História Certeza não aceita - Capítulo 5


Escrita por: e Yunochi

Postado
Categorias Harry Potter
Tags Drarry
Visualizações 34
Palavras 1.278
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ficção, Lemon, Yaoi (Gay)

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Cheguei, demorei mais postei. Espero que gostem. Sugestões nos comentários. Bjssss Boa leiturinha.

Capítulo 5 - Está muito quente


Fanfic / Fanfiction Certeza não aceita - Capítulo 5 - Está muito quente

A carta não parecia ter algo importante, como uma ordem, ou um sermão.
Mas não tinha nome, me senti importante. Não que eu quisesse receber uma carta de amor ou algo parecido, nada disso, isso é muito meloso. Na verdade nunca recebi mesmo.
Mas não importa, Talvez uma despedida, ou uma ameaça, ou melhor, um aviso misterioso.

-Rhrhrhhr... vamos ver o que está escrito.


Oi Potter? Espero você no banheiro da murta, às vinte e duas horas.
Não leve ninguém!
Ass. ......

- É o que?

Isso me parecia mais uma charada, primeiro não tinha nome, segundo me manda ir no banheiro as dez horas da noite, DEZ HORAS! Coisa muito normal, recebo cartas assim sempre.

-Eae Harry? Quem mandou a carta?

- Não tem nome. Estranho...

- Me dá aqui.

Agora lascou, não sei nem o que fazer, coisa boa não vai ser, tenho que tomar cuidado. Mas por ser no banheiro...

-Harry? Isso pode ser mais uma brincadeira sem graça. Se eu fosse você não iria.

- Quem quer que for o arrombado, não vai brincar com a minha cara. Ele acha que eu sou idiota? - Comecei a ficar puto, acha que pode me fazer de besta.

- Talvez...

- O que? Você está me dizendo que....

- Eu não quis dizer isso exatamente, ha... é só ir lá ué. Mas tem uma coisa, pode ser Você Sabe Quem! Isso é perigoso.

- Hã? Não, ele não estaria na escola. Em pleno final de ano. Impossível!

- Nada.... Absolutamente nada... É IMPOSSÍVEL, ELE PODE ESTAR TRAMANDO TE PEGAR EM UMA CILADA E DEPOIS TE MATAR ESGANADO COMO UMA MINHOCA SECA.... E... E..

- Tá tá, eu entendi. Fala baixo também.

.......


Em pensar que eu iria a um banheiro sem saber quem poderia estar lá, não me parece algo muito seguro. Mas eu tenho minha capa, ela vai me proteger de ser visto. Ai como eu sou sortudo, eu não me aguento. Ter esse a mesma sorte que eu, são poucos.
Estava andando no corredor em direção ao meu quarto, quando Rony vem de encontra comigo, meio sonolento.

- Eae? Ja foi lá?

- Ainda não. Vou pegar a minha capa, e esperar os corredores esvasiar mais um pouco.

- Toma cuidado. Se você quiser eu vou com você...

Qual foi a parte que ele não entendeu que não é pra mim levar ninguém.

- Não precisa. Parece que não tem mais ninguém. Estou indo.

- Vai lá. Vou ver se consigo dormi... haaaaa to com sono!

.....


