1. Spirit Fanfics >
  2. Castle e Bones: Juntando as forças. >
  3. Eu quero ir!

História Castle e Bones: Juntando as forças. - Capítulo 359


Escrita por:


Capítulo 359 - Eu quero ir!


Era manhã de terça-feira e Esposito estava tentando sair para trabalhar…

Marisol - Papaaa! - A neném gritava e esperneava toda vez que o pai tentava colocar ela no berço.

Espo - Filha, papai precisa trabalhar… hum? Olha a Girafa, ela vai pegar a Marisol… - Ele brinca com a pelúcia e a bebê para de chorar. - É, a Girafa é legal! Ela vai ficar com você pro papai ir trabalhar. - Ele colocou a filha e o brinquedo dentro do berço, sempre mexendo a Girafa para distrair a bebê.

Lanie foi ajudar, pegou a pelúcia da mão do namorado e continuou mexendo com ela. Aí Espo foi se afastando devagar, mas Marisol era esperta e percebeu o pai saindo. A menina empurrou a Girafa junto com a mão da mãe, se virou, foi até a beirada do berço que dava pra porta do quarto, se levantou e começou a chorar de novo.

Marisol - Papaaaa! 

Espo voltou pra perto da bebê. - Ah, Sol, num faz assim não, amor… papai quer muito ficar com você, mas não pode porque tem que trabalhar pra poder comprar doce e sorvete pra você.

Marisol - Papaaaa! - Ela ergue os bracinhos.

Espo - Tá, papai vai te pegar, mas só mais um pouquinho. - Ele diz pegando-a no colo. - Minha princesa, papai ama brincar com você, mas hoje eu tenho que ir trabalhar. - O celular dele emite um alerta. - Lanie, olha pra mim, por favor?

Lanie pega o aparelho - É mensagem do Ryan, ele tá dizendo pra você se encontrar com ele na empresa do Jardeu.

Espo - Certo, responde que eu estou indo… Papai tem que ir, bebê…

Lanie - Ele disse pra você não demorar, vai, me dá ela aqui e vai.

Espo - Ela vai chorar, não gosto quando ela chora assim.

Lanie - Eu sei, é ruim, mas eu aprendi a lidar com essas crises de choro, vai trabalhar, eu vou enrolar ela na sua camiseta e colocar o áudio seu cantando a música. Quando ela se acalmar e minha mãe chegar, eu vou trabalhar.

Espo beijou a testa da neném - Tá, Solzinha, vai com a mamãe...

Lanie pegou a filha - Vem cá princesinha! Olha a Girafa. - Ela pega a pelúcia e balança para a criança. Espo vai saindo, mas quando a porta se fecha…

Marisol se vira e começa a chorar - Papaaaa! 

Lanie balança a pequena - Shiuuu, papai já volta, vamos ouvir ele cantar? - Ela liga o áudio com a voz do Espo e Marisol se acalma um pouco. - É o papai, ele tá cantando pra você… - Devagar ela enrola a camiseta do Javier na bebê e Sol encosta a cabecinha no ombro da mãe. - Calma Solzinha, papai logo volta pra você. - Melinda Parish abre a porta da frente.

Marisol escuta - Papa?

Sra. Parish - Lanie?

Lanie - Não amor, é a vovó, ela veio pra cuidar de você… No quarto da Marisol.

Melinda abre a porta e vê a cena. - Chorou de novo?

Lanie - Muito.

Sra. Parish - Tadinha, é muita saudade pra matar.

Lanie - É, mas temos que trabalhar…

Sra. Parish - Vem com a vovó, princesinha… - Ela pega a neta nos braços.

Lanie - Liga a música do Javi pra ela ouvir, eu vou indo, obrigada por ficar aqui por mais um tempo.

Sra. Parish - Não precisa agradecer, mas eu só posso ficar mais essa semana.

Lanie - É, eu e o Javi vamos achar uma creche pra ela, né Sol? Agora a mamãe vai ir trabalhar, seja boazinha com a vovó. - Ela beija a testa da filha. - Mãe, seja boazinha com ela e não a mime muito.

Sra. Parish - Vou tentar... a parte de não a mimar.

Lanie - Sei, tchau, tchau… - Ela sai, Marisol não chora e nem fala nada. - “É Lanie, no momento a Marisol só quer saber do papai… Espero que isso seja só uma fase...”

 

Espo chegou na empresa, Ryan já estava a sua espera.

Ryan - Chegou atrasado…

Espo - Foi, é a Marisol, ela chora sempre que eu vou sair… tenho pena dela.

Ryan - Pena, é? Se lembra quando eu me atrasei porque a Sarah Grace queria ver mais um desenho comigo? E aí você disse que pai tem que ter autoridade e dizer “não, papai tem que trabalhar agora.”

Espo - É, tá, já entendi, pode parar…

Ryan ri - É ser pai não é nada fácil, não?

