1. Spirit Fanfics >
  2. Ceo. >
  3. Capítulo 16

História Ceo. - Capítulo 17


Escrita por:


Capítulo 17 - Capítulo 16




Park é como um furacão do qual não se encontra saída. E quem disse que quero sair? Sentindo o quanto estou ansioso, ele puxa meu rosto com vontade e passa a me beijar com gana, ansia, ambição. Devora minha boca, forçando a entrada de sua lingua e lhe dou acesso irrestrito a tudo que queira tomar de mim.

Ele me marca com seu beijo e já não consigo ver qualquer sinal da doçura com que eu estava sendo tratado. Não há gentileza em sua pegada e não posso negar o quanto me atrai conhecer cada vez mais seus dois lados. Ele pode ser o arrogante de um CEO tão frio quanto uma pedra de gelo quando quer, mas consegue ser mais quente que o inferno.

— Deixe-me olhar para você — ele diz, quebrando nosso contato quando toma alguma distância e estende o braço para me mapear com sua inspeção.

— Gosta do que vê? — pergunto, lembrando dele ter dito algo parecido quando o encontrei pela primeira vez.

— Você é muito, muito sexy, sabe disso?  Oh, Deus!

— Devo ser muito simples diante das pessoas com quem você já saiu. Não tenho todo aquele glamour que vi lá no evento.

— Você é muito mais que qualquer um. É perfeito, Jeon. Tudo em você é verdadeiro — ele me puxa para perto novamente e aperta minha bunda, roçando em sua virilidade rígida e pronta. 

— .. Beija cada pedacinho do meu rosto, parando em minha testa. É incrível a reação do meu corpo ao menor contato sequer.

 E esta cabecinha aqui... é muito irritante algumas vezes, mas amo o quanto posso falar sobre qualquer assunto com você e terei sempre uma resposta inteligente na ponta da lingua. Você é admirável.

Suas palavras me atingem e já não tenho forças para controlar o pensamento impulsivo de lhe pertencer de qualquer jeito. Sinto sua respiração forte, sôfrega, quando minhas mãos percorrem seu abdômen e param em sua virilha, então aperto para sentir seu pau imponente latejar contra minha pele. Ele ainda está de boxer, mas ela precisa sair agora. Já não aguento mais esperar.

 Eu  quero você, Jimin. Solto um gritinho quando ele me carrega no colo e me joga na cama, cobrindo meu corpo com o seu. Volta a me beijar ao mesmo tempo que explora meu corpo com as mãos, penso que vou morrer se continuar apenas me provocando. Enquanto me enche de caricias, puxo sua cueca molhada com os pés e o deixo nu em pelo assim como estou. Céus, se essa protuberância for um sinal de seu tamanho, eu não faço ideia de como isso vai caber em mim.

— Por favor, deixe-me te ver.

Ele me oferece um olhar faminto e se levanta, expondo sua virilidade, exatamente como eu imaginava nos meus sonhos. Minha boca enche de água. Preciso prová-lo.

— Você já fez isso antes, garotinho? Não é possível que ele me considere tão inocente a ponto de nunca ter feito sexo oral com um homem. 

Já tive lá meus namoradinhos.

— Eu já namorei antes, Jimin. Faz tempo que não sou mais um garotinho.

Sua boca fecha em uma linha fina e ele parece se zangar com a menção de um ex-namorado. Aproximo meu rosto para saborcá-lo quando ele me segura com duas mãos.

— Quantos? Rá! Isso só pode ser uma piada. O homem disse há pouco que eu serei apenas mais um a entrar em sua lista incontável e quer saber quantos eu tive?

Ele não precisa saber que Kai foi meu primeiro e único.

— Alguns — provoco.

– Tantos assim que você nem consegue contar?

 Não é da sua conta. Se quer me julgar pela quantidade de homens que passaram ou não por minha vida, o problema é seu. Esse tipo de informação é desnecessário quando não temos um relacionamento, como você salientou.

— Não me provoque, garoto. Ele me beija mais uma vez e sou levado por um espiral de sensações que invadem meu corpo, minha alma e já está me deixando completamente incitado, pronta para sua invasão.

 Primeiro você. Ele me deita novamente e desta vez não me dá qualquer escolha senão abrir minhas pernas e mergulhar sua boca em meu pau de forma provocadora, faminta. Me deixo ser levado. Cada movimento dele caminha por uma trilha de sedução e perdição. É tudo muito intenso, prazeroso, realmente gostoso. Não posso fazê-lo parar. Não quero que pare.

Oh, Jimin. Digo instintivamente ao sentir que estou completamente duro, me deixando ciente de que estou perto, muito perto de gozar. Ele percebe e aumenta sua provocação, me deixando ainda mais duro. É demais para mim. Tento fazer planos para a semana na escola, no trabalho, faço uma lista mental do que eu preciso fazer quando chegar em casa, busco uma distração que me impeça de dissolver na língua provocadora deste homem nada funciona. É exorbitante. Jogo a cabeça contra o colchão e fecho os olhos, me liberando em um orgasmo quente e poderoso, capaz de me levar a uma dimensão de prazer e luxúria. Me desfaço em puro éxlase. Se foi assim apenas com sexo oral, imagine quando o tiver dentro de mim. Oh, Deus, não deixe que esse homem fique sob minha pele. Faço essa oração ciente de que talvez já seja tarde demais. Jimin já está malditamente fazendo seu caminho em meu coração. Então só tenho uma opção: tentar encontrar o dele.

