1. Spirit Fanfics >
  2. Caught (Foack) >
  3. Único; A Gente Não Ia Transar No Seu Quarto...

História Caught (Foack) - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


OIOI STRANGERS E LOSERS DESTE PAÍS!!! 🔭🎈🌌

TUDO BEM? BEBENDO MUITO ÁLCOOL EM GEL? ESPERO QUE SIM! ^-^)

Então, essa é a minha primeira Foack (segunda na verdade, se for contar a que eu apaguei pra reescrever depois) e bem, pra quem não sabe, Foack é um shipp entre Finn, Noah e Jack e sim, eu shippo esse trisal e.e

Finalmente eu trouxe ela depois das indiretas e cobranças da @_Denbroughye que estava mais que certa fazendo isso e.e (aliás, te amo muito seu Ícone 😷💖)

~ AVISO: A FANFIC CONTÉM CROSS DRESSING, PALAVRA QUE DEFINE O FETICHISMO DE PESSOAS EM USAR ROUPAS DO SEXO OPOSTO! (se não me engano é isso, a)
CASO NÃO GOSTEM, NÃO LEIAM E NÃO VENHAM COM COMENTÁRIOS DESNECESSÁRIOS!!! OBRIGADA, DE NADA!

Em Finn!
Boa Leitura, Safades! 😷🎈

Capítulo 1 - Único; A Gente Não Ia Transar No Seu Quarto...


Jack Dylan Grazer

Desinteressante.

Essa era uma palavra que definia muito bem minha opinião sobre o ambiente em que eu me encontrava e o círculo onde estava sentado junto dos meus outros amigos. No Centro, uma garrafa era girada vez ou outra, com aquelas perguntas de sempre sendo feitas para o feliz azarado que ficava na mira. As risadas dos adolescentes fora da zona de "verdade ou desafio" eram zombeteiras e desafiadoras de certa forma, a meio caminho de duvidar e acreditar que quem estava na mira da garrafa era capaz.

Eu não gostava muito desse jogo. Achava chato às vezes porque na maior parte do tempo, os desafiados não cumpriam ou os que escolhiam verdade mentiam... E assim íamos até que todos se cansassem. Eu sequer queria estar aqui hoje, porém minha melhor amiga Emmy me arrastou para a casa dela naquele fim de tarde, sugerindo uma noite de diversão entre os amigos, e se eu recusasse ela ficaria chateada comigo e me pagaria o dobro da moeda. E eu não era louco de dizer não para ela, Emmy também tinha uma "ferinha" escondida dentro de todo o ser doce que ela era.

Todos podemos ser ruins quando queremos. Então era bom não duvidar.

— Hey… — Finn me chamou em um sussurro, me arrancando de minhas lembranças do dia após pousar a mão em meu joelho. — A gente pode ir embora se você quiser, okay? Emmy vai entender, até porque, já ficamos o suficiente.

— O suficiente pra quê? — Sussurrei de volta para não chamar a atenção dos que estavam em volta e atrapalhar o jogo.

— O suficiente pra podermos ir embora quando quisermos e ela não reclamar, ué!

— Tem horário pra isso…? — Questionei baixo enquanto ele se aproximava.

— Tem horário pra tudo, Jackie. — Rolou os olhos e voltou aos meus, sorrindo fraco e selando brevemente nossos lábios em seguida, o que me fez suspirar e colocar a mão por cima da dele a acariciando antes de me afastar e me voltar para a garrafa girando outra vez, mas mantendo nossas mãos juntas.

— Puta que pariu, viu…

— Tentei evitar separando um dos três mas não adiantou com os outros dois. — Emmy disse e eu a encarei, vendo-a negar com a cabeça em falsa decepção.

— Quer ver achar ruim se o Noah estivesse do lado do Jack também. — A voz de Sophia chegou aos meus ouvidos, arrancando risadas fracas dos outros e sorrisos nervosos de minha parte.

— Suruba de três.

— Wyatt! — Chamei repreensivo, o ouvindo rir em seguida.

