1. Spirit Fanfics >
  2. Celestial >
  3. Porque amar é algo como... "será que posso entrar?"

História Celestial - Capítulo 89


Escrita por:


Notas do Autor


Oi pessoas.

Nova fic. Espero que gostem. Não esqueça de favoritar a fic e de comentar.

Beijos

PS¹: Peço desculpas pela demora.
PS²: Eu estou voltando a atualizar todas as minhas fics. Agora de fato, voltei.

Capítulo 89 - Porque amar é algo como... "será que posso entrar?"


Fanfic / Fanfiction Celestial - Capítulo 89 - Porque amar é algo como... "será que posso entrar?"

— Fomos roubados, papai.

John, Elias, Scott e Derek apressam o passo em direção a casa. Stiles pega na mão do filho e vai indo atrás dos quatro. John entra em sua casa e olha para o escritório e as salas totalmente vazias. Derek, Elias e Scott entram e ficam chocados com tudo vazio. Stiles e Alex entram em casa.

— Meu Deus! — exclama Stiles boquiaberto. — Fomos realmente roubados.

Malia saiu da cozinha fazendo anotações na prancheta. John, Derek, Elias, Scott, Stiles e Alex olham para Malia que está prestando atenção em suas anotações.

— Precisamos chamar a policia. — diz Elias.

Malia levanta a cabeça e sorri.

— Vocês já chegaram? — pergunta Malia.

— Sim. — diz John assustado. — E fomos roubados.

— Vocês não foram roubados. — diz Malia que vira a prancheta e mostra o desenho. — Eu esvaziei o primeiro andar para a decoração da festa de aniversário do Alex. Contratei a equipe de contra-regras da produtora para vir, embalar, colocar os móveis no caminhão e levar para o deposito da produtora.

— E com autorização de quem você fez isso, Malia? — pergunta John.

— Lydia e Stiles. Lydia pediu ajuda para organização e Stiles deu sinal verde. — Malia olha para Stiles. — A decoração da festa chega as quatro da tarde.

— Bem eu realmente dei o sinal verde. — diz Stiles que olha para todo o primeiro andar vazio. — E vindo da Lydia e da Malia eu podia esperar qualquer coisa, e bom agora já foi feito. Quer dizer que isso na prancheta é como vai ficar o primeiro andar?

— É sim. — diz Malia sorrindo. — No escritório vão ficar as lembrancinhas e o chapéu seletor. Onde vocês estão vai ter uma mesa enorme como a do refeitório dos filmes e temos o banner para ilustrar o refeitório. A sala de jantar vai ser a sala de porções onde vão ficar as bebidas tanto para os adultos e para as crianças. No jardim dos fundos já foi montado uma pequena quadra de quadribol.

— Quadribol? — pergunta Alex totalmente animado.

— Sim! — exclama Malia sorrindo, ela mexe no bolso e tira um chaveiro com uma chave e entrega para John. — John, seu pedido foi entregue lá no segundo andar.

John pega a chave e abre um enorme sorriso. Scott e Derek olham em volta assustando com o tamanho da sala. Scott já esteve presente várias vezes na casa de seu melhor amigo, inclusive quando ele se mudou para a casa, o moreno foi um dos que ajudou com a mudança. Ele não se lembrava de como a casa do melhor amigo era grande. Elias andou até a escada e subiu para o segundo piso.

— Papai, podemos jogar quadribol?

— Depois filho. Vamos deixar para você inaugurar a quadra amanhã, na sua festinha.

Alex olha pra Derek.

— Tio Derek, você viu como minha mamãe é linda?

Malia arregala os olhos. Scott comenta com sua ex que Cora apareceu em vídeo para todo o tribunal. Derek agacha para ficar do tamanho de seu sobrinho.

— Sua mãe sempre foi uma mulher linda e engraçada. — Derek suspira e bagunça o cabelo de Alex. — Sarcasmo era com ela. Cora sempre gostou de dizer que Sarcasmo é a única defesa dela.

Alex olha para Stiles.

— Papai, essa frase você copiou da mamãe né?

Stiles dá os ombros. Alex olha para o tio novamente. Derek está com os olhos brilhando ao ver pequenos traços em Alex que remetem muito ao de sua falecida irmã.

