História Centuries Before Sunrise I - Capítulo 9


Escrita por:

Postado
Categorias Hellsing, Monster High
Personagens Alexander Anderson, Clawd Wolf, Clawdeen Wolf, Cleo de Nile, Draculaura, Enrico Maxwell, Frankie Stein, Integra Hellsing, Nosferatu Alucard, Pip Bernadotte, Seras Victoria, Walter C. Dorneaz
Tags Hellsing, Monster High
Visualizações 8
Palavras 2.722
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Canibalismo, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá, desculpem o sumiço de novo. Ignorem alguns errinhos de português, meu celular anda bugando muito (novamente -Novidade, cadê?) há! Estou tentando o máximo possível deixar essa história bem escrita, por favor sejam pacientes comigo, amo vocês, e até breve. Boa Leitura!

Capítulo 9 - Un Rege Nebun


    O dia chegou, e Mihai ainda se sentia inseguro e com medo daquele incidente, para certificar que o vampiro estava ali, Mihai voltou para o quarto de Vlad, não o encontrando, ainda assustado e ao mesmo tempo aliviado, Mihai saiu do castelo e vai resolver assuntos pendentes do reino. Enquanto isso, Vlad estava no quarto de Madalina, e explicava sobre a sua história.

-Por favor, mi lady, não contes nada disto que ouvistes a ninguém.-Implorou Vlad se ajoelhando em frente a moça e segurando suas mãos com a cabeça curvada.

-Não há necessidade de preocupação. O segredo morreu comigo.-Respondeu a moça ajudando Vlad a se erguer do chão.

-Como conseguiu este livro?-Perguntou Vlad se referindo ao livro de bruxaria que estava na cama ao lado de Madalina que estava sentada na cama.

-Meu irmão matou uma bruxa. Bruxas não são bem vistas por aqui, são consideradas aberrações e esposas do demônio.-Respondeu Madalina.

-Mi lady utiliza esse livro?-Pergunta Vlad já de pé pegando o livro e observando a capa.

-Já utilizei algumas vezes, meu irmão nem sonha que utilizo esse livro, se ele souber ira me jogar na fogueira.-Disse rindo brincando com o assunto

-Isso é sério?-Questionou Vlad chocado.

-É, oras. Não sabes que a bruxaria é condenada por Deus?-Questionou Madalina,le Vald então lembra das palavras daquele padre da Hungria sobre coisas condenáveis a Deus, Vlad jogou o livro para longe de si fazendo o livro capotar na cama e cair no chão do lado oposto onde estava Madalina.

-Majestade?-Chamou Madalina preocupada pela ação do vampiro.

-I-isso... Isso não agrada a Deus!-Exclamou o vampiro assustado.

-Oras, mas sua majestade também não O agrada, afinal, és filho do demônio.-Falou Madalina se levantando e recolhendo o livro do chão do outro lado da cama.

-Mas posso ser salvo, posso salvar a mim e ao meu pai que se converteu para as trevas.-Respondeu Vlad, e Madalina riu debochadamente.

-Certo.-Madalina resolveu não argumentar deixando um pequeno sorriso debochado em seu rosto, com o livro na mão a moça guardou o livro em uma pequena caixa e o escondeu dentro do guarda-roupa que ficava ao lado de sua cama próximo a janela.

-Incrédula.-Repreendeu Vlad.

-Se formos para realmente alcançar a salvação, teremos que descartar isso.-Fala Madalina se referindo ao livro.

     Depois de guardar o livro, Madalina sentou ao lado de Vlad e contou o seu plano de fazer o irmão enlouquecer para libertá-lo, e falou sobre a utilização do livro, fazendo Vlad ter repúdio.

-Existe formas de fazê-lo enlouquecer sem utilizar esse livro.-Falou Vlad.

-E como?-Questiona Madalina.

-Esqueceu que sou um vampiro, e que possuo poderes? Ontem seu irmão quase infartou pelos meus truques.-Falou Vlad se levantando  mostrando o seu poder de invisibilidade e manipulação de reflexo.

-Isso será ótimo! Eu tenho um plano!-Elogia Madalina logo pensando em formas de enlouquecer seu irmão e Vlad volta a se sentar perto da princesa prestando atenção.




           Com o plano já explicado, Madalina resolveu pôr os planos em ação no dia seguinte, a jovem princesa conversando com Vlad sobre a armação e de como tudo ficaria, logo deixa o vampiro descansar no seu próprio quarto. Com a chegada do dia, e já bem alimentado pela refeição da noite passada que fugiu escondido sem Madalina perceber, Vlad junto com a princesa começaram a pôr os planos em ação.