Espo - Falei pra parar…

Ryan - Espera só quando ela crescer um pouco e querer te maquiar…

Espo - Me maquiar? Sério?

Riggs - Ainda bem que o meu filho é menino…

Ryan - Olha aí o outro atrasado… Espo estava com a Marisol, ele é um pai babão e não gosta de ver ela chorar, sabe? - Riggs ri.

Espo - Muito engraçado… Onde estava, Riggs?

Riggs - A capitã me ligou e pediu pra eu buscar os resultados dos peritos, tava lá quando a mensagem chegou e antes de vir pra cá, eu levei a Maureen e o Theo no colégio.

Espo - Theo está na creche, certo?

Riggs - Certo, no Jump to Future, recomendo se estiver procurando um lugar pra Marisol.

Espo - Estou, mas o Jump to Future é um salto muito grande pro meu orçamento, como você faz pra pagar?

Riggs - Não pago, Maureen trabalha lá e por isso, Theo tem bolsa. Espero que ela continue trabalhando lá até nosso filho terminar o ensino médio...

Espo - E a Sarah e o Nicholas? Estudam ou estudaram onde, Ryan?

Ryan - No colégio One, ainda estudam, mas Sarah se forma no ano que vem.

Espo - Mas já?

Ryan - É, já vai fazer 18, dá pra acreditar? Minha menina na faculdade, quer ir pra Harvard cursar psicologia, 17 mil dólares por ano… ainda bem que fizemos uma poupança…

Riggs - Maureen se formou lá.

Ryan - Sério? Ela podia dar umas dicas pra Sarah, não?

Riggs - É só passar lá em casa.

Espo - Tá, agora, voltando pra Marisol, o colégio One é muito caro?

Ryan - Não, eles dão ajuda de custos pra policiais, é um ótimo lugar pra fazer amigos e ampliar habilidades… posso te indicar lá, se quiser.

Espo - Obrigado parceiro.

Ryan - Não precisa agradecer, o colégio faz por você e me dá desconto nas mensalidades… é bom pra todo mundo, agora, olha lá o Jardeu chegando.

Riggs - Ótimo, vamos cumprir o mandado de busca.

Espo - Bom dia Jardeu, agora temos um mandato. - Ele estende a folha de papel.

Depois de entrar no lugar, pegar o computador da vítima e algumas informações, os detetives voltaram para o distrito, onde abriram os relatórios dos peritos.

Ryan - A marca de batom no colarinho da vítima é uma exclusiva do Sugar Cats.

Espo - O bar de stripers?

Ryan - Esse mesmo.

Espo - Mas o Sugar Cats está fora da nossa jurisdição, o que vamos fazer?

Ryan - Um infiltrado. - Ele e Riggs encaram Espo.

Espo - O quê? Eu? - Os parceiros ergueram as sobrancelhas. - Não, eu não, não posso gente, eu tenho uma bebê e bem, a mãe da minha namorada tá na cidade, o que a senhora Parish pensaria de mim? Não, eu não vou!...Riggs?

Riggs - Não posso, a Maureen, ela é bem rígida sobre essas coisas… Ryan?

Ryan - Sério? - Os dois assentem. - Não, a Jenny me mata se eu pisar de novo naquele lugar, depois da minha despedida de solteiro, uma das meninas descobriu meu telefone e ficou bem pegajosa.

Espo - Desde quando você teve uma despedida de solteiro?

Ryan fez careta - Eu disse minha, quis dizer do meu cunhado...

Espo - Fez uma despedida de solteiro no Sugar Cats e não chamou eu ou o Castle?

Ryan - Foi de última hora, o primo da Jenny que insistiu…

Espo - Não, quer saber? Tô bolado contigo…

Ryan - Espo, eu…

Espo - Nem tenta argumentar…

Beckett apareceu na sala - Descobriram algo novo?

Espo - Sim, Ryan fez uma despedida de solteiro sem chamar eu ou o Castle…

Ryan - Já falei que foi de última hora.

Beckett - Eu quis dizer sobre o caso.

Riggs - A marca de batom no colarinho do Alexandre é exclusiva de um bar de stripers chamado Sugar Cats.

Beckett - Não temos jurisdição para investigar a dona do batom.

Espo - É, por isso pensamos num infiltrado… Capitã, Castle está livre hoje à noite?

Beckett - Castle, na Sugar Cats? - Ela riu. - Muito engraçado… - Mas os três ficaram sérios. - Estão falando sério?

Espo - Ele é perfeito, não é policial, é um ricaço bastante cobiçado, aposto que todas as meninas de lá vão querer flertar com ele.

Ryan - Ele tem grana pra bancar uma amante e vocês dois têm uma relação sólida, assim, você confia nele, não?

Beckett - Confio, mas isso não significa que eu queira que ele assista mulheres tirando a roupa, ainda mais as loucas de lá.

Espo - É só o tempo de descobrir a dona do batom, as fofocas voam em lugares assim.

Ryan - É, e com o charme do Castle, ele descobre rápido.