— Tá bem, chega! Podemos voltar ao jogo? Ou vocês querem mesmo focar na pegação deles? Deixa o garoto ser feliz! — Emmy disse impaciente e Noah se aproveitou disso para girar a garrafa em uma velocidade mediana, logo a vendo parar por sorte ou azar, na minha direção.

— Justo eu?! — Deixei clara minha indignação.

— Na verdade o ângulo está apontando pro Finn… — Sadie corrigiu, tombando a cabeça pro lado enquanto encarava o vidro vazio.

— Ah.

— Deu sorte. — Emmy deu de ombros.

— Verdade ou desafio, Finn? — Noah sorriu maldoso para o garoto ao meu lado e eu desviei o olhar para encarar a feição nervosa de Finn diante a situação. Eu até o entendia. A garrafa até agora não havia parado em nenhum de nós dois, por que justo nele agora?

Eu infelizmente ou felizmente dei sorte, de certa forma. Mas vai saber? A próxima pode ser minha.

— V-verdade. — Ele respondeu, pigarreando em seguida e encarando o sorriso maldoso do Schnapp. Ele parecia um pequeno demônio nesses momentos, eu já havia presenciado aquele sorriso várias vezes sendo direcionado à mim ou à Finn, e nunca cansava de sorrir irônico e rolar os olhos em resposta quando o via em sua face.

— Ah, verdade...? — Noah fez uma expressão decepcionada. — Hm… É verdade que você tem um pijama de bananas espaciais?

No mesmo instante em que as palavras foram proferidas pelo outro, segurei o riso, escondendo o rosto no braço de Finn após agarrar o mesmo para não entregá-lo. Ele ficava ridiculamente infantil usando aquela blusa de pijama que era de sua infância e surpreendentemente lhe cabia até hoje. Mas eu não o julgava; até um tempo atrás tinha uma peça de pijama que como ele, buscava esconder de todos. Mas parecia que nada escapava da visão do Noah, ele via simplesmente de tudo. E era meio impossível manter coisas assim escondidas quando se tinha dois namorados que roubava suas roupas.

— Isso é verdade, Finn? — Jaeden perguntou incrédulo.

— Mano, sem comentários. — Sadie disse pausadamente.

— É mentira! — Finn murmurou desesperado e eu apertei o braço dele, mordendo meus lábios e sorrindo. Noah sabia que ele estava mentindo, e Finn estava fodido na mão dele.

— É mentira, nhenhenhe! Sua negação que é uma mentira, espertinho. — Noah disse e apoiou as mãos no chão, sorrindo e se levantando. — Quem mente na verdade, tem que cumprir o desafio.

— É isso aí! — Emmy concordou, animada. — E qual vai ser o desafio pra ele?

— Então, Emmy... Vamos precisar do seu quarto.

— Meu quarto? — Ela questionou, o olhando confusa.

— Quarto dela? — Perguntei no mesmo tom, ainda agarrado ao braço do Wolfhard.

— Sim, mais especificamente do seu closet. — Noah concordou e se curvou, erguendo a mão na direção de Finn. — Vem, amor.

— Okay, ãhn… É a terceira porta à direita, virando o corredor.

— Olha lá hein. A casa tá cheia! — Sophia alertou para ambos quando eu finalmente soltei o braço de Finn e o deixei ir.

— Vamos precisar do Closet da Emmy, não da cama dela! — Noah gritou por cima do ombro enquanto puxava Finn pela mão. — Pelo menos hoje não… — Pude ouvi-lo sussurrar e rir junto ao Wolfhard.

Os observei até que dobrassem o corredor e sumissem do meu campo de visão. As risadas fracas foram se tornando murmúrios até o som da porta do quarto de Emmy se fechando abafar tudo, deixando o silêncio vir à tona novamente. Franzindo o cenho, voltei à observar o jogo de forma aérea, me questionando algumas vezes qual seria o desafio feito. Não devia ser algo bom ou que não fosse vergonhoso, ele costumava pegar pesado.

