando nisso, vou deixar o link da atual fanfic que estou escrevendo (tb sobre GD) nas notas finais
como vocês estão?

Muita gente favoritou a fic depois que finalizei, decidi fazer essa cap extra também para conhece-los
E ai leitores novos, tudo bem?

Capítulo 48 - Bônus: Eu sou tão feliz porque conheci você.


Fanfic / Fanfiction Casamento por conveniência - Capítulo 48 - Bônus: Eu sou tão feliz porque conheci você.

- Sim... sim... tudo bem. Nós vamos entrar em contato assim que... – Ji Yong entra na minha sala sem aviso prévio, olho para ele, que fechou a porta atrás de si e escorou nela, tão lindo. Morde levemente os lábios e sorri para mim de canto de boca, continuo com o telefone grudado na orelha, o representante de uma das empresas que atualmente tem trabalhado com a Fine Concepts continua na linha, mas esse homem, esse homem que tem dividido sua vida comigo há mais de dez anos continua me desconcentrando, roubando toda a minha atenção para ele, somente para ele, quando quer. – Assim que o contrato ficar pronto. – O cara do outro lado da linha responde, sequer prestei atenção no que disse. - Obrigada, boa tarde.

Coloco o telefone no gancho e continuo encarando Ji Yong que agora caminha até mim.

Rodeia a mesa e aproxima-se da cadeira atrás dela, na qual estou sentada.

Senta na beira da mesa e ficamos frente a frente.

Levanto-me para ficar a sua altura.

Selo seus lábios como de costume, é algo tão natural, sei que faremos isso pelo resto de nossas vidas.

- Oi querido. – Cumprimento-o. - Aconteceu alguma coisa? – Pergunto. Olho para meu relógio de pulso. – Você deveria estar na sua produtora agora.

G Dragon tornou-se uma lenda viva no mundo K-pop, ainda compõe, ainda canta, o Big Bang ainda existe e leva milhares a loucura, mas G Dragon agora é também produtor de outras bandas, tem sua própria empresa de entretenimento e lançou grandes nomes da musica popular coreana.

Ele afasta uma mecha do meu cabelo do rosto, a coloca atrás da orelha, e pousa a mão em minha bochecha.

- Não, eu só vim porque... estamos trabalhando de mais... – Roça seu nariz no meu e eu fecho os olhos. – Estamos tão ocupados com Joo Yong e... eu senti saudades...

Sorri entendendo o porquê de sua visita.

Passeio meus dedos por sua gravata antes de puxa-la, e consequentemente puxa-lo também para mais próximo de mim.

- É que nossa... – Meu marido continua. – você estava tão gostosa hoje de manha, arrumada para vir para o trabalho, e eu fiquei pensando que seria realmente um desperdício se não viesse saborear você...

- É...?

Pergunto manhosa sabendo exatamente o que está por vir.

- É... – Ji Yong morde meu lábio inferior. – e você sabe... a gente tem que se controlar um pouco lá em casa... – Inala meu perfume e o tocar de seu nariz em minha nuca me causa arrepios. – Eu tenho que tapar sua boca enquanto você implora por mais. – Diz ao pé do meu ouvido.  – É realmente uma tortura porque eu adoro quando você grita... – Gira nossos corpos e me encosta à mesa, onde anteriormente ele estava. – Eu adoro quando me pede para meter bem fundo...

Ji Yong abre minhas pernas e se posiciona entre elas.

Beija-me feroz. Ah! Como eu amo esse beijo, eu amo, amo, amo!

Suas mãos ágeis sobem cada vez mais minha saia, encontram meu bumbum e eu recebo um tapa bem dado, seguido de um aperto gostoso.

- Querido... – Tento dizer em meio aos beijos. – espera... - Ele se afasta um pouco e abre os olhos. – Está quase na hora de você... ahhhhh... – Não consigo terminar a frase porque Ji Yong sabe como ninguém massagear um clitóris, jogo minha cabeça para trás e tento me concentrar. – de buscar... nosso filho na escola...

- Não se preocupe amor... - Observa bem todas as minhas  e expressões de prazer. - pedi Hyun Joon busca-lo para mim... está gostoso?

Pergunta sínico.

Ainda me masturbando, vidrado.

Sorrio e mordo os lábios fazendo que sim com a cabeça. Abro os olhos e aproximo novamente meu rosto do seu.

- Você não pode me fazer gritar aqui...

O pego pela nuca e beijo de novo com vontade.

- Essa calcinha está me atrapalhando.

É o que ele responde na pausa do encontro delicioso de nossas línguas.