— Eu acho minha mamãe linda. A voz dela é linda como ela. Eu queria que ela tivesse viva pra comemorar meu aniversário comigo, mas sei que ela não está. — Alex coloca a mão no ombro de Derek. — Então, tio Derek, fale mais sobre os brigadeiros? Será que você precisa de alguém para testar alguns? Eu me voluntario, tio.

Derek começa a rir, ele abraça o sobrinho e enche de beijinhos na bochecha dele. Derek levanta largando Alex. John aproxima da escada e chama todos para subir. John, Scott, Malia, Stiles, Alex e Derek sobem para o segundo andar. Eles param na porta do quarto de Alex. John coloca a chave na porta.

— Pode abrir, Alex. Esse é o presente do vovô pra você.

Alex aproxima da maçaneta, gira a chave e a maçaneta. A porta vai abrindo. Alex arregala os olhos, abre um enorme sorriso, começa a dar pulinhos felizes. O garotinho entra em seu quarto e olha para todos os cantos com um enorme sorriso. Agora seu quarto tem uma televisão de plasma, sua cama fica no alto e abaixo uma escrivaninha/cama abaixo. Tem uma parede de tijolinhos com a temática 9 ¾ . Tem uma parede preta que dá para escrever com giz e nela várias fotos presas. O guarda-roupa está embutido, próximo da televisão tem um X-BOX.

— X-Box? — pergunta Scott surpreso. — Stiles, já sabemos onde vamos ficar a maior parte do tempo.

— Você ainda tem os jogos, né Scott? — pergunta Stiles.

— Claro!

— Demorou.

Alex começa a rir.

— Esse é meu quarto papai. Não vão jogar videogame aqui não.

— Porque filho?

— O quarto é meu. Você e o tio Scott quando jogam videogame bagunçam tudo.

— Isso é uma blasfêmia, querido afilhado. — diz Scott.

Scott e Stiles começam a rir. Malia observa o quarto ao lado de Elias e Derek. Alex corre até o avô e o abraça pela cintura agradecendo pelo novo quarto. O celular de Malia começa a tocar, ela atende e vai descendo para o primeiro andar. Derek acena para todos despedindo. Stiles olha para o namorado.

— Já vai, Der?

— Sim, preciso enrolar os brigadeiros do aniversário do Alex. — Derek sorri. — Quando eu terminar, venho trazer eles e aproveito e te dou um beijo.

— Ok... Obrigado, Der.

— De nada, Sti.

Derek saiu do quarto de Alex. Ele desce pela escada, acena para Malia e vai saindo.

Lydia, Bradley e Isaac estão andando no shopping de Beacon Hills. O empresário está terminando de enviar uma mensagem para o namorado em Nova Iorque. Bradley está calado, apenas observando a movimentação do shopping. Lydia para na frente de sua família.

— O que está acontecendo aqui? — questiona Lydia que olha para Isaac e Bradley. — Vocês dois estão calados.

— Eu estava apenas mandando uma mensagem pro meu namorado. — diz Isaac que suspira e encara a irmã. — Agora vamos entrar na loja e comprar o presente de aniversário do Alex.

— E você Bradley? — pergunta Lydia.

— A Mandy me contou algo, só isso. — Bradley suspira bem pra baixo.

Lydia e Isaac estranham a reação do menor. Isaac para ao lado da irmã. Os dois abaixam para ficar do tamanho da criança. Bradley não quer dar o braço a torcer e muito menos chorar na frente de seu pai, mas as palavras que Mandy tinha dito para ele na saída do tribunal o deixou bastante triste. Bradley começou a chorar.

— A Mandy disse que a Alana, a mãe das mães do colégio, vetou a minha presença no aniversário do Alex. Ela intimou o professor Derek: ou era eu ou o filho dela e das outras mães. Mandy disse que o professor Derek e Alex me defenderam dizendo que eu era da família e jamais seria desconvidados. — Bradley soluça enquanto chora e fala tudo. — Corre o risco de ninguém aparecer no aniversário do meu melhor amigo por minha culpa.

Isaac abraça Bradley.

— Não tem nada disso, filho. — Isaac enche a testa do filho de beijo. — Essa tal mãe das mães é uma pessoa terrível. Quem vai sair perdendo é o filho dela por não ir. Amanhã é o aniversário do Alex, um dia de alegria para todos.

— E se ninguém for papai?

— Problema. — diz Isaac que abre um sorriso dócil. — Só tem uma única pessoa que o Alex quer ao lado dele na hora de soprar as velinhas e essa pessoa é o melhor amigo. E aqui estamos.

