História Cayendo - Capítulo 1


Escrita por: e Bad_Loli

Postado
Categorias EXO
Personagens Kim Jong-in (Kai), Park Chan-yeol (Chanyeol)
Tags Balada, Chankai, Kaiyeol, México!au, Pwp
Visualizações 78
Palavras 1.585
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Sci-Fi, Shonen-Ai, Slash, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hey yo wassup!
- Kris

Eu tenho uma tara enorme por um Chanyeol Latino-coreano e chefão, aff<3 então, depois de Corpos Celestes [uma ChanBaek bem sapequinha] resolvi fazer outra, mas com Chankai, porque amo.

A fic foi inspirada em "Cayendo - Deorro", uma música maravilhosa para balançar a raba. O capítulo não está betado, mais espero que gostem.

Boa leitura minha batatas<333

Capítulo 1 - Mira mi amor


C A Y E N D O

Mira mi amor;

Capítulo único. 


A música eletrônica reverbera por todas as paredes. Era possível sentir o cheiro de suor se mesclando com o odor de bebida. Casais ou não casais estava cada vez mais se esfregando um no outro o mais vulgar possível, e aquilo era lindo para Jongin; o cara que sempre tem um costume gigantesco em frequentar esses tipos de balada, toda vez que viaja para o México. 

Ele gosta. Tinha o costume de dizer que, vivemos apenas uma vez, então por que não se deixar levar? Era o que estava escrito na tatuagem marcada em sua cintura, mas de uma forma bem mais resumida. E era possível avistá-la, mesmo com o jogo de luz presente e às tintas néon nas peles bronzeadas de todos ali, quando a barra da camisa subia. 

Era possível também sentir os corpos de outras pessoas esfregando-se ao seu lado ou no seu, ele não liga, porque gosta. No entanto, Jongin sentia sua pele queimando como brasa. Não era somente o calor ou a tensão sexual presente naquele lugar, ou somente o suor escorrendo pela a sua pele morena; era também o olhar de alguém. Porém não era qualquer pessoa. 

O olhar de Chanyeol passava pelo seu corpo como se tivesse o devorando, toda vez que, mexia o corpo de acordo com a música. Vez ou outra dançava junto com alguém, as mãos tocava cada parte de seu corpo com plenitude, assim como retribuía. O rapaz mais baixo que si, ondulava seus quadris enquanto esfregava no seu. A música alta explodindo as paredes.

Mira mi amor

Quisiera hacerte entender

Como los besos de tus labios

Me enloquecen a mí me tienen cayendo, cayendo.

Chanyeol estava ali, como sempre sentado naquela cadeira com um cigarro em sua mão grande e os seguranças ao seu lado. Mas é comum essa cena, como proprietário e dono da boate teria que aparecer vez em quando. Mas sempre quando aparecia, o latino-coreano estava com a mesma fisionomia; à jaqueta de couro preto e a calça surrada, correntes presas e o piercing de prata em sua boca brilhando, conforme a luz batia. Era incrivelmente gostoso. 

O olhar que lhe era mostrado era dolorido, e Jongin cada vez mais se deixava levar pela a música, dançando como se fosse sua última vez ali.

Bésame la espalda,

Léntame las curvas de mi cuerpo con tu lengua.

Si me escuchas no sé qué estoy diciendo,

Estoy cayendo. 

E com uma última rebolada, Jongin deixa um selinho nos lábios do rapaz com quem dançava e fora a caminho do banheiro. Estava sendo seguido, obviamente. E assim que entrou no local que surpreendentemente estava vazio, olhou no espelho e pôde ver pelo o reflexo o homem trancando a porta. 

Chanyeol estava lindo, a mandíbula trincada, as tatuagens com vários significados marcadas em seus dois braços. Jongin sorriu, encostando seu quadril na pia de mármore. Era ainda possível ouvir o som da música alta. 

Mira mi amor

Quisiera hacerte entender

Como los besos de tus labios

Me enloquecen a mí me tienen cayendo, cayendo. 

─ Se seu plano era me fazer enlouquecer, cariño, conseguiu. 

A voz rouca fez o arrepio passar pela a espinha do coreano, que sorriu satisfeito. 

─ Consegui mesmo? 

Si, cariño. Tem noção do quanto me deixou duro somente rebolando daquele jeito? Já disse que amo essa tua raba? ─ Jongin sentiu uma guinada bruta em seu pau assim que Chanyeol sussurrou em seu ouvido, as ereções dolorosas se chocando uma com a outra. 

O Park pôs a mão encurralando Jongin no mármore. 

─ Você acha que aquele garoto poderia te foder, assim como eu? ─ indagou, referindo-se ao rapaz com quem Jongin dançava. 

─ Me prove ao contrário, cariño

Quiero hacerte entender.

Entender.. 

Chanyeol sorriu e então segurou nos cabelos castanhos, aquele que tanto lhe chama atenção, fazendo erguer o queixo. O beijo que se deu início era repleto de volúpia, a forma como as línguas dançavam uma com a outra era erótico. Jongin sentiu sua bunda ser apertada sem delicadeza nenhuma, enquanto apertava os fios negros do homem, ouvindo ele grunhir entre o beijo. 

Estavam desesperados, pelo o toque um do outro. Os paus marcado nas calças, as línguas se entrelaçando dentro e fora das bocas. Era ainda possível ouvir a música tocar. 

─ Vira-se, cariño, deixa eu ver essa tua raba, si? 

─ Porra, sim. 

Jongin se empinou o máximo, pelo o reflexo do espelho era possível ver Chanyeol devorando sua bunda, assim como sempre fez. Arfou quando sentiu um tapa grande em uma de suas bandas, o Park rosnou assim que viu elas balançarem. Merda! isso era gostoso. 