Seguro sua mão que começa a retirar minha peça intima.

- Meus funcionários... Querido, você é louco...?!

- Eu dispensei todos eles, não é como se eu não tivesse feito isso antes.

- Você é inacreditável! – Digo – Nós já transamos aqui milhões de vezes antes, sem que você precisasse dispensa-los, Ji Yong eu tinha realmente mais muito trabalho ho...

Ji Yong me puxa forte pelo cabelo e me cala, literalmente cala a minha boca com seus lábios.

- Quieta! – ordena – Você ainda vai trabalhar muito hoje. Mas em cima de mim! E você vai gritar. Eu vou fazer você gritar, implorar, por todas aquelas putarias que você adora...

Sua mão ainda agarra firme o meu cabelo e seus olhos cheios de tesão me fitam, me dou por vencida e não consigo me concentrar em mais nada além de uma grande ereção roçando na minha coxa.

Ji Yong me pega pela cintura e me senta à mesa, limpa-a com a mão jogando todos os papeis que há nela no chão.

Agora sim, ele continua o que havia começado, retira a minha calcinha.

Seus beijos vão descendo, da boca ao pescoço, do pescoço ao colo dos seios, e então ele se ajoelha. Eu tenho o poderoso G Dragon ajoelhado perante a mim. Ele cultua o meu corpo, me faz sentir uma deusa!

Estou sem calcinha e de saia levantada, é previsível o que vai fazer, e como eu gosto do que ele faz.

Nossos olhos estão fixos um no outro. Até que meu homem direciona sua atenção a minha “flor” completamente aberta, lambe os lábios.

Bagunço os cabelos de Ji Yong e puxo-os o obrigando a olhar para mim de novo.

- Me chupa! – ordeno – Me chupa olhando nos meus olhos.

E assim ele o faz. 

Minhas mãos continuam grudadas nos seus fios, agora acastanhados, e eu rebolo em sua boca, pedindo por mais. Posteriormente me rendo e deito meu corpo sobre a mesa. Que delicia! Os lábios de Ji Yong são macios, seu hálito é quente e sua língua ágil.

Eu gozo, e dessa vez eu não seguro o grito que anuncia o meu gozo, eu majestosamente, gozo! E Ji Yong suga todo o meu mel, ele realmente veio para me saborear. Levanta-se e me observa por alguns segundos, jogada, tentando me recuperar.

Sorri feito um rapaz sem juízo, ele sabe que isso acaba comigo, me faz perder os sentidos.

Meu marido me puxa pelas pernas e me arrasta pela mesa até ele, já de pé. Levanta-me e me leva até a parede, me faz ficar de frente para ela e de costas para ele. Pressiona seu pênis duro como uma rocha na minha bunda e afunda os dedos na minha cintura para intensificar o contato.

- Me diz do que você gosta.

Ordena baixinho, porem incisivo, respirando pesado.

Abre o fecho da minha saia que cai até o chão.

Estou nua da cintura para baixo e ele ainda completamente vestido, isso é tão injusto.

Suas mãos agarram agora os meus seios e os massageiam, escoro minha cabeça em seu ombro atrás de mim.

Beija cada pedaço que encontra da minha pele.

- Eu gosto... eu gosto quando você faz isso – Rebolo esfregando ainda mais a intimidade dele em mim. – Eu gosto quando você me toca sem pudores... Assim... Querido por favor...- Imploro. - Eu gosto quando você me fode bem gostoso... vai, eu to’ tão pronta para você...

Ji Yong abre rapidamente o botão de sua calça social, desce o zíper, e eu me empino toda para ele, que com os dedos se certifica que estou não apenas molhada, mas encharcada, completamente pronta.

- Você é tão... – Diz ao me penetrar e sentir o calor do meu interior. – Ah... Roberta...

Ji Yong fala ao pé do meu ouvido tudo o que quer fazer comigo. Fala bem baixinho com voz de sorriso e com seu jeito perverso. Fala gemendo, tremendo, tentando esconder o quão selvagem ele pode ser. Ele me desarma, me pega de jeito, sacia toda a sua vontade de poder. Mastiga minha orelha, fode até com o meu juízo, me faz sentir pequena enquanto sou amada, adorada e devorada.

Desgruda teu corpo do meu e me coloca de frente, me faz prender-me em sua cintura e me leva para o sofá. Esse sofá testemunhou nossa sagrada putaria tantas vezes. Sentada por cima tento tirar o que resta de suas roupas, ele faz o mesmo comigo, isso enquanto eu rebolo, aperto seu corpo, arranho suas costas e transpareço todo o meu prazer.

