História Chains (Fanfic com Kim Taehyung) - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Emeraude Toubia
Personagens Emeraude Toubia, Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Briga, Casamento Arranjado, Drama, Gravidez, Revelaçoes, Romance, Tragedia, Traição
Visualizações 345
Palavras 3.734
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oii amores! Prontas para saberem da real história entre Pan e Josh? Se preparem porque é um pouco pesada!! Acho que vocês irão gostar das atitudes do Tae nesse cap e odiar a nova personagem que vai entrar pra abalar mais ainda a vida do casal!!

Tenham uma boa leitura! ❤❤

Capítulo 7 - Eu vou trazer o inferno para a Terra


Fanfic / Fanfiction Chains (Fanfic com Kim Taehyung) - Capítulo 7 - Eu vou trazer o inferno para a Terra

P.O.V'S Kim Taehyung

Seattle, Washington, EUA

31 de julho de 2016

Domingo, 02:45 PM

Casa do Taehyung

Continuo a encarar a Callahan fixamente, esperando uma resposta sua. Eu havia ouvido parte da conversa dela com a mãe e escutei sobre esse tal de Josh. Pelo modo como Pandora falava dele algo de muito ruim devia ter acontecido com os dois. A morena continuava a me olhar sem dizer sequer uma palavra.

- Me responda. Quem é Josh? – torno a perguntar.

- Eu não quero falar sobre isso Taehyung – Pandora diz retirando seus tênis e se sentando no sofá – Podemos só esquecer isso?

- Não, não podemos Callahan. Eu ouvi sua mãe dizer que é proibido tocar nesse nome na casa dela, mas agora estamos em casa e eu quero saber quem é ele – dito seriamente. A morena suspira – Vamos lá Callahan. Quem é Josh e o que ele fez com você? – insisto.

- Eu realmente não quero falar disso agora Taehyung – a morena se levanta novamente e tenta passar por mim. Seguro seu pulso, impedindo-a – Por favor, não dificulte as coisas Kim.

- Eu não estou dificultando nada Pandora, você quem está – respondo, fitando os seus olhos intensos – Me conta o que esse cara fez com você – peço.

- Ele me batia. Era isso o que queria ouvir Taehyung? – grita exasperada. Seus olhos rapidamente lacrimejam e posso notar seus lábios tremerem. Juro por Deus que eu senti uma sensação horrível no peito quando ela soltou aquelas palavras tão dolorosamente – Ele me agredia, me deixava marcas por todo o corpo, jogava na minha cara o quão inútil e dependente dele eu era, ele deixou traumas profundos em meu psicológico Taehyung – sua respiração aumenta de frequência enquanto ela diz tudo aquilo.

- Ele o que? – grito indignado com aquilo.

- Isso mesmo que ouviu. Ele me agredia até arrancar sangue em mim, até me ver toda roxa, machucada e quebrada. Dizia coisas horríveis pra mim – desabafa, chorando compulsivamente. Vê-la daquele jeito fazia meu peito se apertar – Josh fazia questão de me dizer todos os dias o quanto eu não prestava, o quanto ele era bom demais para mim. Ele fazia questão de esfregar todas as suas amantes na minha cara – dizia descontrolada. Minha vontade era de abraçar ela e não soltar mais – Eu fui obrigada a ficar trancada no quarto ao lado, enquanto ele fodia as vadias que levava para casa. Eu escutava ele gemendo todas as noites com as amantes dele, eu era obrigada a escutar tudo e suportar tudo calada.

- Como seus pais não desconfiaram disso Callahan? – indago, me aproximando mais dela e quebrando o pouco espaço existente – Me diz como seus pais não perceberam o que esse monstro fazia com você.