     Após o almoço, Mihai resolveu assinar alguns papéis sobre alguns acordos que os reinos vizinhos planejavam fazer consigo. Indo em direção ao seu quarto e chegando próximo ao corredor iluminado pela luz do sol, Mihai avista a sua irmã, que o pará fazendo um pedido para que comprasse algumas joias para si, ainda falando com a irmã, Mihai avista Vlad sorrindo para si atrás da irmã.

-Madalina, estás a ver a mesma coisa que eu?-Pergunta o Mihai apontando para Vlad atrás da moça. Madalina olha para trás avistando Vlad que tinha em seu rosto um sorriso bizarro, que mostrava todos os seus caninos pontiagudos.

-Que coisa? Não estou vendo nada.-Mentiu a irmã, que olha para o mais velho fazendo cara de brava.

-Estás a me enrolar de novo?-E Madalina começou a fazer uma espécie de teatro, fingindo estar chateada com o irmão agir daquele jeito consigo.

-Madalina, tem um demônio neste castelo.-Repreendeu o irmão apontando para o vampiro que continuava a sorrir e soltar algumas risadas.

-Vosmecê está ficando louco, não tem nada aqui.-Grita Madalina deixando o irmão sozinho com Vlad que sorria para si.

     Assustado, chamou pela irmã que o ignorou, trancando-se no quarto. Sozinho e com Vampiro, Mihai andava devagar olhando para o vampiro que o seguia ainda sorrindo para si, de repente, Vlad desaparece e se materializa em sua frente.

-Sua majestade precisa de ajuda?-Questiona Vlad, fazendo o rei cair no chão assustado.

-Oras... Não era vossa majestade que disse-me que eu necessitava parar de ser mole? Olhe só para vosmecê, se borrando de medo, para uma "assombração".-Falou Vlad cinicamente rindo baixinho.

-Isso não é real.-Sussurrou Mihai engolindo seco ainda sentado no chão vendo a criatura a sua frente.

-Isso não é real para você?-Questionou Vlad puxando o pé esquerdo de Mihai e o arrastando pelo chão do corredor do primeiro andar do castelo indo em direção as escadas e parou ali e logo o empurrou pela escada, e Mihai caiu e foi deixado sozinho embaixado da escadaria, que só foi socorrido uma horas depois por não ter ninguém passando por ali naquele momento.

     Já no quarto após ser amparado e receber atenção dos curandeiros, Mihai foi deixado sozinho através de gritos, pelo fato de ninguém acreditarem que o suposto demônio estava presente no castelo. Com a chegada da noite, Mihai recebe a visita de Luminita, que ficou preocupada com a situação de Mihai, apesar de sofrer abusos nas mãos dele, ela sentia compaixão dele logo naquele momento de loucura, porém o deixa sozinho quando o rei começou a falar coisas ruins sobre a jovem moça.

     Sozinho no quarto mal iluminado pela vela, Mihai avista uma sombra que até em sua mente era a sombra da luz do fogo da vela, mas aos poucos ela tomou forma, uma forma de um sorriso macabro cheio de dentes brancos e pontiagudos e olhos vermelhos olhando para si.

-Não, não, não, de novo não.-Sussurrou o rei se cobrindo ainda mais com o lençol grosso de pele de ovelha negra olhando para aquela forma que se aproximava de si.

-Saia daqui, vosmecê não é real.-Grita Mihai arrancando o terço que estava preso ao seu pescoço e jogando em cima da criatura em sua frente que rir pelo terço atravessar a si e não fazer nada consigo.

-Vossamecê é uma piada.-Ri debochadamente e recitando as mesmas palavras que Mihai pronunciou a si na carruagem.

     Dito isto Vlad desapareceu, deixando Mihai sozinho que começa a suar frio e chamar por Luminita que não atende seus chamados passando a noite sozinho no quarto tendo pesadelos com Vlad lhe assombrando. Enquanto isso no quarto de Madalina, Vlad junto com a moça ria dos gritos do rei tendo pesadelos, Madalina impediu a passagens dos servos e soldados por aquele corredor, justificando que iria cuidar do irmão e que ele tinha apenas pesadelos bobos, enquanto ria no quarto deixando o rei da Transilvânia só.

     No dia seguinte Vlad decidiu enlouquecer o rei de vez, ficando invisível, Vlad começou a jogar os objetos no chão, escrever frases com palavras macabras, chegou a trazer um corpo morto todo dilacerado e deixado em cima da cama real, deixando o rei ainda mais perturbado com aquilo, e fazendo o rei quase ter um surto psicótico em pleno almoço após ouvir sussurros pedindo para que ele pegasse a faca e se matasse, o rei começou a gritar loucamente caindo da cadeira assustando os servos e os soldados que o levaram para o quarto.