- Roberta... se continuar assim eu vou gozar...

Avisa com dificuldade enquanto eu uso e abuso do seu pau ereto. Sento forte, rebolo, fricciono nossas intimidades.

- Não... – Respondo. – Você não pode gozar ainda!

Digo.

- Então me deixa fazer isso...

Ele rapidamente muda nossas posições e me coloca de quatro.

Penetra-me e o vai e vem tem o seu ritmo.

Eu grito.

Imploro que ele continue.

Peço por mais, mais, mais.

E gozo de novo assim.

Vamos para o chão.

Estou deitada de bruços e o corpo de Ji Yong está sobre o meu. A cada estocada me sinto ferver! Nosso braços entrelaçados... Eu adoro quando ele me agarra por completo assim, os gestos durante o sexo podem ser mais íntimos que o próprio sexo. 

Ji Yong suspira alto.

- Amor eu não aguento mais... eu preciso...

- Me da tudo o que você tem... eu quero tudo!

Respondo e faço com que saia de cima de mim.

Olho-o deitado no chão, ofegante, desarmado, nu. Sento por cima de minhas pernas, beijo-lhe a testa, a boca, o pescoço, faço uma trilha com minha língua até seu membro viril, que ele masturba devagar. Retiro a mão dele.

Salivo só de olhar.

Chupo, olhando-o nos olhos como fez comigo, ele coloca os braços de baixo da cabeça e aprecia a cena.

Meu marido tem o meu gosto, nós somos um!

 

 

Ji Yong eu tenho sede de você, e seu corpo será agua para que eu possa beber, bem devagar, te olhando com esse sorriso de lado, essa cara de safado, pronto para me afogar com seu prazer.

Eu sei que quando você fode comigo, você se pergunta “aonde ela esconde esse fogo?”. Infelizmente, eu não sei te dizer o porquê de a minha cara não mostrar a louca que sou por dentro. Mas eu te chupo. Arranco tudo de você. E em compensação, posso te contar todos os seus segredos. E sempre foi assim, por isso você tentou inicialmente, com tanta insistência, fugir de mim.

Eu sei todos os seus segredos.

Eu sei que você pressiona a minha cabeça contra o seu pênis com a certeza de que ninguém fará isso melhor do que eu.

Eu sinto quando você, até hoje, depois de tantos anos casados, se desespera por estar tão entregue. Você nunca foi homem de se entregar.

E você tenta compensar isso me dando ordens, me fazendo gritar o seu nome, tomando o controle para se sentir mais seguro.

Pode me ordenar, eu adoro quando você ordena!

Até porque, você sabe, é só no sexo que eu te obedeço. Aqui, agora, assim, eu faço o que você quiser.

 

 

Ji Yong goza na minha boca. 

Eu não deixo escorrer nada, pego tudo para mim, ele geme ensandecido enquanto sente meu hálito quente, como o dele, e a minha boca sugando gota por gota de tudo, como ele faz comigo.

Puxa-me para cima e ficamos deitados, nus, agarrados, abraçados, sentindo o cheiro do nosso sexo, as respirações normatizarem-se.

Olho para o homem com quem divido a vida e ele sorri, dessa vez singelo.

- Tem vinho no frigobar.

Falo.

Ele ri de mim.

- Por que exatamente tem vinho no frigobar de uma empresa como essa?

- Porque eu sou a presidente, se eu quiser eu posso fazer uma adega aqui.

- É justo.

Ji Yong responde concordando.

- E também... - falo manhosa - eu já estou acostumada a receber suas visitas, gosto de estar preparada.

Recebo um beijo.

- Amor, vamos deixar o vinho para depois...

GD se coloca sobre mim e nós recomeçamos.

 

 

Algumas lembranças permanecem na minha cabeça. Eu e Ji Yong nos enfrentamos muitas vezes nessa empresa, eu como funcionaria e ele como filho do dono. Ele me considerava uma interesseira, mas por causa dele eu me tornei presidente. Tivemos que nos casar e eu me apaixonei. Agora, aqui, pensando sobre isso, não foi só após o casamento por conveniência, foi desde que entrei na Fine Concepts, desde que coloquei meus pés aqui, nessa sala, como assistente de seu pai, que minha vida tem sido uma serie de dias em que me apaixono perdidamente por ele, inúmeras vezes. E nesse exato momento, após tantas coisas, tantos anos, discussões, rotina, trabalho... eu me apaixono pelo mesmo homem de novo. Eu sou tão feliz porque conheci você, meu amor.


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...