1. Spirit Fanfics >
  2. Cendy: One Shots >
  3. Terceiro

História Cendy: One Shots - Capítulo 6


Escrita por:


Notas do Autor


Pra que escolher só um se os dois têm interesse 7w7)?

- Stein, Bendy, 2020

Kklkkk parei

Capítulo 6 - Terceiro


Fanfic / Fanfiction Cendy: One Shots - Capítulo 6 - Terceiro

Arqueei ligeiramente as minhas costas e ergui meus quadris quando minha última peça de roupa foi puxada para baixo me deixando totalmente como o único despido ali sobre a cama para saciar os desejos e fetiches envolvidos dentro do quarto escuro com o perfume do desejo pairando sobre o ar. Levei minha cabeça para o lado quando os lábios de Cuphead vieram de encontro aos meus e me tomaram num beijo ardente, pedindo passagem com a língua sem demorar a qual eu prontamente correspondi enquanto sentia dedinhos nervosos caminharem por minha coxa até meu membro e ali iniciarem a masturbação. Uma outra mão foi de encontro à minha face separando a minha boca da do meu marido e me puxou contra a sua, de forma que a outra começou a descer numa trilha de beijo em direção ao meu íntimo, me causando arrepios. Beijei Rozerov com fogo enquanto meu membro era lambido por Cuphead e todo o meu corpo explorado pelas palmas grandes e curiosas de ambos, levando minha tinta a arder e ferver de desejo. Não pude conter um mínimo gemido quando fui chupado por meu namorado e deixei que este escapasse contra os lábios do gatinho que levou seus dedos de encontro à minha entrada e inseriu os dois do meio ali.

Bd: A-ain - gemi afastando minha face da dele em reflexo.

Percebi quando meu corpo perdeu seu controle e domínio próprio tornando-se totalmente submisso ao dois como o passivo que sempre fui e a vida inteira o fiz tão bem. Apertei o lençol entre meus dedos e todo o meu corpo se enrijeceu no momento em que os de Roz passaram a se mover rapidamente como se tivessem vida própria, bem maiores e mais longos que os meus normalmente eram, minha mente começou a ficar nublada e mais que rapidamente comecei a perder a minha sanidade, não me importando com mais nada que não tivesse ligação com o sexo ou que não me fosse fazer gritar de tesão ali. Os dedos compridos do gatinho entravam e saíam cutucando meu ponto sensível à cada vez que estavam por inteiro lá dentro o que era um estímulo gigante para todo o meu corpo que respondia aos mesmos se arrepiando em cada canto, demonstrando que aquilo lhe agradava e desejava mais. Meu membro se enrijecia, meus mamilos se ouriçavam e meus sentidos se aguçavam a cada penetração e à cada chupada que eu recebia tanto na frente quando a trás, eram investidas vindas de todos os lados buscando me excitar o máximo possível para o que eu sabia que viria mais adiante. Com todo o meu autocontrole desfeito e minha mente perdida no prazer, afastei meus lábios dos de Roz num gemido intenso e agarrei o rabo de cavalo de Cuphead com minha mão destra enquanto a outra rasgou o lençol com suas garras. Gozei sem me satisfazer por completo, ainda queria sentí-los dentro de mim - os dois! Necessitava de seus paus, meus sentidos não se saciariam naquela noite enquanto ambos não jorrassem suas porras dentro de mim.

Minha boca se mantinha entreaberta entre os vários arfares que eu dava buscando recuperar o meu fôlego e me encontrar entre aquele labirinto de desejos e pecados que me arrebatavam e me tiravam daquele quarto para me jogar em meio ao nada, me deixando perdido no prazer. Cuphead afastou sua boca do meu membro úmido embora limpo e secou seus lábios com a manga de seu suéter após beber todo do meu leite com aquele seu olhar sacana e orgulhoso que sempre fazia ao me levar a atingir meu próprio limite depois de um tempo fodendo ou me atiçando. Ele é um puto de um gostoso! Notei conforme sua mão ía de encontro à minha e a agarrou levando a mesma até seu membro duro onde a manteve e a pressionou contra sua ereção, pude sentir a pulsação das veias sob o tecido em meus dedos, ele já estava sedento. Antes mesmo que eu pudesse organizar todos aquelas coisas em minha mente ainda vaga pelo prazer, senti Roz começar a brincar com os bicos rijos de meu peito e deixar uma lambida pela extensão de seu ombro até minha orelha esquerda, ambos sabiam como tais toques e provocadas deixavam acordado o meu tesão e faziam mais que questão de me provocar até o auge da loucura.

