História Cassandra - Capítulo 45


Escrita por:

Visualizações 580
Palavras 4.346
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi, amores. Tudo bem com vocês? Espero que sim.

SIM, EU AQUI DE NOVO PELA 3 VEZ NA SEMANA, HAHA! Anjos, espero que vocês gostem desse capítulo, porque eu amei demais escrevê-lo, eu ate chorei porque acredito que algo que vai ter aqui. É algo que nós viemos esperando há um tempinho.

A parte do diálogo do Justin com os amigos é a mesma que apeguei, só mudei algumas coisas e encaixei aqui. No próximo capítulo já seguiremos com os nosso capítulos novinhos e com as emoções que estão por vir.

Estou escrevendo uma fanfic junto com uma amiga. Vou deixar o link nas notas finais também, caso vocês sintam o desejo de acompanhar também. <3

Link das redes sociais voltadas a fanfic nas notas finais.

— Tenham uma boa leitura!

Capítulo 45 - I'm In Love.


Fanfic / Fanfiction Cassandra - Capítulo 45 - I'm In Love.

‘’Tenho algo para te dizer, estou apaixonado

Estive esperando para te dizer, estou apaixonado

Você vai acreditar quando eu te disser, estou apaixonado por você

Você é meu tipo de garota

Você me faz sentir orgulhoso

Você me faz querer gritar

Sim, estou dizendo a todos os meus amigos, estou apaixonado

Toda noite eu não consigo dormir pensando em você

E em todas as coisinhas que você faz

Sim, estou dizendo a todos os meus amigos, estou apaixonado.’’ — The Beatles ( I’m In Love)


Point Of View Justin Bieber.

Estados Unidos, Seattle 06 de outubro de 2018.

― E aí, você aceita? 

― Deixa eu pensar ― ela diz brincalhona do outro lado da linha e eu continuo seguindo em direção do estacionamento.

― Cassandra.

― Brincadeira ― ri alto e novamente, eu paro para admirar o som de sua risada que verdadeiramente tem se tornando o som que eu mais gosto de ouvir ultimamente ― Eu aceito sair para jantar com você.

Sorrio aliviado por isso.

― Então, eu passo para te pegar as sete. Pode ser? ― pergunto, entrando no carro e em seguida com a minha mão desocupada, eu passo o cinto de segurança por meu corpo. 

― Claro.

― Se cuida! ― falo e ouço um ‘’se cuida’’ de volta. 

Finalizo a ligação e no instante que eu vou dá partida do carro, ouço uma alerta de uma nova mensagem e logo deslizo o meu dedo para ler. É uma mensagem do Ryan que desde ontem tem me infernizando dizendo que eu preciso sair um pouco para me divertir, que estou ficando de fora de todas as sociais que está rolando. E realmente, eu estou de fora de tudo isso que está acontecendo e agora que vou trabalhar, eu sei que não irei ter tanto tempo para isso já que a minha vida vai ser resumida em colégio e trabalho. E daqui alguns meses estarei ajudando a Cassandra a cuidar de nosso filho. 

Leio a mensagem de meu amigo.

‘’Ei, Dude. Vamos colar lá naquele barzinho de sempre? Faz tempo que você não sai com a gente, na verdade, desde a última festinha que teve, você anda muito afastado e eu acho que você tem algumas coisinhas para nos explicar. Não acha?’’ ― Ryan B.

‘’Ryan, são apenas dez horas da manhã.’’ ― Justin.

‘’Qual foi Justin? Hoje é apenas sábado e se você não quiser beber, não bebe, apenas vamos jogar conversa fora. Somos seus amigos e estamos preocupados com a sua mudança de comportamento. E aí, você vai ou não? ’’ ― Ryan B.

‘’Claro, vou sim.’’  ― Justin.

Respondo simples e no mesmo instante o celular vibra dando mais uma alerta de uma nova mensagem.

‘’Então, fechou? Se sim, vou avisar aos caras e nós logo vamos colar lá.’’ ― Ryan B.

‘’Sim, pode avisar aos caras e em alguns minutos, eu chegarei lá.’’ ― Justin.