— Jack. — Voltei à realidade assim que Sadie me chamou, piscando repetidas vezes antes de olhá-la, soltando um murmúrio para mostrar que estava prestando atenção no que dizia. — Você não sente, sei lá, ciúmes?

— Sinto, oras. — Dei de ombros e a olhei sem entender direito o significado de sua pergunta. — Sinto ciúmes dos dois um com o outro.

— Não é isso que eu quis dizer…

— Ela ta perguntando se você tem tipo… Um favorito no trisal. — Sophia explicou, agora prestando atenção e aguardando minha resposta.

— Se você tivesse que escolher só um, qual você escolheria?

— Meu Deus, gente! — Deixei clara minha exasperação com as perguntas desnecessárias. — Sinto ciúmes dos dois um com o outro, não consigo sentir ciúmes de um só. E eu não escolheria nenhum dos dois se fosse pra ter só um. É oito ou oitenta. — Ergui as sobrancelhas na direção de todos que me olhavam e suspirei frustrado. — Eles estão demorando demais… — Falei pra mim mesmo e cruzei os braços, baixando o rosto em uma pose emburrada.

— Se você quiser ir atrás deles…

— Sério? — Perguntei, direcionando meu olhar para a de cabelos castanhos, a vendo assentir.

— Só não façam nada no meu quarto. E se demorar demais, eu vou atrás dos três e os tiro de lá na base da cabada de vassoura no globo. — Emmy disse, encarando-me de forma ameaçadora e me fazendo assentir freneticamente.

Me erguendo das almofadas que estavam espalhadas pelo chão, atravessei o círculo com cuidado para não pisar em alguém e me direcionei para o corredor. Ao longo do mesmo, procurei fazer o mínimo barulho possível, prestando atenção para ouvir algum som quando dobrei o corredor e encarei a terceira porta à esquerda, onde de acordo com Ems, era onde ficava seu quarto. Me direcionando pra lá, procurei pisar leve para não chamar a atenção de Finn e Noah até que alcançasse a porta e segurasse seu trinco. Respirando fundo, aproximei o rosto da porta e procurei ouvir.

— A… A gente tem que… Voltar lo-logo, Noah…

— Emmy não mandou ninguém vir atrás da gente ainda… — Uma pausa foi feita e mil pensamentos sobre o que poderiam estar fazendo passaram por minha mente, me fazendo morder a parte interna da bochecha. — Se concentra no agora, Okay?

Okay… Okay… Okay, não é?

— "Okay" o caralho! — Soltei ao mesmo tempo em que abri a porta de uma vez, assustando ambos os garotos e me virando para fechá-la devidamente. — O que eu já conversei com vocês?

— Jack, estamos aqui por causa do desafio, amor… — Noah explicou de forma manhosa, tentando provavelmente me convencer. Mas sua desculpa esfarrapada não ia descer dessa vez.

Rolando meus olhos, eu me virei e antes que abrisse a boca pra replicar sua explicação, a visão à minha frente me calou totalmente. Arregalei meus olhos, totalmente surpreso com aquilo e sentindo um arrepio correr por todo o meu corpo, me deixando paralisado próximo à porta enquanto os encarava.

Finn estava prensado por Noah contra o grande espelho de Emmy, em seu corpo um vestido justo preto da anfitriã que ia quase até a metade de suas coxas e que por incrível que pareça, lhe caiu bem. As pernas pálidas cobertas por meias pretas finas e que lhe iam até pouco acima do joelho e pareciam apertadas demais naquele momento. Um dos joelhos flexionados pra cima, deixando sua perna erguida à altura da cintura do meu outro namorado, que guiava o olhar entre mim e Finn de forma debochada e maliciosa. Não conseguia desviar o olhar do corpo de Wolfhard, e agora muito menos de seu rosto, deixando meu olhar se perder em suas orbes escuras.

Mil palavrões se passaram por minha mente, prontos para cair sobre os dois garotos como uma cascata assim que minha boca se abrisse. Mas eu havia perdido a total linha do devido raciocínio vendo aquilo. Minhas calças pareciam estar ficando lentamente apertadas ao imaginar a cena maravilhosa que devia ter ocorrido de Finn e Noah se beijando enquanto o primeiro usava aquela maldita roupa prensado contra a porra daquele espelho.