     Madalina vendo o ocorrido junto com Luminita, vai ao quarto junto com os soldados que levaram o irmão, logo os expulsando, e avisa a Vlad que estava presente ali mesmo invisível através de sussurros  para voltar à prisão, e a irmã resolve conversar com irmão a sós.

-Ele quer minha alma, ele quer me matar.-Sussurrava Mihai balançando o corpo para frente e para trás, abraçando o corpo sentado na beirada da enorme cama.

-Sabe o que é isso? Castigo! Castigo por ter prendido um homem tão bom e honesto, tudo por causa de um ciúmes bobo.-Exclamou Madalina em frente a cama.

-Não foi ciúmes! Eu queria proteger vosmecês daquele louco, ele iria estuprá-las.-Gritou Mihai olhando para Madalina.

-Que estupro? Ele nem tocou em nós, vosmecê está ficando louco.-Exclamou a irmã erguendo as duas mãos e fazendo o sinal de louco.

-Vosmecê não passa de um homem louco, vosmecê não tinha motivos para prender àquele homem.-Exclama Madalina estendendo a mão esquerda em direção a porta.

-Por acaso tem um caso com aquele homem? Estás a desonrar nossa família, Madalina?-Questiona Mihai ainda na mesma posição olhando para irmã e os cabelos agora solto por causa do surto cobrindo os olhos.

-Questiona minha virgindade? E se eu tivesse? Me colocaria na fogueira como aquelas bruxas que mataste?-Questionou Madalina deixando a maçaneta e se aproximando de Mihai se ajoelhando diante dele e o olhando no fundo dos olhos lentamente.-O que me diz, meu irmão?-Questiona Madalina abrindo um pequeno sorriso.

-És uma prostituta.-Sussurrou o irmão trincando os dentes e Madalina riu.

-Como posso ter um caso com aquele homem, se ele está preso em segurança alta? Como pode ele tirar minha pureza estando preso cheio de guardas perto dele?-Questiona Madalina ainda rindo pelas palavras ditas pelo irmão, e Mihai arregala os olhos surpreso.

-Estou realmente louco?-Questiona o irmão sussurrando e curvando a cabeça.

-Andas tão perturbado por prender Vlad, um homem inocente, que nada fizerá e sente-se tão culpado pelo que fez que andas tendo assombração. Vamos meu irmão, liberte aquele homem, ele irá perdoar-te, pelo curto tempo que passamos antes de ser preso ele demonstrava ser um homem de bom coração.-Responde Madalina pondo a mão carinhosamente pelo ombro do irmão.

     Mihai encara a irmã vendo um sorriso carinhoso em sua face, e se levanta da cama.

-Vamos soltá-lo. Agora!-Fala o irmão que logo em seguida arruma seu cabelo, prendendo em um rabo de cavalo baixo como de praxe. Dito isso, Madalina se preocupou com o soldado a qual deixou presa.

"Será que Vlad o soltou? Espero que sim."-Pensa a irmã pensando nas possibilidades e o que dizer quando encontrar um soldado na cela ao invés de Vlad.

     Juntos, Mihai e Madalina acompanhados pelos soldados foram para a cela de alta segurança, abrindo-a, ambos viram Vlad com roupas sujas e com uma aparência horripilante fazendo Mihai vacilar em sua respiração ao ver aquele homem daquele estado. Após ordenar para que levassem o rapaz de volta para o quarto e o cuidasse, Mihai saiu do castelo acompanhado de alguns guardas, deixando Vlad nas mãos de Madalina.

-Como vossa majestade fez tudo aquilo? Onde está aquele guarda?-Questionou Madalina já sentada na cama Vlad que já havia tomado banho e recibido novas roupas e agora estava a sos com a moça.

-Eu matei aquele homem. Quanto ao que fiz, apenas usei as roupas que ele usava por debaixo da armadura e me sujei no chão, o resto foi atuação.-Responde Vlad que alinhava o cabelos molhados diante do espelho e alinhar a camisa branca de mangas bufantes e de cor bege.

-E se diz cristão...-Debochou Madalina estalando a língua.

-E não se diz bruxa, serva de satã.-Retrucou Vlad.

-Calúnia!-Exclamou Madalina revirando os olhos e ignorando as acusações do amigo.

-Certo. Eu estou livre, agora preciso de auxílio do seu irmão para voltar para minha terra e tirar o meu irmão louco do poder.-Comentou Vlad.

-Já pensas em partir?-Perguntou Madalina triste, afinal, se apegou rapidamente ao rapaz que passou a se divertir com o mesmo, via Vlad como um irmão que Mihai nunca foi.

-Para ser sincero, sim. Sinto falta de minha família, minha mãe e meus outros irmãos sentem minha falta, e por loucura do meu irmão, não podem sair da minha terra.-Explicou Vlad.