O Ryan não manda mais nenhuma mensagem e eu acho bom. Bloqueio a tela de meu aparelho e coloco-o no bolso de minha calça. Ligo o meu carro e dou partida seguindo em direção do local desejado. Está sendo bom está com esse carro do Chaz, ele me ajudou bastante durante o tempo que eu resolvi sair todos os dias em busca de um emprego. Mas como agora eu já consegui, eu posso muito bem entregá-lo amanhã à tarde.

O bom de ter saído e colocado vários currículos é que eu coloquei em um empresa rival… E a mesma logo decidiu me dá uma chance, mas pensei que isso poderia acontecer, mas o Kennedy Ross é esperto. Ele não perderia a chance de afrontar o meu pai desta maneira e eu por assim dizer, também posso afrontá-lo e mostrar para ele que eu sou bem mais do que eu imaginava ser. 

•••

Viro mais uma dose de minha Bitter gelada e olho para os vidros do bar, vendo através dos mesmos que o sol está quente lá fora. Fecho os meus olhos e mordo o meu lábio inferior a seguir.

Até o momento que chegamos aqui ninguém ainda tocou no assunto ‘’o que está acontecendo Justin?’’. O único dos meus amigos que sabe exatamente tudo o que está acontecendo comigo é o Chaz e ele tem me ajudado bastante. Não que eu não confie nos meus outros amigos, contudo o Chaz sempre foi o mais cabeça, de nós ele sempre foi aquele que teve sempre a cabeça no lugar, que pensa antes de fazer as coisas… Resumindo, é o mais maduro de nós. 

Foi ele também que me fez enxergar as coisas e mostrou-me que eu não deveria perder tempo em ir falar com a Cassandra. Ele se manteve ao meu lado, incentivando-me sempre a fazer o que é certo.

Abro os meus olhos para fitá-los.

― O que está acontecendo, Justin? ― Ryan pergunta, estudando-me curiosamente enquanto o Alec está com seus braços cruzados a frente de seu corpo, olhando algumas das garçonetes que servem as mesas ao lado. Típico dele, ele é sempre o mais distraído de todos e é o que está sempre em busca de qual das garçonetes levar para a cama até o final do dia.

― Nada. 

― Nada, Justin? Você tem certeza? Desde a última festa que a Caitlin deu e que na mesma ela acabou humilhando a Cassandra, vocês estão bastante próximos, Dude. E acredite, que não é apenas eu que estou notando essa aproximação, no colégio não se fala em outra coisa. Vocês se beijam, estão sempre juntos e você não está disfarçando a troca de afetos. Eu ainda não esqueci do episódio do dia que vocês chegaram de mãos dadas, de mãos dadas, Justin! ― suas sobrancelhas, fecham-se ― O que está pegando? Até ontem você odiava a bolsista porque ela não tinha rastejado aos teus pés depois que você conseguiu o que queria. Ela mostrou que ela é diferente de todas as garotas a qual você estava acostumado a se envolver.

E deve ser justamente por isso que eu estou completamente rendido pela Cassandra, por ela ser diferente, por ter algo bom a oferecer, ela não é igual a essa meninas fúteis a qual eu costumava sempre a me envolver.

― Não a chame assim, Ryan ― peço ― O nome dela é Cassandra e eu acho que é assim que ela deve ser chamada, por seu nome.

― Qual foi, Justin? Você sempre a chamou assim e nunca viu problema nisso ― seus dedos giram na borda de seu copo ― Agora eu entendi tudo ―  sussurra ― Você quer a levar novamente para cama, não é? Por isso está fazendo esse teatro todo. Vocês chegaram juntos no colégio de mãos dadas atraindo os olhares de todos, e você não faria isso se não tivesse um objetivo maior.

― Não é nada disso ― digo rápido.

― Então o que é? Nós somos os seus amigos e você acha que nós não devemos saber o que está acontecendo com você? ― volto a bebericar a minha bebida ― Nunca teve segredos com a gente, porque isso agora?