Riggs - Se ele conseguir, vai ajudar muito na investigação…

Beckett suspira - Tá, na hora do almoço eu converso com ele.

O celular de Espo apita - Lanie quer falar com a gente.

O celular de Ryan também apita - Vai ter que ir sozinho, Esposito, eu e o Riggs temos de voltar a casa da família da vítima.

Espo - Por mim, tudo bem…

Ryan - Ah, Javi, no caminho eu ligo para o colégio One, talvez ainda dê pra marcar entrevista hoje à noite.

Espo - Obrigado.

 

Espo - O que tem pra mim, Preciosa?

Lanie - Veio sozinho?

Espo - É, Ryan e Riggs foram falar de novo com a família dele.

Lanie - Entendi, bom, podemos dizer que ele teve relações sexuais com mais de uma pessoa, e com isso não quero dizer só mulheres.

Espo - Uou… 

Lanie - Pois é, mas apesar dos esforços, não deu pra tirar DNA.

Espo - E o sangue debaixo da unha dele?

Lanie - Não posso dizer o nome, mas posso afirmar que é de mulher, de uma mulher grávida!

Espo - Boa Lanie!

Lanie - E agora, o mais importante, ele não morreu envenenado, e nem por droga, ele morreu por embolia gasosa, olha essa marca aqui… - Ela mostra o pescoço do cadáver. - ...que quase não dá pra ver.

Espo - Boa, então o assassino tem certos conhecimentos.

Lanie - Bastante conhecimento, ele foi muito prudente, eu quase não vi a marca.

Espo - Beleza, eu vou falar pra todos… - Ele anota no bloquinho. -  E como foi hoje cedo, Marisol chorou muito depois que eu saí?

Lanie - Sim, e na hora que minha mãe chegou, ela pensou que era você voltando… ela sentiu muito a sua falta… e você com medo dela não gostar de você, hum… ela não chorou quando eu saí.

Espo - Olha o ciúme, Lanie, como você disse, ela sentiu muito a minha falta, mas logo ela se acostuma de novo.

Lanie - Eu sei…

Espo - Ah, e sobre a creche, Ryan vai nos indicar para o colégio One, o dos filhos dele, talvez marquem uma entrevista pra hoje ainda.

Lanie - Isso é bom, minha mãe vai embora sexta e até lá queria que a Sol tivesse um lugar certo pra ficar.

Espo - Quero isso também, bom, vou voltar ao trabalho agora.

 

Caskett foi almoçar num dos restaurantes próximo ao distrito, e durante a refeição, ela contou sobre o caso e sobre o bar de stripers.

Castle - Eu quero ir! 

Beckett ergueu as sobrancelhas - Quer ir e está bem animado, não?

Castle - Claro… - Beckett o encara - Vou ajudar no caso, fico feliz com isso.

Beckett - Espero que seja só isso mesmo… - Ela abaixou o rosto e mexeu no prato.

Castle - Tá com cara de insegurança… amor, eu só vou lá pra investigar, vou conversar com alguma ou algumas meninas, mas não vai passar disso e você sabe… Kate, tudo que eu preciso, eu tenho em casa e seria muito tonto de te trair ou te trocar por alguém. Amo você! - Ele coloca o cabelo dela pra trás da orelha.

Beckett sorriu - Eu sei de tudo isso e confio em você, mas mesmo assim…

Castle - Eu sei…

Beckett - Promete que não vai deixar nenhuma das Sugar Loucas arrancar casquinhas de você?

Castle - É claro que prometo! Até porque não quero as manchetes dos jornais de amanhã dizendo que eu te trai ou especulando brigas.

Beckett - Promete que vai ser rápido também? Não quero ficar a noite toda sem você.

Castle - Vou ser rápido! E pra você se distrair, sugiro que pense no que fará comigo no nosso próximo tempo a sós… Eu já sei tudinho o que eu vou fazer com você.

Beckett riu - É claro, suas maldades são todas premeditadas. - Castle riu também. - Me leva no distrito?

Castle - Não, vou te deixar aqui, a pé… se eu te busquei é porque te levo de volta, né mulher? - Ele chama o garçom.

Garçom - Almoço descontado do vale! Muito obrigado por nos ajudar nos tempos difíceis.

Castle - Nem precisa agradecer, eu adoro aqui, tudo que eu puder fazer para manter esse restaurante vivo, eu farei! E não esqueci a gorjeta não… - Ele estende uma nota para o moço.

Garçom - Muito obrigado!

 

De volta ao trabalho, Kate fez o que podia para agilizar a investigação, ela tentou contatar os gerentes do Sugar Cats, pedindo colaboração, mas eles não responderam… Do que ela tinha medo afinal? É só uma investigação, Castle já fez isso antes… só que no fundo ela se sentia insegura… quer saber? por aceitar fazer parte disso, ele ia ganhar um castigo, ah ia! E era nisso que ela ia pensar naquela noite.


Notas Finais


To be continued...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...