Sem suportar mais a espera, desabotoei a calça de Cuppy de forma desajeitada devido à pressa e a abaixei junto à peça íntima num movimento súpeto, levando o pau rosado a saltar para fora quase batendo em meu rosto, ereto e pulsante diante de meus olhos. Não exitei e muito menos cogitei a possibilidade de exitar em colocá-lo até o fundo de minha garganta para começar à chupá-lo com sede e desejo, sequer precisei segurá-lo para o introduzir em minha boca e já comecei a sugar o falo enquanto sentia meu membro latejar de desejo e meus mamilos serem amassados pelos dedos do gatinho. Mesmo que perdido em mim mesmo, eu conseguia ouvir claramente os gemidos roucos e excitantes escapando dos lábios carnudos de Cups conforme eu mamava seu pau fazendo movimentos para frente e para trás com a minha cabeça, sentido a glande cutucar o fundo de minha garganta e liberar o sabor de seu pré gozo em minha boca molhada pela saliva que à cada instante parecia querer mais dele e de seu gosto, eu não tinha mais controle algum sobre meus atos e também não me importava em ter, só ansiava por mais. Meus cabelos foram agarrados pelas mãos fortes de Cuphead para me auxiliarem nos movimentos e para que eu não parasse de chupá-lo por aquele tempo, logo meu pequeno membro também foi envolvido pelos dedos do gato em meu dorso e ali passaram a me acariciar, eu estava totalmente dominado e atado a eles.

Bd: Mmmmm...- gemi.

Rz: Shhhh... - sussurrou próximo ao meu ouvido e então me surpreendeu com um tapa em minha bunda liberando um estalo agudo pelo quarto.

Fui pêgo despreparado quando ele agarrou meus quadris e me jogou sem dó sobre o colchão, me fazendo quicar por algumas vezes antes de sentir suas mãos abrirem as minhas nádegas e sua boca quente se chocar contra a minha entrada.

Bd: AH! - gritei revirando os meus olhos.

Perdido em minha ilucidez, fui novamente surpreendido quando uma mordida foi inserida em minha bunda seguida de um tapa desferido contra o mesmo local. Amoleci no colchão e usei o máximo de força que ainda possuía para levantar minha cabeça e mirar com um olhar sacana os dois brincando com o meu corpo antes de tornar a cair sobre o lençol, me contorcendo e enlouquecendo em meu próprio tesão enquanto me deliciava com as brincadeiras feitas com os meus sentidos, apertando os lençóis com minhas mãos e salivando sem mal poder reagir, nunca ninguém me fez chegar num êxtase tão intenso a ponto de fazer minhas forças se esvaírem em tão pouco tempo. Minha mente foi ligeiramente trazida de volta quando ouvi a voz de Rozerov próxima à minha orelha me xingar de algo que não consegui decifrar com clareza e então pude me manter são por alguns instantes, percebendo agora Cuphead brincando com a minha entrada me induzindo a participar das preliminares antes de começar a ser fodido pelos dois e certamente tornar a me perder em meio ao tesão outra vez. Rebolei meus quadris contra a boca dele em reflexo ao prazer e mordi meu lábio inferior quando os cabelos molhados de suor foram retirados de minha cerviz e vários chupões e mordiscadas passaram a ser distribuídos por lá. A língua de Cup repentinamente foi separada de mim e ouvi ao longe o som do tecido de suas peças deslizando por sua pele e caindo sobre o piso, fiquei uns minutos confuso procurando seus sons sem encontrá-lo e nem saber o que ele fazia, até ter minhas coxas agarradas com força novamente por aquelas mesmas mãos e ser penetrado por ele.
Bd: A-aah...ah, Cuphead!...

