História Cemetery Drive - Capítulo 21


Escrita por:

Postado
Categorias Ashley Benson, Benedict Cumberbatch, Dave Franco, Doutor Estranho, Elizabeth Olsen, Emilia Clarke, Homem-Aranha, Os Vingadores (The Avengers), Quarteto Fantástico, X-Men
Personagens Ben Grimm (O Coisa), Clint Barton, Dr. Bruce Banner (Hulk), Erik Lehnsherr (Magneto), Feiticeira Escarlate (Wanda Maximoff), James Rupert "Rhodey" Rhodes, Janet Van Dyne (Vespa), Johnny Storm (Tocha Humana), Mulher-Aranha, Mulher-Hulk (Jennifer Walters), Mulher-Hulk Vermelha (Betty Ross-Banner), Ororo Monroe (Tempestade), Pantera Negra (T'Challa), Peggy Carter, Peter Parker (Homem-Aranha), Pietro Maximoff (Mercúrio), Professor Charles Xavier, Reed Richards (Sr. Fantástico), Scott Lang (Homem-Formiga), Stephen Vincent Strange / Doutor Estranho, Steve Rogers, Thor, Victor von Doom (Dr.Destino)
Tags Ao3, Ao3 Br, Casal Marvel, Crack Shipp, Crackshipp, Doctor Strange, Doutor Estranho, Dr Estranho, Fanfics Da Marvel, Feiticeira Escarlate, Guerras Secretas, Jennithor, Marvel, My Chemical Romance, Otp, Quadrinhos Marvel, Romance, Scarlettstrange, Ship, Shipp, Tudo Culpa Da Paola, Wanda Maximoff
Visualizações 19
Palavras 1.266
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Hentai, Poesias, Romance e Novela, Saga, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Nome: Famosas Últimas Palavras
Narrado por Strange.

Capítulo 21 - Famous Last Words


Fanfic / Fanfiction Cemetery Drive - Capítulo 21 - Famous Last Words

O governo ordenou que todos os heróis que estiveram no Mundo de Batalha fossem internados. Alguns dizem ouvir a voz de Beyonder, sendo que este nunca esteve ali. Foi horrível ter que ajudar nas internações, a maioria deles está uma lástima. Quase todos estão vivendo na Clínica de Psiquiatria Super-Humana que é dirigida por Leonard; exceto Janet e Erik. Se estes dois estão realmente perturbados, pelo menos conseguem dissimular muito bem.

Após o almoço, passeio pelo corredor que abriga as celas, porque na minha concepção, aqueles quartos parecem ergástulos e não aconchegos.

Clint acha que está no Hotel Califórnia, e ele repete sempre a mesma frase:

“Bem-vindo ao Hotel Califórnia! Que lugar encantador!”.

Thor continua a ver o Ragnarök. Chora, brada e implora:

“Me leve com você para as estrelas. Me jogue contra as ondas do mar. Me cegue com as suas certezas. Misture nossos sangues e um novo Deus nascerá!”.

Isso parece um grande marasmo. Passeio por todos os cárceres, vejo Crystal tentando trazer conforto a Pietro, o que me deixa mais aliviado. Por fim, paro em frente  a cela de Wanda, a mesma está deitada no colo de Janet.

– Mamãe, por favor, me tire daqui! – continua a chorar sangue. – Me leve para ficar com você e com o papai.

– Estou tentando, meu amor! – diz enquanto faz carinho nela. – Estou fazendo de tudo!

– Promete que nunca vai me deixar?

– Nunca!

– Mesmo depois que eu vier a óbito?

– Não vou deixar que morra, minha linda. Você é minha menina!

Agora eu sei que não posso fazê-la ficar. Chamá-la de atarantada em nossa última briga foi a pior coisa que fiz. Ela diz que ainda me ama, mas que nunca mais quer estar comigo. Mas onde está o coração dela? Onde está o meu coração?

Eu sei que não há nada que eu possa dizer para mudar esta parte, a maldita parte do adeus. Ela irá se recuperar e ficará longe de mim. Dirá-me finalmente as famosas últimas palavras. Há tantas luzes brilhando em seus olhos que acabam formando uma grande sombra. Mas eu posso falar? Bem, isto é difícil de entender? É tão complicado perceber que eu a amo? Estou incompleto diante a uma vida que é tão exigente. Fico tão fraco, tão inerte quando penso que fui um dos que mostraram a feiticeira que amar é maltratar. Um amor que é tão exigente não deveria ser chamado de amor, pois este também termina com uma rosa vermelha na tampa do caixão. Não consigo falar, e há muito que quero dizer a ela. A verdade é que eu não tenho medo de continuar vivendo. Não tenho medo de caminhar sozinho neste mundo, não estou preocupado comigo. Posso terminar meus dias em completa solidão, mas estarei feliz se ela conseguir ser curada.

[...]

Já é noite quando os visitantes vão embora. Leonard diz que Wanda está me chamando. Vou imediatamente de encontro a ela. Abraçamos-nos com força, com dor, com lamúria.

– Leo disse que logo estarei curada, meu amor! – sorri. – Vou me mudar com mamãe e papai para Los Angeles. Isso não é incrível?!