— Pensativo demais, Jungkook. Eu só estou no começo. Ele volta a me acariciar, tomando meus lábios enquanto suas mãos brincam com meu corpo. Eu o afasto repentinamente.

— Não. Agora é minha vez de te provar. Ele abre um sorriso sensual e se ajoelha, oferecendo seu pau à minha mercê. Amo receber prazer, mas não tem nada mais sexy do que ver um homem gemer por algo que você está fazendo. Jimin agarra meus cabelos, solta um ruído engasgado enquanto seu pau fode minha boca centímetro a centímetro até que alcance meu limite. O homem é demais, eu só consigo tomá-lo até um pouco mais da metade. Sinto um sabor levemente salgado alcançar o fundo de minha garganta.

— Droga, Jeon. Como você é bom nisso.

— Você gosta?

— Você é fascinante. Ainda não vi nada mais lindo e sexy do que o que estou vendo agora. Porra, sua boquinha quente envolvida em meu pau está me levando à loucura. Eu gosto de saber disso. Saborear um homem como ele é tão aprazível e parece lão devasso ao mesmo tempo. A sensação de proibido som-se à luxúria que pesa a atmosfera do quarto e só aumenta o meu deleite. Me entrego sem reservas. Jimin também. Em algum momento, sinto suas mãos ansiosas afastarem meu rosto ao mesmo tempo que não me deixa sequer respirar, antes de ter meu ar tomado por um beijo sôfrego e violento.

— Chega, seu pequeno provocador! Eu preciso de você agora. 

 Sim. Eu quero tanto — meu tom de voz sai rasgado, entregue à volúpia. Jimin veste um preservativo com habilidade, urgência, e no próximo segundo passa a roçar a entrada do meu orifício, latejante. Ele me enchendo em apenas uma só estocada, enquanto suas mãos massageiam seu pau. 

— Oh! — gemo, sentindo o invadir o meu corpo com intensidade. Tê-lo dentro de mim parece certo em um momento e errado demais em outro. Empurrando com força, ele prende meus braços sobre a cama, apertando meus pulsos e penetra profundamente seu pau. selvagem, sem dó. Eu não posso reclamar. A forma como está me tomando é ardente e pecaminoso. Sua brutalidade me marca e eu sei que vou sentir dores mais tarde, uma vez que já tenho algum tempo sem sexo. Gosto de fazer amor com romantismo, suavidade, mas também amo sexo rude, áspero, primitivo. E com ele está sendo melhor do que qualquer
expectativa que eu tivesse.

 Está vendo o quanto somos bons juntos, Jeon? Entende por que apenas um dia nunca será suficiente?

— Sim, Jimin. Fazer amor com você é... hum... sensacional. Suas estocadas estão mais rápidas e profundas. Sinto-me exposto, subjugado, plenamente presa sob seu domínio. De repente, Jimin me puxa para si, e antes que eu perceba, ele está sentado, me encaixando sobre seu pau.

 Fazer amor não é algo a que eu esteja habituado, garotinho, mas vou deixar você chamar isso entre nós da forma que quiser. Minha mente continua turva e mal consigo processar suas palavras. Talvez nem queira. Prefiro afastar qualquer coisa que possa estragar o momento, então apenas me deixo ser levado pelas sensações. Ele prende meus cabelos com uma mão, puxando minha cabeça para trás. Segura meus quadris com a outra e se enterra mais e mais sem piedade, enquanto solta deliciosos gemidos de prazer. A cama ronca por conta de sua brutalidade. Estou perto, muito perto, mas não quero chegar ao êxtase sozinho.

— Jimin, já estou chegando. Venha comigo. Com um vigor que ainda não vi na minha curta experiência sexual, ele mantém sua invasão cada vez mais forte e mais rápida. Sinto dor, mas é uma dor deliciosa.

— Meu. Somente meu. Não respondo por meus atos se vir qualquer homem tocá-lo novamente. Eu também estou muito perto. 

Jimin solta um monte de palavrões enquanto seu pau laleja profundamente dentro de mim, chegando ao clímax.

 Oh, Jimin – solto um gemido abafado no momento em que sou invadido por uma explosão de prazer que leva meu corpo a tremer desenfreadamente...

Céus, o que foi isso? Nada mais, nada menos do que um sexo maravilhoso e inesquecível. Pelo resto da minha vida, jamais vou conseguir apagar o que vivi aqui. E nem quero. Repetir talvez seja a melhor palavra.

— Sublime! — ele diz e sou obrigado a concordar.

 Sim, Sr. Sublime. Ainda tremendo, com os sentimentos em conflito e jubilo, ele me puxa para deitar sobre seu peito nos mantendo em silêncio por um longo, longo tempo. O momento que acabamos de viver foi perfeito demais para ser estragado por palavras, então deixo que somente a voz dos meus pensamentos falem por mim. Eu não estou feliz com o que eles me dizem porque certamente estão dizendo a verdade. Estou malditamente perdido uma vez que não vou saber como separar o coração de toda essa bagunça. Tenho medo de me apaixonar por ele e acabar sofrendo. Tenho medo de já estar apaixonado. Merda! Jimin encontrou irrevogavelmente a chave para entrar em meu согаҫâо.




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...