1. Spirit Fanfics >
  2. C'est a propos de >
  3. Rêves et découvertes

História C'est a propos de - Capítulo 1


Escrita por: e ethereallyngi


Notas do Autor


olaa~
ok, certamente essa fic tenha sido um dos trabalhos mais dificeis que iniciei e estou com bastantes ideias e expectativas para o segundo e ultimo capitulo. espero de verdade agradar vocês com esse primeiro capítulo e que o segundo lhes cause uma boa sensação de ter valido a pena ler.

Capítulo 1 - Rêves et découvertes


O barulho alto da chuva se chocando com tudo o que estava a sua frente assustava Jungkook de uma forma inimaginável. Não era a primeira vez que o garoto se sentia daquela forma, mas naquele dia, tudo parecia mil vezes pior. Yoongi estava atrás de si, o abraçando fortemente enquanto cantava baixinho em seu ouvido, tentando acalmar o mais novo.

Não era assim que imaginava que seria quando se apaixonasse, mesmo imaginando que nunca fosse amar ninguém na vida, nos poucos momentos onde se deixou idealizar uma vida feliz longe de todos os problemas familiares, o Min nunca sonhou que um dia estaria confortando seu namorado daquela forma e por motivos como aqueles. Não por achar que o mundo era baseado em flores e sorrisos, era algo mais profundo, mais como se fosse o culpado pelas lágrimas do amado e talvez ele fosse. Talvez se Yoongi não fosse filho de quem era ou se não tivesse deixado Jungkook se aproximar de si, ele não estaria chorando como se sua alma doesse e nem ao menos conseguisse respirar por conta dos soluços.

Porque as coisas precisavam ser tão complicadas? Eles apenas queriam ser livres, se amar, criar uma família juntos, mas convenhamos, ser filho do Rei da França e ainda ser gay é pedir para viver em uma realidade contraditória e cruel. Jungkook sentia sua alma doer por saber que ninguém aceitaria seu relacionamento, que seria julgado por todas as suas ações. Ele passou a viver algo do gênero quando seu pai descobriu e passou a tratá-lo diferente, como se não fosse mais filho dele. 

As piadinhas e ofensas, as ameaças para deixar Yoongi, as mentiras e os tapas. Tudo doía como o inferno, não entendia porque seu pai, seu próprio pai, não conseguia mais vê-lo da mesma forma. Talvez o amor que recebesse fosse apenas por conveniência. Se você tem algo a me oferecer, a me agradar, então eu o amo, porém, a partir do momento em que isso muda, em que você não me trouxer nenhum benefício eu tenho a obrigação de virar as costas para ti. Esse certamente era o pensamento que guiava a humanidade, ou grande parte dela. E era assim que o Jeon passou a enxergar as pessoas que se aproximavam de si, mesmo sabendo que poderia estar completamente engano, que julgar o próximo pela falta de empatia e amor que recebia de seu pai não era o correto, que Yoongi tinha razão e eles dariam um jeito, porém como?

E como das outras vezes o som do despertador tocou tirando Yoongi do mundo dos sonhos, o arrancando de volta para a vida dura e repetitiva. Desde que passou a trabalhar na galeria de arte que o moreno passou a ter sonhos com um garoto tatuagem e gentil que sempre parecia aquecer e melhor suas noites, como se seu subconsciente tivesse noção do quão acabado Yoongi estava e precisava de alguém para lhe recarregar. Parecia até mentira, no entanto, até o cheiro do perfume do rapaz era capaz de ser sentido, pronto para encher as narinas do moreno e trazer toda a calmaria para preencher o pequeno corpo. Entretanto aquela havia sido a primeira vez que o sonho tinha sido ruim, onde a angústia e o medo rondavam o jovem casal, pois estava mais do que óbvio que eles eram alguma coisa a mais do que amigos e pela forma como instintivamente o própria Min cuidava e tratava do outro, ele só poderia ser alguém de extrema importância para si. 

