História Chains - Capítulo 16


Escrita por:

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Personagens Originais
Tags Amor Proibido, Casamento Falso, Drama, Romance
Visualizações 813
Palavras 2.673
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


E hoje tem Chains de novo simmmmm, êêê!!! Gente, eu não reviso os capítulos então contém alguns errinhos e palavras trocadas, desculpe ❤

Leiam as notas finais!

Capítulo 16 - "Minha mulher"


Fanfic / Fanfiction Chains - Capítulo 16 - "Minha mulher"

Olhei para o lado completamente surpresa, Justin estava na minha frente com um olhar nada bom para o homem que apertava o meu braço com força. Por um lado eu estava feliz por ouvir aquelas palavras, causou um alvoroço dentro de mim, fazendo com que meu estômago contraísse, como se houvessem várias borboletas voando dentro de mim. Mas por outro lado eu estava assustada com o que poderia acontecer à seguir. Eu não estava completamente lúcida, mas não precisava estar para saber que ia dar problema.

O homem apertou meu braço com mais força, me deixando mais assustada ainda e Bieber pareceu notar isso, pois trincou o maxilar e sua feição mudou de raivosa para furiosa. Eu temia uma briga mais do que tudo nesse momento, uma briga chamaria muita atenção nessa boate e isso com certeza seria notícia amanhã, nada mais nada menos pelo simples fato de eu estar envolvida. Ou melhor, ser a principal causa da briga e isso não seria nada, nada bom.

— Eu mandei você soltar a minha mulher, porra! — o loiro cuspiu as palavras, repetindo a fala anterior, o que me fez ter a mesma reação de antes também.

O homem riu alto.

— Sua mulher? Não seja idiota, cara. Eu vi essa donzela a noite inteira sozinha e dançando com vários caras. Tem certeza que é sua?

— Sim, eu tenho — falou firme — agora solta a minha mulher antes que as coisas se compliquem para você.

"minha mulher"

— Antes que as coisas se compliquem para mim? Você é só mais um daqueles playboyzinhos metido a valentão, vai mesmo entrar nessa? — o cara riu sarcasticamente e eu pude notar Justin sorrir de lado.

— Isso mesmo, um playboyzinho metido a valentão que conhece muita gente. — ele fez um gesto com a mão e logo os seguranças da boate apareceram ao seu lado.

— Algum problema, Sr. Bieber? — um deles falou.

— Sim, esse cara não sabe respeitar o que é dos outros. Podem o mostrar a saída? Kristal odiaria pessoas desse tipo na boate dela. — seu sorriso vitorioso enlargueceu quando o homem soltou o meu braço e fez uma expressão raivosa.

— Riquinho de merda! — ele cuspiu as palavras antes de ser levado pelos seguranças. Justin levantou o copo para ele em gesto de saudação e depois bebeu o líquido do mesmo, colocando seus olhos em mim.

Olhei para o meu braço, que estava vermelho, na tentativa de fugir do seu olhar. Eu ainda me sentia magoada, por mais que parecesse besteira.

— Você está bem? — senti ele se aproximar e seu cheiro invadir as minhas narinas, o que causou um forte enjoo e por estar perto da saída eu rapidamente corri para fora da boate. Um vento forte me atingiu e quando eu senti o ar livre o enjoo passou.

Quando estou nervosa por algo ou com raiva, qualquer coisa me deixa enjoada. Isso é um sério problema de ansiedade meu.

— O que houve? — ouvi sua voz atrás de mim e por algum motivo meu corpo arrepiou e um bolo se formou em minha garganta. — Você está bem? 

Droga, Paige. Você não pode chorar na frente dele, não pode! Maldito álcool, me deixou mais sensível do que o normal.

Talvez seja pelo fato da minha vida estar uma merda e chorar faz parte, principalmente estando bêbada.

— Sim, eu estou. — respondi seca, tentando disfarçar os sentimentos que me dominavam naquele momento.

— Você não me pareceu bem. — segurou meu braço e me virou para que pudesse me olhar.

Encarar seus olhos parecia ser a pior coisa do mundo. Que porra de sentimentos são esses, Paige? Você não tem porque estar assim, se controla.

— O que você estava fazendo com aquele homem? — seu tom me fez rir.

— Você não viu que eu estava sendo obrigada a estar naquela situação? — falei sarcástica.

— Ele poderia ter te levado se eu não estivesse por perto. — me repreendeu e eu ri mais.

