1. Spirit Fanfics >
  2. Castelo Bruxo - Newt Scamander >
  3. Capítulo 36

História Castelo Bruxo - Newt Scamander - Capítulo 36


Escrita por:


Capítulo 36 - Capítulo 36


Fanfic / Fanfiction Castelo Bruxo - Newt Scamander - Capítulo 36 - Capítulo 36

 Aparatamos e a sensação de desconforto ficou ainda mais evidente e intensa, Newt parecia indiferente a esse tipo de reação e bastante acostumado a usar esse meio de locomoção. Respirei fundo algumas vezes e aos poucos retornei ao comando de meu próprio corpo, embora o nervosismo continue latente e a adrenalina estivesse percorrendo cada extremidade.

 Um pouco mais adiante havia uma tenda marrom de tamanho razoável e, mesmo distante foi possível ouvir o som da música alta, gritos de comemoração e risadas exageradas, além do cheiro forte de bebidas. Scamander segurou delicadamente em minha mão e me puxou em direção a entrada da tenda, suas mãos estavam transpirando em excesso e a tremedeira era evidente e palpável.


- Querido, respire fundo e acalme seu coração - Pedi antes de entrarmos - Vamos fazer isso juntos, certo? - Ajeitei a lapela de seu paletó.


- Ou podemos ir embora e fingir que nunca estivemos aqui - Respondeu olhando para trás.


- A decisão é sua, mas saiba que independente de sua escolha, você terá meu apoio - Afirmei e aguardei em silêncio.


 O britânico levou as mãos ao cabelo e deslizou os dedos pelos fios castanhos e desalinhados, respeitei seu momento de autoavaliação e torci para que ele fizesse a escolha certa. Eu entendo que ele esteja com medo de enfrentar o passado, mas ele irá se arrepender pelo resto da vida se decidir ir embora, as vezes, é necessário enfrentar aquilo que mais nos causa dor e colocar um ponto final.

 Além disso, esse é o casamento de seu único irmão e a família vem sempre em primeiro lugar, independente de suas más escolhas e decisões ruins. Continuamos assim por mais algum tempo, Newt olhou para meu rosto e seus olhos seguiram para dentro da tenda, franzi o cenho diante de sua atitude incomum e tentei entender a forma como as informações eram processadas em sua mente.


- Eu preciso entrar - Murmurou e sorri com a afirmação - Me daria a honra? - Estendeu o braço com elegância, como um perfeito cavalheiro.


- Com todo o prazer, senhor - Deslizei o braço contra o seu - Meu coração está batendo tão rápido - Admiti sentindo a palpitação acelerada.


- Tarde demais para voltar atrás, Amélia - Respondeu exibindo um lindo sorriso.


 O britânico respirou fundo e iniciou uma caminhada lenta para dentro da tenda, imediatamente todos os olhares vieram direto para nós dois e meu namorado ficou vermelho. Mordi os lábios na tentativa de reprimir o riso e não piorar o constrangimento do magizoologista, identifiquei Quennie e Jacob dançando em um canto mais afastado e discretamente puxei o homem ao encontro dos dois.


- Onde estamos indo, querida? - Perguntou Newt desconfortável com os olhares de desdém e murmúrios alheios.


- Seus amigos estão aqui - Afirmei apontando para o casal e seus olhos brilharam em reconhecimento - Quennie? Jacob? - Chamei empolgada.


- Newt? Você realmente veio, amigão - Gritou o trouxa emocionado e fez questão de abraçar - Amélia, você está deslumbrante - Elogiou.


- Obrigada - Sorri agradecida - A festa está linda - Comentei olhando ao redor.


- Amélia, estou tão feliz em vê-la - Quennie me abraçou apertado - Seu vestido é lindo - Ela sorriu abertamente.


- Obrigada, você também está de tirar o fôlego - Elogiei ao prestar atenção nos detalhes brilhantes em seu vestido - Jacob deve estar com problemas em manter os abutres longe - Brinquei.


- Sim, mas estou aliviado com a chegada de meus melhores amigos - Respondeu e fiquei surpresa com a situação, afinal nos conhecemos a pouco tempo - Newt, acabou de entrar no mesmo barco que eu - Apontou para homens que olhavam para mim.


