História .cerveja de garrafa - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Max Verstappen
Tags Daniel Ricciardo, Max Verstappen, Maxiel
Visualizações 49
Palavras 947
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Lemon, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


se eu amo?

Capítulo 1 - .voce é sempre um bom motivo pra eu querer ser feliz


Tudo que Daniel Ricciardo em sua vida era a sensação de ter Max Verstappen em seus braços enquanto curtiam um pouco em um dos mais tradicionais bares de Perth. O sentimento de estar em sua cidade com pessoas que amava e zelava era indescritível, enquanto Lando Norris e Charles Leclerc corriam entre as pernas dos pais em uma brincadeira amistosa, aos olhares de Sebastian e Lewis que jamais perderam os sorrisos desde que chegaram. E claro, Max que de alguma maneira fugiu dos braços de Ricciardo para dançar a música tropical que o mesmo amava para o deleite de Daniel, que apostaria todos os seus troféus para provar que era a cena mais linda de todo o mundo.

Porque desde sempre fora assim, a relação mais intensa e simplificada que Daniel terá em sua vida. Com Verstappen tudo era fácil, tudo era paz e calmaria e tudo se tornava melhor.

O garoto belga se apaixonou pelo estereótipo do garoto australiano de cabelos cacheados e em pele bronzeada em umas das férias de verão quando se virão pela primeira vez em um botequim beira mar. Ricciardo lembrava daquele dia como se fosse ontem, Max sentou ao seu lado com a promessa de ficar ao seu lado a noite toda por tê-lo achado bonito e assim causar uma boa impressão aos amigos que o acompanhava. Daniel apenas aceitou com um sorriso no rosto – era a sensação que a partir daquele dia, ele nunca mais ficaria só naquele lugar. Dividiram incontáveis cervejas de garrafas conversando sobre absolutamente tudo, como se conheciam a anos, o encaixe foi perfeito e sem a menor pressa. E desde então se foram quase cinco anos com o mesmo amor inabalável e único, com a certeza que o mundo belo de Daniel Ricciardo era apenas – e unicamente – ao lado de Max Verstappen e agora seu filho Lando Norris que só veio para somar.

– Vamos dar uma volta na praia? – Max sugeriu abraçando o marido que estava sentado tomando uma das típicas cervejas de garrafa. – É rapidinho eu prometo.

Ricciardo encarou Verstappen, os cabelos loiros deveras bagunçados devido aos movimentos na pista de dança, as bochechas rosadas pelo sol tomado mais cedo e o doce olhar azul que carregava imensa alegria por estar ali e entregando também que não desejará em estar em qualquer outro lugar. Era todo o conjunto da obra perfeita que Max era para que fizesse Daniel levantar – com a benção de Vettel e Hamilton – e irem em direção à praia no meio da noite.

– Só você para me tirar daquela cadeira de bar a essa hora para nadar a noite na Austrália. – Ricciardo riu com as mãos atadas as de Verstappen que ainda exibia o sorriso nos lábios que logo foram selados pelo marido.

Muitos recomendariam não estarem ali pelos perigos que algumas daquelas praias traziam, mas Daniel sequer imaginava um risco vendo a festa que Max fazia com a areia abaixo dos pés. Seguir Verstappen é o que fazia a anos e jamais se arrependeu, e tinha plena convicção que não começaria agora suas decepções.

– Você tem que parar com esses seus papos de gente velha. – Max rolou os olhos e virou-se para Daniel e o encarou se estabilizando nas pontas dos dedos do pé. Convite para que outro o pegasse no colo para irem até o mar.

– Quem amarrou o seu burrinho foi você. – Ricciardo riu da careta de Verstappen e o entregou a garrafa, e pegou o marido no colo indo até o mar. Max estranhamente não à bebeu daquela vez.

– Pois não vi melhor lugar para amarra-lo, fique sabendo você, senhor Ricciardo. – Max pontuou agarrado ao pescoço do marido, deixando caricias nas costas do mesmo.

– E eu sei disso, senhor Verstappen-Ricciardo. – Daniel retrucou, já estavam no mar e mesmo assim não planejavam sair de perto um do outro de nenhuma maneira. Estar em uma praia, com Max depois de tanto tempo e após uma temporada quase impecável eram seus motivos para estar bem e feliz. Nada poderia o abalar enquanto Max encontrava-se com as pernas envoltas em sua cintura – seja qual for a situação.

Independentemente do que acontecer eles ficariam juntos e sempre terminariam na praia trocando beijos sentados na areia com as garrafas vazias ao lado.

– Dani, eu tenho algo para te contar. – Verstappen encarou os olhos castanhos do marido, ele não conseguia conter a sua felicidade e talvez a notícia fora contada apenas pela sua animação.

– Emilian, o que você aprontou agora? – Daniel encarou a expressão animada de Max com receio. Max não era um exímio contador de notícias boas.

– Nós aprontamos, Dani, nós sempre aprontamos juntos. – Max tinha em sua frente um Ricciardo confuso e pensativo, geralmente ele adoraria ver todo o sofrimento de Dan em raciocinar algo, mas desta vez a ansiedade era maior. – Vamos ter um bebê!

A primeira reação de Ricciardo foi rir de nervoso imaginando se poderia ser alguma pegadinha de Verstappen, mas quando a confirmação veio ele apenas sorriu ainda mais largo e depositou beijos pelo rosto de Max até chegar nos lábios e os selar junto aos seus. Eles teriam mais um bebê, mais uma demonstração viva de seu amor. Era a melhor notícia desde que Lando nascerá.

Não havia lugar melhor para que Max Verstappen contasse uma novidade como aquela, afinal era o lugar que tudo começou, foi a praia em que se cassara, e posteriormente conceberam o primogênito. Daniel Ricciardo sorriu como um bom pai babão que era encarando a barriga do marido, seu mundo belo havia ganho mais um amável habitante e ele apenas poderia agradecer ao garoto loiro que sentou ao seu lado a anos atrás que agora era seu Max e pai dos seus filhos.


Notas Finais


com todo amor, luiza


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...