— E você se importa?

— Claro que me importo. Que diabos, Paige? — ele grunhiu — Por que está agindo assim? Por que saiu daquele jeito lá de casa? 

— Tudo isso é sua culpa! — abracei meu corpo quando senti meus olhos arderem — Se não tivesse entrado na minha vida eu não estaria assim. Desde que você apareceu tudo virou de cabeça para baixo, se tornando um enorme caos.

Meu tom de voz chamou atenção de algumas pessoas que olharam estranho.

— Ainda não consigo entender o que eu te fiz. — sua expressão era confusa e eu revirei os olhos, dando as costas.

Já estávamos chamando atenção demais, não queria correr o risco de amanhã isso ser notícia nos jornais.

— Aonde você está indo? Eu quero conversar. — puxou meu braço e eu senti a raiva me consumir.

— Será que dá para você me soltar? Eu quero ir para casa, não tenho nada para conversar com você! — elevei o tom de voz e consequentemente algumas lágrimas caíram. 

Droga, Paige!

— Por que você está chorando? Aquele cara te machucou?

Ele parecia preocupado, mas eu sentia tanta mágoa que parecia que ia explodir. 

— O único cara que me machucou foi você! — joguei as palavras com fúria e ele esboçou uma feição surpresa.

— Eu? O que eu te fiz, mulher? Está louca?

Fechei os olhos, sentindo as lágrimas escorrem pela minha face.

— Será que vocês, homens, nunca poderão ficar com uma mulher só? Nunca se contentarão apenas com uma? — a tristeza transpareceu mais do que deveria.

— Ah, então você está assim pelo que eu disse de sermos um lance? — riu — Qual é, Paige? Você é casada! Não é como se fôssemos namorar e assumir para o mundo inteiro saber. Você sabe que é impossível.

Suas palavras se tornaram um enorme peso, me deixando pior do que eu já estava.

— O meu casamento é uma droga!

— Claro que é, se não fosse você não transaria comigo!

A raiva me consumiu ainda mais. Homens conseguem piorar a situação ainda mais apenas com simples palavras.

— Então é assim que você me vê? Apenas uma transa?

— E não é assim que você me vê? — perguntou, de braços cruzados e eu revirei os olhos grunhindo.

— Não seu idiota! Será que você ainda não percebeu que eu me apaixonei por você? — as palavras saíram sem que eu me desse conta e ao notar sua expressão eu me arrependi de cada letra que eu falei.

As lágrimas continuaram a cair pela sua falta de resposta e eu virei as costas, indo em direção ao meu carro.

Quando estava abrindo a porta do carro, senti um corpo atrás de mim e o mesmo perfume tomar o lugar do gás oxigênio.

— Eu não sei como reagir a isso, me desculpe. — tocou meus ombros e consequentemente meus pelos arrepiaram. — Você é a mulher mais complexa e estranhamente atraente que eu já conheci na minha vida. Nunca pensei que você se apaixonaria por mim pois sempre imaginei que Ross fosse o amor da sua vida, como diz nas revistas.

Fechei os olhos e mais lágrimas desceram, me lembrar do meu casamento me deixava destruída.

— Ross sempre me traiu, Justin. Ele não parece se contentar apenas comigo, as vezes me sinto como se não fosse mulher o suficiente para ele.

Justin desceu as mãos dos meus ombros para a minha cintura, onde apertou forte me fazendo comprimir os lábios

— Não diga isso, você é a mulher mais gostosa com quem já transei. — ri nasalado em meio as lágrimas. Ele realmente não sabe ser romântico. — E se serve de consolo, desde que começamos a ficar você tem tomado boa parte do meu tempo. Você é a única que eu estava tendo algum tipo de relação.

Suspirei.

— E Alyssa?

Ele riu.

— Eu sabia que me perguntaria isso. Mas faz tempo que não tenho nada com Alyssa, quer dizer, não depois que você apareceu.

— Então eu sou seu único lance?

Justin colou nossos corpos e eu soltei um suspiro alto, sentir o calor do seu corpo provocava reações no meu que me deixam louca.

— Estava sendo. — beijou meu ombro — Eu quero que você entenda que não temos nada definido e nem teremos pois é impossível, você é casada e agora eu serei pai. Não podemos nos apaixonar um pelo outro, Paige. Seria tortura. — ele falava baixinho no meu ouvido e eu me sinto tocada. 