Yoongi nunca questionou ou foi atrás de saber o porquê de ter aqueles sonhos, todos tão vívidos e felizes, onde sempre encontrava-se em um lugar fazendo algo que gostava ou que lhe desafiava a sair de sua zona de conforto, pois era esse o maior problema do Min, ele já havia se acostumado com sua rotina e tinha medo de sair, de mudar aquilo, de rebelar-se contra si mesmo.  Era como se aquele rapaz viesse e tirasse todo esse conformismo e medo, lhe preenchendo de adrenalina e confiança. Yoongi desejava que ele fosse real. 

Mas no momento aquele não era o melhor assunto para ser aprofundado e deixou um suspiro cansado fluir de seus lábios, seria um longo dia e precisava se apressar, odiava atrasos e tinha compromissos importantíssimos a resolver, e isso incluía encontrar seu melhor amigo Seokjin para a única coisa que agitava sua semana: o dia de ócio.

Kim Seokjin era dono de uma pequena cafeteria no centro de Seul, administrativa o lugar desde que a mãe faleceu a alguns anos atrás e deixou o pequeno negócio da família em sua responsabilidade. Como normalmente a vida de jovem empresário não era fácil, inconscientemente ele e Yoongi passaram a ter uma tradição de tirar ao menos dois dias no mês para que pudessem fazer absolutamente nada.

O Min era artista plástico e fazia lindas esculturas para uma galeria de arte também no centro. As últimas semanas tinham sido difíceis já que uma grande exposição sobre a era de Joseon estava por vir e o moreno tinha diversas esculturas para fazer e finalizar. Estava tudo uma loucura e necessitava de um descanso e quando o mais velho lhe encheu de mensagens informando o quão exausto estava e necessitava urgentemente de uma pausa, Yoongi não pensou meia vez antes de responder que estava livre naquela quarta-feira. 

xxx

Yoongi ria de alguma piada de tio que Jin contava para si, os amigos encontravam-se em um barzinho após terem tirado o dia para relaxarem em um spa masculino. O local estava parcialmente vazio e o clima reconfortante só deixava tudo ainda melhor, amava ter aqueles momentos com o mais velho pois era quando sentia que o mundo não importava tanto. 

A conversa voltou a fluir após mais meia dúzia de piadas bobas antes que fosse novamente interrompida, mas dessa vez fora o celular de Seokjin que tocava loucamente. O Kim até mesmo assustou-se já que sempre deixava o telefone em modo não perturbe para que nada e nem ninguém lhe atrapalhasse.

— Alô? — Jin ao menos confirmou quem era, apenas atendeu, queria voltar a conversar com Yoongi e apenas focar em trabalho no dia seguinte. — O que? Como assim, Ggukie?

Yoongi apenas bebericou sua cerveja e deixou o olhar percorrer pelo pequeno salão, dando um pouco mais de privacidade para o amigo.

— Yoongie, desculpe-me, porém eu preciso ir. — O rapaz levantou-se rapidamente do banco que estava e já ia tirando a carteira do bolso, pronto para tirar algumas notas. — Meu amigo precisa muito que eu vá ajudá-lo, ele é quase como um irmão para mim. 

— Tudo bem, se quiser eu irei contigo. 

Jin deixou um riso doce fluir e virou para o Min, como o empresário amava o artista plástico, era como o seu irmão e o amava de tal forma. — Yoongie, eu precisarei viajar para conseguir ajudar este amigo, precisarei ir para a França. 

Yoongi encarou boquiaberto o outro. França? Como Seokjin conhecia alguém que morava na França?

— Não se preocupe, ok? Em menos de uma semana volto e sei que estarei pronto para outro dia de ócio, um onde poderei finalizar a noite com você. 

Por um segundo Yoongi sentiu uma necessidade quase sufocante de dizer que queria ir com o amigo, de largar tudo por aqui e viajar para outro país, conhecer lugares novos e cheiros diferentes. Mas a razão gritou loucamente e isso o calou por breves segundos. Suspirou pesadamente e sentiu a covardia lhe abraçar como se fizesse parte de si. 

— Yoongie? 

Com um único gole, o Min finalizou a cerveja que restava em seu copo e olhou para o mais velho, ele só precisava de vinte segundos de coragem e nada mais. 