- Eu mentia para eles, Taehyung. Josh me obrigava a mentir para os meus próprios pais para não entrega-lo. Fiquei meses sem visitar os meus pais porque vivia marcada e tinha vergonha de ser agredida e ainda continuar com o agressor. Foi uma época horrível, meu pior momento. Emagreci muitos quilos, não queria saber de comer ou fazer qualquer outra coisa. Só queria me isolar e chorar – dizia com a voz falhada, percebi suas mãos trêmulas. Cada palavra que ela dizia me atingia como balas – Meus pais só foram se preocupar e saber da verdade no dia em que o Josh me agrediu tanto ao ponto de me deixar internada, em coma por um mês. Eu estava morta por dentro quando acordei Taehyung, uma mulher totalmente destruída. Achei que nunca mais fosse sair daquela, que nunca mais conseguiria me levantar e seguir em frente – ela enxuga as lágrimas e cai de joelhos no chão. Me ajoelho em sua frente e abraço seu corpo.

- Me desculpa Pan – beijo seus cabelos, abraçando seu corpo firmemente. A morena enterra seu rosto em meu peitoral – Esse monstro nunca mais vai machucar você. Agora eu estou aqui e prometo proteger você.

- Eu estou tão cansada... – murmura.

- Vou leva-la para o quarto meu bem – falei me levantando e pegando ela em meus braços. Levo Pandora para nosso quarto e desço ela do meu colo – Troque de roupa para você dormir um pouco Pan – digo, acariciando seu rosto.

Minha mulher começa a se despir ficando apenas de peças íntimas em minha frente. Peguei uma de minhas camisas e dei para ela vestir e a mesma sorriu tomando-a de minha mão. Observo-a abotoar os botões da camisa. Me deito e ela deita ao meu lado se aninhando em meu peito. Abraço seu corpo, acariciando seu braço vagarosamente.

- Uma última pergunta – falo, fazendo-a erguer o rosto. Pandora me encara sugestiva – Onde esse Josh está?

- Eu não sei – responde, deitando novamente em meu peitoral – Ele sumiu do mapa depois que pedi uma medida protetiva contra ele – diz.

- Hm... – murmuro, afagando seus cabelos – Dorme um pouco Pan – beijo seus cabelos e a aperto mais contra mim.

Estava sentindo um ódio enorme desse cara depois do que a Pan me disse. Como ele pôde agredir ela? Agora eu farei de tudo para encontrar esse cara e acabar com ele com minhas próprias mãos.

(...)

Casa do Taehyung, 05:00 PM

Retiro Pandora de cima de mim com cuidado para não acorda-la e me levanto. Depois de chorar ela acabou adormecendo, devia estar cansada. A história que ela me contou realmente mexeu comigo, me deixou abalado. Nunca imaginaria que algo assim pudesse ter acontecido a ela e agora que sei me sinto mal por ter tratado ela daquela maneira tão rude. Mas havia um sentimento predominante em meu peito agora, e esse sentimento é de puro ódio. Ódio desse tal de Josh e do que ele fez a ela, mas isso não ficará assim.

Me desfazendo dos pensamentos alcanço meu celular e mando uma mensagem para Namjoon pedindo que viesse até aqui. Precisaria dos serviços dele para encontrar esse Josh, nem que fosse no inferno. Ele vai pagar por tudo o que fez para a Pandora, por todas as agressões. Pode ter certeza que farei ele implorar por misericórdia quando o tiver em minhas mãos. Ele vai desejar nunca ter sequer cruzado o caminho de Pandora.

Entro em meu escritório e me sento atrás de minha mesa, relaxando sobre a mesma. Escoro o cotovelo no braço da cadeira e coço meu queixo. Suspiro pensando em tudo o que a minha mulher havia dito. Nossa, aquilo me chateou pra caralho. Nunca imaginei que fosse ficar tão afetado com algo relacionado a Callahan, mas aquilo foi realmente péssimo.

- Sr. Kim, o Namjoon está lá na sala – Guadalupe diz aparecendo na porta.

- Mande-o entrar, Guadalupe – ordenei.

A senhora me dá as costas e vai fazer o que mandei, poucos minutos seguintes e Namjoon está entrando no escritório. Observo-o caminhar até mim e se sentar em minha frente.

- Do que precisa? – ele é direto.

- Preciso que localize uma pessoa para mim – o respondo, virando a cadeira corretamente e cruzando as mãos sobre a mesa – Josh Harvey.