— Mas eu já estou. — choraminguei.

— Você acha que está! O que está sentindo é uma mistura de sentimentos porque você finalmente achou em mim o que o Ross não te dava. As vezes os sentimentos se confundem, principalmente quando há sexo envolvido. — sua mão desceu para o meu quadril e seus dedos apertaram aquela área, me fazendo morder o lábio inferior.

— Não fala assim. — repreendo. — Eu não consigo descrever o que eu senti quando descobri que você vai ser pai. Eu gosto do que temos e de alguma forma eu me senti ameaçada, não gosto da ideia de te imaginar com Alyssa e nem com nenhuma outra.

Ele beijou meu pescoço e prensou seu quadril na minha bunda, fazendo-me sentir sua excitação.

— Não sabia que era tão possessiva. — mordeu meu pescoço — Eu também sou. Não gostei nada de ver aquele homem com as mãos em você. Então podemos ficar apenas um com o outro, parece bom para você?

Suspirei quando senti sua mão massagear meu seio, rebolei levemente e o ouvi soltar um um gemido baixo.

— Então o que temos não vai acabar?

— Não. — lambeu o lóbulo da minha orelha e eu me arrepiei inteira. — E aí? O que me diz?

— Parece ótimo para mim.

Com minhas palavras, Justin me virou de frente para ele e me beijou lentamente. Levou suas mãos até as minhas coxas e me deu impulso para que eu sentasse no capô do carro, ele ficou entre as minhas pernas e levou as mãos ao interior das minhas coxas, fazendo o meio de minhas pernas se contorcer. Bieber desceu os beijos para o meu pescoço e distribuiu lambidas e chupadas extremamente deliciosas naquele local, o meu pescoço era o meu ponto fraco então instantaneamente meu corpo inteiro estava arrepiado.

Uma de suas mãos subiu para o meu seio esquerdo, o massageando de vagar, a outra puxou a barra da minha calcinha, causando uma leve contração no meu ventre. Justin fazia tudo bom uma maestria impecável, cada movimento seu me deixava cada vez mais molhada e em chamas. Meu corpo parecia que à qualquer momento pegaria fogo de tão quente que eu me sentia. Seu sexo me leva ao inferno e ao paraíso ao mesmo tempo, é viciante a forma que os nossos corpos pegam fogo juntos.

Seus dedos puxaram a minha calcinha para o lado e logo sinto-os massagear o meu clitóris, que faz o meu corpo inteiro tremer e um gemido fraco sair. Minhas mãos vão até a sua nuca e com minhas unhas a arranho com força, fazendo com que um gemido rouco escapasse no meu ouvido. Beijo seus lábios urgentemente e a minha vontade de tê-lo dentro de mim só aumenta cada vez mais.

— Você gosta disso, Skye? — sua voz rouca ecoa no meu ouvido e ele massageia meu clitóris com mais força, me fazendo gemer baixinho em seu ouvido.

Fecho os olhos quando sinto dois dedos me invadirem, seus lábios descem para o meu pescoço e eu sinto minha pele doer usando seus dentes mordem meu pescoço sensível.

— Responde.

Sua voz firme e rouca num tom baixo próximo a orelha faz com que a minha vagina se contorça.

— Sim, isso é maravilhoso. — minha voz sai estendida e quase inaudível.

Eu não estava conseguindo raciocinar e sentia o meu orgasmo próximo.

Bieber aumentou os movimentos no meu clitóris e distribuiu várias lambidas no meu pescoço, apertei minhas unhas nos seus ombros quando senti o orgasmo me atingir em cheio. Meu gemido em seu ouvido o fez rosnar e puxar meu corpo para o chão, tirando-me do capô do carro.

— Me dá a chave do seu carro. — pede com pressa.

Minhas pernas ainda estavam bambas e meus lábios tremiam.

— Para quê? — ajeito a barra do vestido em meu corpo que até então estava na minha cintura.

Você quer que eu te foda no meio da rua?

Com suas palavras, minha boceta se contraiu e o líquido da excitação desceu nas minhas coxas.

Não seria uma má ideia. — respondi em meio a um sorriso malicioso.

Naquele momento eu não estava pensando nas consequências, alguém poderia nos ver e nos reconhecer, mas a sensação de ser pega deixava tudo mais excitante.

— Você me enlouquece, Paige Crawford! — sua voz saiu mais rouca que o normal e seus olhos brilharam em luxúria.