-Eu por uma parte o entendo, deve ser difícil viver longe daqueles que o ama.-Falou Madalina se levantando da cama.

     Os dois se despedem, e Vlad se vê sozinho e cansado, afinal, perturbará tanto de dia e noite o rei que sentia suas forças indo embora, precisava de um bom descanso. Pensando nisso, deitou-se na cama e adormeceu, acordando apenas quando via o sol se pôr lindamente no céu logo dando o lugar a noite. Precisava ser rápido antes de o chamar para o jantar.

     Pensando nisso, Vlad saiu e logo procurou pela sua vítima, era um rapaz jovem que carregava um saco médio cheio de joias, provavelmente roubou, pensando na justiça e no sentimento justiceiro de seu pai, Vlad o atacou e logo apagou as marcas e evidências, assim como foi, logo voltou para o castelo e já ouvindo as batidas da porta e percebendo que era umas das empregadas anunciando o jantar, a moça parecia bem atirada para si, o que o irritava, teve que mentir dizendo que era casado e se continuasse iria entregá-la ao rei.

    A moça quis deixar o momento para outra hora, e então acompanhou Vlad para a sala de jantar que era enorme e que tinha uma enorme mesa, igual a sua na Valáquia, a mesa era repleta de comida que fazia Vlad se perguntar como iria disfarçar que estava comendo, sentando ao lado esquerdo de Mihai que estava sentado na ponta e no seu lado direito estava Luminita.

-Finalmente sentou a mesa. Vejo que não és tão arrogante assim.-Comentou Mihai alcançando o pão e comendo junto a sopa que estava sendo servida.

-Eu apenas não estava disposto naquele dia, majestade.-Tentou soar mais educado possível.

-Humph.-Murmurou olhando enojado ao rei ao lado, mas logo é recepcionado pela visita da irmã.

-Onde esteves?-Questiona Mihai pegando outro pedaço de pão melando na sopa e vendo a irmã se sentar ao lado de Luminita.

-Estava a ler na biblioteca.-Pronunciou Madalina.

-Fico feliz em ver vossa majestade novamente.-Disse Madalina enquanto era servida por um dos empregados.

-Não quero ver intimidade entre os dois, estou claro?-Questionou Mihai olhando para Madalina e Vlad, mas encarou mais intimidadoramente para Vlad que não reagiu a ação do homem.

     O jantar seguiu com um silêncio desconfortável, Vlad para disfarçar que jantava encheu o cálice de vinho, mesmo não podendo beber, ele bebeu pequenos goles o suficiente para não vomitar e não fazer o rei e os outros presentes não desconfiar. Pensando no que fazer e como voltar para sua terra, Vlad pensou em conversar particularmente com Mihai sobre esse assunto; assim como começaram o jantar, todos terminaram o jantar em silêncio, Madalina juntamente com sua prima subiu para o quarto, ficando apenas Mihai e Vlad, antes que o rei da Transilvânia se levantasse, Vlad o chamou.

-Poderíamos conversar a sós, majestade? Digo, tenho alguns assuntos pendentes com o senhor.-Disse Vlad e Mihai o encara friamente e o rei Transilvanio pede para o vampiro o seguir até o escritório.

     Chegando no escritório, Vlad percebe que Mihai gostava muito de luzes e lugares abertos, tanto que tinha uma enorme janela por trás do homem e tinha uma enorme cortina vermelha com detalhes dourados presa, dando a bela visão do céu estrelados e da lua iluminando lindamente no céu, o escritório era muito bem iluminado pelas velas, que em cada parede tinha castral de vela pendurado iluminando o lugar, bem diferente do escritório de seu pai, que era bem escuro e fechado.

-Pois não?-Questiona Mihai atrás das mesas recolhendo alguns papéis e guardando, dando permissão de Vlad sentar-se na cadeira adornada de madeira banhada a ouro.

-Como sabes, eu fui exilado do meu próprio reino e do meu próprio irmão, eu fui para Hungria procurando por ajuda para voltar para minha terra, mas não conseguimos planejar nada. Penso que vossa Majestade poderia voltar pra minha terra.-Revela Vlad e Mihai senta-se na cadeira acolchoada vermelha também banhada a ouro e ouvindo o homem à sua frente

-Vosmecê poderia voltar e matar seu irmão, daria a vossemecê uma certa parte dos meus homens e vossemecê invadiria o seu reino e mataria seu irmão.-Responde Mihai cutucando umas das folhas espalhadas na mesa.

-Não, eu não posso fazer isso com meu irmão.-Responde Vlad encarando a mesa pensativo.

-Ou então, vosmecê fica aqui e o ajudo com algumas coisas.-Responde Mihai com cínico e Vlad o olha com desconfiança.

 


Notas Finais


Obrigada por ler. ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...