1. Spirit Fanfics >
  2. Castle e Bones: Juntando as forças. >
  3. A maldade de Gina.

História Castle e Bones: Juntando as forças. - Capítulo 97


Escrita por:


Capítulo 97 - A maldade de Gina.


As férias escolares haviam acabado, Hodgins e Ângela ainda não tinham ido para Paris, mas Lilly e Michael Vincent já se falavam pelo computador. Eles passavam horas conversando...

Naquele dia, porém, Lilly não teve aula, a tia Manu não estava passando muito bem e em cima da hora não arranjaram substituta, mas tudo bem, Castle também não tinha compromissos, podia passar o dia com a pequena.

O papai imprimiu vários desenhos e deu para filha que foi correndo para o quarto pintar. Então ele se sentou para escrever um pouco.

Cerca de meia hora depois, lá pra umas 10:30 da manhã, o celular de Castle tocou, era Gina.

Castle – Castle.

Gina – Hey, precisamos urgente nos encontrar. Tenho alguns papeis para você assinar. Vamos almoçar juntos?

Castle – Estou com Lilly hoje, a professora está doente e ela não teve aula...

Gina – Se vire Castle, preciso que você esteja as 11:30 naquele restaurante da rua 30. – Como sempre, ela desligou o telefone.

Richard ligou para Alexis, para Martha, para a mãe da Thaisy, até com os Teodor ele falou, mas ninguém, absolutamente ninguém podia ficar com Lilly. O jeito era levar a filha junto.

Castle – Princesa, nós vamos almoçar fora – ele diz entrando no quarto dela.

Lilly – Por quê?

Castle – Porque papai tem um almoço de negócios.

Lilly – Com aquela mulher? A sua ex? – ela diz sem parar de pintar.

Castle – É com a Gina sim...

Lilly – Não gosto dela.

Castle – Eu também não, mas a gente tem que fazer o que não gosta as vezes... – ele vai até o guarda roupa e tira um vestidinho chique. – Pode usar seu vestido novo. – Lilly olhou o pai e o vestido – O que me diz?

O vestido era rosa com flores brancas desenhadas, de mangas curtas, tinha uma cinta branca e um laço branco nas costas. Lilly o tinha ganhado da vovó Martha no natal, e até então o clima não a deixou estreá-lo, mas naquele dia o sol brilhava então ia ser perfeito.

Lilly – Posso usar a tiara também? – Castle pegou a tiara na gaveta, era rosa com pedrinhas e pérolas em todo o arco e em cima, meio de ladinho tinha uma flor de cetim com uma pérola grande no miolo.

Castle – Por mim tudo bem.

Lilly – Tá bom, eu vou com você.

Os dois se arrumam e saem de casa. No caminho até o restaurante Lilly faz mais exigências.

Lilly – Tem sorvete lá? Eu quero sorvete!

Castle – Eu te dou sorvete.

Lilly – A mamãe sabe que vamos almoçar fora?

Castle – Eu liguei, mas ela estava ocupada no trabalho... quer que eu tente ligar de novo? Prefere ficar com a mamãe?

Lilly – Não eu vou com você. – Ela queria “vigiar” o pai com a ex.

Castle dá de ombros – Tudo bem.

O restaurante era desses bastante chique, onde as pessoas quase nunca levavam crianças, não se tinha cadeirões e nem playground.

Lilly – Não gosto desse lugar, não tem playground. Por que temos que almoçar aqui? O restaurante da esquina é mais divertido.

“Porque a Gina é chata, hoje era o meu dia de folga, mas ela quis me importunar e marcar um almoço de última hora num lugar horrível que vai entediar você”.

Castle – Porque foi a Gina que escolheu o lugar. Vamos acabar logo com isso e aí podemos ir brincar na pracinha, o que acha?

Lilly assente e dá a mão ao pai. – Temos que passar em casa antes, não dá pra brincar com esse vestido, mas a tiara fica!

Castle – Tudo bem.

Gina ainda não tinha chegado, ou seja, mais tempo de tédio pra Lilly. Rick amava a filha e odiava a deixar irritada, evitava tudo que pudesse entediar a menina, procurava fazer compras em horários que o mercado não estava lotado e quando iam ao cinema sempre comprava o ingresso antes, daí não tinham que pegar filas.

Lilly – Pai, aqui não tem cadeirão e eu não alcanço a mesa. Vou ficar de joelhos, você e a mamãe dizem que não é uma boa posição, mas não tem outro jeito.