— Eu vou com você. 

xxx

Aquilo era loucura e infelizmente não havia volta. O avião já tinha decolado e naquele instante os coreanos se encontravam a caminho de Paris, atual cidade onde residia o tal amigo do Kim. Ele não fazia ideia do que havia acontecido com o outro rapaz e nem ousou questionar Jin, o empresário estava com os nervos à flor da pele, batucando os dedos no joelho direito e com o semblante sério. 

O voo demoraria muito e Yoongi tinha tempo suficiente para pôr seus pensamentos em ordens além de organizar uma pequena listinha com coisas do trabalho que precisava resolver.  Não tinha avisado ninguém ou pego qualquer equipamento, tinha levado apenas um mala média com roupas para no máximo duas semanas e alguns blocos de desenho além de seu kit compacto de lápis. Ao menos alguns esboços poderia fazer. 

— Yoongie desculpe por simplesmente estar um porre, o assunto é sério e complicado, mas assim que o avião pousar meu amigo nos levará até a casa dele e você poderá resolver suas coisas enquanto eu resolvo as do pirralho, Jungkook apenas se metendo em confusões nos piores momentos. 

O moreno acenou positivamente, sabendo que provavelmente não seria útil para o amigo e que ficar quieto seria o melhor para o mais velho, se tivesse a chance de se tiver sozinho enquanto Seokjin tratava de seus problemas.

— Não se preocupe, ok? Eu vou me virar sozinho e pretendo não te atrapalhar, se eu conseguir um lugar calmo para desenvolver meus rascunhos ou até mesmo um pouco de argila, poderei fazer milagres. — ambos deixaram a gargalhada preencher o pequeno vão que os separava e Seokjin sorriu verdadeiramente mais aliviado para o amigo.

— Namjoon irá nos buscar no aeroporto, ele é curador de arte e provavelmente pode lhe arranjar tudo o que precisa para fazer seus esboços em paz. Tenho certeza de que não será incômodo algum.

Um problema a menos para si, talvez esse tal Namjoon até mesmo pudesse entrar em contato com a galeria que o Min trabalhava e o ajudava a amenizar a bronca de levaria.

— Inclusive, obrigado por não questionar sobre o que nos trouxe a França, infelizmente não é um assunto inteiramente meu mesmo que me envolve, é algo que apenas Jungkook pode contar. 

Aquele nome não era estranho. Jungkook. Quantos deveriam haver pelo mundo? Quantos deles poderiam levar aquela sensação de conforto e djavu para Yoongi? 

— Não se preocupe, hyung, eu precisava sair, conhecer mais do mundo e me inspirar mais também. Estamos chegando no ápice da produção da exposição e sentia que iria enlouquecer se continuasse no meu ateliê trabalhando loucamente. 

Ambos sorriram pequeno e voltaram a se perder em seus pensamentos, um pouco mais aliviados do que momentos atrás.

xxx

O voo tinha sido extremamente cansativo e longo, fazendo Yoongi agradecer quando pôde enfim esticar os músculos e caminhar um pouco, sua bunda estava dormente e aquilo lhe tirava o humor. 

Após pegarem as malas e enfim se encaminharem para a saída do aeroporto, Yoongi notou que até então não sabia falar francês e isso só complicaria as coisas para si, já que não iria de modo algum incomodar Seokjin, mesmo tendo ciência que seu inglês era razoável. 

— Namjoon está nos esperando no estacionamento, vou pedir para ele me deixar na delegacia e você irá direto para a casa dele, nos encontramos mais tarde. 

Delegacia? O que esse tal Jungkook havia feito para ter ido parar na delegacia?

Aquela pergunta seria respondida em breve, então por hora Yoongi apenas deixou a curiosidade de lado e acenou rapidamente, tratando de acelerar o passo para acompanhar o outro.

Kim Namjoon era um rapaz adorável que tinha as covinhas mais lindas do mundo e Yoongi não podia negar. Por conta da pressa de Jin a apresentação foi feita superficialmente, dando tempo apenas de ambos trocarem um aperto de mãos desleixado antes que entrassem no carro e rumassem a delegacia. 

Yoongi não saiu do carro, apenas se despediu de Jin quando chegaram no destino e logo Namjoon estava puxando assunto enquanto rumava para seu apartamento. 

