1. Spirit Fanfics >
  2. Casamentos Que Não Queremos >
  3. Dia Pepperony

História Casamentos Que Não Queremos - Capítulo 17


Escrita por:


Notas do Autor


Aviso:
Terá um capítulo falando do dia de cada casal.

Capítulo 17 - Dia Pepperony


Fanfic / Fanfiction Casamentos Que Não Queremos - Capítulo 17 - Dia Pepperony

Pepper:

Me levantei às 5:27 da madrugada,peguei em meu guarda-roupa uma saia preta e uma blusa formal branca,e um salto preto.Fui para o banheiro e tomei um banho,depois de me trocar sai do banheiro e fui para a penteadeira dentro do closet.Deixei meu cabelo solto,e coloquei um colar dourado com uma pedra vermelha,coloquei um par de brincos dourados,um relógio dourado e para acompanhar uma pulseira dourada.

Peguei minha bolsa,algumas pastas e desci para a cozinha.

Fiz um suco de morango com leite,e assei torradas na frigideira.

Quando me sentei na cadeira fui surpreendida por um furacão que descia as escadas.

Tony desceu rapidamente enquanto calçava um par de sapatos formais.

*Ton* Porque você não me acordou?

*Pep* Eu achei que não gostava de ser acordado...

Falei num tom sarcástico,recebendo em resposta um revirar de olhos.

Tony se sentou ao meu lado para tomar café da manhã.

*Pep* O jantar está por acaso confirmado?

*Ton* Sim,vai ser na casa dos Starks.

*Pep* Ok.Vou indo para a empresa.

*Ton* Se precisar de algo ligue para mim.

Assenti.

Às 6:45 sai de casa e cheguei na empresa às 7:38.

Fiz todo o que precisa fazer naquele dia e voltei para casa quando ia dar sete horas (18:43).

Corri para dentro do closet e peguei um macacão branco.

Tomei um banho rápido,me troquei,sai do banheiro e coloquei um salto branco com um 'cordão' no tornozelo.

Prendi um lenço branco no pescoço,soltei o cabelo e me maquiei,passei apenas uma sombra clara,e um batom rosa claro.

Desci apressada para a sala e lá estava Tony,uma calça preta social,uma blusa azul clara social,um sapato social,e um terno.

*Pep* Vamos ver seus pais ou vamos voltar para a empresa?se formos me avise logo.

Tony me encarou e eu pude ver seu nervosismo,na verdade eu acho que até a China viu seu nervosismo.

*Ton* Meus pais são bem exigentes às vezes...

Agora foi eu a ficar nervosa.

*Pep* Então..eu tenho que me trocar?

Dei meio que uma volta olhando para meu vestido e ao voltar a olhar Tony o vi paralisado com um semblante abobalhado.

*Pep* Tony?

Nada

*Pep* Tony?!

Nada,ele apenas me encarava.

*Pep* Anthony Edward Stark!!

Ele assustado deu um passo para trás.

*Ton* Eu?

*Pep* Eu tenho que me trocar? 

*Ton* Você está linda,e não invente ou vamos nos atrasar,então Pepper Stark entre no carro.

Revirei os olhos e o segui para a garagem.

Foi duas hora até a casa dos Starks,e sim estamos muito atrasados.

Entramos na casa em um puro desastre.

Fomos recebidos e sentamos a mesa.

Lá estava Howard,Maria e outro homens de terno.

*Ton* Desculpe por isso,eu achei que era um jantar de família.

*Pep* Tudo bem,afinal você não sabia,mas da próxima tente ficar sabendo de tudo.

Ele riu discretamente,pois falávamos entre sussurros.

*Ton* Sim senhora.

Quando serviram a comida todos ficaram em silêncio.

*Mar* Então Pepper quando planejam nos dar um neto?

Tony cuspiu o vinho que bebia melando uma boa parte da mesa,recebendo um olhar de repreensão de seus pais.Já eu no momento não estava com nada na boca,mas mesmo assim senti algo me fazer começar a tossir sem parar,oque normalmente acontece quando se engasga com algo que estava em sua boca.

*Mar* Não foi uma pergunta tão inesperada certo?...ainda não pensaram no futuro?...não vão me dizer que..oh meu Deus.

Eu olhei para Tony e ele me olhou,e depois viramos a cabeça em direção a mãe de Tony de uma forma meio robótica,como se tivéssemos sido programados para isso.

*How* Pepper é uma mulher linda filho,não sei oque te impede de..Você sabe.

Os visitantes estavam constrangidos, mas eu imagino que eles saibam sobre o contrato.

*Ton* Pepper é minha amiga pai.

Não sei dizer o do porque,apenas sei que aquelas palavras atingiram meu coração, doía,incomodava,me fez sentir uma mágoa que eu sinceramente não tinha explicação para ela estar ali,cravada dentro de mim.Um nó se formou em minha garganta,tive que respirar fundo,o lenço e o vestido eram um tecido fino,mas de um modo inexplicável eles pareciam me sufocar.

*Pep* E-eu digo o mesmo Senhor e Senhora Stark.

*Mar* Bom..ok..porém temos que ter um neto,e não apenas pelo prazer de ter um neto,mas também pela empresa.

Prazer de ter um neto? Não terei um filho para deixá-lo sofrer nas mãos dos seus 'queridos' avôs.

*Pep* Com todo respeito,isso não vai acontecer senhora.

Eles ficaram boquiabertos e eu apenas olhei para Tony que encarava a taça como se fosse uma obra de arte.

*Pep* Tony..podemos ir para casa?

*Ton* Claro,claro.