Castle ri – Tudo bem... quer comer o quê?

Lilly – O que tem pra comer aqui?

Rick analisa o cardápio em busca de algo que a menina goste. – Tem espaguete ao molho branco Lilly, você gosta disso.

Lilly – Mamãe diz que não é bom comer espaguete sempre e eu já comi espaguete essa semana.

Castle – É a única coisa que você gosta daqui – ele aponta o cardápio.

A maioria dos pratos de lá levavam peixe ou camarão, Lilly era extremamente alérgica a frutos do mar, eles comeram uma porção um dia na praia e a peque na foi parar no hospital, para ajudar, nem o espaguete estava livre. Era espaguete ao molho branco com camarão.

Lilly – Pode ser.

Castle chama um garçom – Oi, gostaríamos de 2 espaguetes ao molho branco, mas será pode tirar os camarões, minha filha é alérgica. Ou será que o molho é de camarões?

Garçom – Dá pra tirar, o molho é normal, os camarões são postos depois. O molho não tem contato com nada do mar eu garanto. Sou alérgico também e como espaguete todo dia.

Lilly – Minha mãe diz que faz mal moço...

Garçom – É, eu sei, mas não tenho muita escolha. – Ele dá de ombros. – Querem beber algo?

Lilly – Tem refrigerante? De Limão?

Garçom – Tem soda limonada.

Castle – Filha, não prefere suco?

Lilly faz que não – Eu já vou sair das regras da mamãe mesmo, então quero a soda limonada, moço.

Castle – 2 sodas por favor.

O garçom anota num papelzinho e sai.

Rick distrai Lilly falando da vista do lugar e do vestido dela. Pouco tempo depois Gina aparece.

Gina – Boa tarde. – Ela olha a menina ajoelhada e demonstra vergonha, mas fica quieta e se senta.

Gina e Castle começam a falar de negócios. A comida chega, eles comem e continuam falando. Lilly, como qualquer criança, ficou entediada. Ela desceu da cadeira e começou a andar ao redor o que incomodou muito a Gina.

Gina – Pode mandar Lilly se sentar? Ela está me desconcentrando.

Castle – E você está entediando ela, e a mim diga-se de passagem, portanto estamos quites. – Mas ele chama a filha – Lilly, vem cá filha, não pode andar por aí – ele dá o celular pra ela – por que não assiste um pouco de desenho?

Lilly – A mamãe...

Castle a interrompe – Já quebramos as regras, certo?

Lilly pega o celular do pai e coloca um desenho. Rick não tinha levado os fones então a filha escuta baixinho. Gina não sabia o que era pior, a garota andando ou a musiquinha infernal dos Smurfs vinda do celular, e para ajudar a menina balançava a cabeça e as pernas no ritmo.

Gina – Será que pode pedir pra ela ver outro desenho?

Lilly ouve e olha pro pai e faz cara de “Relaxa que eu te dou 2 sorvetes pra compensar”. Ela coloca Bob Esponja e o “Estou pronto, estou pronto” entra na cabeça de Gina, mas ela prefere ficar calada, continuar a conversa e aturar as risadinhas da criança.

Castle pensou que se Beckett estivesse ali a Gina já teria apanhado ou sairia correndo no momento em que mãe e filha começassem a cantarolar o “Lalalaralara”. Ele se diverte com isso.

Poucos minutos e 4 latinhas de soda depois, Lilly tem vontade de fazer xixi. Como ela ainda tinha um pouco de medo da privada de adultos e sabendo muito bem que não iria achar uma infantil no banheiro do restaurante e nem a escadinha que tinha em casa, usada para reduzir o acento e fazê-la alcançar o vaso, ela se levantou e foi cutucar o pai.

Lilly bateu no braço do pai – Papai, papai...

Castle estava assinando a papelada e com a menina batendo em seu braço ele erraria a assinatura.

Gina – Papai está ocupado querida. Espere um pouquinho.

Mas não dava pra esperar, ela precisava muito ir ao banheiro então ela cutucou o pai de novo – Papai... – Castle parou de assinar e olha pra ela.

Então Gina explodiu e começou a gritar. – EU JÁ FALEI PRA ESPERAR GAROTA. VOCÊ E SUA MÃE NÃO PARAM DE ME ATORMENTAR, FICA CHAMANDO “PAPAI PAPAI...” – ela parou quando viu que todos a volta estavam olhando.

Mas eles não olhavam só para ela, eles olhavam a garotinha que chorava sobre uma poça de xixi.