Levo o meu olhar até o Chaz e ele está com uma expressão neutra, por ser o único a saber o que está verdadeiramente acontecendo. Olho para o Chris e ele está com uma leve carranca em seu rosto, por ainda está bolado comigo pela maneira como eu tratei a Caitlin na semana passada na aula de Ed. Física.

― Eu concordo com o Ryan ― Alec que até antes tinha o seu olhar nas garçonetes, trás até mim.

― Eu vou ser pai ― solto rápido, sei que disse a Cassandra que eu não contaria a ninguém até antes de sua barriga dar todos os indícios que ela está grávida, mas não iria conseguir guardar esse segredo por tanto tempo e eles não iriam desistir de saber tudo o que está acontecendo.

E eles são meus amigos.

― Você está louco? ― Ryan esbraveja surpreso, e bate suas mãos sobre a mesa olhando-me com os olhos saltados, não acreditando no que acabou de sair de minha boca ― Que porra foi que você fumou, cara? Realmente você não está falando nada com nada, Justin! 

― Não blefa! ― Christian olha-me.

Ele é um dos que sempre me ouviu dizer que não tinha planos de ter filhos. Falava isso sempre para ele porque o próprio tinha medo que a Caitlin engravidasse de mim quando ainda namorávamos.

― Eu não estou blefando.

― E quem você engravidou? ― Alec indaga.

― Não é quem eu estou pensando, não pode ser ― Ryan sussurra ― Foi apenas uma vez.

― E essa única vez foi o suficiente para ela ficar grávida ― falo ― A aposta tola de vocês teve um resultado. 

— Não queira pagar de santo agora, você aceitou porque quis a aposta ― Chris fala emburrado ― Ninguém o forçou a nada.

― Sim, eu aceitei porque quis, mas agora, eu me arrependi verdadeiramente ― falo com toda a minha sinceridade ― Se fosse hoje, eu não brincaria com a Cassandra daquela maneira.

― Esse filho pode não ser seu. Isso aconteceu há tempos e você não sabe se ela ficou com outros caras depois de você, Drew ― continua Ryan ― Você tem que ser cauteloso, não se deixe levar pela emoção!

 ― Eu fui o único cara com quem ela se relacionou até hoje, Ryan ― digo ― Se eu não tivesse a levado a cama por conta daquela aposta, ela continuaria a mesma Cassandra de sempre. Contudo, eu me senti desafiado, topei o desafio e a levei a cama como o combinado.

Inspiro rapidamente o ar que me rodeia e solto-o levemente.

― E por não ter tomado o cuidado que deveria, eu a engravidei e agora vou ser pai.

― Você é novo! É apenas um adolescente de dezessete anos, tem vários planos para o seu futuro e vai querer acabar com tudo assim? Você sabe que se não quiser ter esse filho, você não tem. Você pode escolher se quer essa responsabilidade para o resto de sua vida ou não.

Olho para ele incrédulo.

― É de uma vida que estamos falando, Butler ― passo as mãos por entre os meus fios de cabelos ― E não é algo que eu possa me desfazer. No momento em que eu aceitei aposta e a levei até a cama, eu fui um completo moleque, pensei apenas em mim e no meu egoísmo sem limites, porém agora, vou ser homem o suficiente para assumir o meu filho e ninguém no mundo irá fazer com que eu mude de ideia.

― Eu concordo com o Justin ― o Chaz coloca o seu braço sobre o meu ombro ― E estou disposto a ajudar ele e a Cassandra no que eles precisarem. Se está sendo difícil para ele, imagina para Cassandra? Ela era uma menina cheia de sonhos, e não só o Justin tem culpa nisso, nós também somos culpados por termos destruído parte deles ― aponta o dedo para o Ryan ― E você ficou cismado pelo fato dela ainda ser virgem e saiu com a ideia de que ninguém a levaria a cama. O Justin ficou intrigado o bastante e disse que a levaria, no mesmo instante, você duvidou e ele como adora desafios aceitou a aposta  ― abre os braços ― E no final acabou nisso.

― Não é hora para julgarmos e poderia ser qualquer um de nós.