Saímos da casa dos Starks,mas Tony teve que voltar porque seu pai o chamou,me sentei nas escadas da porta de entrada da casa e cruzei os braços por conta do frio.

Ouvi um voz masculina ficar alta dentro da casa,e pela voz era Tony.

Respirei fundo e fechei os olhos,por um momento vacilei e deixei uma lágrima cair de meus olhos,mas logo a limpei.

Um casamento arranjado.

Uma vida arranjada.

Era muita coisa para se pedir, mas um filho num casamento arranjado era demais, pensar em como seria horrível para ele..é se um dia eu e Tony brigarmos como meus pais? 

Balancei a cabeça negativamente tentando sair daquela imagem em minha cabeça.

A porta se abriu com agressividade,Tony passou reto por mim chegou perto do carro e chutou o pneu,acho que se arrependeu pelo gemido de dor que saiu de seus lábios.

*Pep* Tony?

Ele me olhou,seus olhos completamente furiosos,talvez até mais que furiosos,mas aos poucos,acho que depois de meia hora ele se acalmou,tirou o terno,veio para perto de mim e colocou sobre meus ombros.

*Pep* Obrigado.

Tony me ajudou a levantar e logo estávamos no carro,não puxei assunto,nem ao menos perguntei para onde íamos,apenas sei que aquele caminho não era o de casa e que Tony não estava para conversa.

Paramos em uma rua e eu olhei ao redor,havia apenas casas,hotéis,um bar,e um restaurante.

*Ton* A comida da minha era boa,mas ela perdeu o costume de cozinhar agirá a comida é horrível.

Sorri apenas,pois caso alguém perguntasse eu não concordei e nem neguei.

Saímos do carro e entramos no restaurante,Tony me deixou numa mesa e falou que estacionaria o carro.

Pedi um copo de água e um sopa quente de camarão.

Terminei de comer,e nada do Tony e isso me fez ficar preocupada como nunca fiquei antes.

Paguei a conta e sai do local,olhei aos arredores e estranhamente o carro continuava no mesmo lugar.

O medo começou a preencher minha cabeça,eu Pepper Romanoff sempre fui a que pensava numa solução,mas nesse momento de desespero eu não conseguia pensar.

Foi quando um som alto começou a vir do bar,junto a pessoas que pediam silêncio,mas algo nisso me chamou a atenção,várias pessoas do local pareciam gritar 'Edward'.

Eu que estava desesperada e preocupada agora estava irada.

Atravessei a rua e entrei no local.

Logo me arrependi,o lugar estava cheio,mau dava para passar,a música era horrível,as luzes coloridas eram enjoativas juntando com o som de vozes,o cheiro forte de álcool aquilo chegava ser insuportável..Se for o Stark eu mato.

E era,era mesmo aquele imbecil dançando no meio do palco.

Peguei uma lata de cerveja e joguei no meio de sua testa.

Ele deu um grito de dor,e colocou a mão no local,e para piorar estava cambaleando como um bêbado,por que era um.

Ele ao me ver desceu do palco quase que caindo e se jogou para perto de mim.

*Ton* Peppppeerr tô feliz em te ver..Você viu eu dançanndo?

*Pep* Estou feliz em não ter presenciado.

Passei sua mão por meu ombro e ajudei ele a entrar no carro.

Liguei o carro,e foi aí que eu me dei conta,por isso o desliguei.

*Pep* Anthony.onde.estamos?

*Ton* Naaaa....rua Presley.

Coloquei no GPS e chegamos em casa lá pras 23:42.

Tirei seu sapato e seu cinto,depois foi outro sacrifício para fazê-lo subir até o quarto.

Ajudei ele a se deitar e fui me trocar,coloquei uma regata branca e uma calça moletom preta.

Me deitei ao lado do idiota,mas claro de costas pra ele senão eu seria capaz de matá-lo.

Tony começou a se mexer,senti seu braço passar por mim e ficar em minha barriga,eu podia sentir seu cheiro de álcool,e não que antes não dava,mas agora estava mais forte.

Então senti algo molhado em meu pescoço,era bom,mas quando me dei conta sai de perto ficando bem na ponta da cama.

*Ton* Porrrque você não me queer Pepper?

*Pep* Vê se dorme,ou então eu vou te deixar na casa do Steve elevar amor ter um bêbado em casa a essa hora,e a Natasha então..

Ele chegou perto e ficou do mesmo modo que antes,mas sem beijar meu pescoço,apenas com a testa sobre minha cabeça.

*Ton* Você não faria isso,voccê Pepper Romanoff Stark você me aammaa...me ama.

*Pep* Não amo nada,agora dorme ou você vai pro sofá tô avisando.

*Ton* O seu cabelo tem um cheiro tão boom. 

E foi assim a noite toda,ele falando bobagens e eu o ameaçando.

*Pep* Me lembre de nunca deixar você beber.

Coloquei o rosto no travesseiro soltando um resmungo abafado pelo pano.

*Ton* Sou eu que tô bêbado eu não vouu lembrar.de.nadaa.

*Pep* DORME TONY É MELHOR DORMIR.

Mesmo bêbado Tony sabia oque poderia matá-lo e eu era uma dessas coisas por isso me obedeceu e deitou-se.

*Ton* Você está ficando igual a Natasha.

*Pep* Agradeço o meio elogio agora feche os olhos.

*Ton* Ssemm beijo de boaa noite?

Puxei o lençol completamente o deixando sem.

*Ton* Ei!

*Pep* Cala a boca.

*Ton* Eu vou ficcar gripado.

*Pep* Assim aprende.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...