- Posso perguntar quem é esse cara? – Namjoon me questiona. Fixo o olhar sério nele.

- Ele é ex-noivo da minha mulher – respondo, me recostando na cadeira – Quero que o encontre para mim, Namjoon. Nem que seja no inferno.

- Você só tem o nome dele Taehyung? – indaga e acabo por assentir – Posso ver o que faço por você, mas seria mais fácil se tivesse mais informações.

- Não deve ser tão difícil encontra-lo. Pandora me disse que pediu uma medida protetiva contra ele, então creio que ele seja fichado – digo, fazendo o mais velho assentir – Pelo que entendi o cara sumiu do mapa, por isso preciso da sua ajuda.

- Isso não vai ser nada fácil Taehyung – Namjoon diz me encarando com firmeza – Encontrar alguém assim implica em muitas coisas.

- Eu não quero saber se é ou não difícil de localiza-lo – imponho rudemente. O ódio tomava conta de cada parte de mim – Quero que você faça o que mandei e o procure, nem que você tenha que descer até o inferno. Esse desgraçado vai pagar por tudo o que ele fez com a minha mulher, e eu farei questão de fazê-lo implorar por sua morte.

- O que você pretende fazer com esse tal Josh caso eu o encontre Taehyung? – questiona, encarando-me preocupado com a situação – O conheço bem para saber das loucuras que é capaz.

- O que eu vou fazer? – pergunto, rindo debochado – Eu vou trazer o inferno para a Terra, Namjoon. Quando eu tiver o desgraçado em minhas mãos farei questão de quebrar dedo por dedo dele, escutar todos os ossos dele se quebrando e por fim quero ter seu sangue escorrendo nas minhas mãos. Ele vai se arrepender até mesmo de ter nascido.

- Você está ficando louco? Está pensando em matar alguém assim a sangue frio? – pergunta indignado – Isso é loucura.

- Vai me ajudar ou não Kim? – questiono, já irritado – Sabe que vou encontrar ele de qualquer maneira, mesmo que você não me ajude.

- Tudo bem Taehyung. Eu vou ajudar você – concorda por fim, se levantando da cadeira em que estava – Mas ainda continuo achando isso uma loucura.

- Obrigado Namjoon – agradeço me levantando e apertando sua mão.

- Eu vou indo nessa, tenho que ir jantar na casa dos meus sogros – fala em explicação, apenas concordo – Vou procurar por esse cara e assim que eu tiver informações passo para você.

Dito isso ele se retira do meu escritório me deixando novamente sozinho. Me jogo novamente sobre a cadeira e trago o ar profundamente para meus pulmões. Passo a mão pelos cabelos e fecho os olhos por alguns segundos.

- Taehyung? – escuto a voz dela me chamando.

- No escritório – respondo, abrindo meus olhos e fitando a porta. Um tempo depois a morena aparece na porta com os cabelos soltos, ainda vestida com minha camisa. Pandora se escora no batente da porta – Vem cá, Callahan – chamo-a e ela caminha até mim – Senta aqui – bato a mão em minha perna.

A morena se senta em meu colo e fita meu rosto com atenção. Seguro sua nuca e colo nossos lábios. Movo minha boca sobre a sua vagarosamente, a medida que minha mão livre acaricia sua coxa nua. Pandora repousa suas mãos em meus cabelos fazendo carinho nos mesmos vagarosamente. Separo nossos lábios deixando minha testa repousada sobre a sua. Fito seus lábios avermelhados e em seguida seus olhos escuros.

- Quero que você suba para o nosso quarto, tome um banho e fique ainda mais gostosa do que você já é, Callahan – digo, encarando profundamente os seus olhos intensos – Vou levá-la para jantar fora.

- Sério? – seus olhos brilham intensamente.

- Muito sério querida – selo seus lábios com carinho – Agora suba.

- Tudo bem – concorda sorrindo animada.

A morena sela meus lábios mais uma vez antes de sair do escritório um tanto animada com a ideia de jantar fora. Sorrio.

