1. Spirit Fanfics >
  2. Cassino: As duas tribos >
  3. O que seria ser mau?

História Cassino: As duas tribos - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


Oi mores! Vamos lá cada capítulo vou colocar a foto de um dos personagens ou dos Jikook!

Vamos lá o personagem se chama Hongseok, as vezes vou chamá-lo de Seok, não é o Seokjin. 😅

Bora?

Capítulo 9 - O que seria ser mau?


Fanfic / Fanfiction Cassino: As duas tribos - Capítulo 9 - O que seria ser mau?

As apresentações de Jimin ficavam sempre cheias, as noites em que ele se apresentava o cassino faturava o dobro, como já disse antes park tinha o dom de iludir as pessoas, fazê-las gastar mais do que deviam era uma tática da magia dele, Ling tinha algo parecido, mas ao invés de palavras mágicas ele usava a música, particularmente adorava o show que Jimin dava, queria não precisar usar seu canto, mas era assim que ele funcionava. Xiao Zhan carregava Xandoré consigo, enquanto que seu irmão Ling foi "abençoado" com Iara, desde muito pequeno o garoto sempre foi difícil de lidar, o temperamento frio já fazia parte de sua vida desde muito cedo, o que preocupava os pais, Ling não tinha empatia pelas pessoas, sempre fez tudo por si mesmo, nunca pensou nos outros, ele tinha apenas uma pessoa na vida que ele amava a irmã mais velha que morreu bem jovem.depois disso ele nunca teve compaixão por alguém, mas isso estava prestes a mudar.

Enquanto Jimin apresentava seu número Baekho chamou Ling e Zhan precisava resolver uma situação urgente.

— Do que precisa? — Zhan pergunta.

— Eu emprestei um dinheiro alto a um senhor chamado Hong Xiu, mas ele não conseguiu me pagar nem a metade, a desculpa é que o filho piorou o estado de saúde e estão tendo muita despesa com isso, mas estou pouco me fodendo, quero que mate cada um deles, incluindo o filho doente. 

— Endereço por favor. 

— Esse serviço é para o Ling, Zhan você vai dar um jeito no gêmeo hoje. Não quero mais riscos, simule um suicídio você é bom nisso. — Ling pegou o endereço e Zhan foi atrás de Yibo. 

Zhan chegou a casa de Yibo por volta de dez da noite, ele o convidou para entrar estava bastante deprimido, era aniversário dele e do irmão e era a primeira que não o tinha por perto.

— Você está bêbado Yibo?

— Meu irmão morreu, hoje fazemos 24 anos, mas ele não está aqui. — O choro dele comoveu Xiao Zhan, afinal de contas ele tinha um irmão e mesmo ele sendo o satanás encarnado não queria o perder, entendia a dor de Yibo, pois também já havia perdido uma irmã. 

— Ouça Yibo, sei que é difícil pra você, mas volte para o seu país, quem fez isso com seu irmão é perigoso, vai te machucar também. Volte para china por favor. 

— Então descobriu quem foi?

— Só o mandante, ele me ameaçou, vai matar você se ficar aqui. Arrume suas coisas eu compro as passagens para amanhã mesmo, ok? — Yibo ficou com medo e acabou aceitando ir embora. Zhan agendou a viagem dele pela internet, e ficou mais um pouco lá com ele, Yibo estava meio alto, mas sabia o que fazia, então sem que o outro esperasse o beijou, Zhan sabia que não devia corresponder, mas Yibo era bonito e estava disponível, Zhan não viu problemas em ficar com ele aquela noite.

                        🧜‍♂️

A missão de Ling era matar a família inteira e ir embora, mas ao chegar ao endereço reconheceu o lugar, era a casa onde o menino com fibrose cística morava.

— Ah puta merda! A vida deles já é uma bosta mesmo, mata-los vai ajudar. — Ling entrou pela janela sem fazer barulho, estava de máscara e capuz ninguém o reconheceria se o visse. Foi ao quarto onde o menino doente dormia primeiro, era um quarto pequeno onde ele dormia sozinho, Ling o olhou bem, tirar o oxigênio que  o fazia respirar seria muita crueldade, porém ele só precisava fazer seu trabalho, quando ele ia desligar o oxigênio o garoto acordou, meio zonzo.

