História Castelo de vidro (Jikook) - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bts, Hoseok, Jikook, Jimin, Jungkook, Namjin, Namjoon, Romance, Seokjin, Taehyung, Taeyoonseok, Yaoi, Yoongi
Visualizações 115
Palavras 1.668
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Annyeong!

Capítulo 3 - The life of a demon


Fanfic / Fanfiction Castelo de vidro (Jikook) - Capítulo 3 - The life of a demon

Jungkook:

Então ele me empurra com brutalidade.

– Você é louco ou o quê? - ele diz com os olhos arregalados.

– UI! Ela 'tá de TPM! - eu digo dando uma risada debochada.

Então ele começa a me bater. E eu? Rolando de rir.

– Você acha mesmo que com essas mãos gordinhas e fofinhas algum tapa seu vai doer? - eu digo ainda rindo.

– Eu sugiro que você pare de rir, antes que eu arranque se pênis com uma faquinha de serra enferrujada. - ele diz com uma raiva quase palpável e um olhar mortal.

– Uí, ela ficou bravinha!

– Aish! Eu 'tô falando sério! Quando você ficar sem seu amiguinho de guerra, só não reclame e não diga que eu não avisei.

– Eu prefiro usar ele para algo muito mais interessante. O que acha Jimin?

– Você acha mesmo que tem alguma chance comigo?

– Tentar não custa nada não é mesmo? Afinal, eu não posso ficar na seca por tempo indeterminado.

– E eu por acaso sou alguma puta para ficar satisfazendo o desejo sexual dos outros?

– Se você é puta eu não sei, mas que você tem uma bunda gostosa tem e isso ninguém pode negar.

– Jungkook! Mais respeito com a minha pessoa! - ele diz corado.

– Eu hein, só fiz um elogio e você começou a dar chilique.

– Não foi só um elogio, você me deixou envergonhado! - ele diz fazendo um bico fofo e inflando as bochechas coradas.

– Relaxa, você fica lindo e muito fofo com as bochechas vermelhas. - eu disse num sussurro quase inaldível.

– O que você disse? - ele disse se aproximando de mim.  

– Nada importante. - eu digo e suspiro.

– Vai logo, diz o que foi.

– Por que a curiosidade?

– Vai que você estava falando mal de mim? Eu tenho que me adiantar e cavar a cova para te enterrar.

– Olha o fogueta! - digo com deboche.

– Do que me chamou?

– F-O-G-U-E-T-A. - eu soletro rindo de sua cara.

– 'Tá querendo morrer? - ele diz pegando uma faca que brotou de Nárnia.

– Eu não posso morrer, pelo menos não aqui no seu mundo.

– Mesmo que não morra, vai ser castrado e nunca mais vai poder bater uma.

– Nossa, 'pra quê agredir? (;-;)

– Você poderia fazer algo que não seja me perturbar?

– Eu posso contar a minha história.

– Como assim?

– A minha vida antes e depois de eu me tornar um demônio.

– Pois então conte-me quem é você.

– Bom, tudo começou quando eu tinha quinze anos…

Flashback on:

Eu estava com raiva de tudo e de todos. Ninguém me entendia mais, eles haviam me abandonado. Eu só queria beber, para esquecer a vida dura que era vivida por mim. Tudo que eu mais amava na vida foi tirado de mim de forma cruel. Eu já não tinha mais mãe e meu pai estava pouco se fudendo para mim. Já não me importava mais com o certo e com o errado, eu só queria me afundar no copo de uísque a minha frente. E de repente eu senti que alguém havia sentado do meu lado. Eu olhei para a tal pessoa, ela me pareceu familiar, e de fato era.

– O que você faz aqui Jeon Jungkook? Você deveria estar em casa me servindo sua putinha! - meu pai diz me puxando pelo braço com força. 

– Me solta seu canalha! Eu já descobri tudo, eu sei que você que armou um plano para matar a minha mãe! - eu disse já com os olhos marejados.

– Ah, então o pirralho descobriu que eu matei a vadia da mãe dele? - ele disse sorrindo com ironia. - que tal ter o mesmo fim que ela? Vamos começar por o que sua mãe mais fazia: dar o cu.

Então o desgraçado me agarrou a força e me levou para um motel. Eu estava desesperado, só sabia chorar, tendo a certeza de que o pesadelo chamado vida que eu era obrigado a viver todos os dias iria piorar muito. Eu fui jogado com brutalidade na cama, e ele foi trancar a porta do quarto. Eu vi um vaso e taquei na cabeça dele, o fazendo desmaiar. Então eu saí correndo daquele lugar.

Eu estava vagando sem rumo pelas ruas de Busan. Nem as luzes da cidade estavam conseguindo iluminar a minha pobre alma devastada. Eu perdi tudo, meu lar, minha família, meus amigos, minha vida. Eu estava perdido num turbilhão de pensamentos e sentimentos, viver já não fazia mais sentido. “Já que viver não faz mais sentido, por que eu continuo vivo?" Esse era o tipo de pensamento que rondava a minha cabeça no momento. E com esse tipo de coisa na cabeça, não deu outra, me joguei do sétimo andar de um prédio, assim terminando a minha triste trajetória, ou era pelo menos isso que eu pensava.

Acordei sem saber onde estava. Abri meus olhos e notei que estava num lugar quente e desértico. A areia vermelha contrastava perfeitamente com o lugar que eu estava: o inferno. Eu entrei pelos portões do inferno e logo senti um sensação estranha percorrer o meu corpo. Então eu cheguei até uma porta, sem saber muito bem o porquê, eu a abri. Dei de cara com um garoto branquelo de cabelos azul-esverdeados.