Ele mordeu os lábios e me virou de costas bruscamente, empurrou minhas costas, fazendo com que eu pusesse as mãos no capô do carro e ficasse inclinada. Justin levantou meu vestido e rasgou minha calcinha a jogando em algum lugar da rua. Quando menos esperei, senti a cabeça do seu pau na minha entrada e movimentos de cima para baixo, me fazendo rebolar vigorosamente em busca de mais fricção.

Ele entrou de vagar e inicialmente em movimentos lentos, causando fortes contrações dentro de mim. Eu temia baixo junto a ele, que me enlouquecia gemendo no meu ouvido com aquela voz rouca que me deixava louca. Justin acelerou seus movimentos e passou a meter com força, revirei meus olhos de prazer e arranhei o capô do carro com minhas unhas.

Uma de suas mãos subiu até meu seio e o apertou forte, me fazendo gemer alto em resposta. Senti um tapa forte em minha bunda e a ardência tomou de conta do local, deixando-me ainda mais excitada do que já estava. Talvez eu seja um pouco masoquista, sempre achei que a dor e o prazer fossem um ótimo casal.

O barulho do meu carro sendo destravado me deu um enorme susto, fazendo-me questionar como ele havia sido destravado.

Olhei para Justin por cima dos ombros e ele tinha um sorriso sacana no rosto, uma de suas mãos segurava a chave do meu carro.

— Com...

Me interrompeu.

— Eu quero que você sente em mim. Agora!

Meteu com força e saiu de dentro de mim, fazendo-me gemer em reprovação. Bieber entrou dentro do carro, fazendo movimentos de cima para baixo em seu pau, me deixando com água na boca. Ele sentou no banco do motorista e sorriu malicioso para mim, que rapidamente obedeci o seu comando e entrei dentro do carro, me posicionando em seu colo. Justin fechou a porta do carro e beijou meus lábios de forma rápida. 

— De vagar.

Segurou minha cintura com as duas mãos e me ajudou a descer sobre seu pau, que estava duro feito pedra apontando para mim. Gemi quando senti-o entrar de vagar me preenchendo aos poucos, parecia tortura cada pedacinho que entrava lentamente dentro de mim.

— Você tem noção do quanto é gostosa e tira o meu juízo com esse corpo? — sua voz mansa me fez fechar os olhos.

Senti suas mãos na minha bunda, a apertando forte e me ajudando nos movimentos que iam aumentando gradativamente. Seu pau entrava rasgando meu espaço interior, que se contraia cada vez que ele gemia no meu ouvido.

Rebolei com força no seu pau, fazendo-o tricar o maxilar e ranger meu nome, contrai minha intimidade em resposta e ele apertou a minha cintura com uma força bruta que me deixou maluca. Justin distribuiu tapa atrás de tapa em minha bunda e eu rebolei com mais força, ele mordeu meu pescoço e segurou minha cintura me fazendo parar, então começou a se movimentar de baixo de mim rapidamente, me fazendo gemer alto.

Meu orgasmo chegou quando senti um tapa e um chupão delicioso em meu pescoço, contrai minha intimidade sentindo meu corpo inteiro tremer, então senti seu líquido me invadir e um gemido desesperado em meu ouvido. Meu coração estava acelerado e a minha respiração entrecortada. Tinha sido a melhor foda da minha vida.

— Não faça isso comigo, Paige. — ele disse baixo, apertando seu corpo contra o meu.

— O que? — perguntei confusa e ele olhou no fundo dos meus olhos, desviando em seguida.

Suspirou alto.

Que eu me apaixone por você. 


Notas Finais


Eitaaaaaaaaa! E agora?
Ele não está apaixonado por ela, pelo menos não ainda mas a Paige está sim apaixonada por ele. Se ela é trouxa? Eu não sei, ela sou eu em relação a relacionamentos então não respondam essa pergunta ok? Eu sei que sou trouxa. HAHAHAHAHHA

Obrigada pelos 900 favoritos, será que chegaremos em 1000 daqui para o final da fanfic? Chains não será muito longa e o fim está próximo.

Eu peço POR FAVOR que digam as opiniões de vocês sobre o que aconteceu até agora e sobre o que vocês acham que vai acontecer daqui pra frente. Sério, gente, é importante saber o que vocês estão achando. SPOILER: uma nova pessoa vai chegar em breve na história. Opiniões?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...