― O Chaz tem toda a razão ― Alec concorda ― Essa responsabilidade é tanto do Justin quanto é da Cassandra. E como pai, ele está agindo certo em apoiá-la ― levanta-se e caminha em minha direção, apoiando o seu braço em meu ombro esquerdo ― E você também pode contar comigo para o que precisar, Dude.

― Justin, me desculpe, eu falei isso sem pensar ― Ryan diz ― É algo novo e eu realmente fiquei surpreso ao você despejar toda essa novidade em cima da gente ― caminha em minha direção, bagunçando os meus cabelos em seguida.

― Tudo bem ― lembro-me que até eu não soube receber a notícia logo de primeira, tanto que a minha primeira reação foi fugir como um covarde.

― E cara, meus parabéns! ― grita eufórico ― E nós vamos comemorar isso, Justin!  ― chama uma garçonete que passa do outro lado do corredor, mas logo vem com um sorriso em nossa direção.

― Eu tenho um pedido a fazer.

― Qual?

― Não contem a ninguém sobre esse assunto ― peço ― A Cassandra quer esconder até a sua barriga não dar nenhum sinal de que ela esteja grávida.

― Pode deixar com a gente ― ouço eles dizerem em uníssono, até mesmo o Chris ― Agora, deixe-me fazer o pedido das melhores bebidas porque nós vamos comemorar ― ele aproxima-se da garçonete para fazer o pedido.

― A Caitlin vai ficar arrasada quando souber disso ― Chris sussurra, com seus olhos ficando vagos.

― Tenho certeza que não ― digo entredentes ― A sua irmã já sabe e no instante que tomou conhecimento foi correndo contar isso para o Jeremy.

― Então por isso que você a tratou daquela maneira naquela manhã que quase bateu nela?

― Sim, porque ela não tinha o direito de se intrometer na minha vida como fez ― um clima estranho paira no ar.

― E o seu pai como está lidando com tudo isso? ― Alec indaga, para tentar quebrar a tensão que se instala aqui entre nós.

Eu passo a explicar exatamente tudo a eles. Tudo o que vem acontecendo desde que o Jeremy tomou conhecimento da gravidez da Cassandra. Da minha saída de casa, os benefícios que perdi com o meu pai ao ter tomado a atitude de assumir o meu filho. Da minha busca incessante por um emprego e tratei logo de falar com eles que consegui um e isso foi mais um motivo que eles tiveram para comemorar. 

E é como o Ryan diz: eu realmente estou mudado, tenho agora até mesmo um emprego.

Eu realmente não imaginava que eu viveria tudo isso em tão pouco tempo, mas a vida tem me surpreendido muito.

••• 

À noite chegou tão rápido, desde que a Cassandra aceitou sair para jantar comigo e eu saí para encontrar com os meus amigos, no momento que eu cheguei em casa, fiquei tão ansioso para chegar à noite, porque depois do meu termino com a Caitlin, eu não fiz mais isso. Eu não levei mais alguém para sair, ou coisa do tipo, a Cassandra vai ser a primeira pessoa depois disso e eu vou fazer com que a noite de hoje seja especial para nós dois. 

Tanto que eu nem bebi muito com os meus amigos para está sóbrio e eu estou.

Agora, estou saindo em direção de sua casa, fiquei de pegá-la para irmos jantar em um dos restaurantes que eu gosto bastante. Um restaurante que serve ótimas comidas francesas e eu sinto que ela irá gostar também.

Depois de uma hora no trânsito, eu chego à casa da Cassandra. Bato na porta e não demora muito e ela vem receber-me. Ao deparar-me com ela, passo a olhá-la de cima a baixo e ela está incrivelmente maravilhosa em uma linda saia longa branca e um cropped branco de renda. Seus cabelos estão soltos jogados para um lado, a sua maquiagem está adequada para a ocasião. Desço o meu olhar por todo o seu corpo que vem ganhando mais formas e curvas por conta da gravidez, assim que meus olhos sobem novamente, eu posso ver que seus seios estão visivelmente exposto em um decote simples. Subo mais fazendo os nossos olhares se encontrarem. Vejo os seus olhos, fitarem-me tímidos e noto-o dar um sorriso sem graça por meu intenso olhar, mas eu realmente não poderia deixar de admirá-la.