Meus gemidos foram imediatamente interrompidos, abafados pelos lábios ferozes do felino para conter os meus sons enquanto meu companheiro acelerava pouco à pouco os movimentos dentro de mim, até que meu corpo estivesse completamente entregue e preparado para foder. Nossas línguas dançavam num ritmo louco e sedento e minhas sobrancelhas se arqueavam conforme eu era comido e estimulado o tempo inteiro, recebendo tapas em minha bunda e mordidas em meus lábios. Num curto período, Roz afastou-se de mim para retirar sua camisa e deslizou minha não pela extensão de seu abdômen bem definido ao estar semi nú diante dos meus olhos embriagados de prazer até chegar ao volume bem exposto sob suas calças, as abrindo e me fazendo pegar em seu pau, cujo mesmo eu não resisti e o envolvi com minha boca, começando a chupá-lo ao mesmo tempo em que Cuphead metia em mim, acertando as minhas nádegas com suas mãos fortes e apertando a minha carne com elas. Minha garganta recebia estocadas fortes e minha bunda era fodida até o talo por aquele cacete enorme e pulsante que eu adorava, fazendo algumas lágrimas escaparem pelos meus olhos e eu não podia gemer com o pau contendo minha voz, era uma tortura maravilhosa, não existia mais nada à minha volta que roubasse minha atenção a não ser os dois e eu me deliciava com a sensação do sexo intenso e enlouquecedor embora não conseguisse demonstrar muito.

Gemi alto quando minha boca foi subitamente separada do membro de Roz ao ter meus fios puxados pela mão de Cuphead que socou forte em mim antes de retirar seu membro do meu interior e dar algumas batidinhas com sua glande na minha entrada sensível. Fui solto de uma vez sobre o colchão e caí ofegante apoiado sobre meus antebraços apenas podendo ouvir os dois se cruzando no caminho ao meu lado e indo um para o lugar do outro, onde meu pescoço foi envolvido por um forte antebraço que me puxou para trás, agarrando o meu tronco com o outro e me levando a ajoelhar sobre seu colo nas pernas que se sentavam sobre a cama junto à mim. Era Roz, ele me penetrou por trás e apertou meus mamilos entre suas mãos enquanto beijava e chupava o lado direito de meu pescoço, eu gemia intensamente e me arqueava com a sensação, minhas pernas tremiam e eu arfava alto e intensamente. Mordi meu lábio com força quando vi Cuphead vir em minha direção e abrir minhas pernas com seu pau ereto ansioso para me foder, o qual ele agarrou com uma de suas mãos enquanto levava a outra até minha entrada. Arfei pesado quando os movimentos cessaram e Roz segurou o meu quadril me levantando de cima de suas coxas e dois dos dedos de Cuphead me penetraram junto ao membro do gato que já se encontrava em minha bunda, abrindo espaço onde ele logo encaixou seu pau e eu fui sendo lentamente abaixado enquanto era penetrado pelos dois ao mesmo tempo. Meus olhos reviram com aquilo e eu não pude segurar mais os gemidos que se formavam em meu diafragma.

Bd: A-aaain!

Grunhi arqueando a minha coluna enquanto minhas pernas trêmulas repousavam uma de cada lado do quadril do meu loiro e meu corpo vibrava por dentro me causando espasmos, o prazer era intenso e escapava para fora por meio dos meus gritos, eu não era capaz de evitar. Ambos estavam dentro de mim, me fodendo ao mesmo tempo e o prazer era duplo, a sensação de ter aqueles dois cacetes tão enormes pulsando contra as paredes do meu interior era inexplicável, parecia que eu seria rasgado ou gritaria de prazer a qualquer instante. Roz mordia o lado direito do meu pescoço e me agarrava pela cintura, me forçando contra seu peitoral nu o que fazia meus olhos revirarem e eu grunhia a cada movimento que realizava sobre os membros enormes deles. Doía levemente, mas a sensação era maravilhosa.

