História Celestia Academy - Capítulo 1


Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Celestia, Escola De Magia, Escolar, Fantasia, Furries, Magia, Romance, Shounen
Visualizações 37
Palavras 1.154
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Fantasia, Luta, Magia, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Shounen, Sobrenatural
Avisos: Álcool
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Nossa... Então Celestia está de volta?
Sim... Celestia voltou cumpadi, dessa vez no minimo por enquanto 100% original com um monte de coisa e pah... Até porque eu refiz o RPG de Celestia e nós temos muito mais coisa para trabalhar agora (O mundo de Celestia está melhor desenvolvido agora...) e nós temos uma presença ilustre na fic oficialmente uhull! Eu estou falando da Ane, ou Deadpoolzinha, nossa Co-Autora que está me ajudando a fazer as coisas atualmente.

Capítulo 1 - Uma pequena confusão


Como você pensa que seria a vida em um país que não discriminasse nenhuma raça ou etnia? Seria algo realmente utópico não? Para falar a verdade, estamos atualmente neste tal “país”, uma ilha flutuante que vaga pelos entornos de Fellen: a República Híbrida, um lugar onde os refugiados por todo o mundo habitam e onde uma junção da magia élfica e da tecnologia dos Beasties mais inteligentes faz com que o país prospere sem muitos problemas. 


•••


Caminhando pelo bar de aspecto rústico um homem alto de cabelos pretos cortados de uma forma quase militar, parecia ter cerca de 40 anos e tinha uma barba rala. Sobre sua cavidade ocular esquerda, um tapa-olho demonstrava que provavelmente era um guerreiro ou pirata, fato este que poderia também ser visto pela grande cicatriz que parecia atravessar o olho tapado indo de sua testa até a bochecha. O homem olhava sério para alguns presentes, um elfo, uma beastie ave e um humano, o de grandes orelhas era loiro e tinha uma aura nobre, apesar de estar completamente bêbado, a que tinha plumas brancas ainda estava sóbria, tinha de fato uma aura poderosa, devia ser alguma filha de uma família poderosa. O último, era apenas um homem gordo qualquer, um bêbado alcoólatra que havia jogado sua vida fora. 


— Hey vocês! Por acaso viram algum pivete com um braço de ferro por aí? — O homem do tapa olho falou com um tom grosso, que assustou os demais presentes, aquele tom dizia claramente, o homem não aceitaria um “Não” como resposta. 


— Hum… Você está mesmo querendo alguma informação de mim! Sabe quem eu sou seu bastardo estúpido! Eu sou o Grande Sanar! — O gordo, totalmente alcoolizado, praticamente cuspiu sua resposta seca, com seu bafo de cerveja, na cara do homem que sorriu irônico. 


— Sanar não é?... Para mim você parece só um fracassado bêbado — Aquele com o tapa olho pegou o bêbado antes mesmo dele poder reagir, olhando em seus olhos enquanto exalava algum tipo de pressão apenas com seu massivo poder mágico, uma espécie de nuvem feita de partículas prateadas o envolveu, assim tomando conta do corpo do gordo, em seguida alguns fios acabaram por passar envolta daquele dono de todo o poder mágico que apenas disse. — Oxidation! 


As partículas antes prateadas, se escureciam deixando de ser o material conhecido como limalha de ferro, e se tornando pequenos imãs prateados. Cada pequeno ímã começava a girar em torno de seu próprio eixo, assim criando um campo elétrico extremamente potente que acabou por eletrizar os próprios pequenos imãs. O homem riu, como se admirasse o medo na face daquele que havia lhe desafiado, de um bêbado corajoso, o outro havia se tornado um covarde chorão que já havia se mijado de tanto medo, o gordo implorava com o olhar para que o homem poupasse sua vida, enquanto sentia em sua pele a eletricidade estática.


— Hum? Um medroso? Isso é realmente divertido. — Aquele que vestia o tapa olho sorriu de uma forma um tanto amigável, abaixando todas as pequenas partículas de magnetita e devolvendo o gordo ao chão. — Deixe-me apresentar, meu nome é Zrey, Zrey Sulphiris… Estou a procura de meu filho.