— Isaac tem razão. — diz Lydia que sorri. — Agora vamos comprar o presente para o Alex, vamos tomar um sorvete e depois vamos pra casa descansar, porque amanhã é dia de festa.

Isaac enxuga as lágrimas de Bradley. Lydia e Isaac levantam, dão a mão para o pequeno e vão andando. Isaac e Lydia se olham e entram na loja de brinquedos.

 

 

NOVA IORQUE

Matheus está no hospital terminando de examinar o paciente do acidente de carro que ele atendeu alguns dias atrás. O estado da criança é critico. Matheus pede para a enfermeira para tirar gasometria do garoto. O pediatra vai saindo do quarto, sente o celular vibrar e ao tirar vê a mensagem. Ele clica na mensagem.

 

@Isaac

Beacon Hills é mais divertida com a sua presença.

Sinto saudades já. Como está tudo?

Beijos.

 

Matheus abre um enorme sorriso. Ele começa a digitar a resposta quando o celular dele começa a tocar. É Naomi, sua irmã. O médico vai aproximando da sala de espera e atende o telefonema da irmã.

 

MATHEUS: Oi Naomi.

NAOMI: Oi Matheus.

MATHEUS: O que você quer? Eu estou no trabalho.

NAOMI: Saber das fofocas. Eu descubro pela boca da minha avó que meu irmão está namorando aquele louro gato do aniversário dela. Você ia pensar em me contar quando, Matheus?

MATHEUS: Quando eu tivesse um tempo.

NAOMI: Isaac Martin Lahey. Ele é lindo.

MATHEUS: Como você sabe?

NAOMI: A vovó me falou o nome e sobrenome, eu googlei. Ele é tremendamente lindo, tem várias empresas, basicamente é dono de metade de Nova Iorque. No perfil dele diz na Forbes, ele diz “Minha vida é entre o meu trabalho e minha família. Amo a família que se forma em meu trabalho, mas amo muito mais o braço de apoio familiar que tenho a anos.” Gatinho sensato e familiar.

MATHEUS: Isaac é um amor de pessoa. Não me importo com o que ele trabalha. Ele me faz feliz. Depois de muito tempo parece que eu realmente encontrei a minha cara metade. Quando eu penso nele, eu penso em uma união como a dos nossos pais.

NAOMI: Você realmente está apaixonado por ele.

MATHEUS: Sim. Parece que o destino estava guardando ele para mim.

NAOMI: Que lindo. Que romântico. Vou desligar, sei que você é médico e salva vidas, não quero tirar sua concentração. Quanto tiver folga, me avisa que te ligo. Beijos maninho, te amo.

MATHEUS: Beijos Naomi, também te amo, irmã.

 

Matheus desliga a chamada. A enfermeira entra no corredor e grita por Matheus. Ele corre até a enfermeira e entram no quarto do garoto acidentado. A criança teve uma parada respiratória devido ao trauma ocasionado pelo acidente. Matheus faz massagem cardíaca na criança, enquanto a enfermeira coloca a máscara de oxigênio na criança.

 

 

BEACON HILLS

Lydia mostra o lego do Harry Potter que ela vai dar de presente para Alex. Isaac mostra a língua, fazendo a irmã rir. Bradley está segurando os bonecos de pelúcia do Harry, Rony e Hermione em seus braços. Isaac pega os bonecos da mão do filho e entrega para a moça do caixa. Bradley vira de lado e um menino todo com manchas roxas pelos braços e um olho roxo está ao seu lado.

— Você está bem?

— Não é culpa do doutor Matheus. — o menino olha para Isaac. — Melhor seu pai ligar para o namorado dele.

— Como? — pergunta Bradley que olha para o pai e em seguida para o menino ao seu lado. — Você é o garoto do acidente né?

— Pablo. — O menino sorri. — Não sinto mais dor nenhuma. O médico ficou abalado. Acabei de chegar aqui. Acho que só você e o seu pai conseguem aliviar a angustia no coração dele.

— E porque se importa?

— Porque enquanto os outros médicos disseram que eu ia morrer no dia que cheguei no hospital, o doutor Matheus foi o único que deu conforto para meus familiares e prolongou a minha vida o bastante. — Pablo começa a desaparecer. — Consegui me despedir de todos. Liga para o doutor, ele precisa de escutar suas palavras e as do seu pai.