– Quem é você? - eu quis saber.

– Meu nome é Lúcifer, mas sou mais conhecido como Min Yoongi. E você quem é?

– Achei que você soubesse.

– Meu querido, milhares de pessoas entram e saem por aqueles portões. Você acha mesmo que eu sei o nome de cada um?

– Aish! Pois deveria saber! A propósito, meu nome é Jeon Jungkook.

– Ah sim, você é o garoto que matou o próprio pai e logo após se matou?

– Como assim “matou o próprio pai"? Eu apenas dei na cabeça dele com um vaso!

– Sim, mas você bateu com tanta força que ele teve um traumatismo craniano e morreu antes mesmo de você sair daquele motel. Inclusive, ele estava aqui à poucos minutos e vai pagar os seus pecados. Mas e você?

– Eu o quê?

– Como se sente?

– Vingado. - eu digo simplesmente.

– Então, que tal se fizéssemos um acordo?

– Que tipo de acordo?

– Hoseok!

Logo após ele chamar pelo tal Hoseok, um garoto sorridente de cabelos alaranjados apareceu.

– O que deseja senhor?

– Poderia explicar os nossos trabalhos para Jungkook?

– Ah, claro! Bom Jungkook, você vai ficar encarregado de fazer uma missão.

– Que tipo de missão? 

– Você será invocado por um garoto chamado Park Jimin e será o servo dele. Quando o seu serviço acabar, Kim Seokjin irá buscá-lo para que retorne à sua vida de demônio.

– Quem é Kim Seokjin?

– Pode trazê-lo aqui para mim Hoseok?

– Claro senhor.

Então ele sai. Eu sigo o olhar do Yoongi. Vejo um certo desejo em seus olhos enquanto os mesmos observam Hoseok se afastar. Ele morde o lábio inferior e retorna seu olhar para mim.

– Yoongi?

– Hm?

– O que o Hoseok é seu?

– Por que a pergunta? - ele diz com a sobrancelha arqueada.

Acho que vou sacaneá-lo um pouquinho.

– Fiquei interessado nele.

– Olha aqui, nem ouse chegar perto do Hoseok ou eu arranco suas bolas!

– Sei, você além de baixinho é marrento.

– Você me chamou de quê? Fala mais uma vez e tu morre definitivamente. - ele diz com uma carranca assustadora.

– Ninguém vai matar ninguém aqui não Yoongi! Olá querido, meu nome é Kim Seokjin. Como você se chama?

– Me chamo Jeon Jungkook senhor Kim.

– Deixe as formalidades de lado rapaz, me chame de Omma.

– Omma?

– Sim, mas se preferir, me chame de Jin.

– Então, quando eu começo?

– Primeiro você vai passar por cem anos de treinamento, depois está liberado para cumprir sua missão. – Hoseok diz.

– Cem anos? Daqui para lá eu vou estar morto! - digo espantado.

– Querido, isso é como 5 anos no seu mundo. - o tal Yoongi fala visivelmente entediado.

– Ah, e quando começa o treinamento?

– Agora mesmo. 

Então o meu treinamento começou. A partir dali eu me acostumei a ser um demônio. Nos cem anos de treinamento, eu fiquei amigo deles. O Yoongi e o Hoseok finalmente começaram a namorar. Claro que eu zoei o Yoongi por causa disso - inclusive nesse dia eu quase morri.

Flashback off

Jungkook:

– Nos últimos vinte anos de treinamento, eu te análise minimamente. A partir daí Jiminnie, eu comecei a desenvolver um sentimento novo e especial por você. Então eu peço que você não me afaste, isso dói muito. Não precisa me corresponder, eu só quero estar com você. Te ajudar nos momentos difíceis e prolongar os momentos felizes. - eu digo melancólico.

Então ele me abraçou forte. Havia muito mais que apenas compaixão naquele abraço, eu senti isso. Tudo havia parado, só havia ele, eu e o enorme laço que nós mantínhamos.

– Desculpe por eu ter te julgado Jungkook. - ele disse ainda abraçado comigo.

– Não tem problema Jiminnie, todo mundo erra. - eu digo encerrando o abraço.

Como eu estou por dentro? Em pleno carnaval! Não é todo dia que seu crush supremo te abraça, não é mesmo?

– Que tal assistirmos um filme? - ele propõe.

– Seria ótimo! - eu digo empolgado.

Então nós fizemos pipoca e fomos assistir “O grito 2". Como minha mãe sempre dizia, tudo que é bom dura pouco. A campainha tocou e eu fui ver quem era. Era um garoto com mais ou menos a idade do Jimin.

– Quem é Jungkook? - ele pergunta de lá do sofá.

– Não sei.

Então ele olha no olho mágico e arregala os olhos. 

– O que você está fazendo aqui Baekhyun? - ele diz abrindo a porta bruscamente.

– Eu vim ver o meu namorado.

– Nós terminamos Baekhyun!

– Mas eu ainda te amo Minnie. Volta 'pra mim? - ele diz fazendo cara de cachorro abandonado.

– Ok, eu volto Baekhyun. - ele diz suspirando.

Então eles se beijam com vontade. Meu coraçãozinho está em pedaços. Eu estava me segurando para não chorar na frente do casalzinho. Eu saí correndo para dentro de casa. Ouvi o Jimin me chamar, mas não dei ouvidos. Eu me tranquei em um dos banheiros da casa, e me permiti chorar.


Notas Finais


Coitado do Kookie ;-;

Até o próximo!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...