─ Caralho, Jongin. Amo ver essa tua raba balançando com os meus tapas. 

Gemeu, mesmo sem motivo, apenas gemeu. Estar com Chanyeol lhe deixa com um puta tesão, pensava o tempo inteiro em ter aquele pau grande arrombando seu cuzinho ou caindo de boca ali. 

Sentiu a mão grande tirar o botão da calça e adentrar por dentro da cueca, o dedo indicador do Park raspou sobre o buraquinho de Jongin, fazendo empinar mais a bunda e rebolar necessitado. Sim! Queria tanto. 

─ Sentiu falta dos meus beijos aqui, cariño? Ou dos meus dedos te fodendo tão fundo? 

Murmurou com os lábios próximos a orelha do coreano, a cartilagem presa entre os dentes deixava-o louco, os olhos se reviraram por baixo das pestanas. 

─ Sim, Sim. Porra, Chanyeol. 

O reflexo mostrava o quanto ele estava destruído, os cabelos bagunçados e o suor escorrendo da testa. O latino-coreano sorriu de forma maldosa. 

─ Você quer, garoto? 

─ Sim, por favor, cariño.

Sorriu mais ainda em ver o desespero do rapaz. Chanyeol penetrou o dedo no cu apertado de Jongin. Merda! Ele estava todo lisinho. Porra. Sentia seu dedo ser esmagado, imagina o estrago que seu pau irá fazer. 

─ Merda, Jongin. Vou acabar te partindo ao meio, está mais apertado que antes. 

─ Não tenho medo, apenas me foda. 

Grunhiu. Adorava quando Jongin era assim, tão sujo. Adorava ouvir o quanto ele amava o seu pau e queria lhe fodendo tão fundo. 

Chanyeol metia sem muita força, era de forma torturante para o coreano. Mesmo sentindo a ardência, ele gostava. E gostava mais ainda dos beijos gregos do latino, fazia dar uma volta no céu e no inferno. Pois ele era quente, e a forma como segurava em sua cintura enquanto metia fundo era divino. 

Cariño, eu preciso… preciso. ─ Disse ofegante, somente em ter os dedos em si. 

─ Precisa do que? O que você quer, garoto? 

─ Do seu pau, agora. 

Estavam desesperados, sabia que poderiam ter uma foda digna assim que a festa acabasse, e poderia foder durante 3 dias. Era o máximo de tempo que Jongin sempre conseguia ficar no México. 

Então, com um sorriso maldoso, chanyeol retirou os dedos de dentro do buraquinho vendo ele piscar de tesão. A mandíbula cerrada e as sobrancelhas franzidas denunciava o quão dolorido estava. Assim quando tirou o pau babado para fora, sentiu o olhar pidão de Jongin. Não deixou de bater uma apenas para provocar, a pré-porra escorrendo nas mãos saltadas de veias. Porra, o Kim sentia sua boca se encher de água. 

─ Depois você poderá fazer o que quiser, cariño. Chupar, sentar, tanto faz. Agora eu irei foder você, do jeito que merece. 

Jongin gemeu, gemeu como uma vadia assim que sentiu outro tapa em uma de suas bandas. A mão pesada se chocava em sua pele sem delicadeza nenhuma, e ainda fazia questão de rebolar bem na cara de Chanyeol. Mostrando que ele é sim, a porra de um putinho. 

─ Quero seu pau. 

─ Eu sei que quer.

Do bolso da calça, Chanyeol retirou uma camisinha. Os dentes experientes rasgando a embalagem e não deixou de sorrir ao perceber o olhar faminto de Jongin, todo bagunçado. Era questão de tempo até ele ficar trêmulo em seus braços. 

Ainda se masturbou um pouco, era possível ver a porra escorrendo do pau de Jongin. A cintura exposta e a tatuagem que tanto ama estar à vista. 

Sem falar nada, Chanyeol segurou na cintura do coreano de forma rude. A mão grande quase a fechando. Era grande, sabia disso, e por esse motivo pediu para Jongin respirar fundo e se enterrou no cuzinho apertado. Vendo ele se alargar todinho enquanto ouvia gemidos do Kim. Mesmo doendo no começo, amava ser preenchido por aquele pau. 

─ Você está tão apertado, caralho. 

Não conseguia falar mais nada, não quando o Park começou a estocar, não quando sentia ser preenchido daquela forma. Não quando sentia as mãos segurarem sua cintura de forma possessiva ou quando sentia seu cabelo ser puxado e tapas sendo distribuídos. 

Chanyeol o fodia tão bem, fazia ver estrelas e gozar como nunca, o pau grande e grosso surrava sua próstata como nunca. Mesmo com outra música sendo reverberada pelo o prédio, Jongin apenas se concentrava no reflexos dos corpos se chocando e o Park em como o moreno era receptivo, tendo seu membro entrando e saíndo. 

Jongin não se surpreendeu quando gozou sem se masturbar, nem mesmo Chanyeol. Era possível ver a saudade que estavam sentindo, naquela relação, não se tinha um nome certo. Mas de uma coisa Jongin sabe que, os beijos e carícias do latino-coreano lhe era fatal. E não se surpreendeu em acordar de manhã na cama espaçosa do Park nu e tendo a respiração dele batendo em sua nuca, foderam novamente naquela manhã. 

Não sabia ao certo o que tinham, mas gostava, e tão pouco irá acabar tão cedo. 




Notas Finais


Eae? O que acharam? Viado.. Adoro um Chanyeol assim, e o Jongin então? Credo, que delicia.

Espero que tenham gostado amores, foi maravilhoso escrever essa One, mesmo curtinha, mas foi delicioso. Bom, só isso.

Bjos, mis queridos<333


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...