- Eu sabia que deveríamos ter ido embora - Murmurou enfiando as mãos nos bolsos da calça e olhando para o chão, sua postura indicou timidez e frustração.


 Senti meu coração ficar apertado ao vê-lo tão afetado e intimidado com toda a atenção que eu estava recebendo, não foi preciso praticar legilimência para saber os pensamentos autodestrutivos rondando sua mente e acabando com sua confiança. Por sorte, uma melodia mais lenta e suave preencheu o ambiente e aos poucos o salão de dança foi se esvaziando, restando apenas casais mais experientes movendo-se segundo as notas musicais.

 Olhei para meu namorado e uma ideia estapafúrdia surgiu em meus pensamentos, situações críticas exigem medidas desesperadas, então andei até o britânico e o levei para a pista de dança. Estranhei a ausência dos recém casados, mas optei por ignorar esse pequeno detalhe, minha prioridade é mostrar a Scamander que pertenço a ele e não tenho vergonha de demonstrar a seriedade e minhas verdadeiras intenções nesse relacionamento.


- O que você está fazendo? - Questionou em pânico, mas não recuou ou se afastou.


- Dançando com o homem mais bonito do lugar - Afirmei colocando suas mãos em minha cintura e as minhas em seus ombros - Mas cuidado, eu tenho um namorado ciumento - Provoquei e ele sorriu.


- Porque está fazendo isso, Amélia? - Questionou assim que começamos a dançar e rodopiar.


- Eu não ligo para esses homens e muito menos para os olhares fixos e cheios de malícia e luxúria - Pontuei girando - Mas você se importa e obviamente está chateado, e eu não gosto disso - Pontuei.


- E dançar ajudaria de que maneira, amor? - Provocou, sem perceber que toda a tenção de seus músculos sumiu.


- Eu tenho a oportunidade de exibir ferozmente a minha beleza exótica e de dançar com um lindo homem - Sorri maliciosa - E você está mais tranquilo e não tem aquela expressão abatida no rosto, viu? Todos saem ganhando - Beijei seus lábios.


- Irmão? - Alguém murmurou atordoado e atrapalhou o clima entre nós dois.


- Teseu - Comprimentou o magizoologista em uma espécie estranha de comprimento.


 Olhei ao redor e cogitei a possibilidade de ir embora e deixá-los conversar com mais naturalidade e intimidade, mas Newt se agarrou em minha mão como se isso pudesse salvar sua alma da condenação. Uma mulher de cabelos curtos e pretos surgiu próxima dos irmãos Scamander, não foi complicado saber que aquela era a noiva, Tina usava um vestido branco simples e sem graça, não havia muitos detalhes para chamar atenção.


- Newt, você veio - Ela constatou alegre e eufórica, mais do que deveria - E está acompanhando - Sua voz não passou de um sussurro.


- E quem seria a senhorita? - Teseu me olhou de cima a baixo e seus olhos pararam em minha mão entrelaçada ao de seu irmão.


- Amélia Albuquerque, é um prazer conhecê-los e parabéns pelo casamento - Sorri estendendo a mão, a qual foi segurada e levada aos lábios - E você é Tina Goldstein, sua irmã falou muito ao seu respeito - Acenei educadamente.


- Conhece minha irmã? - Ela questionou atônita e assumindo uma postura mais dura e fria.


- Sim, nos conhecemos quando ela foi ao Brasil junto de Jacob - Respondi sob o olhar analítico da bruxa.


- Vocês estão... Juntos? - Teseu parecia incrédulo e inconformado - Tipo, namorados? - Insistiu.


- Sim, estamos juntos - Confessou Newt exibindo as bochechas e orelhas coradas.


- A quanto tempo? - Tina pressionou e demonstrou certa frustração, indignação e abalo emocional.


- Tempo o suficiente para termos um relacionamento sério e estável - Comentei abrindo o meu melhor sorriso.


- Ohh, entendi - Tina engoliu seco diante da resposta direta e certeira - Vocês foram bem rápidos - Ela riu de maneira provocativa.


- Eu não poderia deixá-la escapar, Amélia é única - Respondeu Newt atraindo a atenção para si mesmo - O tempo que estamos juntos são os melhores da minha vida - Dessa vez ele olhou para mim.


- Ele não é encantador e adorável? - Me aproximei e o magizoologista envolveu minha cintura de forma possessiva.