Na sua mão também posso ver um pequena sacola com um embrulho dentro.

― Você está linda!

― Obrigada, você também está ― ela diz.

Em poucos instantes, eu noto a sua mãe chegar ao seu lado, abraçando-a de lado e nesse pouco tempo de convivência, eu pude notar o quanto elas são apegadas. Apesar de não ter tido um pai presente, a sua mãe vem fazendo um ótimo papel.

― O que acha de entrar um pouquinho, Justin? ― sua mãe pergunta animada, olhando-me.

― Prometo que na próxima vez ― eu digo ― Mas agora se a senhora permite, a gente precisa ir. O caminho não é tão perto e eu quero aproveitar muito à noite de hoje com a Cassandra, nós temos um bom motivo para comemorarmos.

Pisco e ela sorri extremamente envergonhada.

― Claro ― sua mãe diz ― Espero que vocês se divirtam muito! ― olha para a filha e beija a testa da mesma ― E cuida bem de minha Cassandra, viu? ― pede, assim que ela vem caminhando em minha direção. 

― Pode deixar, eu vou cuidar muito bem dela ― olho para a Cassandra que para ao meu lado. 

― Tenham juízo, por favor! ― ela pede, assim como todas as mães, mas acredito que não precisamos mais disso.

 

― Mãe, prometo que não irei demorar.

― Isso se você voltar, não é? ― sua mãe diz divertida, e pisca no final deixando-a mais envergonhada ainda.

― Mãe! ― ela repreende a sua mãe e em seguida, despedimo-nos dela e seguimos em direção de meu carro para irmos até o destino desejado.

Abro a porta para ela e logo dou a volta ocupando o meu lugar. Vejo-a abrir metade do vidro e acena para a sua mãe que ainda nos assiste da porta de sua casa. Não demora muito e eu ligo o carro deixando o bairro onde a Cassandra mora.

Ligo o som do carro e passo a escolher uma música e opto por colocar a música I’m In Love do The Beatles, a nossa banda favorita.

Indireta? Talvez.

Ela sorri e eu sorrio também só que com os meus olhos presos no caminhando a minha frente. Como acabamos ficando em silêncio, eu acabo ficando imerso em meus pensamentos e eles me levem até hoje cedo, no momento que falei com a minha mãe quando cheguei em casa. Liguei para ela e disse que tinha conseguido um emprego, só não disse onde, mas a informei que de segunda-feira em diante a minha vida, ela irá mudar, eu irei tomar um rumo e fazer as coisas certas.

A minha mãe ficou tão feliz por mim visto que ela está vendo o esforço que eu estou fazendo para mudar e assumir as minhas responsabilidades. Ela disse-me até mesmo que está orgulhosa da pessoa que eu estou me tornando e eu gostei de ouvir isso dela, já que tantas vezes eu ouvi do Jeremy que nunca soube fazer algo direito.

Balanço a minha cabeça, tentando afastar todo os pensamentos negativos que queiram vir.

Hoje não é noite para dar-lhes espaços.

Já sinto os ventos entrarem pelas janelas de vidro cada vez mais que estamos nos aproximando do local. O restaurante que eu escolhi para virmos, fica bem próximo de uma das praias que eu gosto bastante. 

Fecho os olhos ao estacionar na área apropriada e logo desço vendo a menina ao meu lado fazer o mesmo. 

Caminhamos lentamente em direção da entrada do restaurante. Como aqui sempre lota, eu acabei fazendo a reserva assim que cheguei em casa. A moça simpática nos recebe e logo após eu falar o meu nome, ela nos direciona até uma mesa fixada em um bom lugar. Daqui também podemos ter uma visão da praia do outro lado da calçada.

Sentamos ainda sem dizer uma palavra.

― Eu fico feliz que você tenha encontrado um emprego, Justin ― ela diz, quebrando o silêncio.