Era um grande e confortável  apartamento na área residencial de Paris, um condomínio bonito e calmo. O Kim tinha escolhido bem e soube com perfeição organizar e decorar seu cantinho. Tinha plantinhas e estantes com livros espalhados pelo local todo, o ambiente era claro e em tons de bege, trazendo uma sensação de segurança. 

— Seu apartamento é lindo. 

Namjoon até tentou esconder o sorriso, mas era impossível fingir que não gostava dos elogios que recebia sobre como sua casa era bonita.

— Obrigado. — o rapaz sumiu por uma das portas que tinha aberto e voltou segundos depois com um gatinho branco. — Essa lindinha estava deitada no único quarto de hóspedes disponível, que é o seu no caso, Seokjin hyung irá dormir no antigo quarto do Jungkook. 

Yoongi sabia até então apenas três coisas sobre esse tal Jungkook, primeiro: ele era amigo de infância de Namjoon e Seokjin; segundo: ele provavelmente era um garoto problema pela forma como Jin tinha se referido a ele momentos antes e terceiro: ele morou com Namjoon. Eram informações básicas porém tudo o que tinham deixado escapar para si.

— Tudo bem, pode deixar ela lá, amo gatos e com toda certeza será uma incrível companhia. 

— Marguerite é muito folgada e pode exigir muita atenção e carinho. 

Os homens riram quando a gata miou no colo do dono como se entendesse que falavam dela. 

xxx

A tarde passou rapidamente e logo a noite chegou, trazendo todo o cansaço que o voo e o fuso horário causaram nos viajantes. Tanto o Min quanto o Kim mais novo passaram o dia todo no apartamento conversando e dando carinho a Marguerite, que estava mais dengosa que o normal. 

Seokjin chegou tarde da noite, parecia super cansado e estressado, os ombros estavam baixos e sua jaqueta de couro estava sendo segurada por sua mão esquerda, os primeiros botões da camisa estavam abertos mostrando o início de seu peito. 

— O que houve? Cadê o Jungkook? — Namjoon foi o primeiro a quebrar os silêncio, correndo até Seokjin e fazendo o mais velho lhe encarar tristemente. 

— No apartamento dele, disse que precisava ficar sozinho antes de te encontrar e que sente muito. 

— Ele não é mais uma criança e continua se metendo nesse tipo de coisa, terá um dia que não vamos poder fazer algo por ele, e quando esse momento chegar eu nem sei o que farei ou como ele ficará. 

O Kim mais novo soou apreensivo e irritado, sentando novamente no sofá e tendo Jin ao seu lado, que pela primeira vez desde que chegou encarou Yoongi. 

— Segundo ele isso não acontecerá mais, e eu também o chamei para morar comigo na Coreia. 

Yoongi sentiu o clima mudar e aquilo foi a deixa para que o artista saísse da sala e dar mais privacidade aos amigos. 

Após uma rápida despedida e um afago em Marguerite que o acompanhou até o quarto, o Min se viu ainda mais pensativo em relação a esse tal Jungkook, o que ele poderia ter feito de tão errado para até mesmo Seokjin cogitar levá-lo para a Coreia consigo?

Naquela noite Yoongi sonhou com um garoto gentil e que ria de alguma piada besta que o mesmo contava, parecia até mesmo as piadas que Jin contava para si. Os dentinhos de coelho a mostra fazia contraste as diversas tatuagens que o rapaz tinha e outra coisa que também chocou Yoongi foi que o homem à sua frente falava francês perfeitamente e ele sentia que aquilo era algo recente, como se aquele momento ainda fosse acontecer na vida real. Algo completamente diferente de seus outros sonhos que o fazia se sentir que vivia em uma época diferente. 

XXX

Na manhã seguinte Yoongi acordou com Namjoon batendo em sua porta lhe chamando para conhecer Paris, o Kim havia separado alguns lugares que levaria o Min enquanto Jin terminava de resolver seus assuntos, fazendo o moreno sorrir animado com a ideia de conhecer um lugar tão bonito e famoso como Paris. 

Após o café da manhã delicioso que o Kim mais velho deixou para os mais novos, os recém amigos partiram em busca de visitar todos os lugares da média listinha feita por Namjoon.

