História Cat Ears - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, Jinyoung, Mark, Youngjae, Yugyeom
Tags 2jae, Fluffy, Híbrido, Lemon, Markson, Romance, Yugbam
Visualizações 102
Palavras 1.403
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Fantasia, Fluffy, Romance e Novela, Slash, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura! 🐱📚

Capítulo 4 - 4



- Acho que já podemos sair.

Pelo vidro da janela do carro estacionado na esquina, BamBam podia observar os amontoados de jovens em frente ao grandioso prédio da Park Beauty,  separados em turmas e desembarcando de dentro de dois ônibus junto aos professores. À distância os universitários pareciam mais adolescentes do primeiro ano, com sua energia que se deixava transparecer pela inquietação, pelas risadas altas e falatórios incompreensíveis.

O tailandês pediu para que Jackson o esperasse antes de sair. Então se agachou e pegou a mochila sob seus pés. Abriu um dos fechos e de lá tirou dois crachás de identificação certamente idênticos aos usados pelos estudantes. Entregou um deles à Jackson, o qual continha seu nome seguido por "visitante" escrito em letras garrafais.  O chinês pôs o acessório no pescoço e BamBam faz o mesmo.

- Eles estão entrando. Vamos.

Os dois saíram do carro e procuraram permanecer discretos para não chamar a atenção de ninguém, especialmente dos professores que guiavam seus alunos pelo hall de entrada do prédio. À medida que se aproximavam com mochilas nas costas, Jackson tentava recapitular os detalhes do plano meticulosamente montado por ele e seu namorado na noite passada. Tinham tudo decorado de cor e salteado, mas sua única preocupação era de que algo pudesse a ocorrer fora dos conformes.

Em pouco tempo os dois já estavam no meio dos alunos, sem atrair muitos olhares ou levantar suspeitas até então. BamBam cochichava os detalhes do próximo passo, e Jackson se esforçava para conseguir ouví-lo claramente enquanto um funcionário em frente à turma explicava as normas  da visita aos alunos. Wang e seu namorado já estavam cientes das regras por terem pesquisado tudo o que puderam sobre a empresa para que fosse possível adquirir o máximo de conhecimento sobre seus laboratórios e salas, além de pontos estratégicos e escondidos do lugar - estes descoberros graças à um mapa de uso exclusivo dos funcionários que BamBam conseguira com o irmão hacker de um amigo e que agora encontrava-se impresso em duas cópias bem  guardadas em suas mochilas.

- Com licença. - A conversa do casal fora interrompida por um leve cutucar no ombro de Jackson. - Conheço vocês?

- Nós... Amm... - Jackson tentava inventar uma rápida resposta ao ao garoto de óculos em sua frente, com uma prancheta em mãos na qual parecia estar anotando algo.

- Somos alunos novos. - BamBam se intrometeu antes que Jackson dissese o que não devia. Sorriu confiante olhando diretamente nos olhos do moreno, que apenas se manteve inexpressivo.

- Não fui apresentado a vocês, que estranho. - O rapaz franziu suas sobrancelhas de pêlos escuros assim como os fios de seu cabelo negro perfeitamente arrumado. Ajeitou os óculos no nariz e pôde ouvir o suspiro ds BamBam.

- Quer alguma coisa? - Kunpimook riu sem humor enquanto caminhava junto ao alunos até o interior da empresa assim que o funcionário responsável por guiar a visita terminou seu discurso.

- Têm alguma coisa errada. Sou responsável pela supervisão do passeio, mas realmente não lembro de tê-los visto quando ainda estávamos na faculdade. - O estudante andava em passos rápidos tentando acompanhar o ritmo de BamBam e seu namorado. Checou sua prancheta na intenção de procurar pelos nomes que constavam no crachá dos garotos, mas não os encontrou. - Eu contei todos, e também fiquei monitorando cada um enquanto entravam no ônibus.

- Então acho que você deve prestar mais atenção da próxima vez. - BamBam riu com deboche, segurando o pulso de Jackson e logo tratando de se locomover junto à ele por entre os alunos, visando ficar o mais longe possível do rapaz impertinente.

BamBam ficou responsável por vigiar os arredores para que houvesse certeza de que ninguém os observava e que também não chamavam demasiada atenção. Ambos vestiam capuzes pretos em moletons largos, e tal estratégia pareceu funcionar pois até então ninguém havia questionado sua presença com exceção do jovem supervisor.