Bd: Ain...Mmmmm...aah...

Cuppy colocou suas mãos na minha cintura e a forçou para baixo, me ajudando nos movimentos e os tornando mais intensos e velozes. O ato mal havia começado e eu já dava sinais de que meu orgasmo estava próximo, contraíndo minha parte íntima nos pênis dos dois ao mesmo tempo em que espasmos fluiam de mim e todo o meu corpo apontava meu limite.

Rz: Já vai gozar, bebê?

C: Não acredito - falou sacana - Aguenta mais um pouco, amor. Estamos só começando - e mordeu o lóbulo da minha orelha.
Não demorou e meu líquido se espalhou pelos corpos dos garotos. Amoleci sobre o colo destes, parando de quicar e caí para frente apoiando o meu peso sobre o ombro do meu homem de porcelana.

Rz: A gente ainda não terminou, gostosinho.

C: Vem cá, vem.

Eles me puseram de quatro na cama e Cup se pôs por trás, apoiando suas mãos em minha bunda.

C: Vamos continuar brincando, tá? - e me penetrou novamente, chocando com tudo o seu quadril contra mim.

Roz, por sua vez, ficou na minha frente e agarrou meus cabelos molhados me deixando cara à cara com seu pau.

Rz: Chupa - ordenou.

Comecei o oral com prazer, mirando o mesmo em seus olhos dourados e reluzentes se destacando em meio à escuridão onde em sua face havia um sorriso safado, se saciando com a visão e a sensação das chupadas em seu falo antes de jogar sua cabeça para trás e direcionar o seu foco apenas no último, começando a delirar com o prazer. Cuphead estava todo suado, puxava o ar entre os dentes e grunhia de tesão, soltando palavrões e xingamentos um atrás do outro. Ele apoiou-se em minhas costas e usou tal apoio para acelerar as estocadas dentro de mim, atingindo um ponto que fez meu corpo todo bambear e eu acabei por retirar o membro de Roz da minha boca e ofeguei alto abaixando a minha cabeça. Direcionei meu olhar para meu marido e lhe dei um sorriso safado de satisfação para logo voltar ao pau do segundo e tornar a acariciá-lo com minha língua, antes de voltar a chupá-lo com desejo.

Rz: Engole meu cacete inteiro, vai - dizia enfiando ainda mais seu pênis na minha goela.

Eu gemia, grunhia feito louco apesar da dificuldade pelo pau do felino na minha garganta que me emudecia alcançando o fundo, era tanto tesão. Ele retirou seu pênis da minha boca e se ajoelhou a tomando para si num beijo de língua intenso o qual eu mal conseguia acompanhar de tanto prazer que me possuía.

C: Vamo-os... trocar de posição de novo? - sugeriu.

Rz: Vamos sim - concordou com a ideia dando um grande sorriso.

Me sentei com um certo cansaço e desgaste fazendo meu corpo fraquejar e me deitei de costas sobre o peito de Cuphead com minhas pernas abertas, sendo penetrando sem demora por trás. Roz ficou por cima e o enfiou junto ao loiro, começando a estocar com intensidade.

Bd: Ai... vai mais rápido...rápido...ai... - eu gemia com a voz trêmula - Enfia tudo... - minha sensibilidade era grande naquele momento, eu me contorcia, gritava, apertava e arranhava os rapazes bem como o lençol bagunçado da cama. Cuphead levou seus longos dedos para meu membro dolorido de tesão e começou a massageá-lo com força, xingando de prazer durante toda a foda. Eu sentia o prazer dominar meus sentidos e me afundar num êxtase intenso.

C: Ai, amor, que delícia...caralho, que bunda gostosa!...Mmm...