― Eu também estou muito feliz por ter conseguindo um emprego ― olho para a sua mão sobre a mesa e levo a minha, acariciando a mesma ― E sabe? Você e o meu filho foram os meus maiores incentivos para continuar procurando um trabalho ― deixo transparecer toda a minha sinceridade.

Ela sorri tímida.

― Eu estou aprendendo muito com isso Cassandra ― continuo ― Estou aprendendo muito com você a ser uma pessoa melhor.

― Eu também estou aprendendo muito com você, Justin ― coloca uma de suas mexas de cabelos atrás da orelha.

Passamos a conversar sobre tudo o que vem acontecendo com a gente, às mudanças, as descobertas e como está sendo bom aprender cada coisa um ao lado do outro. Falamos sobre o emprego que eu consegui, como foi a conversa e os termos acertados. Conversamos também sobre como foi o nosso dia, até que decidimos escolher o que comer.

Ainda olhando o menu, eu acabo escolhendo a entrada e deixando o prato principal com ela, assim como a sobremesa.

••• 

Após o nosso jantar que foi incrível, onde conversamos muito e nos divertimos enquanto comíamos. Eu decidi deixar o local aqui com a Cassandra ao meu lado. Toco em sua desocupada e puxa-a de encontro a mim.

Na calçada ainda em quando andamos, eu vejo um carrinho com uma senhora que vende flores e eu decido comprar um única rosa. Acabo escolhendo uma rosa vermelha, com folhas bem verdes e viçosas. Pago pela mesma e entrego a Cassandra que sem exitar, pega-a de minhas mãos e leva até o nariz inalando o doce aroma que a mesma possui.

― Obrigada ― ela sussurra, e eu voltamos a caminhar lentamente em direção da praia enquanto ainda mantemos os nossos dedos entrelaçados um no outro.

Olho para o céu e o mesmo está bastante iluminado. A noite está verdadeiramente muito linda hoje.

Ela ainda continua com a sacola em mãos, em momento algum, ela se desgrudou da mesma e eu estou começando a ficar bastante curioso. Ao chegar na areia, tiramos os nossos calçados e andamos já ouvindo o barulho das ondas quebrando-se e o cheiro de mar que logo nos acolhe.

Sentamos de frente para a maravilha diante de nossos olhos.

― Eu tenho um presente para você ― ela diz, virando a sua cabeça e olhando para mim que neste momento me encontro com os meus olhos presos nela também.

― Pra mim? ― pergunto surpresa.

― Sim. Na terça-feira à noite depois do trabalho, eu fui ao shopping com as minhas amigas ― morde o meu lábio inferior ― E ao ver a peça, eu lembrei de você e decidi comprar de presente para te dar quando estivessemos a sós.

Sorrio.

— Espero que você goste! ― ela diz, entregando-me a pequena sacola que ela manteve ao seu lado desde que saímos de sua casa.

Pego a mesma com cuidado e retiro uma pequena caixa. Coloco a sacola ao lado e abro o objeto vendo que há uma pequena peça dentro. Pego a mesma em minhas mãos e vejo que é um body branco com a seguinte frase escrita de vermelho: ‘’Cuidado! papai ciumento.’’ Sorrio pela frase, porque realmente eu vou ser um pai protetor, se eu tiver uma filha menina, eu irei a proteger com unhas e dentes para que nenhum garoto jamais machuque a minha garotinha.

Continuo olhando para a peça tão pequena que me faz lembrar que daqui alguns meses, eu terei alguém aqui comigo.

Pego o bilhete que veio com o presente e leio a frase escrita: ‘’Love you, Dad.’’ Sinto os meus olhos arderem e eu aperto os mesmos, sentindo as minhas lágrimas descerem de meus olhos. E eu não sinto vergonha por isso, por expor a minha humanidade de maneira tão sincera. A gente cresce e passa vida inteira ouvindo que nós homens não devemos chorar, que chorar é sinal de fraqueza, mas não, hoje eu vejo que chorar é sinal de humanidade e está tudo em expô-la. 

Beijo a peça e guardo-a no mesmo lugar. 