Estavam todos em um corredor com vidraças nas paredes, as quais lhe permitiam ver o interior das salas. Era como um hospital, onde pode-se ver o paciente em seu leito pelo vidro. À esquerda um depósito de materiais, e à direita um dos laboratórios sobre o qual o guia falava. Jackson pouco lhe deu atenção, afinal já havia decorado cada parte daquele lugar, e sabia que o local  destinado aos testes em híbridos ficava no oitavo piso. Também sabia que lá o acesso era restrito devido à processos laboratoriais de nível confidencial, aos quais meros visitantes não poderiam ter ingresso.

- Vamos esperar até estarmos no quinto andar. Lá será mais fácil. - Relembrou o tailandês ao pé do ouvido do mais velho, sempre procurando se certificar de que ninguém os ouvia. - Espero que possamos ir logo, sinto que daqui a pouco vão nos notar.

                                ღ

Após uma hora ou mais de pura informação inútil - ao menos aos olhos de BamBam, -  a turma chegou ao quinto andar da empresa. Lá foi-lhes indicado que pussesem máscaras cirúrgicas antes de entrar no laboratório ao lado do corredor em que estavam. Jackson viu que o responsável por distribuir as máscaras era o supervisor da excursão, e logo este estava ao seu lado, com um sorriso de canto.

- Vocês vão me falar de onde vieram ou vou ter que delatar aos professores? - Ele dizia em um tom de voz ainda baixo enquanto entregava as máscaras ao casal. Vez ou outra recebiam alguns olhares, mas nada demais.

- Te interessa? - BamBam tirou o acessório de forma bruta da mão do garoto, logo o posicionando sob a boca.

- PROFESSOR, PODE VIR AQUI UM POUQUINHO? - O moreno estendeu a mão ao alto, sucetivamsnte tomando a atenção do professor.

- Cala a boca, filho da puta. - Jackson murmurou entre dentes. Não esperou até que o professor chegasse mais perto e puxou o garoto pelo pulso até um canto distante. - Tudo bem, eu vou abrir o jogo com você.

- Ah, então vocês realmente não são alunos! - Ele exclamou, fazendo o chinês revirar os olhos.

                               ღ
         
- Você acha que eles vão mesmo conseguir salvar seus pais, Mark-ah?

JaeBum e Mark estavam sentados em "posição de índio" no tapete da sala, brincando com os gatos do mais velho. Nora, Odd e Kunta não costumavam ser amigáveis com estranhos, mas certamente abriram uma exceção para Mark pois já pareciam conhecê-lo há anos.

- Eles vão sim. Eu sei que o Jackson hyung consegue! - Mark acariciava com parcimônia os pêlos negros de Kunta. Parecia estar transmitindo sua calma ao animal, que fechava os olhos com seus toques delicados. - Ele até me prometeu que iremos ao parque de diversão antes de eu ir embora.

- O quê? - A expressão incrédula do moreno passou despercebida pelo híbrido, que dedicava sua atenção aos gatos. - Ele não pode!

Sem querer sua voz saíra mais alta do que o esperado, assustando ao gatinho "evoluído" que estremeceu antes de baixar as orelhinhas.

- Não, não, não, Markie! Me desculpe! - O mais velho se curvou num pedido de perdão assim que percebeu seu erro. - Eu quis dizer que o Jackson namora, e o BamBam não gostaria nenhum pouco de te ver andando com ele, não acha?

Mark ficou pensativo, mas logo depois seu rosto tomou uma expressão decepcionada, com um bico em seus lábios. JaeBum viu que ele estava magoado, mas já sabia o que fazer.

- Maaaaas, nós podemos ir! - Im se levantou de supetão, espantando seus gatos que correram assustados. - O quê acha?

- Mas eu disse pro Jack...

- Vou comprar os ingressos!

JaeBum foi rápido. Pôs um casaco, pegou as chaves e saiu correndo até a porta.

- Volto logo! - Ele despediu-se com um sorriso e um beijo no ar.

Mark agora estava sozinho e confuso. Por que JaeBum ficava tão incomodado quanto o nome de Jackson era mencionado pelo híbrido se os dois eram melhores amigos?

Por fim, ele apenas suspirou e se deitou de costas no tapete, tendo como visão  o teto branco da sala de JaeBum, onde o silêncio apenas era quebrado pelo miado dos gatinhos.

Passaram-se então cerca de duas horas, e nem Jackson nem JaeBum voltaram. O telefone da casa também não havia tocado até então, e o pequeno começou a ficar preocupado. Tanto que estava quase arrancando suas orelhas com o nervosismo, até o momento em que o telefone por fim tocou, assustando o gato que pôs a mão no peito antes de atender.

- Alô?

- Mark-ah? - Mark pôde reconhecer a voz de Jackson no mesmo instante. - Tenho notícias ruins...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...