– É sim. – beijo sua testa. – Não pretende ficar ao meu lado depois da alta médica? Perdemos-nos mesmo um do outro. – concluo através de um longo e doloroso suspiro.

– Por que eu ficaria ao seu lado?

– Querida, se você ficar, serei perdoado. Finalmente poderemos ser felizes!

Ela se desprende dos meus braços, fita meus olhos. Sorri, novamente vejo que sua gengiva sangra.

– Você pode ver? – o sorriso transforma-se numa risada maléfica. – Meus olhos estão brilhando! Porque estou fora daqui, no outro lado de um espelho negro quebrado do Hotel Califórnia. Estou tão fraca que nem ao menos consigo concluir meu feitiço.

– O que está dizendo?! – brado.

– Isto é difícil de entender? – continua rindo. – Não estou nessa prisão. Estou muito longe daqui.

Beija-me com violência, o gosto amargo de seus lábios me dá náuseas.

– Estou incompleta, querido. Um amor que é tão exigente não deveria ser chamado de amor, pois este também termina com uma rosa vermelha na tampa do caixão.

– Wanda, eu estou com medo!

– Eu também fiquei quando você me jogou na rua após brigarmos. Estava chovendo lá fora, sabia? Beyonder me acolheu.

– O que está dizendo?!

– Eu não tenho medo de continuar vivendo. Eu não tenho medo de caminhar sozinha neste mundo. Querido, mesmo que eu fique, não irei te perdoar. Nada do que disser pode me deter de ir para casa.

– Eu sou seu lar! – vocifero.

As luzes vermelhas tomam minha visão por completo. Estas são brilhantes e estão sempre me cegando. Vejo-a mentindo perto de mim com palavras que jamais pensei em dizer. Isto faz parte do amor ou tudo voltou a ficar destorcido?

Meu corpo começa a doer, a pesar, o que me faz cair. A última coisa que ouço é:

“Durma bem, Strange!”.

[...]

Acordo, esfrego os olhos algumas vezes. Minha cabeça dói demasiadamente. Quando levanto, percebo que estou no meu quarto. Levanto, acendo a luz. O clarão faz com que minha dor se intensifique. Abro a porta, ouço canções de natal vindas do primeiro andar. Levito, noto que o Sanctum Sanctorum está cheio de decorações natalinas. Chegando à sala, vejo uma grande ceia.

– Olha a Bela Adormecida aí! – Pietro ri. – Está melhor?

– Melhor?! – coloco a mão na nuca. – O que está acontecendo?!

– É natal! – Tony diz sorridente. – Você está melhor?

– Como saíram de suas celas?! – vocifero.

– Celas?! – Jenni questiona. – O que está acontecendo com você, Strange?!

Wanda levanta, está radiante num vestido vermelho. Usa uma touca de Papai Noel e sorri. Abraça-me, avisa aos demais que vamos conversar em particular.

[...]

No canto da cozinha, ela e Wong me contam que desde que tentei estudar a Magia do Caos, passei a ter mal estar, pesadelos e inquietação.

– Não acredito nisso! – cruzo os braços. – Não vai me enganar desta vez, Maximoff! Eu vi o Mundo de Batalha, vi tudo o que fez.

– O que viu foi uma profecia. – meu amigo diz. – Eu falei que estudasse com calma esse tipo de poder!

– Está dizendo que nada do que vi é real?! – brado. – Tudo é uma grande profecia do que pode acontecer se eu não cuidar bem da Wanda?

– Sim. – respondem juntos.

[...]

O que ouvi do Wong faz sentido, mexer com a Magia do Caos não é algo muito bom. Contudo, ao chegar a meu quarto, ligo para a S.H.I.E.L.D. a fim de me certificar se Beyonder permanece preso. Hill me confirma. Sinto calafrios ao finalmente entender que tudo não passou de um grande surto. Vou tomar banho, tento limpar até as feridas que existem em minha alma; machucados que esta breve esquizofrenia fez comigo. Após isso finalmente me sinto acordado e destemido. Saio do banheiro ainda de toalha, Wanda me questiona.

– Acordado e destemido ou adormecido e morto?

– Já pedi que parasse de ficar lendo meus pensamentos!

– Desculpe. – levanta, abre os braços. – Porque te vi mentindo perto de mim com palavras que jamais pensei em dizer.

– Fui um imbecil. – abraço-o a forte. – Ainda estou tentando processar tudo isso. Me perdoe.

– Perdôo, mas vou embora com meu pai.

– Então, não perdoou de verdade.

– Stephen, eu amo você! Isto não é um adeus. Eu apenas preciso ficar com minha família. Papai e Jan estão felizes. Pietro e Crystal me deram uma linda sobrinha. Eu agradeço tudo o que fez por mim. Sinto-me mal por saber que ao tentar me ajudar, ganhou grandes sequelas. Graças a você, hoje eu não tenho medo de continuar vivendo. Eu não tenho medo de caminhar sozinha neste mundo, porque seu amor me fez entender que nunca estarei realmente solitária. Eu te amo, querido! Feliz natal!


Notas Finais


Música usada no capítulo é do MCR e dá nome ao mesmo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...