Pablo desaparece. Bradley olha para o pai que recebe as sacolas com embrulhos de presente. Lydia está no celular, ela lascou a unha e rapidamente segura o dedo fazendo um pouco de cara de dor. A moça do caixa entrega um bad-aind para Lydia que agradece. Isaac vira para Bradley.

— Vamos pro sorvete, filho?

— Sim, mas antes, precisamos ligar pro doutor Matheus.

Isaac e Lydia olham para Bradley.

— Pro namorado do seu pai? — perguntou Lydia confusa.

— O que tem o Matheus, filho?

— O paciente dele, o garoto do acidente. Acabou de falecer. Ele está arrasado e precisa ouvir nossa voz.

Isaac pega o celular, disca enquanto saí da loja com Bradley e Lydia. Eles se sentam em um banco. Isaac coloca o aparelho no viva-voz. Lydia troca olhares com o irmão.

 

MATHEUS: (voz de choro) Oi! Já ia responder sua mensagem agora.

ISAAC: Eu nem sei o que falar, mas meu filho recebeu a visita do seu paciente.

BRADLEY: Doutor Matheus, o Pablo disse que você foi o único que deu conforto para a família e prolongou a vida dele, enquanto os outros já o tinham dado como morto. A família conseguiu se despedir dele, é por isso que ele se foi.

MATHEUS: (voz de choro) Eu tentei salva-lo, Bradley. Deus sabe o quanto eu tentei.

BRADLEY: Sim, sabe, mas era a hora do Pablo ir. Ele partiu sem dor. E ele parecia está bem ciente de tudo. Tanto que estava preocupado com você.

MATHEUS: (voz de choro) Ok!

BRADLEY: Sinto muito, pela sua perda.

LYDIA: Eu também.

 

— Será que vocês podem me dar licença? — pediu Isaac a Lydia e a Bradley.

— Te esperamos na sorveteria, Isaac. — diz Lydia.

Lydia e Bradley levantam e vão em direção a sorveteria.

 

ISAAC: Matheus, eu sinto muito pela sua perda.

MATHEUS: (voz de choro) Obrigado meu amor, eu tentei de tudo, mas infelizmente não consegui salva-lo.

ISAAC: Você deu o tempo que o seu paciente precisava para que a família dele pudesse despedir. Você confiou na recuperação e conseguiu dar a ele dias a mais de vida. Não fique angustiado, você é o melhor ser humano que já conheci em toda a minha vida. É um excelente médico e vai salvar inúmeras vidas ainda. Na vida, tem horas que perdemos para ganhar, essa é a realidade. O que você vai fazer agora?

MATHEUS: (voz de choro) Quando terminar meu plantão vou para minha casa e ficar lá até segunda. O dono do hospital pegou meu turno desse fim de semana e passou para outro colega. Vou substituir depois.

ISAAC: Vem para Beacon Hills. É aniversário do Alex, estamos todos aqui.

MATHEUS: Não sei, meu amor.

ISAAC: Eu vou buscar, pego o avião da empresa te busco e voltamos hoje.

MATHEUS: Você é louco ou está ensaiando?

ISAAC: Eu sou louco pelo seu sorriso. Louco pelo seu beijo e o mais importante, louco por esse belo ser humano de coração aberto. Deixa que eu, meu filho, minha família te aconchegue nesse momento da sua vida. Nós te amamos e queremos o seu bem.

MATHEUS: Saindo do hospital eu vou para o aeroporto então.

ISAAC: Eu te busco em Beacon County, só me passa o horário de desembarque do seu vôo. Não precisa trazer nem roupa, eu tenho as minhas que cabem perfeitamente em você.

MATHEUS: Combinado meu lindo. Até mais tarde.

ISAAC: Até mais tarde. Te amo.

MATHEUS: Te amo, Isaac. Até.

 

Isaac sorri e desliga a chamada. Ele levanta do banco e vai em direção a sorveteria.

Derek entra em casa, faz carinho em Dan que está na sala. O professor vai até a cozinha e se surpreende ao ver Megan e Liam sentados em volta da mesa enrolando os brigadeiros para a festa de Alex. Derek lava a mão na pia e enxuga rapidamente.

— Pensei que você estava na produtora. — diz Derek a Liam.

— Malia deu folga hoje. — diz Liam que sorri e enrola um brigadeiro. — A bisa está me ajudando a enrolar os brigadeiros para o aniversário do Alex. E nós comemos um, e eu te digo: tio Derek, você já pode casar.