Olho para a Cassandra  e puxo-a para mim, ficando de pé um de frente ao outro.

― Obrigada! ― digo, colando a minha testa na sua, ouvindo o som acelerado de sua respiração ― Eu amei o presente… E obrigada por me dar o melhor presente de todos que é o meu filho.

Trago a minha mão até a sua barriga e deposito um afago curvando-me em seguida diante de sua barriga, deixando um beijo sobre a mesma.

― Eu já amo você ― digo ― E eu prometo ser um bom pai. Eu prometo que em cada passo que você der, eu estarei aqui para te guiar ― subo novamente o meu olhar, encontrando os olhos chorosos da Cassandra. 

Trago a sua cintura e coloco junta da minha. Olho dentro de seus olhos azuis que contém algumas lágrimas de emoções, assim como nos meus também se encontram. Coloco o seu cabelo atrás de sua orelha e acaricio a sua bochecha, vendo-a fechar os olhos por alguns instantes, mas logo faz questão de abri-los.

― Desde que nos aproximamos... Você despertou algo bom em mim, fazendo-me ver um Justin que eu não fazia mais ideia que existia. Você pouco a pouco me ajudou, a reencontrar-me, e eu estou tornando-me uma pessoa melhor ― pego em uma de suas mãos ― E eu estou amando tudo isso que você vem provocando em mim. É algo bom, é algo tão bom que eu não consigo mais disfarçar, eu não não consigo mais negar isso para mim mesmo os sentimentos que eu estou sentindo por você ― trago novamente a minha mão até a sua bochecha enquanto a outra ainda se mantém em sua cintura.

Eu estou completamente apaixonado por você, Cassandra Agron! ― falo a frase que eu não estava mais aguentando guardar para mim. Noto-a abrir a boca algumas vezes e eu puxo-a para mim colocando os meus lábios delicadamente nos seus, sentindo o misturar de nossas línguas, o som que as mesmas causam ao tocarem uma na outra. E eu não poderia escolher um lugar melhor para me declarar, porque tivemos um lindo cenário: o mar e estrelas de testemunhas.


Notas Finais


Amores, eu adoraria saber as opiniões de vocês sobre o capítulo! <3

Continuaaaaaaaaaaaaa?

O que acharam desse capítulo?

EU ESTOU MUITO APAIXONADA PORQUE O JUSTIN SE DECLAROU PARA A NOSSA CASSA. Vontade de guardar eles em um pontinho para que ninguém os machuque jamais!

Eu tenho que ser sincera que esse Justin todo apaixonadinho ganha muito o meu coração. Onde nós podemos encomendar um?

E a mãe da Cass, muito maravilhosa, né? Eu amo, céus!

O que será que vai acontecer no próximo capítulo?

Aaaaaaaah, sério, eu tô surtando porque foi o Justin a se declarar primeiro, eu estou apaixonada demais.

Espero que vocês tenham gostado, assim como eu gostei de escrever, meus amores <3

Quero agradecer a cada um de vocês que comentaram no capítulo anterior, anjos. Muito obrigada mesmo! <3

Fanfic que eu e a @HeyMika estamos escrevendo. O Link vai está logo aqui embaixo, vai ser uma honra ter vocês como leitoras lá. <3

Fanfic Blindfolded > Link:

https://www.spiritfanfiction.com/historia/blindfolded-17534557

https://www.spiritfanfiction.com/historia/blindfolded-17534557

Link do grupo de minhas fanfics no WhatsApp: https://chat.whatsapp.com/28XeYJsjJM0HyeeGKwpuvt

Link do trailer: https://www.youtube.com/watch?v=QDqeCybZ83w

Link da playlist: https://open.spotify.com/playlist/0XvQXNmmoegQZSOZx8tJly

Link do Instagram das fanfics: (Sempre crio umas enquetes nos stories, amores) https://www.instagram.com/fanficsofmiihnunes/

Link do Tumbrl: https://cantinhodamiih.tumblr.com/

Conto com a grande ajuda de vocês!

Com todo amor, Miih. Eu amo muito vocês <3

Até o próximo capítulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...