P.O.V'S Pandora Callahan

Seattle, Washington, EUA

31 de julho de 2016

Domingo, 07:15 PM

Restaurante Cascina Spinasse

Comíamos em silêncio. Taehyung ainda parecia incomodado com a história que contei a ele. Eu notei que ele ficou visivelmente desconfortável e abalado com aquilo. Poucas pessoas sabiam da minha história com Josh e todas elas evitavam tal assunto. Reviver aquilo foi doloroso para mim, foi como se eu tivesse voltado ao meu passado. Ainda havia resquícios de dor e sofrimento em mim por aquilo e desenterrar aquela história foi péssimo.

- Está calada – Taehyung observa, bebendo um pouco do vinho de sua taça. Ergo o olhar e o encaro – Aconteceu alguma coisa?

- Não, eu... só estava pensando – murmurei, limpando o canto da boca – É que foi muito doloroso para mim reviver minha história com Josh. Eu não costumo falar disso com muitas pessoas e me abrir com você foi péssimo, mas ao mesmo tempo reconfortante – explico por fim, suspirando alto.

- Eu entendo você Callahan. Imagino o quão doloroso deve ter sido vivenciar algo assim – ele segura minha mão sobre a mesa. Fitei seus olhos brilhantes e intensos – Mas lembre-se do que eu disse a você. Não deixarei que ninguém a machuque mais, muito menos esse Josh – afirma me passando conforto.

- Obrigada Tae – agradeço sorrindo abertamente.

- Não tem que me agradecer. Você é minha mulher agora – diz, apertando minha mão – É minha obrigação proteger você, além disso eu quero mesmo protege-la.

- É bom ouvir isso – sorri e ele fez o mesmo.

Terminei de tomar meu vinho e pedimos nossas sobremesas. Após comer tudo ambos nos levantamos e fomos até o caixa. Taehyung se negou a aceitar que eu o ajudasse a pagar, portanto ele mesmo pagou.

- Taehyung? – escutamos uma voz feminina se pronunciar. Nos viramos.

- Chelsea? – Taehyung parecia surpreso em ver aquela garota.

- Surpreso baby? – indaga ela, claramente o provocando.

- Confesso que um pouco – responde passando a mão pelos cabelos – Fazia muito tempo que eu não via você.

- Eu estava na Europa, Kim. Depois que terminamos resolvi me mudar para lá – responde com normalidade. Ambos pareciam ter esquecido da minha presença ali, me fazendo revirar os olhos – Você está diferente. Parece mais maduro e está mais bonito – olho-a incrédula.

- Você está bonita também, Chelsea – volto meu olhar incrédulo ao Taehyung – O tempo fez bem a você.

- Será que eu atrapalho o casalzinho? – ironizo, enfim atraindo ambas as atenções.

- Quem é ela? – a loira indaga me olhando cínica.

- Pandora Callahan – o Kim me puxa pela cintura – Minha esposa.

- Então quer dizer que Kim Taehyung agora é casado? – a loira nojenta indaga, com o olhar preso em Taehyung – Espero que não tenha se casado com uma golpista – direciona seu olhar a mim, cheia de deboche.

- A única que tem cara de ser golpista aqui é você minha querida – revido no mesmo tom – Além de ter cara de golpista ainda é uma vadia sem sal.

- Vadia sem sal? – ri, me provocando. Meu sangue ferve – Minha querida você não tem moral alguma para me chamar de vadia. Você que parece uma vadia com esse vestido – alfineta.

- Minha mulher não é nenhuma vadia, Chelsea – Taehyung responde por mim, irritado – Mais respeito com ela, por favor.

- Olha só. Sendo defendida pelo maridinho – debocha, olhando diretamente para o Taehyung – Vejo que mudou bastante Taehyung.

- Pode ter certeza que sim – afirma, apertando minha cintura – Agora se nos dá licença, precisamos ir embora – o homem diz – Tenha uma boa noite.

- Sonhe comigo Kim – a loira provoca me olhando com deboche.

Eu até partiria para cima dela, mas Taehyung já estava me levando para fora junto com ele. O mesmo parecia um pouco abalado e irritado.

- Você é um cachorro – digo passando a frente dele e entrando em seu carro quando o mesmo destrava o alarme.