— Será um pesadelo de novo? — Ling ficou paralisado e colocou a mão na boca do menino e pediu que ele não gritasse.

— Não grite, se não vou te matar lenta e dolorosamente, quero que me responda uma única pergunta e eu vou embora. — O garoto fez sinal com a cabeça e já ia chorar. — Não chore, sei que pra você chorar   é  doloroso, não vou te machucar só quero saber quanto seu pai deve ao meu chefe e juro que vou embora.

— Cinquenta mil. 

— É só isso?

— Como só isso?! Cinquenta mil é muito dinheiro.

— A quem mais ele deve? 

— Ao dono do cassino e ao moço da vendinha.

— Quanto?

— Setecentos reais.

— Quantos anos tem você e seu irmão?

— Meu irmão tem cinco e eu tenho vinte. 

— Vinte?! Pensei que tivesse dezesseis! 

— A doença não deixou eu evoluir muito, então não tive um desenvolvimento normal.

— Ok, peça ao seu pai que não faça mais negócios com agiotas, ou vão matar vocês as dívidas serão pagas.

— Quem é você? E como vou saber se está falando a verdade?

— Não precisa saber quem sou, amanhã de manhã vai saber que a dívida foi paga.

— Espera, como posso agradecer.

— Não precisa. Na verdade eu não sei por que tô fazendo isso. — Ling saiu pela janela do quarto e fez uma transferência para a conta de Baekho de uma conta privada dele. Chegou no cassino meio confuso. 

— Era só matar todo mundo e ir embora! Por que pagar a dívida com meu próprio dinheiro?! — Se perguntava a cada minuto, ele não dormiu a noite inteira e pela manhã foi a tal vendinha e quitou a dívida.

— Eu quero que o senhor mande entregar umas coisas na casa do senhor Hong Xiang.

— Só pegar as coisas que eu mando entregar.

— Eu quero também que se ele precisar de alguma coisa o senhor, venda mesmo que for fiado e me mande a conta por esse número. 

— Ok, senhor, mais alguma coisa?

— Não, Obrigado. — Ling ainda não entendia bem por que estava fazendo isso, então apenas observou quando o homem mandou entregar as compras, Hongseok estava no portão de casa, precisava tomar sol pela manhã, por isso estava sentado em uma cadeira com seu respirador portátil que custava caro para reabastecer. 

— Seu pai está Seok? 

— Não, ele foi trabalhar.

— E sua mãe? 

— Ela também tá no trabalho. — Seok começou a tossir sem parar o homem da venda pegou água para ele.

— A gente vai pagar seu Carlos, só tá demorando por minha culpa eu tive uma crise forte dias atrás e eles tiveram despesas com remédios caros.

— Não é nada disso. A dívida foi paga, só quero dizer que podem pegar qualquer coisa que precisar da loja, tudo bem?

— Quem pagou?

— Ah um moço Jovem, ele disse que vai pagar tudo que precisarem da minha loja e mandou entregar essas coisas. — Seok, olhou ao redor e não viu ninguém, mas sorriu, as coisas estavam acabando em casa e tudo por causa de sua doença.

— Sabe o nome dele?

— Não, mas tenho um número de telefone se quiser te dou. 

— Quero. 

— Ah ele disse que o outro assunto também está resolvido. — HongSeok ficou um pouco preocupado não entendia por que aquele cara fez aquilo, era muita coisa para alguém desconhecido, então ligou para o número.

— Quem é? — Ling não sabia que o senhor havia dado o número para Seok.

— É o Hongseok, eu quero agradecer, mas qual sua intenção nos ajudando?

— Não sei bem o porquê, mas acho que tem a ver com alguém que perdi quando era muito pequeno. 

— Eu quero saber quem é você.

— Melhor não, eu fico no anonimato, se precisar de qualquer coisa me liga, mesmo que seja a cobrar eu vou atender, ok? 