Pronto, minha capa está comigo, não tem ninguém no corredor. Tudo certo. Só me falta algo... a coragem. Mas vamos lá.
Começo a andar em direção ao banheiro e resolvo vestir minha capa, antes que alguém pudesse me ver. Depois de colocar um braço, continuo a colocar o outro, mas desta vez não deu muito certo, sem pensar acabo batendo o braço em um quadro, e o derrubando com toda a força fazendo um imenso barulho. Neste momento começei a refletir como eu era idiota. Como sou muito paciente né, acabo me assustando com o barulho e dando um grito que saiu tão fino quanto um miado de um gato, até levei um susto, por um momento cheguei a pensar se era a minha voz mesmo, meu coração quase que sai pela boca. E como se não bastasse o senhor do quadro começou a falar e falar... sem perca de tempo o coloquei logo no lugar para evitar mais confusão.
Continuo andando em meio a escuridão firmando as vistas para ver enxergar algo em meio ao breu infinito, ao qual eu estava envolvido. Ao avistar a porta do banheiro, a mesma estava meia aberta. Respirei fundo e fui em direção a mesma. Era perceptível que a luz estava acesa, meio fosca mas que parecia indicar a presença de alguém. Ao levar o pé para entrar, parei imediatamente ao ouvir algo estranho, em um beco um pouco mais longe. Tentei me concentrar para tentar ouvir melhor o que era.
Não me conformei, tive que voltar e ir em direção ao barulho. Ao chegar mais perto, percebi que havia alguem dando gritos abafados, como sendo impedida de pedir socorro. Continuei andando, chegando mais perto, aguçei meus ouvidos e percebi que os gritos não pareciam bem "Gritos". Eram gemidos abafados. Logo pensamentos impuros vieram a minha cabeça, os tentei afasta-los porque eu sou decente.
Esperei mais um pouco para ter certeza do que ouvi e cheguei em frente a entrada, os gemidos pararam. Estava escuro, não consegui ver muito quem era. Firmei mais as vistas, percebi que alguém estava ali, tomei coragem e entrei, fui chegando mais perto, até que em meio a escuridão escorreguei em alguma poça, segundos antes de cair tentei me segurar e firmar os pés, mas acabei pisando na borda da capa, deixando meu corpo e minha cabeça amostra, apenas os meus braços estabam coberto, mas do que adiantava só os braços cobertos. Logo ai senti que eu estava ferrado, que estivesse ali me tinha na palma da mão. O único esconderijo era minha capa. Me tomei em desespero e tentei me segurar, mas fui de costa no chão, tentei me levantar mais senti algo subindo sobre mim, as pernas de alguém sobre as minhas, fiquei sem reação. Logo em seguida senti um corpo quente, pelo que percebi era uma pessoa magra. Até que seu corpo se acoplou ao meu, fiquei em pânico tentei tirar quem fosse, de cima de mim. Mas senti um alito quente e uma voz suave a chegar no meu ouvido que me dava arrepios por toda a parte de corpo.

- Está com pressa....gostoso?

- Qu...qu... e....

Só o que me faltava, meu cú trancou feito gelo, ao perceber de quem era a voz, comecei a tremer, e nada saiu da minha boca naquele instante.

- Ficou sem voz?

- Dr... D.... Draco. O que você está fazendo

- Você é esperto.

A voz abafada de Draco foi chegando ao meu ouvido, de forma suave e sexy que eu nunca tinha escutado. Meu corpo tremeu ao ponto que eu sinto como se ela estivesse dilatando.

- O que você vai fazer comigo?

- Eu ? Kkkkk

O sorriso dele doi Tão abafado que parecia me retorcer por dentro.

- Fala logo. Você...

- Cala a boca e só senti... cansei de só apreciar a sobremesa, agora eu quero experimenta-la.

Eu arregalei os olhos, ao perceber suas intenções. Fui ficando ofegante ao ponto de ficar sem forças para reagir. Como pode, eu nunca me deixei ser seduzido. Não vai ser agora. Tentei lutar contra o meu cérebro para voltar ao normal, porque meu psicológico já não funcionava mais. Impossivel. Comecei a pensar o que séria de mim se toda a escola ficassem sabendo desse acontecido, o que meus tios iriam falar....

- Só relaxa....

- Eu... Não... pos... aaa...

- Relaxa... ninguém vai saber Potter.

Depois de lutar, contra o meu próprio eu, desisti, pq não tinha mais forças para nada. Se bem que ele é gostoso, .... Eu não sou gay.

- Como você sabe que sou eu... está esc...

- Estava te esperando...

- Eu não poss....

- Não vai doer não.... relaxa que hoje você é meu.

Ainda não tinha me tocado no sentido daquela frase, mas ai o último neurônio que me restava soube traduzir ainda. Pera! Ele não vai fazer aqui...aquilo comigo.

- Aahhh... Você não vai fazer...

Nisso ele já tinha tirado meus óculos, ai ja tinha ficado cego. Ele foi cheirando meu pescoço me fazendo delirar de prazer. Até que ele chegou ao meu ouvido e respondeu minha pergunta.

- Meu corpo não trabalha com decência...









Notas Finais


E as coisas estão esquentando.... 🤭 Daqui uns dias volto novamente.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...