- Por que está dizendo isso Callahan? – indaga ao ocupar seu lugar.

- Acha que não percebi seus olhares para ela, hm? E que papo é esse de “o tempo fez bem a você”? – ironizo.

- Está brava comigo por isso? – indaga, pondo o carro em movimento – Relaxa Pan.

- Não, estou brava por ficar se engraçando com outra na minha frente – dito brava – Mas quer saber? Esquece.

(...)

Casa do Taehyung, 09:00 PM

Saio do carro de Taehyung batendo a porta com raiva. Viemos de lá até aqui discutindo por causa daquela garota. Ele havia me tirado do sério com aquele episódio no restaurante. Qual é a dele? O babaca estava praticamente flertando com outra na minha frente.

- Pandora dá pra gente conversar? – pergunta, pegando meu braço.

- Não temos o que conversar, Kim – grito enfurecida. Ele estreita os olhos em minha direção – Acha que vai me fazer de idiota, hm? Eu não vou mais aceitar isso.

- Pandora deixa de ser louca – ele pede. Taehyung havia mesmo me chamado de louca? – Você é paranoica demais garota.

- Louca? Vou te mostrar a louca – falo me soltando de sua mão. Agarro o taco de beisebol presente em um canto da garagem e o acerto no capô do Bentley dele amassando-o – Então eu sou uma louca? – gargalho irritada.

- Porra Pandora! Deixe de ser histérica – ele tenta se aproximar, mas me afasto e acerto os faróis do Bentley – Não faz isso. Me dá esse taco – pede vindo até mim.

- Não – nego, quebrando o vidro do carro – Seu cachorro – acerto o taco no retrovisor.

- Caralho, garota! Você ficou louca? – indaga, tomando o taco de beisebol da minha mão e agarrando meu pulso – Você tem noção que acaba de quebrar meu Bentley? Porra, Pandora. Era meu carro preferido.

- Eu não me importo se era seu carro preferido Taehyung – digo raivosa. O moreno fita-me irritado – A culpa é sua por ter se engraçado para cima daquela loira nojenta e sem sal – grito.

- Você não se importa Callahan? Então eu também não vou me importar em rasgar esse seu vestidinho – o Kim diz me jogando sobre o capô do outro carro e partindo meu vestido ao meio – Você me deixa de pau duro com suas provocações. Gostosa do caralho – o moreno acerta um tapa em minha coxa, apertando a mesma. Ele se desfez dos meus saltos.

Taehyung puxa-me pelo pescoço e cola seus lábios aos meus em um beijo voraz e ardente. Sua língua movia-se bruscamente dentro da minha boca. Arfo quando seus dedos grandes acariciam minha pele livre do pano do vestido. Eu estava quente e o contato das mãos frias dele era ótimo em minha pele. Arrepios percorriam por todo meu corpo com suas carícias leves. Taehyung desgruda nossos lábios.

Os dedos grandes do Taehyung afastam minha calcinha para o lado e habilmente ele abre sua calça e tira seu membro ereto para fora. O Kim ajeita meu quadril, puxando-o para ele e com força me penetra. Sinto uma pequena dor quando seu membro grande me invade pela falta de lubrificação. Ele move seu quadril para frente e para trás com rapidez, entrando e saindo de dentro de mim fortemente. Aperto os braços do moreno sentindo o prazer oferecido por ele.

- Não pode me tocar, Callahan. Você foi uma menina muito má hoje e merece punição – sua mão retira as minhas dele e as segura para cima – A única coisa que eu quero que faça agora é gemer enquanto eu te penetro fundo – diz mordendo meu lábio inferior.

Seu membro me invadia de maneira deliciosamente bruta, me proporcionando um prazer imenso. Minha intimidade latejava com os movimentos do moreno e tudo o que eu sabia fazer no momento era gemer. Meu olhar encontrou a escuridão de seus olhos, onde a luxúria predominava. Havia fogo em suas íris, contemplação e até mesmo alguns resquícios de paixão. Embora, a luxúria se sobressaísse em meio a toda aquela escuridão, ainda assim era notável a pouca paixão existente ali.

