História Cela 23. - Capítulo 30


Escrita por:

Postado
Categorias Riverdale
Personagens Alice Cooper, Antoinette "Toni" Topaz, Archibald "Archie" Andrews, Cheryl Blossom, Elizabeth "Betty" Cooper, Forsythe Pendleton "FP" Jones II, Forsythe Pendleton "Jughead" Jones III, Hal Cooper, Penelope Blossom, Reginald "Reggie" Mantle, Veronica "Ronnie" Lodge
Tags Bughead
Visualizações 108
Palavras 930
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drabs, Drama (Tragédia), LGBT, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 30 - Epílogo.


Fanfic / Fanfiction Cela 23. - Capítulo 30 - Epílogo.

Elizabeth Cooper — Ponto de vista.

O choro repentino fez com que meus olhos se abrissem rapidamente, ainda lenta me levantei da cama olhando cansativamente para os lados... eu estava exausta! Apanhei minha peça íntima do chão junto da camisola, e os vesti rapidamente. O chão gelado fez com que eu rapidamente abrasasse meus próprios braços enquanto caminhava em direção ao quarto de Justin. Assim que passei pelo corredor da casa um vento bateu no meu corpo fazendo-me encolher. Olhei intrigada para a janela, eu havia a fechado. Caminhei rapidamente até ela, e a fechei rapidamente, droga de inverno, droga de vento.

O choro de Justin havia parado e com um sorriso de canto me lembrei de quem deveria ter o pego. Abri lentamente a porta do quarto sorrindo ainda mais por vê-lo ali. 

A jaqueta de couro preta sobre a blusa lisa azul escura, acompanhado da calça preta o deixavam ainda mais ele. Seus cabelos pretos, sempre arrumados, estavam bagunçados.

– Você voltou rápido! — sorri me aproximando.

Jughead virou para mim com Justin em seu colo, que o observava fixamente sereno.

– Eu só precisava resolver umas coisas, não podia ficar mais tempo longe de vocês... Eu já fiz isso tempo demais! — seu olhar se tornou triste e culpado.

A cerca de dois meses atrás Jughead reapareceu, foi difícil de me acostumar no começo. Eu estava trabalhando na floricultura de sua avó quando vejo um homem de capuz escolhendo um buquê, e quando vou atendê-lo não era só um homem, era o homem da minha vida, era Jughead.

Ele havia forjado a própria morte, pois caso o contrário seria preso e assim jamais nos veríamos. Só que às vezes ele precisava dar umas viagens até Seattle, para se encontrar com Valerie e resolver as coisas sobre o meu caso. Meu pai ainda estava vivo, mas não havia sido encontrado, e Jughead só sossegaria quando isso acontecesse. 

Não posso negar que eu morria de ciúmes quando ele viajava, por Deus, é a ex mulher dele. Mas, por um lado eu tenho vergonha de negar a ida dele, foi ela quem nos ajudou quando tudo estava uma confusão enorme.

– Você está aqui agora! Não precisa se arrepender, só fazer valer cada minuto, somos nós três agora. 

Jughead sorriu e se aproximou lentamente de mim, ainda com Justin no colo selando nossos lábios lentamente, me fazendo ter uma vontade repentina de chorar, chorar de felicidade.

– Eu amo você, Elizabeth Cooper! — sussurrou contra meus lábios.

Por que o amor era isso, apesar de qualquer barreira, de qualquer dificuldade, ele sempre vai passar por cima, tudo uma hora sempre vai dar certo. Por isso ame, por isso se permita a amar, por que não há nada melhor do que ser amada ou amar alguém. Muitas vezes o amor vai te fazer sofrer, mas se realmente te fazer sofrer pode ter certeza que depois vai valer a pena. Seja você mesma, seja verdadeira, o mundo tá cansando de pessoas hipócritas querendo cada dia mais serem melhores que os outros, seja diferente e faça a diferença. Faça história, assim como eu e Jughead fizemos. 

E temos Justin agora, aquela criatura pequena de apenas três meses, que era a prova do maior amor da minha vida, que era fruto de uma das maiores provas de amor que já se existiu. Romeu e Julieta entram pra história por se matarem ao saber que não iriam viver um para o outro, e todos idolatram essa história e a tem como a forma mais linda e pura do amor. Porém eu sou a favor que a maior prova de amor é aquela que faz a pessoa que você ama ir até o fim do mundo por você, de deixar todos os seus princípios para te ter. 

Justin logo adormeceu no colo do pai, e Jughead o pôs lentamente sobre o berço, o enrolando com o lençol lentamente, o observando de maneira boba.

Assim que dei as costas para sair do quarto senti um par de braços me abraçar pela cintura, me fazendo rir baixinho, assim que saímos do quarto senti meu corpo ser jogado brutalmente na parede oposta para que em seguida Jughead já estivesse com seu corpo colado ao meu, nossas bocas entrelaçadas e suas mãos passando por todo meu corpo, sem restrição alguma. Enlacei meus braços em seu pescoço e suas mãos agarraram minhas coxas enquanto me guiavam até nosso quarto, onde mais uma vez teríamos outra noite de amor.

Terceira pessoa. — Ponto de vista.

Deixei que a fumaça saísse de minha boca lentamente enquanto em passos lentos caminhava até aquele berço. O bebê dormia serenamente, deixei um sorriso de canto escapar enquanto jogava o cigarro no chão e o amassava com o solado do sapato, com a intenção de que um dos dois amanhã vissem que eu estive ali. 

Meu neto.

Eu tinha um neto, mas por que eu iria ficar feliz? Se todos os meus planos haviam sido estragados por causa... Por causa de um romance de merda. Apertei minhas mãos em punho para não fazer nada com aquela criança, por enquanto.

Soltei o ar e saí daquele quarto, fechando a porta silenciosamente, conseguindo de longe escutar os gemidos que vinham do quarto. Balancei a cabeça com repulsa saindo dali. Observei um porta retrato onde estava Elizabeth no meio e sua mãe a abraçando, eu me lembrava dessa foto. Eu estava nela! Mas não ali, Elizabeth havia me cortado da foto. 

Com ódio no peito quebrei o vidro do porta retrato sem medir nenhum pouco o barulho que faria. 

O jogo não havia acabado.


Notas Finais


Falta o último capítulo❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...