Dizer que Yoongi não amou cada ponto turístico ou não turístico que o Kim lhe apresentou seria mentira. O Min se encantou por cada cantinho da Paris e por breves segundos cogitou largar tudo e mudar-se de vez para a França, mas descartou tal ideia após lembrar que não aguentaria por muito tempo, tinha noção que só sabia viver na Coreia e gostava disso, outros lugares eram bons apenas para ficar na lembrança. 

A dupla encontrou com Seokjin quando a tarde se despedia e a noite os cumprimentava preguiçosamente. O céu completamente escuro e sem quase nenhuma estrela a vista mostravam que choveria em breve e Yoongi não estava mais errado, foi apenas o tempo deles encontrarem a lanchonete escolhida pelo Kim mais novo que o mundo pareceu desabar do lado de fora do estabelecimento.

A lanchonete estava lotada e transmitia um ar de aconchego, o cheiro de batata frita no ar e o som das risadas alheias davam um gás em Yoongi o deixando elétrico sem nem ao menos desejar. Os pelinhos de seus braços totalmente arrepiados com o clima gostoso que o lugar lhe passava era até bonito de ver e pela primeira vez no dia Seokjin sorriu verdadeiramente feliz ao notar que ao menos Yoongi estava gostando da viagem. O mais novo tinha demonstrado amar conhecer Paris junto de Namjoon e segundo a rápida conversa que conseguiu ter com o Min, o mesmo tinha material de sobra para se inspirar e fazer o que precisava, tinha sido muito mais eficaz do que o spa que visitaram uns dias atrás. 

— O local está lotado, será que tem algum lugar vago? Ficarei muito triste se não pudermos ficar aqui. — comentou em coreano dando pequenos pulinhos involuntários.

Namjoon deixou um riso baixinho escapar e virou-se para a garota que estava parada próximo ao caixa e tinha o uniforme impecável sobre seu corpo. 

— S'il vous plaît, avez-vous encore des tables disponibles?* (Por favor, ainda tem mesas disponíveis?)

A jovem assentiu logo após responder uma positiva, coisa que Yoongi julgou ser pois a mesma passou a caminhar em direção ao fundo do estabelecimento enquanto comentava algo em francês com Namjoon que respondia docemente. Assim que chegarem próximo a escada que dava em direção ao segundo andar, a menina parou e apontou para uma mesa ao lado da janela de vidro decorada lindamente. Tudo no lugar levava Yoongi e os dois Kim ao anos oitenta. 

Deixaram a conversa correr calmamente conforme esperavam a chegada de Jungkook que não demorou muito. E certamente foi ali que a vida de ambos mudou drasticamente. 

O francês vestia sua melhor jaqueta de couro, a blusa branca por baixo quase transparente por estar molhada lhe dava um ar sexy e com toda certeza aquilo desnorteava o Min. A calça jeans escura combinava com o all star cano longo que parecia encharcado já que o Jeon não ligava muito para as poças d'água que pisava. 

Ótimo, de qual romance adolescente ele tinha saído? 

Por um momento Yoongi não percebeu que tinha algo de muito errado, e só veio notar quando o Jeon estava sentado à sua frente enquanto olhava o cardápio. Ele era exatamente igual ao garoto dos sonhos que o Min estava tendo desde que formou-se na universidade, os mesmos olhinhos de jabuticaba que o moreno passou a amar e que parecia abrir uma constelação inteirinho neles; os mesmos lábios carnudos que cobriam levemente os dentinhos salientes e que recordam o de um coelhinho fofo; as tatuagens distribuídas pelos braços e algumas visíveis na área da barriga por conta da camisa molhada. Ele era o rapaz que o Min estava sonhando e Yoongi não conseguia acreditar, como poderia ser possível? Ele nunca ao menos o viu na vida e tinha passado anos sonhando com aquele rapaz que não sabia nada. 

Como aquilo era possível? Que brincadeira de mau gosto da Divindade era aquela? Existia alguma coisa que pudesse justificar aquela loucura toda? Algo que pudesse explicar o porquê da pessoa que mais fazia o Yoongi feliz inconscientemente estava bem à frente do mesmo e sem fazer a mínima ideia de quem ele era. 

— Yoongi?

 


Notas Finais


obg a quem chegou até aqui e até o próximo capítulo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...