— Me diga ao menos seu nome.

— Ling. — Ele desligou e Seok ficou pensando em quem poderia ser ele, mais tarde quando os pais chegaram do trabalho, ele contou tudo e o senhor Xiang foi até a vendinha perguntar ao dono se aquilo era mesmo verdade e o senhor Carlos confirmou que sim, incluindo que a dívida com o dono do cassino também estava paga. 

No cassino, Baekho achou estranho o dinheiro cair na conta e perguntou a Ling o que houve.

— Como ele pagou a dívida?

— Ele tinha feito um empréstimo Bae para manter as despesas do filho, mas quando viu que iam todos morrer fez a transferência. 

— Que bom, ao menos não temos mais algumas mortes. 

— Sabia que o homem não ia ter condições de pagar a dívida e mesmo assim emprestou o dinheiro Baekho, agora vão passar privações por causa disso.

— E você tá comovido? Por que o pobre garoto é doentinho?  Não é por que sua irmã morreu Jovem por causa de uma doença respiratória que deve ficar com dó daquele garoto. Não tem jeito ele vai morrer mesmo. Agora sai! E obrigado por seu excelente trabalho. Ah espera! Onde está Zhan?

— Ele convenceu Yibo a ir embora foi até o aeroporto o acompanhar pra certificar que ele vai embarcar mesmo. — Ling saiu da sala de Baekho, Jimin o viu passar para o quarto dele.

— Ling?

— O que foi?

— Não sei o que é exatamente mas tem algo o perturbado.

— Tem sim, eu não sinto pena de ninguém e estou sentindo isso por uma pessoa. Não gosto da sensação é só isso. Vou dar um passeio de lancha quer vir?

— Eu não! Vai que tu me joga no mar como oferenda a Yemanjá!

— Hum, pode ter certeza que ela não vai aceitar essa oferenda não, tampinha.

— Olha que insuportável, mas me diga Iara ou Yemanjá? Uma das duas está aí com você. 

— Algumas crenças dizem que  as duas são a  mesma entidade, mas segundo algumas pessoas dizem que Yemanjá é benevolente, mas Iara apenas afoga os homens no mar, sem explicação. Então garoto chato, respondida sua pergunta?

— Ah sim, então é uma sereia psicopata?

— Basicamente, mas como sou homem posso dizer que sou um tritão.

— Homem onde? Você é mais poquizinha que o Yuri.

— Não sou não, sou bem ativo se quer saber, e fico com mulher também.

— Olha seus segredos sendo jogados assim, o que mais esconde Ling?

— Um desejo imenso de te afogar Park Jimin. — Eles riram e Ji foi se encontrar com Jungkook, contar a ele que sabia que Taella estava infiltrada. Já no barzinho, Jungkook agarra Jimin com vontade o beijo é de dar inveja em qualquer um. 

— Vamos devagar seu polícia, que tenho algo sério para contar.

— O que foi? Você está muito sério.

— A moça russa que foi trabalhar no cassino vai ser descoberta, ela entrou em um jogo com Baekho e ele não é normal, na verdade Kookie a maioria dos funcionários de confiança dele são como nós, tem um guia espiritual forte que dá poder a eles. Baekho é o pior de todos, Nem meus feitiços pegam nele, se Taella não sair ainda essa noite do cassino ela vai morrer.






Notas Finais


Quem era a Iara?

A Iara, também conhecida como “mãe d’água”, é uma entidade que faz parte do folclore brasileiro, sendo muito conhecida, principalmente na região Norte do Brasil. Na lenda, diz-se que a Iara é uma sereia, sendo parte mulher e parte peixe. Ela mora dentro de um rio e possui grande beleza física, uma bela voz e muitas riquezas.
A lenda conta que Iara usa esses atributos (a beleza, a voz e a riqueza) para seduzir homens que estão navegando no rio ou que estão às margens dele. Os homens, encantados, vão para junto de Iara, que os leva para sua residência debaixo d’água. Aqueles que são seduzidos não são vistos novamente.

Volto terça. Assim espero


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...