Rozerov ofegava suado sobre mim enquanto arrebatia seu quadril no meio de minhas pernas, Cuppy apertava meu peito esquerdo com sua mão livre e chupava meu pescoço e eu rebolava em reação no membro dos dois, desejava que aquilo não acabasse mais, meu prazer era tanto que quando me dei conta eu já estava deitado sobre Rozerov agora, de frente para o mesmo enquanto meu marido ficava por trás, me fodendo e estapeando a minha bunda com o som dos estalos se dissipando no ar, eu amo isso. As estocadas fortes me levavam à loucura, eu sentia aqueles cacetes dentro de mim enquanto minha parte íntima latejava e Roz brincava com minha orelha esquerda e meu pescoço usando sua boca.

Passado algumas horas eu gozei novamente junto a eles, um de cada vez, que saíram de mim ainda com seus paus sujos da porra que escorria por minhas pernas e caía na roupa de cama amarrotada, e me jogaram sobre ela. O mais velho dos dois tomou meus lábios enquanto o mais velho sugava meu membro e fazia o que queria também metendo os seus dedos na minha entrada junto ao meu namorado e chupando forte minha glande. Seus dedos assim como seus membros eram grandes e compridos, eu nunca senti algo igual, gemia alto e não conseguia me controlar.

C: Grita pra gente

Como eram mãos de homens diferentes os movimentos dentro eram aleatórios e seguiam direções alternadas me causando múltiplas sensações e atingindo meu ponto sensível a todo instante, os enfiando e tirando, cutucando as paredes ou apenas metendo o mais profundo que podiam. No entanto a transa não havia acabado ainda, todos os dois ainda ansiavam por mim e eu sabia que não parariam naquele momento - isso me excitava ao auge. Não demorou para que eles se deitassem um à minha destra e outro à esquerda e me pusessem de lado, tornando a me comerem. O gatinho ficou por trás, me abraçando ao mesmo tempo em que metia e beijava minhas costas, também mordendo e lambendo enquanto Cuppy metia pela frente, alternando sua boca entre meus peitos, clavícula e meus lábios. Eu podia ouví-los ofegar e sentia conforme nossos suores íam se misturando com o contato, 

Bd: Ai...ai...mmmmm....ahn...ahn...- eu gemia a cada estocada. Elas eram alternadas, o que me deixava maluco. Com certeza aquela foi a transa mais louca que eu já havia tido. Dar pros dois era mesmo muito gostoso - Cuppy...gatinho...Eu vou goza-a-aiin... - disse com o timbre manhoso que os dois tanto amavam.

C: Goza, bebê...- respondeu rouco, eu conhecia aquele tom de voz, ele estava no mais alto prazer que eu poderia lhe causar, isso me satisfazia e me causava mais tesão ainda.

Fui acompanhado pelos dois que se desfizeram em meu interior outra vez. Ambos saíram de mim e se deitaram um de cada lado, ofegantes assim como eu, acabados mas também satisfeitos.

Rz: Isso foi uma delícia...

C:Tá cansado, amor? - perguntou audacioso, me provocando.

Assenti morto de exaustão.

Eles me puxaram para um beijo de língua a três - e eu pensando que já havia acabado. Ah, como era gostoso. Infelizmente a falta de ar era presente para os dois mortais e o selar não pôde durar muito tempo.
Achei que a brincadeira tinha chegado ao seu fim e que os dois haviam chegado ao seu limite, foi quando meus olhos se encontravam fechados e eu descansava daquilo tudo, que senti novamente um respiração quente se aproximar da minha parte íntima. Abri minhas pálpebras e encontrei Cuphead já dando início às sucções no meu membro que latejava corado após as tantas horas de prazer. Além das chupadas, alguns segundos depois senti o dedo do meio de Roz se incluir no ato e me penetrar, me causando um grande tesão também por parte da sensibilidade que eu sentia.

Rz: Você tem uma bunda tão gostosa - falou me olhando de frente ao meu rosto.

C: Tá pronto pro segundo round, delícia? - perguntou também me fitando.


Concordei com um sorriso pervertido.


Notas Finais


Espero que tenham gostado 7w7)
Vamos todo mundo de mãozinhas dadas pro inferno kkkkk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...