•••


Era uma vez uma família de aves de rapina, beasties que tinham um alto nível e viviam no maior luxo possível em um reino ao sul de Fellen, esta família tinha os melhores magos de toda a região, viviam na luxúria e no prazer, eram quase como deuses naquele lugar, este era o clã Vinger, era o clã dos beasties mais fortes do antigo reino de Skyron


Porém o paraíso nunca poderá durar para sempre, Skyron um dia foi invadida por um homem chamado Byakuya e sozinho ele destruiu o reino por inteiro, aqueles que conseguiram fugir, alguns poucos da nobreza, incluindo algumas crianças do clã Vinger, vieram refugiados para a República Híbrida, onde se reestabeleceram como uma família da burguesia. 


Ao observar a cena, a harpia que estava no bar apenas pensou “que poder incrível” enquanto observava Zrey, ela era ninguém menos que Aera Vinger, uma oficial do exército da força expedicionária híbrida, nada além de uma cadete afinal, uma maga cadete que estava impressionada com o tamanho poder mágico daquele que estava na sua frente. 


— Aah… Mmmm… Senhor? — Ela finalmente ousou a fazer um som, havia reconhecido o sobrenome de Zrey, assim como os Vinger, os Sulphiris também tinham uma grande fama pelo mundo, eram guerreiros controladores do elemento metal. O que explicava o fato de Zrey usar limalha de ferro. Ele tinha o elemento “Metal” em suas veias assim como ela tinha o elemento “Firmamento” nas próprias. — Prazer, eu sou a cadete Aera Vinger da força expedicionária híbrida, e se está procurando seu filho, creio que ele está desaparecido, então devo ajudá-lo em sua busca. 


— Está insinuando que meu filho esteja desaparecido? Não é por isso que estou procurando o pivete! — O homem olharia para ela com seu unico olho, suas íris eram cinzentas como o ferro que ele controlava, a Beastie, em sua visão tinha um bico médio, bem amarelo, era um pássaro branco, uma verdadeira harpia com suas plumas alvas e volumosas e mesmo assim era considerada atraente para os padrões de sua espécie, ela era uma harpia, mas aparentava ter a leveza de uma garça. — Quero achá-lo para que ele entre em um certo colégio para pessoas como eu, Vinger… Eu já ouvi este nome em algum lugar… Por acaso já trabalhou em alguma casa de massagens próxima a Newsage? 


— Não sei se está insinuando que eu pratiquei algum tipo de ação desrespeitosa no passado mas… Eu digo, nunca trabalhei em nenhum prostíbulo — A harpia pareceu se irritar com o comentário de Zrey, a ponto de uma aura de vento aparecer ao seu entorno, como se dissesse que estava pronta para lutar se necessário, Aera apenas replicou com uma voz calma. — Provavelmente reconheceu meu nome porque minha família já é secular, assim como os Sulphiris. 


— Ah, agora eu lembrei… É aquela família burguesa com cara de pombo… Nunca me envolvi muito com eles. — O controlador de metal parecia bocejar enquanto olhava para a garota, e então criou usando sua magia um pequeno pingente de prata em forma de pássaro, observando sua própria criação. — Mas se você quiser ajudar a encontrar meu filho idiota… Eu agradeceria. 


— Quem diria que um membro do clã Sulphiris seria tão grosso… Bom… Se eu não tivesse algum respeito pela sua família, teria lhe prendido por desacato a autoridade. — Aera falou aquietando sua aura, por algum motivo a mesma estava com uma vontade imensa de ajudar Zrey, ela teria a oportunidade de vê-lo usar sua magia novamente. — Como lhe ajudar pode contar como uma boa experiência… Eu lhe ajudarei a procurar seu filho, qual é mesmo o nome dele? 


Gladian — Falou Zrey. — Gladian Sulphiris



Notas Finais


Okay... Pra quem não entendeu os negócios que o Zrey fez pra atacar o velho, ele usou magia para oxidar o ferro nas partículas formando magnetita(ou seja imãs naturais) e os moveu graças ao controle cinetico do metal criando um campo de eletricidade estática intensa... Se ele tocasse aqueles imãs no gordo, ele fritaria na hora...

Mas... O capitulo foi esse
Então... Espero que não flope e eu entre em depressão :v


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...