Lilly – Eu só que ria ir ao banheiro... – ela diz entre lágrimas e sai correndo para o estacionamento.

O garçom vem com um pano limpar o chão – Está tudo bem senhor. Eu limpo tudo.

Castle fuzila Gina com o olhar.

Gina – Desculpa, eu não sabia que ela...

Castle interrompe – Você sabia que eu estava cuidando dela hoje, sabia que se eu não achasse ninguém pra cuidar dela a traria junto, e o que você fez? A trouxe num restaurante onde ela não pode se aproximar de 90% do cardápio, onde qualquer criança fica entediada, pra quê? Para humilhá-la a esse ponto? Ela é uma criança Gina, tem coisas que criança não pode esperar. – Ele pega o celular e as chaves do carro na mesa e dá um maço de dinheiro ao garçom.

Gina – Castle, você não terminou de...

Ele interrompe de novo – Eu terminei – e vai saindo, mas aí deu 2 passos para trás. – Aliás, não acabei não – ele pega a papelada e rasga, folha por folha. – Pronto, agora eu acabei e desde o minuto que você berrou com a MINHA filha eu não trabalho mais pra vocês. Arranje outro escritor para explorar. – Agora ele saiu.

Lilly estava encostada no carro, chorando muito. Castle se ajoelhou pra ficar da altura da filha.

Castle – Hey, meu amor... – Lilly soluça uma desculpa – Não tem que se desculpar, você não tem culpa de nada meu anjo. – Eles se abraçam. – Desculpa o papai, tá? Eu que devia ter arranjado um lugar pra você ficar, talvez tentado falar com a mamãe de novo... – Lilly vai se acalmando. – Desculpa?

Lilly – Aham, mas eu não gosto da Gina. – Ela aperta o pai de novo. – Sujei meu vestido novo... e meus sapatos...

Castle – Está tudo bem, é só lavar... vamos lá no banheiro se secar?

Ela faz que não – Não quero entrar lá de novo.

Castle assente – Vamos ver o que dá pra fazer por aqui... deve ter papel ou lenço dos meninos.

Ele não acha nada e pensa em buscar lá dentro, mas vê Gina saindo e acha melhor não deixar a filha sozinha. Então ele pegou um saco qualquer que estava no porta malas e colocou no banco pra Lilly se sentar. Ela ergueu a saia do vestido para não molhar mais e se sentou na cadeirinha.

Castle – Vamos pra casa, papai te dá um banho e depois vamos levar o vestido e os sapatos pra lavanderia. Daí se você quiser podemos ir numa sorveteria nova que abriu perto do trabalho da mamãe. – Ele olha o relógio – Podemos buscar a mamãe pra ir junto, acho que ela vai estar na hora do almoço.

Lilly assente com o rostinho molhado e vermelho e eles seguem viajem.

 

Depois do banho Lilly se sente melhor, ela escolhe um conjuntinho de blusa e shorts floral, rosa, já que vai brincar na pracinha depois e quer ficar com a tiara.

Castle liga para a esposa – Oi amor, eu e a princesinha aqui vamos tomar um sorvetão ai perto do distrito. Quer vir conosco?

Beckett – Ué? Não deviam estar no almoço com a Gina? Ryan disse que você avisou e disse que você ia levar a Lilly junto.

Castle – Hum, pois é, longa história... se for conosco eu e Lilly te contamos...

Beckett – Okay, te aguardo aqui.

Pai e folha passaram na lavanderia da esquina e deixaram o vestido e os sapatos lá. A atendente, uma senhora de meia idade, faz carinho no rostinho de Lilly que não desceu do colo do pai. – Está tudo bem. Seu vestido e seus sapatos ficaram limpos como novos.

Eles pegam Beckett no distrito e vão tomar sorvete. Lilly conta o que aconteceu.

Lilly – Eu ia só pedir pra ir ao banheiro... ela gritou e eu nem precisei mais ir ao banheiro.

Beckett olha incrédula para o marido – Ela gritou com Lilly? E a fez fazer xixi na calça?

Lilly – No meio do restaurante...

Beckett pega o telefone doida pra xingar a vadia.

Castle tomou o celular dela – É horrível, eu sei. Mas já resolvemos isso, não foi Lilly?

Lilly – Eu tomei banho, meu vestido e sapatos foram pra lavanderia e o papai não trabalha mais pra ela.

Castle – Gina já me irritou o suficiente...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...