Já não parecia de extrema importância o fato de que aquele quarto pertencia à Emmy.

— Puta que pariu… — Soltei de uma vez só, olhando de um para outro.

Noah não fez nada além de sorrir em minha direção e segurar o maxilar de Finn, chamando sua total atenção de volta para ele. Ambos voltaram à se beijar e agir como se minha existência fosse o de menos naquele momento. Os gemidos baixos e suspiros altos de Finn corroíam meu controle aos poucos enquanto eu observava Noah ameaçando sempre levantar aquela droga de vestido, mas sempre subindo as mãos de volta para a cintura do cacheado. Com a respiração se tornando falha e os olhos vidrados naquela visão à minha frente, passei as mãos pelos cabelos assim que Noah pegou o Wolfhard no colo e caminhou cegamente até a cama, o depositando atravessado ali e voltando à olhar pra mim quando se sentou ao lado dele, assim como o que estava deitado. Me chamando silenciosamente.

E então eu fui. Em um momento, eu estava apenas na porta observando toda a ação dos dois e no outro, estava sentado na beirada da cama com Finn deitado entre mim e o Schnapp enquanto minhas mãos se dirigiam até a nuca do citado e o puxava para um beijo intenso. Suas mãos puxaram meu moletom nos aproximando mais enquanto outra mão alisava minha coxa. Deduzi ser Finn e quando ele subiu até minha virilha, quebrei o beijo com Noah e o encarei de forma maliciosa, guiando o mesmo olhar na direção de Finn e o vendo apenas sorrir ladino em resposta.

Me sentando em sua cintura, me curvei até que minha boca alcançasse seu pescoço e trilhei beijos por ali, mordendo sua pele alva e a marcando fortemente ás vezes antes de subir até sua orelha. As mãos de Noah adentrando meu moletom e minha camiseta agora, apertando minha cintura.

— Eu amei você de vestido... — Sussurrei em seu ouvido e mordi o lóbulo de sua orelha em seguida, descendo e deixando um beijo em seu maxilar e o ouvindo suspirar em seguida.

Deixando um selar no Wolfhard e mordendo seu lábio em seguida, me voltei para Noah e o beijei demoradamente nos lábios antes de descer da cama e me ajoelhar no chão, puxando um pouco Finn pelas pernas até que as mesmas estivessem quase que totalmente para fora do colchão fofo e consequentemente fazendo o vestido preto subir um pouco. O garoto logo se sentou e tirou alguns cachos que caíam na frente dos olhos, se apoiando nas mãos em seguida e me observando atentamente junto de Noah que agora se colocara trás dele, enterrando o rosto no pescoço de Finn e beijando o local lentamente enquanto o garoto se arrepiava por completo.

Sorrindo de canto para para ele, o peguei de surpresa quando suspendi suas pernas e as coloquei sobre os ombros, mordendo o início da parte interna de suas coxas e beijando em seguida, repetindo o processo ás vezes em ambas as pernas enquanto ia cada vez mais em direção à sua virilha, o vendo se contorcer e arfar em ansiedade enquanto olhava tudo com atenção junto ao nosso outro namorado, que havia parado seus atos anteriores e que agora mantinha mas mãos por dentro da parte de cima do vestido. Sorri vendo aquela cena maravilhosa acima de mim e mordi um ponto da pele do outro, o ouvindo ofegar alto e pender a cabeça pra trás por um momento e se aproveitando disso, Noah o beijou lentamente, me deixando mais excitado com aquela situação.

— MAS O QUE É ISSO?!

No mesmo instante nos separamos, ofegantes, excitados e corados por conta da vergonha que invadia aos poucos cada um. Ainda tentava regularizar a respiração por conta do susto enquanto encarava Emmy que se mantinha parada na porta, nos olhando com incredulidade. Por um momento, me perguntei como que se fazia para falar, então antes de tudo procurei me erguer e pigarrear para cortar aquele clima estranho e as falas voltarem à sair normalmente. Ou pelo menos o mais próximo disso. Respirando fundo, encarei Emmy em busca das palavras certas.