Derek suspira.

— Eu vou. — diz Derek.

Megan e Liam param de enrolar o brigadeiro e encaram o professor.

— Como assim, meu neto? — perguntou Megan incrédula.

— Stiles me pediu em casamento. — diz Derek que sorri timidamente. — Eu aceitei. Nos amamos e vamos dar um enorme passo na nossa relação.

— Meus parabéns, tio. — diz Liam que levanta e abraça Derek. — Casamento realmente é um passo muito grande. Eu tenho alergia só de pensar nesse tipo de união. Quero viver ao máximo tudo o que eu tenho direito, mas estou muito feliz pelos meus tios se casando.

— E eu estou feliz pelo meu neto e pelos meus sobrinhos.

— São seus bisnetos, vovó. — diz Derek rindo.

Derek e Liam saem do abraço. Eles se sentam em volta da mesa e começam a enrolar os brigadeiros. Os três conversam e enrolam brigadeiros a tarde inteira.

Stiles está recostado em sua cama. Alex entra no quarto de seu pai com a mão fechada. Ele aproxima da escrivaninha, pega o notebook do pai e coloca sobre a cama. Stiles olha desconfiado para o filho.

— Digita sua senha papai, quero ver o que tem no pen-drive que a juíza me deu.

— Ok, garotinho.

Stiles abre o notebook, digita a senha e estica a mão. Alex coloca o pen-drive na mão do pai. John vai entrando no quarto do filho, ele dá a volta e senta-se ao lado de Stiles. Alex se senta próximo do pai.

— Parece que é o vídeo do tribunal. — diz Stiles.

— Dá o play, papai. Quero ouvir da voz da minha mamãe de novo.

Stiles aperta o play. O vídeo de Cora vai rodando. Stiles e John assistem emocionados. Alex assiste ao vídeo com um enorme sorriso encantado para a imagem da sua mãe que está na tela de seu notebook. Cora finaliza o vídeo.

— Foi isso que passou no tribunal. — diz John que suspira e olha o tempo de vídeo. — Ainda tem cinco minutos?

No vídeo, Cora tira um pequeno microfone de debaixo de sua blusa. Ela enrola o fio e abre um enorme sorriso para a pessoa de trás da câmera. Cora estica a mão emocionada.

— Eu sei que você e minha mãe brigaram por causa do meu pai. — diz Cora que agora sente as mãos entrelaçadas nas suas. Hermione aparece no vídeo. — Vocês são irmãs. Não podem ficar brigadas por causa de um monstro.

Stiles e John arregalam os olhos e se olham assustados. Alex olha para o vídeo e em seguida olha para Stiles e John.

— Essa é a juíza. — diz Alex.

— A juíza. — diz Stiles chocado. — É tia do Derek.

— Por isso, ele não falou nada na saída do tribunal. — diz John que suspira e abre um enorme sorriso. — Stiles, seu namorado salvou a guarda do seu filho.

— É pai. — Stiles sorri emocionado. — Derek é meu herói.

John e Stiles abraçam de lado. Os dois junto a Alex assistem ao final do vídeo. O advogado e o produtor pedem para Alex jamais comentar com alguém o parentesco de Derek com o da juíza. Alex promete segredo. Lydia e Bradley vão aproximando da porta do quarto de Stiles, eles apenas escutaram a palavra segredo.

— Que segredo, Alex? — pergunta Lydia.

Stiles, John e Alex olham assustados para Lydia. Bradley olha para os três sem entender o porquê do susto.

Derek e Megan enrolam os últimos pratos de brigadeiros. Liam acabou de sair do banho. Ele está com a toalha enrolada na cintura, ele passa pela sala procurando o celular. A campainha toca. Derek grita pedindo para Liam abrir a porta. O garoto de olhos azuis destranca a porta e assusta.

— Isaac? — pergunta Liam.

Isaac olha para Liam.

— Oi. — diz Isaac que encara Liam. — Será que eu posso entrar?


Notas Finais


OMG! OMG! OMG!

O que acharam desse primeiro capítulo?

Beijos

PS¹: Peço desculpas caso tenha algum erro de português.
PS²: Estou escrevendo uma fic One Direction que o protagonista é o Niall, caso vocês queiram ler vou adorar. O nome da fic é One Way Or Another.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...