Minhas mãos presas impediam-me de poder tocar meu marido, porém aquilo não era ruim. Os lábios dele estavam novamente juntos aos meus, unidos em uma dança rápida e cheia de desejo. O gosto dele é incrivelmente bom e seus lábios macios sabiam trabalhar perfeitamente sobre os meus. O tecido de sua camisa acariciava minha pele totalmente exposta a ele, e meus poros se arrepiavam com aquilo.

- Você está ainda mais gostosa essa noite, querida – sussurra, ao afastar seus lábios dos meus – Porra Pan, você me enlouquece.

- Oh Tae, deixe-me tocar em você – praticamente suplico, com o prazer latejando sob a pele.

- Não baby – ele nega, mordendo meu lábio – Você só pode me sentir dentro de você agora, Pan.

Gemo em frustração, porém resolvo apenas aproveitar o prazer que ele me dava naquele momento. Seu membro me invadia com muita força, e era tão bom. Mordo meu lábio inferior controlando a enorme vontade que estava de poder toca-lo. Sua mão livre descia por minha pele exposta, me apertando em cada mínimo canto. Ele se abaixa e toma os meus lábios para si com urgência.

Ofego entre seus lábios com as sensações proporcionadas a mim. Sua língua acariciava minha boca com brutalidade, enquanto sua mão livre apertava meu quadril. O barulho de nossos corpos se chocando era excitante. Gemo quando ele morde meu lábio inferior e vai descendo seus beijos por meu busto. Ele puxa meu sutiã para baixo expondo meu seio e rapidamente começa a chupar o mesmo. Prendo minhas pernas em seu quadril e rebolo contra ele.

- Oh Pan... tão apertada – geme em meu ouvido. Mordo o lábio – Gostosa – sussurra olhando em meus olhos e selando meus lábios.

Taehyung aperta meu seio e fecho meus olhos apreciando a sensação. Meu baixo ventre se contrai e logo estou me desmanchando ao redor dele. Não demora para que seu líquido quente jorre dentro de mim. Seu corpo relaxa sobre o meu e sua mão enfim desfaz o aperto. Abraço suas costas respirando fundo.

- Deliciosa baby – sussurra, mordendo o lóbulo de minha orelha – Você me deixou exausto.

- Você quem me deixou – sussurro de volta, recuperando minhas forças.

Taehyung saiu de dentro de mim e me levantei, arrumando a calcinha e o sutiã nos lugares certos. Tirei o que restou do meu vestido jogando no chão. Taehyung também estava arrumando suas roupas no lugar certo.

- Você não usou camisinha né Kim? – O questionei, mesmo sabendo a resposta.

- Não – nega, suspiro – Somos casados Callahan. Relaxa.

- Tá, mas só durante três anos – observo e ele fita meu rosto – Imagina se você me engravida, como a criança ficaria com pais divorciados?

- Quem disse que eu vou me divorciar de você após o término do prazo? – Taehyung indaga, me fazendo encara-lo confusa – Agora você é minha, Pandora Callahan. Me entendeu? Completamente minha e um maldito contrato não irá definir o fim do nosso casamento.

- Achei que estivesse ansioso para se livrar desse compromisso – brinco. Ele ri baixo.

- Não estou mais – ele pega-me em seu colo e caminha em direção a porta que nos dá acesso direto na cozinha – Agora quero você só pra mim Pandora Callahan – diz, enquanto nos guia para o quarto.

- Acho que fizeram lavagem cerebral em você – brinco e acabamos rindo.

- Talvez... – concorda, selando meus lábios – Precisamos de um bom banho – observa me ponto no chão. Concordo.

Tiro o restante de minhas roupas e adentro o box, ligando o registro na água morna. Taehyung me acompanha, agarrando-me por trás e beijando o meu ombro. Deito a cabeça em seu ombro e direciono meu olhar ao seu.

- Você é linda, sabia?! – elogia. Sorrio abertamente, beijando sua bochecha.


Notas Finais


Amores espero que tenham gostado e desculpem qualquer errinho! Amo vocês!! ❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...