— E-Ems, n-não era nada do que você t-taa pensand-

— VOCÊS TRÊS IAM TRANSAR NO MEU QUARTO?!

— Não- — Fui interrompido outra vez.

— NA MINHA CAMA?!

— Não era nada disso, Ems…

— Ah não era?! — Gritou, ainda sem acreditar no que ela - muito infelizmente - viu. — Então você com a cabeça quase entre as pernas do Finn era só um engano, não é? Você só estava procurando alguma coisa que eu não quero nem saber o que seja!

Talvez eu estivesse procurando - e prestes à achar - a fonte da razão dos melhores gemidos dele, mas né?

— A gente não ia transar no seu quarto…

— Era uma brincadeira, a gente só queria te dar um susto caso viesse atrás da gente, sabe? — Noah tentou ajudar no argumento e eu levei as mãos até o rosto, o cobrindo. Boa intenção; má resolução.

— Eu não quero nem imaginar o "aprofundamento" dessa brincadeira — fez aspas com os dedos enquanto adentrava o cômodo. — Espera… EU NÃO ACREDITO NISSO! — Gritou outra vez, olhando indgnada para Finn e caminhando apressada até ele. — MEU VESTIDO, CARA! VOCÊS TRÊS NÃO TEM LIMITES NÃO?!

— A gente tinha até estar prestes à trepar na sua cama, Emmyzinha…

— Noah, não fode mais! — Sussurrei dando um cotovelada na barriga dele quando o garoto me abraçou de lado.

— Esse era o desafio e esse Era o seu vestido. — Finn disse convencido enquanto se levantava e ajeitava a roupa no corpo. — Caiu na vila peixe fuzila.

Apertei o canto dos olhos, direcionando o rosto pra baixo e negando com a cabeça. Como eu fui namorar esses dois, Meu Deus?

— Vocês três são loucos! — Emmy exclamou e eu ergui o olhar á tempo de vê-la olhando para cada um como se não tivéssemos jeito. — Meu Deus, eu não sei o que dizer com relação à tudo isso! Desisto!

Em seguida, seguimos a anfitriã em fila indiana até a saída do quarto, a ouvindo fechar e trancar o cômodo com a chave e nos cutucar para seguir até a sala como três condenados de merda. A cena seguinte foi um tanto humilhante; todos rindo e alguns surpresos com a nossa audácia de fazer o que fizemos. Apenas olhei para Finn e Noah, enfileirados ao meu lado e olhando um para o outro e para mim em busca do que dizer com questão àquilo. Mas não falei nada, apenas me direcionei ao meu lugar de antes enquanto eles faziam o mesmo e bufei frustrado por não poder resolver nenhum dos problemas que eles dois causaram. Pelo menos inicialmente.

As risadas continuaram e as piadinhas demoraram um pouco para cessarem, mas não importava.

Eesses dois me pagam quando chegarmos em casa. Pagam com juros e taxas adicionais. 


Notas Finais


Provável que não tenha ficado tão mas seguimos plenas pq tentei 😷✊

MDS É A PRIMEIRA COISA ENVOLVENDO MÉNAGE QUE EU ESCREVO E DEMOREI DIAS PRA ESCREVER UMA CENINHA, MAGINA CASO VIER O SMUT MSM KSKSJS

Eu to muito feliz em ter conseguido escrever isso, na verdade estou realizada por estar voltando à fluir e sentir a escrita, a <3

Espero que tenham gostado e saibam que comentários, carinho, consideração e motivações fazem muito uma autora feliz! 😷💚🌈

Em Finn!
Até Agorafobia (já estamos com quase metade do capítulo produzido e chego com ele em breve) 🌌

E até o (provável) próximo capítulo dessa aqui e o que provavelmente conterá Smut e ménage, eu que lute com o fogo de vocês e o meu próprio q😷✊🔥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...