 Bem diferente do Newt de instantes atrás.


Sim, adorável - Tina desdenhou e identifiquei mágoa e raiva em seus olhos - É uma garota de sorte - Sorriu friamente.


- Eu sei, é como dizem por aí, sorte de uma e azar das outras - Ri e Teseu pareceu atordoado.


- Newton, meu irmão, você tirou a sorte grande - Comentou o auror britânico - Sua namorada é linda e deslumbrante - Fiquei desconfortável com o olhar do bruxo.


- Foi um prazer revê-los e parabéns pelo casamento, mas precisamos ir - Meu namorado tomou as rédeas da situação ao notar meu incômodo - Não queremos monopolizar a atenção dos noivos, há outros convidados - Ele acenou e me puxou para longe.


- Eles realmente se merecem, Merlim, que casal mais estranho - Confessei desviando das pessoas espalhadas pela tenda.


- Acho que devemos ir embora, eu não estou em clima para festejar - Newt parou e me olhou nos olhos.


- O... O quê? Mas porquê? - Congelei e tentei encontrar uma justificativa - Você ficou abalado ao vê-los juntos? - Mordi o lábio e fechei os punhos, nódulos brancos ficando visíveis.


- Esse ambiente é tenso e intoxicante, a maioria desses bruxos considera meu trabalho inferior e insignificante, Amélia - Elevou o tom de voz ao expressar sua raiva acumulada - Vir aqui abriu os meus olhos e evidenciou o óbvio, eu te amo e quero aproveitar sua companhia - Abriu os braços em exagero.


- E não estamos juntos agora? - Perguntei ignorando os olhares de bruxos curiosos e bisbilhoteiros.


- Você merece um ambiente calmo, romântico e aconchegante, e não esse caos organizado - Respondeu de prontidão - Sua presença deve ser apreciada e enaltecida, ao contrário desse lugar, os homens olham para você com fome e desejo - Despejou.


- E para onde iríamos? - Cruzei os braços na altura dos seios.


- Estamos em Paris, eu consigo imaginar alguns lugares - Afirmou de forma zombeteira e audaciosa.


- Newton Scamander, que escândalo constrangedor é esse? E justamente no casamento de seu irmão - Congelei ao ouvir a potência vocal de um homem parecido com meu namorado.


- Pai - Newt prendeu o ar nos pulmões e simplesmente congelou sem saber como agir.


- Olá, Sr. Scamander. É um imenso prazer conhecê-lo, eu sou Amélia - Me aproximei sorrindo docemente - Newt falou maravilhas ao seu respeito - Menti.


- E onde vocês se conheceram, senhorita? - O bruxo desviou a atenção do filho e focou em mim.


- Seu filho tem realizado pesquisas esclarecedoras e realmente úteis sobre as criaturas mágicas brasileiras, Newt é um homem talentoso e muito inteligente - Elogiei explicitamente.


- Querido, o que está acontecendo? - Uma mulher mais velha se aproximou - Newton, é você meu filho? - Ela olhou para o magizoologista ainda congelado.


- Oi, mãe - Apresentou reação após ser cutucado nas costelas - Essa é minha namorada - Segurou minha mão.


- É um prazer conhecê-la, Sra. Scamander - Abri o meu melhor sorriso - Seu vestido é lindo - Elogiei e a bruxa ficou vermelha.


 Sabemos de onde Newt herdou essa característica.


- Mãe e pai, vejo que conheceram a namorada do Newt - Teseu e Tina surgiram do além - Eles não formam um casal estranho? É incompreensível que estejam juntos - O comentário de seu irmão foi desnecessário.


- Mais incompreensível e insensível do que casar com a mulher que o seu irmão gostava? - Devolvi e todos engasgaram - Desculpe, eu fui direta demais para você, Teseu? - Desdenhei.


- Eu... - Ele ficou atordoado demais para responder.


- Quem você pensa que é para falar assim com meu marido? - Tina se meteu na história, completamente raivosa e enfurecida.


- Ninguém em especial, mas se gritar comigo novamente irá descobrir do que sou capaz - Respondi a altura, um silêncio ensurdecedor tomou conta do lugar - Reuniões de família não são surpreendentes? - Perguntei, mas ninguém comentou.


 Tupã, me leve embora.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...